21 de setembro de 2018

95 Revelado: descubra agora quem eram os “espíritos em prisão” de 1ª Pedro 3:19!

(Spoiler)

Em 12 de março de 2016 eu postei este vídeo corrigindo um erro que cometi há oito anos atrás no livro “A Lenda da Imortalidade da Alma” (disponível na página dos livros), mais especificamente sobre os “espíritos em prisão”, mencionados em 1ª Pedro 3:19. No vídeo em questão eu antecipo que iria escrever um artigo mais elaborado sobre isso “nos próximos dias”... que duraram dois anos e meio, já que eu literalmente me esqueci completamente disso estive muito ocupado em projetos mais importantes.

No livro, cuja parte referente a 1ª Pedro 3:19 você pode conferir aqui, eu defendo que os espíritos em prisão eram as pessoas ímpias da época de Noé que receberam a pregação deste naquela época mas que se recusaram a ouvi-lo. Embora eu não descarte essa hipótese em absoluto, a considero muito menos plausível do que essa que apresentarei aqui, que faz muito mais sentido lógico à luz do contexto da passagem em si e da concatenação de ideias e textos da Escritura. Modéstia à parte, eu posso antecipar: mesmo que você discorde de cada palavra deste estudo, você não vai querer perder um parágrafo sequer. Você nunca mais vai ler nada parecido com isso em lugar nenhum, pelo menos não com a mesma profundidade.

Antes de continuarmos explorando a interpretação deste texto, é importante ressaltar de antemão: essa NÃO é uma “interpretação aniquilacionista”, nem é preciso ser um para aderir a ela. Inclusive ela vai na contramão da interpretação oficial da Igreja Adventista sobre a passagem e é sustentada por vários teólogos imortalistas, das mais diversas vertentes teológicas. Ou seja, não confunda isso com uma discussão de “imortalismo vs aniquilacionismo”, porque excepcionalmente não é o caso aqui, embora alguns imortalistas se apeguem a 1ª Pedro 3:19 para fundamentar sua doutrina na sobrevivência da alma fora do corpo (que é uma outra questão), assim como há católicos que se utilizam do mesmo texto para fundamentar o purgatório (que também é uma outra questão).

Como eu sou péssimo em fazer mistério, vamos direto ao ponto, cortando o barato desde já: os espíritos em prisão de 1ª Pedro 3:19 nada mais são senão os anjos caídos mencionados em Gênesis 6:1-4. Eu já tenho um outro artigo sobre os “filhos de Deus” de Gn 6:1-4, que você pode conferir clicando aqui, mas explanarei aqui também os argumentos em favor do entendimento de que são anjos mesmo. Para quem não sabe, trata-se destes versos aqui:

“Quando os homens começaram a multiplicar-se na terra e lhes nasceram filhas, os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram bonitas e escolheram para si aquelas que lhes agradaram. Então disse o Senhor: ‘Por causa da perversidade do homem, meu Espírito não contenderá com ele para sempre; e ele só viverá cento e vinte anos’. Naqueles dias havia nefilins na terra, e também posteriormente, quando os filhos de Deus possuíram as filhas dos homens e elas lhes deram filhos. Eles foram os heróis do passado, homens famosos” (Gênesis 6:1-4)

Os críticos, para tentar contornar o problema dos “anjos que geram filhos” e suavizar a interpretação do texto que a princípio parece simples, sustentam que os “filhos de Deus” aqui são na verdade a geração de Sete, em contraste com a geração de Caim, que seria o que o texto chama de “as filhas dos homens”. Há diversas razões para entender que essa é uma interpretação forçosa e não-natural do texto, indo contra uma exegese séria do mesmo. Por exemplo:

(1) Em todo o AT, o termo “filhos de Deus” (בְנֵי- הָאֱלֹהִים) aparece outras quatro vezes, sendo que em todas elas o sentido indiscutível é de “anjos” mesmo (cf. Jó 1:6, Jó 2:1, Jó 37:8 e Sl 29:1). Algumas vezes Deus usa uma linguagem antropomórfica para chamar os israelitas de “meus filhos” (cf. Is 43:6), mas nunca a geração de Sete em particular. Só no NT é que a expressão “filhos de Deus” começa a ser usada em relação a homens, porque Deus nos adotou como “filhos” através de Cristo (Rm 8:15-17). Este era um conceito estranho à época do Gênesis, escrito por Moisés, que segundo a tradição judaica foi também o mesmo autor de Jó, livro onde esse termo significa sempre anjos.

(2) Embora Caim em pessoa tenha sido ímpio, não há nenhuma informação de que Sete em pessoa tenha sido justo, e muito menos qualquer afirmação bíblica de que toda a geração de Caim foi ímpia ou que toda a geração de Sete tenha sido justa, o que seria absolutamente necessário se a interpretação alternativa fosse verdadeira. O que tudo indica é que havia justos e ímpios nas duas gerações, o que anula a interpretação alternativa.

(3) Também não há qualquer restrição expressa na Bíblia sobre qualquer homem da geração de Sete estar proibido de se relacionar com alguma moça da geração de Caim. Absolutamente nada disso é referido na Bíblia ou em qualquer lugar. Uma vez não havendo tal proibição, castigar a humanidade com o dilúvio por causa dessa relação seria inócuo e infundado, além de ser um castigo totalmente desproporcional em relação ao ato em si, pois seria apenas homens tendo relações com mulheres, algo normal em toda a história humana (o texto não fala que houve estupro ou coisa do tipo). A passagem transmite uma impressão oposta: a coisa foi tão grave que Deus teve que mandar o dilúvio para acabar com tudo, o que faz muito mais sentido quando entendemos que se trata de anjos mesmo, em um ápice de promiscuidade nunca antes visto.

(4) Note que o fruto dessa relação sexual entre os «filhos de Deus» e as «filhas dos homens» foram “os heróis do passado, homens famosos” (v. 4). Considere que nessa época já haviam nefilins (gigantes) na terra, como diz o texto, mas mesmo assim os “heróis” não eram esses gigantes, mas esses filhos que nasceram daqueles relacionamentos. Isso deixa implícito que esses filhos derrotavam até os gigantes da época, o que significa que eram excepcionalmente e extraordinariamente fortes. Há quem diga que as lendas de Hércules e outros mitos antigos provêm precisamente deles. Isso não é uma força normal, mas certamente o resultado de uma mutação genética radical, que é exatamente o esperado de uma relação entre humanos e anjos, mas não muito o que se espera quando simplesmente se tem em conta que humanos se relacionaram com outros humanos, como sempre ocorreu na história da humanidade.

(5) O termo “filhas dos homens” não seria muito apropriado para se falar de uma geração ímpia, visto que em nenhum lugar da Escritura é possível encontrar tal significado. A única vez em que este termo volta a ocorrer é em Gn 24:13, que diz que “as filhas dos homens desta cidade saem para tirar água” (naquela passagem do servo de Abraão orando para encontrar alguma esposa para Isaque). O termo indica apenas as mulheres como um todo, não um tipo particular de pessoa ímpia. Sua forma masculina, “filho do homem”, também nunca é usada especificamente a pessoas más, sendo referida inclusive a respeito dos profetas Ezequiel (Ez 2:1) e Daniel (Dn 8:17). Isso faz todo o sentido considerando que o texto coloca em contraste os anjos e a humanidade, em vez de uma humanidade justa e outra ímpia.

(6) Embora não signifique muito, este também é o entendimento da maior parte dos teólogos sérios, que reconhecem que os “filhos de Deus” em Gn 6:1-4 são mesmo os anjos que vieram à terra em desobediência a Deus, não obstante o quão impactante ou “problemático” isso possa ser.

(7) Um pouco mais significativo é o fato de que essa é também a interpretação judaica em seus primórdios. É a interpretação que consta nos livros apócrifos mais antigos, sendo que apenas tempos mais tarde é que os rabinos decidiram propor uma interpretação alternativa para suavizar o texto (algo parecido com o que muitos cristãos fizeram e ainda fazem). Além disso, relacionamentos entre homens e anjos (muitas vezes encarados como “divindades”) também é a temática predominante em inúmeras culturas pagãs, o que para muitos significa que essa tradição foi transmitida de boca em boca e preservada nos livros de cada religião, embora de forma alterada já que nenhuma tradição oral é totalmente precisa após um certo tempo.

