26 de maio de 2018

81 A terra irá durar para sempre ou Deus a destruirá e criará outra?



Atenção: Este é um artigo que visa primordialmente responder à pergunta do título, mas mesmo que você não tenha o mínimo interesse neste assunto em particular não deixe de ler até o final, porque ele tem muitas implicações sobre o dilúvio, a volta de Jesus, o milênio e o estado eterno, e eu aposto que muita coisa que você nunca ouviu falar antes e ficará curioso em saber, concordando ou não com a minha análise. Boa leitura!

***

Este é um típico prato cheio para ateus que adoram apontar “contradições” bíblicas, pois aparentemente há um compilado de versículos indicando que a terra irá durar para sempre, ao mesmo tempo em que há aparentemente um outro compilado de versículos indicando o oposto. Vou começar este artigo apenas compilando os versos de cada lado para depois fazer minhas considerações a respeito.


Em favor da terra durar para sempre:

“Os justos possuirão a terra e viverão nela para sempre” (Salmo 37:29)

“Estabeleceu a terra em seus alicerces; ela nunca, jamais, será tirada do seu lugar” (Salmo 104:5)

“Ele fez o seu santuário tão duradouro como os céus; como a terra, que ele estabeleceu para sempre” (Salmo 78:69)

“Uma geração vai e outra geração vem, mas a terra permanece para sempre” (Eclesiastes 1:4)

“Pois assim diz o Senhor, que criou os céus, ele é Deus; que moldou a terra e a fez, ele a fundou; ele não a criou para estar vazia, mas a formou para ser habitada” (Isaías 45:18)

*Obs: este último verso não fala sobre “durar para sempre” mas fala sobre a terra ter sido criada para ser habitada, de modo que uma destruição total do planeta seria desproposital.


Em favor da terra ser destruída:

“Levantem os olhos para os céus e olhem para a terra embaixo. Pois os céus se dispersarão como fumaça; a terra se gastará como uma roupa, e os seus habitantes morrerão como mosquitos. Mas a minha salvação será eterna, e a minha justiça jamais falhará” (Isaías 51:6)

“Céu e terra passarão, mas as minhas palavras de modo algum passarão” (Mateus 24:35)

“Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, preparada como uma noiva adornada para o seu marido” (Apocalipse 21:1-2)

*Obs: este texto é em partes uma alusão a Isaías 65:17.

“O dia do Senhor, porém, virá como ladrão. Os céus desaparecerão com um grande estrondo, os elementos serão desfeitos pelo calor, e a terra, e tudo o que nela há, será desnudada. Visto que tudo será assim desfeito, que tipo de pessoas é necessário que vocês sejam? Vivam de maneira santa e piedosa, esperando o dia de Deus e apressando a sua vinda. Naquele dia os céus serão desfeitos pelo fogo, e os elementos se derreterão pelo calor. Todavia, de acordo com a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, onde habita a justiça” (2ª Pedro 3:10-13)

“No princípio firmaste os fundamentos da terra, e os céus são obras das tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permanecerás; envelhecerão como vestimentas. Como roupas tu os trocarás e serão jogados fora” (Salmos 102:25-26)

*Obs: este texto também é repetido pelo autor de Hebreus em 1:10-12.


Considerações

Estes são os textos clássicos de um lado e do outro. Eu devo confessar que durante muito tempo acreditei na segunda tese, a da destruição da terra, embora nunca tivesse parado muito tempo para refletir a respeito. Isso porque explicar os textos em favor da terra durar para sempre sob a ótica oposta costuma ser bem mais simples e fácil do que fazer o contrário e explicar os textos que parecem deixar claro que a terra será mesmo destruída. Basta dizer que o “para sempre” é na verdade um tempo indefinido no hebraico, que neste caso seria finito. Exemplos no AT do ʽohlám sendo utilizado neste sentido é o que não falta. É assim que Geisler e Howe explicam esses textos em seu “Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e ‘Contradições’ da Bíblia”, que costuma ser muito bom.

Mas há alguns problemas sérios com essa explicação. Primeiro, porque embora de fato o ʽohlám seja usado em um sentido indefinido e finito em alguns textos veterotestamentários, isso só ocorre quando o contexto deixa óbvio que não é literalmente “para sempre” mesmo. Por exemplo, Samuel moraria no templo “para sempre” (1Sm 1:22), Davi habitaria na casa do Senhor “para sempre” (Sl 23:6), a lepra de Geazi ficaria com ele e com sua descendência “para sempre” (2Rs 5:27), etc. Mas nestes casos está claro que o “para sempre” se refere a toda a duração da vida da pessoa, que é mortal. No caso da terra é bem diferente, pois a terra não é um ser humano com um ciclo natural de vida a partir do qual subtende-se um fim. Quando o ʽohlám é usado em contextos como os textos que falam da terra, ele significa “para sempre” mesmo.

Mas há um problema maior: o Salmo 104:5 não apenas usa o ʽohlám, mas também acrescenta o ʽadh, termo hebraico que significa “para todo o sempre”, e que na Bíblia é sempre usado para um tempo sem fim. Dificilmente o escritor bíblico usaria duas palavras que significam “para sempre”, uma em seguida da outra, incluindo uma que não admite outro significado, se sua intenção não fosse justamente enfatizar que a terra realmente durará para todo o sempre mesmo.

Mas se a terra vai durar para sempre e este fato é difícil de ser contestado exegeticamente, como explicar os outros muitos textos que parecem dizer o contrário? Comecemos com o texto mais popular, que diz:

“No princípio firmaste os fundamentos da terra, e os céus são obras das tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permanecerás