Eu ainda vou mostrar a prova mais forte em favor dessa tese, mas paremos por um momento para meditar nas duas possibilidades. Em uma delas, uma aberração promíscua acontece, que são anjos deixando sua morada e abandonando sua condição para ter relações sexuais com mulheres humanas, as quais lhes geram homens geneticamente modificados a ponto de se tornar os grandes heróis, as “lendas” do passado, infinitamente mais fortes que um Anderson Silva da vida. Lá do Céu, Deus vê essa imoralidade toda, e decide acabar com toda essa esculhambação enviando um dilúvio para destruir tudo e todos, exceto Noé e sua família, que praticam a justiça em meio a um mundo tão desgovernado e depravado, certamente muito pior que o atual.

Já na outra tese, Deus teria enviado um dilúvio porque os descendentes de Sete se relacionaram sexualmente com as descendentes de Caim, mesmo sem nenhuma proibição expressa disso, e mesmo sem qualquer indicativo de que toda a geração de Sete era justa ou que toda a de Caim era ímpia. O fato dessa união gerar os heróis do passado que superavam os próprios gigantes é mera coincidência sem nenhuma influência genética ou significado maior, e mesmo com a Bíblia descrevendo pecados tão graves como os assassinatos de Lameque (Gn 4:3), foram apenas relações sexuais entre humanos comuns que iraram Deus a ponto de enviar o dilúvio. Eu não sei você, mas em minha opinião a primeira tese faz muito mais sentido, além de justificar muito melhor uma atitude tão drástica e extrema como o dilúvio.

Mas há um argumento muito usado pelos defensores da tese alternativa que não pode ser ignorado, pois, embora seja o único suscitado por eles, parece bem forte a uma primeira vista: o fato dos anjos serem espíritos assexuados que, logicamente, não podem gerar filhos. É o que Jesus deixa implícito em Mateus 22:30, que diz: “Na ressurreição, as pessoas não se casam nem são dadas em casamento; mas são como os anjos no céu”. O problema parece grande, mas a resposta é simples: os anjos não tiveram relações com as mulheres em seu estado celestial espiritual e assexuado, mas materializados em forma humana.

Geralmente quando um anjo era enviado em alguma missão terrena, ele aparecia em forma humana às pessoas, não como se fosse um “fantasma”. Dê uma olhada, por exemplo, no caso dos anjos que apareceram a Abraão, que chegaram inclusive a comer com ele (Gn 18:8). Se aqueles anjos puderam comer, significa que tinham um corpo humano de carne e osso, com organismo biológico e tudo mais. Se eles podiam realizar uma atividade humana como comer, então nada impede que aqueles outros anjos pudessem realizar outras atividades humanas, como o sexo. 

Inclusive em Sodoma Ló teve que proteger dois anjos materializados em sua casa, porque os homens daquela cidade queriam estuprá-los (Gn 19:5). Embora o ato não tenha se consumado naquela ocasião, o relato pressupõe sua possibilidade, que de fato se concretizou em Gn 6:1-4, por consentimento mútuo entre os anjos materializados e as mulheres da terra. Acrescente a isto o fato de que no texto citado de Mateus 22:30 Jesus menciona especificamente os anjos no céunão sua condição terrena, apenas seu estado celestial.

Curiosamente, a prova mais forte de que isso aconteceu mesmo está justamente no estudo da demonologia. Isso porque a Bíblia é muito clara ao dizer que os demônios em geral estão soltos, e não presos em algum lugar. Por exemplo, Paulo diz aos efésios:

"Pois a nossa luta não é contra pessoas, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais" (Efésios 6:12)

Ele não diz que essas “forças espirituais do mal” estão presas, mas sim que estão nas “regiões celestiais”, lutando conosco. Pedro também descreve Satanás, não como um anjo preso, mas como alguém que “anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar” (1Pe 5:8). Isso é totalmente o oposto à descrição de alguém preso. Paulo também chama Satanás de “o príncipe das potestades do ar(Ef 2:2), porque é ali, “nos ares” (ou “regiões celestiais”, como diz o outro texto) que os demônios se encontram hoje. Eles não estão presos, tanto é que estão livres para tentar as pessoas, possuir corpos humanos, aparecer em rituais satânicos, dar aulas no COF e tudo mais.

Contudo, há um texto bíblico que parece desafiar toda essa noção de que os demônios estão soltos. Ele se encontra em Judas 6, que diz:

"E aos anjos que não conservaram suas posições de autoridade mas abandonaram sua própria morada, ele os tem guardado em trevas, presos com correntes eternas para o juízo do grande Dia" (Judas 6)

Parece uma contradição: de um lado temos um par de textos que deixam claro que os demônios estão livres no presente momento, e de outro lado temos este texto que categoricamente afirma que eles estão presos. Como explicar isso? A resposta está justamente em Gn 6:1-4. Estes anjos aí mencionados por Judas não se referem àqueles 1/3 que se uniram à “Lúcifer” na rebelião original, sendo expulsos do Céu, mas sim a esses outros anjos que caíram posteriormente, no episódio aqui referido. Enquanto aqueles estão soltos e assim continuarão até o milênio, estes já estão presos hoje. Judas não diz o nome do lugar, mas é presumivelmente o mesmo “abismo” mencionado neste outro texto, de Lucas:

“Jesus lhe perguntou: ‘Qual é o seu nome?’ ‘Legião’, respondeu ele; porque muitos demônios haviam entrado nele. E imploravam-lhe que não os mandasse para o abismo (Lucas 8:30-31)

Note que aqueles demônios estavam até aquele momento livres, inclusive possuindo o corpo daquele homem, e depois migrando para os porcos. Mas eles tinham medo de uma coisa: serem mandados para o abismo, onde, por lógica, perderiam essa liberdade, que é a razão pela qual eles temiam ser para lá enviados, implorando a Cristo para que não lhes mandasse pra lá. Isso mais uma vez prova que há um lugar onde alguns demônios (os de Gn 6:1-4) estão presos, ao passo em que os outros demônios não. Este é o “abismo” citado em Lucas 8:31 e a “prisão” mencionada em Judas 6 e em 1ª Pedro 3:19, que é o texto-base deste estudo, o qual passarei a abordar em um instante.

Mas há ainda dois outros detalhes em Judas 6 que passam desapercebidos por muita gente, mas que são cruciais no entendimento do que exponho aqui. O primeiro é a ênfase no fato deles terem abandonado a própria morada celestial:

"E aos anjos que não conservaram suas posições de autoridade mas abandonaram sua própria morada, ele os tem guardado em trevas, presos com correntes eternas para o juízo do grande Dia" (Judas 6)

Note que o texto não diz que eles foram expulsos, mas que eles mesmos decidiram abandonar sua própria morada, ou seja, trata-se de uma ação deliberada e voluntária da parte deles, e não de uma expulsão, que é algo unilateral e involuntário. Compare isso com a linguagem empregada para se falar dos anjos expulsos do Céu após a primeira rebelião:

“E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos; mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele” (Apocalipse 12:7-9 – ACF)

“Houve então uma guerra no céu. Miguel e seus anjos lutaram contra o dragão, e o dragão e os seus anjos revidaram. Mas estes não foram suficientemente fortes, e assim perderam o seu lugar no céu. O grande dragão foi lançado fora. Ele é a antiga serpente chamada diabo ou Satanás, que engana o mundo todo. Ele e os seus anjos foram lançado à terra” (Apocalipse 12:7-9 – NVI)

Observe que enquanto Judas 6 diz que aqueles anjos abandonaram sua própria morada, Apocalipse 12 diz que os anjos que seguiram a “Lúcifer” batalharam com Miguel e seus anjos, mas não prevaleceram, e por isso perderam seu lugar no Céu, sendo então lançados à terra. Além de não falar em prisão (como Judas faz), está claro que aqui não se trata de um “abandono” da parte dos anjos, mas sim de terem perdido o seu lugar. Há uma diferença enorme entre você “perder” algo e “abandonar” algo. Os anjos ali citados em Apocalipse não abandonaram o Céu, eles foram expulsos dali. Já os de Judas 6 não foram “expulsos”, eles abandonaram o Céu porque quiseram isso.

Acrescente a isso que os do Apocalipse não foram presos, mas “lançados à terra”, enquanto os de Judas foram presos com “correntes eternas, para o juízo do grande dia”. Claramente eles não estão falando dos mesmos anjos, nem do mesmo evento. João no Apocalipse descreve a rebelião original que resultou na batalha celestial onde Satanás e seus anjos foram derrotados e expulsos, enquanto a descrição de Judas bate com exatidão no relato de Gênesis 6, que mostra os “filhos de Deus” abandonando o Céu por vontade própria porque desejaram as “filhas dos homens”. E é aqui que entra o outro detalhe importantíssimo que mata a charada completamente – mais especificamente o verso seguinte a Judas 6, que declara:

“E aos anjos que não conservaram suas posições de autoridade mas abandonaram sua própria morada, ele os tem guardado em trevas, presos com correntes eternas para o juízo do grande Dia. De modo semelhante a estes, Sodoma e Gomorra e as cidades em redor se entregaram à imoralidade e a relações sexuais antinaturais (Judas 1:6-7 – NVI)

Leiamos em outra versão:

“E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia; assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação COMO AQUELES, e ido após outra carne, foram postas por exemplo” (Judas 1:6-7 – ACF)

Mais uma:

“Os anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, ele os tem reservado em prisões eternas na escuridão para o juízo do grande dia, assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se prostituído COMO AQUELES ANJOS, e ido após outra carne, foram postas como exemplo” (Judas 1:6-7 – ARIB)

Opa! Como você pode ver, o verso 6 está conectado ao 7, que explicitamente afirma que os pecados dos habitantes de Sodoma e Gomorra eram semelhantes aos pecados daqueles anjos. Nós já sabemos os pecados de Sodoma e Gomorra, que eram a imoralidade sexual, como traduz a Nova Versão Internacional. A Almeida Corrigida e Fiel traduz por “fornicação”, enquanto a Almeida Revisada Imprensa Bíblica verte por “prostituição”. Em todos esses casos, o sentido é o mesmo, denotando um pecado sexual. Ora, nós sabemos perfeitamente bem que o pecado dos anjos que seguiram “Lúcifer” na rebelião original não teve nada a ver com um pecado sexual, mas com o orgulho. Entretanto, o pecado destes anjos citados em Judas 6-7 não é o orgulho, mas a perversão sexual. É preciso ser monstruosamente desonesto ou cego para não enxergar aqui uma ligação um tanto óbvia com os “filhos de Deus” de Gn 6:1-4.

Como se não bastasse, o verso 7 deixa explícito que os habitantes de Sodoma e Gomorra haviam se prostituído como aqueles anjos, ou seja, os anjos de que Judas fala cometeram prostituição, o que necessariamente deve incluir o sexo. E nem adianta tentar “espiritualizar” o texto, pois o pecado dos habitantes de Sodoma e Gomorra não era uma prostituição “meramente espiritual”, mas carnal mesmo, e Judas diz que o pecado deles foi o mesmo daqueles anjos. Para encerrar logo essa discussão, vejamos o que diz o Novo Testamento Interlinear, de Paulo Sérgio e Odayr Oliveti:


Ou seja, de modo semelhante àqueles anjos, os habitantes de Sodoma e Gomorra cometeram fornicação, indo após outra carne, o que denota um pecado de natureza sexual. Qualquer tentativa de espiritualizar a coisa não passa de desespero e manipulação, passando por cima do contexto como um trator. A coisa pode ser forte, pode ser dura, pode ser difícil de se aceitar, pode ser até mesmo chocante para alguns, mas é um fato bíblico insofismável e incontestável: os anjos tiveram mesmo relações sexuais com pessoas humanas, cometendo o mesmo tipo de pecado sexual que levou à condenação de Sodoma e Gomorra. Não tem absolutamente nada a ver com o pecado original de “Lúcifer” e de seus anjos no Céu, que não “foram após outra carne”, como os anjos de Gn 6:1-4 explicitamente fizeram.

Vamos dar isso aqui por encerrado: Gênesis 6:1-4 fala mesmo de anjos, querendo ou não, gostando ou não. Mas isso ainda não responde tudo sobre 1ª Pedro 3:19, embora deixe o caminho todo aberto. Com isso em mente, fica extremamente simples, lógico e coerente entender com uma certa facilidade o que Pedro está aludindo em seu texto. Vejamos:

“Pois também Cristo sofreu pelos pecados uma vez por todas, o justo pelos injustos, para conduzir-nos a Deus. Ele foi morto no corpo, mas vivificado pelo Espírito, no qual também foi e pregou aos espíritos em prisão que há muito tempo desobedeceram, quando Deus esperava pacientemente nos dias de Noé, enquanto a arca era construída. Nela apenas algumas pessoas, a saber, oito, foram salvas por meio da água” (1ª Pedro 3:18-20)

Primeiro vamos quebrar o mito popular de que Jesus fez isso “entre sua morte e ressurreição”. O texto claramente aponta o sentido contrário. Ele não diz que Jesus morreu, então foi pregar aos espíritos em prisão e depois foi vivificado pelo Espírito, mas apresenta a ordem oposta: foi morto no corpo, vivificado pelo Espírito e pregou aos espíritos em prisão. Ou seja, se existe mesmo alguma sequência temporal aqui, essa sequência tem claramente a ver com uma aparição do Cristo pós-ressurreto, e não entre sua morte e ressurreição. Não é preciso ser nenhum gênio da lâmpada mágica para perceber isso. Agora vamos lá: quem são esses espíritos em prisão?

Primeiro, é preciso considerar que, a despeito da crença imortalista, a verdade nua e crua é que não existe nenhum texto bíblico que cite o termo “espírito” como uma referência a uma parte imaterial do homem que sobreviva à morte do corpo com consciência e personalidade. Até mesmo os textos mais usados pelos imortalistas não dizem nada disso. A parábola do rico e Lázaro não cita alma nem espírito; ao ladrão da cruz Jesus também não mencionou nada de espírito; Paulo, ao dizer que desejava “partir e estar com Cristo”, não fez nenhuma menção ao seu espírito sair do corpo; não há texto algum dizendo que Moisés apareceu no monte como um espírito sem corpo, e também não há menção a espíritos no simbolismo apocalíptico das “almas debaixo do altar”. Sim, é natural que um imortalista enxergue um espírito no fundo de todos esses textos por sua pressuposição dualista, mas a rigor não existe menção nenhuma, em texto nenhum. Quando o termo “espírito” é usado como referência a seres humanos, é sempre em um sentido totalmente diferente disso (veja aqui e aqui).

Por outro lado, o termo “espírito” é frequentemente usado para se referir aos demônios em pessoa. A própria expressão “espírito maligno” é frequentemente recorrente na Bíblia (cf. Jz 9:23; 1Sm 16:14-16; 16:23; 18:10; 19:9; Lc 7:21; 8:2; At 19:12-13; 19:15). Ou seja, se 1ª Pedro 3:19 fala de espíritos humanos sobrevivendo de forma consciente e racional fora do corpo, este seria um caso único em toda a Bíblia, sem paralelos, mas se está falando de demônios (que são anjos caídos) seria mais uma entre dúzias de referências que aparecem constantemente, principalmente no Novo Testamento. Só isso já deixaria muito mais provável a um leitor original da carta de Pedro entender que o mesmo falava de demônios e não de “almas” humanas fora do corpo, ao usar o termo “espírito” aqui. A única razão pela qual nós tendemos a interpretar diferente disso é porque a mentalidade dualista já está impregnada em nossas cabeças desde a mais tenra idade, o que nos induz a uma percepção contrária e falsa.

Mas isso não é tudo: note que esses espíritos dizem respeito àqueles que “há muito tempo desobedeceram, quando Deus esperava pacientemente nos dias de Noé, enquanto a arca era construída” (v. 20). Não é preciso forçar muito a memória para se lembrar que estes anjos caídos de Gênesis 6:1-4 vieram à terra praticar aqueles atos justamente por volta da época do dilúvio, como está perfeitamente claro no relato do Gênesis:

Gênesis 6
1 Quando os homens começaram a multiplicar-se na terra e lhes nasceram filhas,
2 os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram bonitas e escolheram para si aquelas que lhes agradaram.
3 Então disse o Senhor: "Por causa da perversidade do homem, meu Espírito não contenderá com ele para sempre; e ele só viverá cento e vinte anos".
4 Naqueles dias havia nefilins na terra, e também posteriormente, quando os filhos de Deus possuíram as filhas dos homens e elas lhes deram filhos. Eles foram os heróis do passado, homens famosos.
5 O Senhor viu que a perversidade do homem tinha aumentado na terra e que toda a inclinação dos pensamentos do seu coração era sempre e somente para o mal.
6 Então o Senhor arrependeu-se de ter feito o homem sobre a terra; e isso cortou-lhe o coração.
7 Disse o Senhor: "Farei desaparecer da face da terra o homem que criei, os homens e também os animais grandes, os animais pequenos e as aves do céu. Arrependo-me de havê-los feito".
8 A Noé, porém, o Senhor mostrou benevolência.

Observe que isso se deu justamente por ocasião dos anos que precederam o dilúvio, como está claríssimo no contexto, sendo inclusive apontado como a razão principal que levou ao mesmo. O texto então menciona o dilúvio de modo implícito no verso 3, e depois de novo de forma mais direta no verso 7, citando ainda Noé, no verso 8. Chega a ser inacreditável que tanta gente não consiga fazer a conexão tão simples com o texto de 1ª Pedro 3:18-20, que também menciona o dilúvio e Noé, dizendo que aqueles espíritos em prisão eram justamente os daqueles dias:

“Pois também Cristo sofreu pelos pecados uma vez por todas, o justo pelos injustos, para conduzir-nos a Deus. Ele foi morto no corpo, mas vivificado pelo Espírito, no qual também foi e pregou aos espíritos em prisão que há muito tempo desobedeceram, quando Deus esperava pacientemente nos dias de Noé, enquanto a arca era construída. Nela apenas algumas pessoas, a saber, oito, foram salvas por meio da água” (1ª Pedro 3:18-20)

Qualquer de seus leitores originais que tivesse alguma familiaridade com as Escrituras (principalmente se fosse judeu), ao ler isso aí, iria identificar na hora o episódio de Gn 6:1-4. Para os que ainda insistem em pensar diferente, devemos questionar por que raios que Jesus teria ido pregar somente a esses espíritos da época de Noé, já que supostamente no Hades, inferno, seio de Abraão ou seja lá onde for estariam milhões e milhões de espíritos de todas as eras de Adão até a época de Pedro, e mesmo assim Cristo teria ignorado todos os outros para trazer uma mensagem apenas aos espíritos aprisionados na época de Noé. Tal arbitrariedade é algo que não faz sentido nenhum, nem tampouco tem coesão com o texto.

Já para aqueles que assimilaram este estudo a resposta é muito mais simples e óbvia: ele foi pregar aos espíritos em prisão da época de Noé porque estes eram os únicos espíritos (=anjos caídos) em prisão para pregar alguma coisa. Não existiam mais espíritos para pregar, como presumivelmente haveria se as almas humanas partissem conscientes após a morte para algum lugar sobrenatural. Sendo que apenas os anjos caídos de Gn 6:1-4 foram presos e não há nenhum novo registro bíblico de mais algum anjo abandonando o Céu para cometer aquele mesmo ato pecaminoso e ser preso como eles foram, segue-se que no “abismo” ou “prisão” estão apenas aqueles anjos especificamente, da época de Noé. É por isso que Jesus pregou para eles.

A natureza exata dessa “pregação” é duvidosa, embora com razão muitos entendam que não foi um “evangelismo” da forma que praticamos, o que com certeza não teria qualquer finalidade nem tampouco surtiria qualquer efeito naqueles espíritos demoníacos. Trata-se mais provavelmente de um anúncio formal da vitória de Cristo na cruz do Calvário, que os outros demônios já tinham conhecimento (por estarem soltos), mas aqueles não. Tem mais uma: na sua segunda epístola, Pedro faz mais uma alusão ao mesmo episódio aludido por ele em sua carta anterior e por Judas em Jd 6. Ele escreve:

“Porque se Deus não poupou a anjos quando pecaram, mas lançou-os no inferno (tártarus), e os entregou aos abismos da escuridão, reservando-os para o juízo” (2ª Pedro 2:4)

As traduções aqui lastimavelmente vertem pelo termo latino “inferno” o que no grego original é “tártaro”. É a única vez que essa palavra grega aparece na Bíblia, e faz claramente uma alusão à mesma prisão que Judas menciona em sua carta e ao “abismo” citado naquela passagem de Lucas 8:31. Aqui Pedro diz expressamente que se trata de anjos, que estão presos ali. Não pode se tratar dos anjos da rebelião original de “Lúcifer”, porque estes não foram enviados ao tártaro ou abismo, nem estão presos em algum lugar (como já vimos). Refere-se, por certo, aos anjos que caíram mais tarde pecando sexualmente com as mulheres da terra em relações ilícitas, os quais foram encarcerados no tártaro, também chamado simplesmente de “abismo” ou “prisão”.

Um dado curioso é que esses demônios presos no tártaro/abismo serão temporariamente soltos por ocasião da quinta trombeta do Apocalipse. Segue abaixo o texto na íntegra:

Apocalipse 9
1 O quinto anjo tocou a sua trombeta, e vi uma estrela que havia caído do céu sobre a terra. À estrela foi dada a chave do poço do Abismo.
2 Quando ela abriu o Abismo, subiu dele fumaça como a de uma gigantesca fornalha. O sol e o céu escureceram com a fumaça que saía do abismo.
3 Da fumaça saíram gafanhotos que vieram sobre a terra, e lhes foi dado poder como o dos escorpiões da terra.
4 Eles receberam ordens para não causar dano nem à relva da terra nem a qualquer planta ou árvore, mas apenas àqueles que não tinham o selo de Deus na testa.
5 Não lhes foi dado poder para matá-los, mas sim para causar-lhes tormento durante cinco meses. A agonia que eles sofreram era como a da picada do escorpião.
6 Naqueles dias os homens procurarão a morte, mas não a encontrarão; desejarão morrer, mas a morte fugirá deles.
7 Os gafanhotos pareciam cavalos preparados para a batalha. Tinham sobre a cabeça algo como coroas de ouro, e o rosto deles parecia rosto humano.
8 Os cabelos deles eram como os de mulheres e os dentes como os de leão.
9 Tinham couraças como couraças de ferro, e o som das suas asas era como o barulho de muitos cavalos e carruagens correndo para a batalha.
10 Tinham caudas e ferrões como de escorpiões, e na cauda tinham poder para causar tormento aos homens durante cinco meses.
11 Tinham um rei sobre eles, o anjo do Abismo, cujo nome, em hebraico, é Abadom, e, em grego, Apoliom.

Algumas dessas descrições são impressionantes, como, por exemplo, o fato de João dizer que “o rosto deles parecia rosto humano” (v. 7). Isso é totalmente condizente com o fato desses anjos terem assumido forma humana quando vieram à terra para coabitar com as mulheres, como já disse anteriormente, ainda que não fossem humanos realmente. Por isso é dito que “o rosto deles parecia rosto humano”. Dificilmente tal descrição seria feita a respeito de um demônio comum (que não se parece com um homem, por ser espírito) ou com um simples humano qualquer (justamente por ser um homem, e não apenas “parecer” um). Mas cai como uma luva na descrição de um demônio em forma humana.

Outra coisa interessantíssima: não há nada em Gn 6:1-4 que diga que aqueles anjos caídos mataram pessoas; da mesma forma, é dito que esses “gafanhotos” que sobem do abismo não os matam, apenas os atormentam. Se os pecados que eles cometerem desta vez forem os mesmos que cometeram no passado, pode estar relacionado ao estupro ou a outras formas de violência sexual, que fará com que as pessoas “procurem a morte, mas não a encontrem” (v. 6). Há ainda um outro paralelo que desperta a atenção aqui: da mesma forma que o dilúvio aconteceu após esses anjos caídos cometerem esses atos imorais, o fim do mundo será precedido pela volta desses mesmos seres cometendo atos imorais. Isso fica ainda mais curioso quando notamos que o dilúvio sempre foi encarado na Bíblia como uma prévia ou tipologia da volta de Jesus, com a consequente destruição dos ímpios:

“Antes de tudo saibam que, nos últimos dias, surgirão escarnecedores zombando e seguindo suas próprias paixões. Eles dirão: ‘O que houve com a promessa da sua vinda? Desde que os antepassados morreram, tudo continua como desde o princípio da criação’. Mas eles deliberadamente se esquecem de que há muito tempo, pela palavra de Deus, existiam céus e terra, esta formada da água e pela água. E pela água o mundo daquele tempo foi submerso e destruído. Pela mesma palavra os céus e a terra que agora existem estão reservados para o fogo, guardados para o dia do juízo e para a destruição dos ímpios” (2ª Pedro 3:3-7)

Sendo o dilúvio um antítipo da volta de Jesus, vemos aqui o quão notável é esse paralelismo: até mesmo as causas serão as mesmas para ambos. Muito pecado na terra, que culmina na união promíscua de anjos caídos com seres humanos e resulta na destruição do mundo em seu molde presente para a construção de uma terra futura, a “nova terra”, que eu abordei neste outro artigo.

Antes que alguém me pergunte: deixei o termo “Lúcifer” entre aspas ao longo deste estudo por não se tratar de um nome pessoal na Bíblia, embora seja o único jeito de fazer as pessoas entenderem. Mas isso é assunto para um outro artigo, como esse aqui.

• Compartilhe este artigo nas redes:

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,

- Siga-me no Facebook para estar por dentro das atualizações!


- Baixe e leia os meus livros clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


ATENÇÃO: Sua colaboração é importante! Por isso, se você curtiu o artigo, nos ajude divulgando aos seus amigos e compartilhando em suas redes sociais (basta clicar nos ícones abaixo), e sinta-se à vontade para deixar um comentário no post, que aqui respondo a todos :)   

95 comentários:

  1. Q artigo sensacional lucas!!! Graças a Deus por vc lucas. Vc é iluminado cara. Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Durante o Império do Brasil, O voto era aberto ou secreto?

      Excluir
    2. Era aberto e funcionava assim:

      "...Outra característica interessante do voto no império era que as votações inicialmente ocorriam em quatro graus: os cidadãos da província votavam em outros eleitores, os compromissários, que elegiam os eleitores de paróquia que, por sua vez, elegiam os eleitores comarca, os quais, finalmente, elegiam os deputados. Quanto aos senadores, basicamente eram nomeados pelo imperador"

      https://educacao.uol.com.br/disciplinas/cidadania/eleicoes-no-brasil-a-historia-do-voto-no-brasil.htm

      Excluir
  2. Lucas, se existe um debate que eu gostaria muito de ver(comendo pipoca, bebendo Pepsi, etc.) é você e Leandro Quadros debatendo sobre o sábado! Pode demorar 10 horas, eu ia ver as 10 horas! (Não sei se tudo no mesmo dia...) Falo isso pois respeito muito vocês dois e quero ouvir TODOS os argumentos de ambos. (Quem sabe, você não da uma ideia pra ele, em?) ;)

    Deus lhe ilumine!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não acho que seria um debate justo, ele tem bem mais conhecimento do que eu sobre este assunto, mas de todo modo, seria ótimo se rolasse um dia. Abs!

      Excluir
  3. Muito bom Banzomonstro, estudo espetacular! Definitivamente você é um monstro! Continue assim, não deixe a soberba te dominar (e certamente está é e será a principal estratégia do diabo contra ti) peresevere até o fim!!!

    ResponderExcluir
  4. Lucas vc poderia responder esse video do esquerdista do Henry Bugalho: https://www.youtube.com/watch?v=6eq9TT62HWg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentei aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/09/entenda-o-que-e-o-olavismo-cultural-e.html?showComment=1537432718306#c90074730845298927

      Excluir
  5. Lucas você citou "embora (...) imortalistas se apeguem a 1ª Pedro 3:19 para fundamentar (...) sobrevivência da alma fora do corpo (...), assim como há católicos que utilizam (...) para fundamentar o purgatório (...)"
    Aí eu te pergunto, Já que os anjos foram punidos por pecados sexuais, fundamentar a castidade pelo mesmo texto procede? Obrigado.

    ResponderExcluir
  6. Lucas,algumas questões.

    1)Jesus poderia usar outra palavra grega para sepultura no lugar de Hades.Ele poderia ter usado a palavra Mnema, que é apropriada para sepultura.Portanto Seol-Hades indica o lugar da alma, enquanto o corpo vai para a sepultura (em hebraico kever, kevurah e, em grego taphos, mnema e mnemeion).

    2)Por que haverá ressurreição se as almas já estão no céu e no inferno?

    Porque os salvos para receber um corpo incorruptível e muito especial(há corpos celestes e corpos terrestres, mas uma é a glória dos celestes e outra a dos terrestres-I Co 15.4)Deus quer que experimentemos a glória desse novo corpo.O corpo de Adão, antes da queda, já era muito superior ao nosso, e se ele tivesse comido da árvore da vida, com certeza, ele transformaria seu corpo num semelhante aquele da ressurreição de Cristo ou naquele descrito em I Co 15. Com certeza, Deus quer que sintamos algo superior ao que os próprios anjos sentem no seu dia a dia, caso contrário não receberíamos um corpo tão especial.

    Quanto aos perdidos, vão receber seus corpos para serem plenamente castigados na Geena eterna (Ap 20 e Ap 14).

    3)No hades, por ser um estado intermediário, haverá lembrança de tudo (Lc 16.25-28),porém no futuro glorioso,a memória humana (dos salvos) será apagada:"Porque, eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá mais lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão" Is 65.17

    4)(Mt 10.28)"E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo".

    O Dr Anthony Hoekema: Apollymi, no Novo Testamento, contudo, nunca significa aniquilamento. Esta palavra nunca significa aniquilar quando é aplicada a outras coisas que não o destino eterno do homem.

    (1) Às vezes, apollymi simplesmente significa “estar perdido”. A palavra é utilizada nesse sentido nas três parábolas acerca do “perdido”, em Lucas 15 – para designar a ovelha perdida, a moeda perdida e o filho perdido. No caso do filho, sua perdição significava que ele estava perdido para a comunhão do seu pai, uma vez que fora contra o propósito de seu pai.

    (2) Às vezes, a palavra apollymi pode significar “tornar-se inútil”. Assim, em Mateus 9.17, ela é utilizada para mostrar o que acontece aos odres velhos quando se coloca vinho novo neles: os odres “se rompem” ou ficam inutilizados.

    (3) Às vezes, apollymi é usado para significar “matar”. Por exemplo, observe-se Mateus 2.13: “porque Herodes há de procurar o menino para o matar (apolesai)”. Mesmo à parte do fato de que a passagem fala acerca da tentativa para matar Jesus, será matar o mesmo que aniquilar? Vimos, em Mateus 10.28, que “aqueles que matam o corpo” “não podem matar a alma” – por causa disso aniquilamento está fora de questão. Além disso, estritamente falando, nem mesmo se aniquila o corpo quando se mata um homem. As partículas de um corpo em decomposição passam para outras formas de matéria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá:

      1) Mas Sheol não é o mesmo que sepultura. Sheol é a sepultura universal e coletiva dos mortos, não um túmulo individual. Mesmo que este fosse o caso, seria um salto quântico gigante até chegar à conclusão precipitada de que "o Sheol indica o local da alma", o que aliás já foi refutado aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2015/07/o-sheol-hades-e-uma-morada-de-almas.html

      2) E quem disse que o nosso corpo será algo superior ao dos anjos? Não sei da onde você tirou essa conclusão. Que o corpo da ressurreição será um corpo glorioso isso qualquer mortalista sabe, é aliás a crença-chave do mortalismo, só não sei o que isso refuta o fato de não haver nenhum "estado intermediário" entre a morte e a ressurreição, que tornaria a própria ressurreição desnecessária já que os destinos já estariam estabelecidos de antemão. Mas deixar de ser um espírito para passar a habitar em um corpo não prova que isso é algo importante (até que se prove que este corpo é de alguma forma muito melhor que o espírito) e muito menos que é essencial ou realmente necessário.

      3) Sobre a parábola do rico e Lázaro já escrevi aqui:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com/2013/07/estudo-completo-e-aprofundado-sobre.html

      Sobre não haver memória no pós-morte, já refutei aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/05/nos-lembraremos-uns-dos-outros-na.html

      4) Refutado aqui:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com/2012/12/podem-matar-o-corpo-mas-nao-alma.html

      Excluir
  7. A todos os leitores que enviaram comentários aqui (e que ainda não foram liberados nem respondidos): eu voltei hoje de uma dolorosa cirurgia, e ainda não me sinto bem ou apto para responder comentários, mas se amanhã ou depois eu estiver melhor (e vivo) eu responderei. Minhas desculpas a todos e obrigado pela compreensão. Se puderem orar por mim ao longo dessa semana, melhor ainda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que Deus Lhe Ajude Lucas, estaremos orando para vc.

      Excluir
    2. Olá Lucas, que o nosso Senhor Jesus Cristo esteja contigo. Melhoras amigo.

      Excluir
    3. Melhoras, cara. Vai dar tudo certo, se Deus quiser. Que Deus ti abençoe.

      Excluir
    4. Que tipo de cirurgia você fez?

      Excluir
    5. Meu Deus! Que houve Banzoli?

      Excluir
    6. Pode apostar que sim, Lucas !

      Excluir
    7. Muito obrigado a todos pelas orações, já estou me sentindo bem melhor de ontem pra hoje!

      Excluir
    8. "Muito obrigado a todos pelas orações, já estou me sentindo bem melhor de ontem pra hoje!"
      Louvado seja Deus!

      Excluir
  8. Fica tranquilo Banzomonstro, melhoras pra ti

    ResponderExcluir
  9. Melhoras aí Banzolão!Estou orando por você,espero que você fique bem!Parabéns pelo artigo,é excelente,destrinchou que até hoje é tabu na maioria das igrejas evangélicas,mas eu acho perfeitamente possível,mesmo não sabendo dessa possibilidade,sempre achei que para Deus destruir todo o mundo,teria que ter ocorrido algo bem grave mesmo,como a própria contaminação genética,eu cresci na igreja,mas só fui escutar falar nesse assunto aos 22 anos,através do Caio Fábio,que até escreveu um livro sobre um assunto,a maior parte dos pais da igreja advogavam essa tese?Já em relação aos teólogos protestantes só vi você e o Caio Fábio escrevendo sobre isso mesmo.O Ciro Zibordi,um teólogo pentecostal,membro da AD a quem respeito muito,não concorda com essa teoria,https://cirozibordi.blogspot.com/2017/02/anjos-podem-possuir-mulheres.html,mas ele fala em relação a casamento de crentes e incrédulos,eu sei que isso é condenado pela Bíblia em relação ao jugo desigual,mas não acho que geraria tanta depravação assim,além de não ser explicado,porque os frutos dessa relação eram gigantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sabia que o Caio Fábio tinha um livro sobre isso, como se chama?

      O artigo do Pr. Ciro é superficial, usa os mesmos argumentos já refutados aqui e no outro artigo. Sem falar que não refuta nenhum dos textos utilizados em favor de serem anjos (especialmente Judas 6-7). Inclusive teve um anônimo nos comentários do artigo dele que refutou todos os pontos dele, e ele se recusou a contra-argumentar.

      Excluir
    2. O livro do Caio Fabio se chama Nephilim,está em pdf aqui no site dele,na verdade é uma obra de ficção sobre um cara chamado Abelardo Ramez que após se sentir mal em uma viagem de barco pela Amazônia acaba viajando no tempo e indo parar na era antediluviana,eu já li,está interessante,te recomendo ler também https://www.caiofabio.net/download/nephilim.pdf,depois responda o que achou

      Excluir
  10. Ótimo post Lucas, mas fiquei sem entender uma coisa: Os Neflins também eram filhos dos anjos com as filhas dos homens?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Não, os nefilins já existiam antes, e continuaram existindo depois: "...Naqueles dias havia nefilins na terra, e também posteriormente, quando os filhos de Deus possuíram as filhas dos homens e elas lhes deram filhos". O que resultou da junção entre os anjos e as mulheres foram os "heróis" do passado, como comento no ponto 4.

      Excluir
    2. Mas de onde eles surgiram? É outra dúvida que eu tenho!

      Excluir
    3. Eu comentei sobre isso nessa outra resposta aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/09/revelado-descubra-agora-quem-eram-os.html?showComment=1537833319001#c8527911413470398435

      Excluir
  11. Melhoras Lucas. JEOVÁ RAPHA.

    ResponderExcluir
  12. Vai dar tudo certo, irmão. Deus vai ti dar saúde. Orarei por você.

    ResponderExcluir
  13. https://youtu.be/Zfi9-xXnIWU

    Eu não sou de lhe enviar link mas achei interessante essa notícia da relação do Papa com a China comunista.
    Só mais um fato para mostrar aos católicos e ao Astrolavo com quem a “Igreja” suprassumo deles faz alianças políticas.
    Me pergunto se o pupilo Bernardo irá fazer video sobre isso agora que é o cabeça da igreja deles que está envolvido nisso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Bernardo deve estar mais ocupado em ver suas fakes news sendo refutadas até pelo Chacra:

      https://uploaddeimagens.com.br/images/001/631/881/full/142.jpg?1537779123

      Excluir
  14. Por favor melhora logo. Antes que estou te uma guerra entre olavetes e ele se autoploclame novo papa.

    ResponderExcluir
  15. Amigo, em tua opinião, quem eram os nefilins, eram os gigantes? Se eram qual a origem deles e como vieram a ser gigantes, pensa que eles eram totalmente humanos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles eram gigantes e eram humanos sim. Ninguém sabe ao certo a origem deles, mas há uma possibilidade aceita por alguns estudiosos de que sejam descendentes de Caim e que a "marca" que Deus colocou em Caim para que ninguém o assassinasse tenha sido justamente isso (afinal ninguém ousaria assassinar um gigante). Depois do dilúvio Noé lança uma maldição semelhante sobre o filho de Cam (Canaã), e curiosamente ao prosseguirmos a leitura no Êxodo vemos que os gigantes pós-diluvianos eram justamente os cananeus, que amedrontaram os israelitas em um primeiro momento (naquela ocasião em que somente Josué e Calebe demonstraram coragem). Ou seja, segundo essa tese, os gigantes pré-diluvianos eram descendentes da maldição de Caim e os gigantes pós-diluvianos eram descendentes da maldição de Canaã, sendo que os primeiros foram eliminados no dilúvio e os últimos na conquista de Canaã.

      Excluir
  16. Parece-me que os pecados que motivarão a próxima destruição do mundo têm mesmo que ver com alguma engenharia biológica do ser humano. Hoje já se sabe, por exemplo, que hormónios e outras substâncias presentes em alguns alimentos, bem como a falta de certos nutrientes, prejudicam funções como o raciocínio, a memória etc. Pode ser que no futuro descubram uma maneira de bloquear alguma função corporal que permite a alma do homem sentir o desejo de buscar Deus. Pelo que lembro, a obra Admirável Mundo Novo já fala numa substância que manteria as pessoas permanentemente "dopadas" para que se sentissem corporalmente alegres a toda hora e não pensassem noutra coisa que não satisfações imediatas. Algo assim poderia bem ser a "marca da besta", quer dizer, todo alimento e bebida terá uma substância dessas em sua composição...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não concordo, pois o ato de não buscar a Deus é uma decisão humana, ser influenciado por uma substancia que as pessoas nem saberão que esta na comida ou na bebida por exemplo tira a culpa dela, pois a pessoa não esta deixando a Deus por conta própria e sim pois alguém drogou ela neste caso. Parece mais teoria da conspiração que algo bíblico, pois a pessoa deixa a Deus por que quer e então pode começar a consumir substancias prejudiciais, e não o contrario (ou seja, não é a substancia que tira Deus da pessoa, mas o que acontece é que a pessoa tira Deus de sua vida e então passa a querer substancias prejudiciais como drogas e bebidas alcoólicas).

      Excluir
  17. Melhoras Lucas, estou orando por você.

    ResponderExcluir
  18. Banzolão, me desculpe a curiosidade, mas você fez cirurgia de que?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daqui um mês, se eu sobreviver, eu digo :)

      Excluir
    2. "Daqui um mês, se eu sobreviver, eu digo"

      Se sobreviver? Agora fiquei com medo. É tão grave assim?

      Excluir
    3. "Daqui um mês, se eu sobreviver, eu digo"
      Tenha fé homem de Deus!
      Estamos orando por você!
      "Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor.
      15 E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.
      16 Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo.
      17 Elias era homem semelhante a nós, sujeito aos mesmos sentimentos, e orou, com instância, para que não chovesse sobre a terra, e, por três anos e seis meses, não choveu.
      18 E orou, de novo, e o céu deu chuva, e a terra fez germinar seus frutos."
      Tiago 5.

      "Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais.

      12 Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei.

      13 E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração."
      Jeremias 29:11-13

      Excluir
    4. "Se sobreviver? Agora fiquei com medo. É tão grave assim?"

      Calma, esse "se sobreviver" foi brincadeira minha, eu já havia dito ontem que estava bem melhor já, não corro riscos de vida graças a Deus :)

      Excluir
  19. Lucas,

    Sempre pensei no assunto dessa forma. Não conseguia aceitar a teoria adventista sobre o tema.

    Confesso que o apócrifo de Enoque me ajudou a reforçar esse pensamento.

    Falando nisso, o que sabe sobre o livro denominado Pseudo Epígrafe de Lamec? Trata-se de um texto antigo ou uma adaptação poética recente.

    Obrigado e parabéns pelo excelente trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade esses livros todos, atribuídos a autores antigos, não foram escritos pelos autores por quais se identificam, mas são compilações tardias que tentam passar credibilidade usando o nome de alguma pessoa célebre do passado distante. Isso se aplica ao livro de Enoque e também ao de Lameque, embora este eu ainda não tenha lido. Mas isso não tira a sua importância como valor histórico, porque mesmo que tenha sido escrito alguns séculos antes de Cristo e não por um autor antediluviano, ainda assim expressa o pensamento que as pessoas daquele período histórico tinham, o que em alguns casos nos ajudam a elucidar certos trechos da Escritura, ou pelo menos a compreender de que forma que os judeus entendiam aquilo em determinada época (como o caso do livro de Enoque sobre Gn 6:1-4). Abs!

      Excluir
    2. “E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: ‘Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos'” (Judas 1:14).
      Lucas este trecho consta no livro de Enoque? Se consta então isso quer dizer que Judas acreditava que tal livro era realmente de Enoque o que você pensa?

      Excluir
    3. Pode ser que ele acreditasse sim, como também pode ser que ele estivesse apenas nomeando o nome do autor intitulado (não necessariamente creditando a autoria em si), e existem outros que entendem que essa parte específica Enoque que disse e Judas citou como que por revelação divina a despeito de constar nesse ou naquele livro apócrifo, e ainda outros que acreditam que a frase foi dita originalmente por Enoque e conservada em vários lugares por tradição, entre os quais o apócrifo de Enoque é só mais um deles, que buscou juntar coisas que Enoque teria dito de fato e outras a mais que ele acrescentou ao livro. Há até mesmo aqueles (uma minoria, é verdade) que acreditam que o apócrifo de Enoque foi escrito depois de Judas e não antes (embora os estudiosos datem do primeiro século antes de Cristo, e não depois). Enfim, não há uma resposta única ou conclusiva em relação a isso pelo que eu já estudei a respeito.

      Excluir
  20. Lucas, se entendi correto o que motivou o dilúvio foi a promiscuidade que anjos praticaram aqui na terra. Tais anjos estão presos e seus filhos foram destruídos no dilúvio. Correto? Esses anjos vieram com uma missão ou por "conta própria"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Lucas, se entendi correto o que motivou o dilúvio foi a promiscuidade que anjos praticaram aqui na terra. Tais anjos estão presos e seus filhos foram destruídos no dilúvio. Correto?"

      Correto, mas não apenas dos anjos, mas também das mulheres da terra que aceitaram esse tipo de relacionamento promíscuo.

      "Esses anjos vieram com uma missão ou por "conta própria"?"

      Isso já não dá pra saber porque a Bíblia não detalha com exatidão. Pode ser que eles tenham sido enviados em alguma missão terrena e neste estado humano se sentiram tentados e cometeram essa imoralidade, ou talvez a expressão "abandonaram sua própria morada" deva ser entendida no sentido de que eles saíram do Céu por conta própria mesmo, e não apenas que não quiseram voltar (e neste caso eles já abandonaram especificamente visando isso).

      Excluir
    2. Isso daí é explanado passo a passo no livro de Enoque, apesar de ser apócrifo esse livro confirma tudo isso que foi escrito aqui.

      Excluir
  21. Avalie https://www.facebook.com/defesatradicao/photos/a.183517662308196/249795912347037/?type=3

    (Desculpe por divulgar uma pagina católica mas é o único jeito de colocar este post aqui"

    E uma pergunta Lucas, diversos conservadores principalmente católicos brasileiros criticam as portas abertas que os países europeus têm para imigrantes muçulmanos, e criticam diversos políticos como Angela Merkel que segundo eles não está fazendo nada pela Alemanha a não ser permitir a entrada de imigrantes, e tem até um vídeo dela mandando um cara lá abaixar uma bandeira alemã pois poderia "ofender os imigrantes". O que você pensa sobre isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "...mas esqueceram que lá é um país católico"

      Deve ser o único "país católico" da Europa então (além do Vaticano), já que todos os outros já se atolaram no movimento LGBT e quase todos eles já reconheceram o casamento gay:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2016/06/destruindo-todas-as-calunias-catolicas.html

      Além disso todo mundo sabe que a Polônia é o país mais preconceituoso e racista do planeta, chega a ser impressionante que o fato de serem católicos torne isso um atenuante para os donos da página.

      Sobre a política de imigração, tem muita gente confundindo as coisas com a questão dos refugiados, a grande maioria dos refugiados não está indo para a Europa mas sim a outros países da África e do Oriente Médio, e os europeus que estão os abrigando não estão fazendo mais que a sua obrigação como cristãos, afinal de contas os caras perderam tudo, tiveram suas posses destruídas pela guerra, muitos perderam familiares, quase todos perderam amigos e conhecidos, literalmente não tem mais para onde ir, e mesmo assim ainda tem cafajeste fazendo campanha contra o recebimento de refugiados em vez de cumprir as palavras de Cristo na parábola do bom samaritano (os samaritanos eram tão odiados na época quanto os refugiados muçulmanos de hoje) e em tantas outras lições bíblicas de acolher quem mais precisa.

      Isso é diferente da imigração normal, porque o refugiado em tese fica lá até a situação no seu país se estabilizar novamente e depois volta, enquanto muitos imigrantes permanecem indefinidamente ou para sempre, em relação a isso especificamente cada país deve ter uma "cota" limite para a imigração legal independentemente de credo ou etnia senão vira uma bagunça e acaba nem tendo mais lugar para todo mundo viver junto, por isso qualquer país sério possui em sua legislação uma quantidade máxima aceitável para imigrantes legais por ano, não pode aceitar imigrantes indefinidamente, ninguém tem estrutura para tanto. Mas é preciso desvincilhar essa outra discussão (da imigração comum) da questão dos refugiados, que é o que eles mais estão atacando hoje e o que mais está em voga no momento.

      Excluir
  22. Lucas assista a está pregação, do pr Coty postado no canal orvalho do Luciano Subira, um divisor de águas.

    ResponderExcluir
  23. Parabéns, Lucas! Nunca tinha pensado dessa forma! Valeu!

    ResponderExcluir
  24. Bom dia !
    Concordo plenamente com você, por meio de outras pesquisas eu já havia compreendido esta verdade, fiquei muito feliz de aprender aqui os detalhes e o raciocínio lógico envolvido na sua explicação. O Pr Russel Shedd (vi em uma entrevista) afirma a mesma coisa, anjos perversos com corpos materializados. Este argumento da 'descendência de Sete' também me levou a questionar se estes eram os filhos de DEUS, qual a razão de apenas Noé e os seus (8 pessoas) terem sido salvas, né?
    Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal que o saudoso Russell Shedd também cria dessa forma, foi um homem muito admirável que deixou um legado incrível! Sobre o seu argumento faz todo o sentido mesmo, uma geração inteira de Sete deveria incluir pelo menos milhares de pessoas naquela época, seria muito estranho mesmo que toda aquela geração fosse justa e mesmo assim apenas oito pessoas foram assim consideradas por ocasião do dilúvio. Eu nem tinha me tocado neste detalhe, obrigado mesmo!

      Excluir
  25. Eu sou Adventista e concordo com essa interpretação, apesar de não ser a oficial dos adventistas.

    ResponderExcluir
  26. Banzoli, leia até o final:

    http://conspiracionesynoticiasactuales.blogspot.com/2014/11/adventistas-del-septimo-dia-el-logotipo.html

    ResponderExcluir
  27. Avalie:

    "Criou-se uma força coordenada de católicos-romanos que, no afã de me descredibilizar publicamente, até contacta pessoas da minha cidade para falar sobre meus relacionamentos e transmitir recados de antigos amigos sobre o "verdadeiro Yago". Ainda bem que eu já estava prevenido." - Yago Martins

    Comment: https://twitter.com/doisdedosdeteo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles são assim mesmo, desse jeitinho rasteiro aí, eu não sei por que as pessoas se impressionam ao perceber isso, eu nunca esperei coisa diferente e ao longo desses anos posso atestar que o nível moral deles é exatamente esse aí mesmo. Isso me lembra muito a história de Daniel, que os seus inimigos queriam derrubar a qualquer custo e ficavam vigiando a vida dele para tentar encontrar algum defeito e condená-lo publicamente, e no fim das contas acabaram não encontrando nada a não ser sua própria religião. O problema é que nenhum de nós é tão santo como Daniel, e os abutres que se formam à nossa volta encontram muito mais carne para destraçar do que encontraram com Daniel. É aquilo que eu já venho dizendo há muito tempo: essa gente sabe que JÁ PERDEU a guerra intelectual há muito tempo, eles SABEM que não tem a menor chance em um embate de ideias, sabem que basta qualquer leigo ler a Bíblia por conta própria para se converter, por isso precisam apelar a teorias de conspiração de natureza política antiprotestante e à campanha de destruição de reputação para conseguir alcançar seus objetivos.

      Excluir
  28. Lucas, se os anjos "do bem", podem se materializar e causar toda essa confusão, o que dizer dos anjos "do mal"?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a condição moral do nosso mundo presente já é uma resposta a isso... "o mundo jaz no maligno" (1Jo 5:19).

      Excluir
  29. ola Lucas... gostaria de tirar uma duvida... a ordem de Deus para o "crescei e multiplicai" é anterior ou posterior á tentaçao e queda do homem? outra duvida, quanto tempo o homem viveu no Edem antes da queda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É antes da queda, em Gênesis 1:22 (o que não significa que a ordenança não permaneça até a terra seja preenchida). A Bíblia não diz quanto tempo o primeiro casal durou no Paraíso até a queda, mas não parece ter durado muito (talvez alguns dias). Não há lacunas temporais no relato como é típico quando se transcorre muito tempo (por exemplo, "certo dia...", "no ano seguinte...", etc), o que transmite a ideia de um acontecimento rápido.

      Excluir
  30. poxa mano espero melhoras suas. Vou orar para que vc se recupere.

    Lucas, em relação a escatologia e arrebatamento, gostaria que vc quando tiver tempo analisasse o vídeo abaixo:

    https://youtu.be/KXE6Qz71dj8

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelas orações! Sobre Mateus 24 / Lucas 21, o que eu tinha a dizer sobre isso eu já escrevi no capítulo 2 do livro "A Igreja na Grande Tribulação", disponível na página dos livros:

      http://www.lucasbanzoli.com/2017/04/0.html

      Excluir
  31. Ótimo estudo, foi um deleite o ler. Penso exatamente igual, em todos os pontos.
    Porém tem algo que você meu menciona, que eu pense que e bem válido, eu creio que estes anjos que caíram em Gn 6, não eram demônios, eram anjos tb, que mais caíram com Lúcifer, e sim caíram em uma segunda queda, que cujo você mesmo cita, por pecados de imoralidade, e por isso foram condenados a prisão até o juízo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! De fato, eles não eram demônios (quando caíram), nem os que seguiram "Lúcifer" eram, eles se tornam demônios após a queda, porque "demônio" biblicamente falando nada mais é do que um anjo caído (ou seja, um anjo que não manteve a pureza do seu estado original e pecou contra Deus).

      Excluir
  32. Banzomacho, você acha que ainda existem nefilins nos dias de hoje? E quanto aos tais reptilianos, vc acha que é só fantasia humana ou tem algum fundamento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acho que existam, porque não faria sentido Deus enviar o dilúvio e colocar aqueles anjos em prisão se a intenção fosse permitir que esse tipo de coisa voltasse a ocorrer no futuro. A única ocasião em que vemos isso acontecendo novamente é naquele trecho do Apocalipse que eu cito no artigo, mas mesmo assim é somente durante cinco meses e no período tribulacional, que ainda está para vir. Também não se trata de outros anjos caídos, mas dos mesmos que já estavam aprisionados. Sobre os tais reptilianos, até hoje eu não vi nenhuma prova concreta de sua existência e nem evidência bíblica, então não creio até que me provem o contrário.

      Excluir
  33. Bom dia, tu pretende escrever alguma livro sobre a Trindade? Esse assunto me intriga muito, me deixa com muitas duvidas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, pretendo sim, mas mais pra frente, por hora eu tenho outros projetos prioritários em mente.

      Excluir
  34. Fala, Lucas...

    Tenho uma dúvida...

    A expressão "filhos de Deus" pode ser usada em relação aos demônios? Eles são considerados como "filhos" ou só os anjos bons?

    Porque em Jó os anjos de Deus aparecem como "filhos de Deus", mas não o demônio... Há uma separação. O texto diz que os "filhos de Deus" foram se encontrar com Deus (anjos bons) e Satanás veio (demônio, inimigo). Então parece haver uma separação, não é? Não consigo ver a expressão "filhos de Deus" em relação à demônios, pois até mesmo sobre os humanos, só são considerados "filhos de Deus", aqueles que pertencem a Cristo, os ímpios não.

    Como você entende?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os demônios eram "filhos de Deus" porque eles eram anjos como os demais (e os anjos são chamados de "filhos de Deus"), mas depois que eles caem em pecado e se tornam demônios propriamente ditos, aí o termo não cabe mais a eles, a não ser retrospectivamente (ou seja, para se referir ao que eles eram antes de cometer o ato). No caso dos humanos é a mesma coisa, a pessoa é considerada "filho de Deus" se está em Cristo, se abandona a Cristo não é mais "filho", então o "problema" aqui persistiria se os filhos de Deus de Gn 6:1-4 fossem homens.

      Excluir
    2. Ah, entendi agora... Você disse no texto que seriam anjos "bons" que caíram depois do 1/3... Não tinha entendido essa parte, agora saquei.

      Valeu!

      Excluir
  35. Lucas,Paz de Cristo.. Boa noite
    Por que Deus não considerou o estado desses anjos como a dos rebelados com Lucifer", com a mesma "liberdade" que os demônios tem hoje nos ares, em corpos etc?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente para que eles não voltem a cometer o mesmo ato novamente, que os outros demônios não cometem (por saber que se cometessem incorreriam na mesma prisão chamada de "abismo" onde aqueles outros anjos estão encarcerados, e que pelo relato de Lucas eles temem ir acima de tudo).

      Excluir
    2. Algo que gosto de pensar sobre essa questão é sobre crimes e penas diferentes. O crime de Satanás e do 1/3 é o de contestação das leis de Deus, da arrogância de pensar que poderia ser um governador melhor que o Criador. Ao questionar a ordem estabelecida, Satanás lança uma dúvida na cabeça dos seres até ali criados por Deus, 1/3 deles chega a acreditar nesse posicionamento. Se Deus apenas os tivesse lançado em uma prisão, ou acabado com suas vidas, qual a segurança que esse questionamento não seria feito por outro anjo no futuro? Como as criaturas de Deus saberiam que ele é realmente o melhor caminho, sendo que lhe foi apontado outro? Deus em sua imensa sabedoria e por não ser um tirano, como alguns querem pintá-lo, permite justamente que Satanás propague sua mentira e é onde entramos na confusão. É necessário então que haja tempo suficiente para que essa mentira de Satanás exista, que seus planos sejam colocados em ação e falhem. Assim, todo o universo constate e não tenha qualquer sombra de dúvida que Deus é a única verdade. Estamos no meio de uma crise legalista que, talvez, venha de antes na nossa criação e que, talvez, tenha sido a razão de nossa criação.

      A queda posterior desses anjos nada tem a ver com essa crise inicial e, por isso, poderia ser penalizada de outra forma. Mais imediata e preventiva, assim como Lucas colocou, para que não ocorresse novamente e para que eles fossem reservados para o juízo final.

      Excluir
  36. Pois é rapaz, você fechou de todos lados. Sem saída!
    Eu tinha lido apenas os três primeiros parágrafos e acabei saindo, pois estava no trabalho e esqueci completamente de ler o resto.

    A coisa ficou feia. Você deu uma sinuca de bico nas interpretações contrárias. Eu, que não via dessa forma acabei concordando com você.

    Artigo de Mestre!

    Meus parabéns

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário. Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas sobre qualquer assunto são bem-vindas e serão respondidas cordialmente, mas comentários desrespeitosos não serão publicados. Confrontamentos e discussões são aceitos, desde que saia do anonimato.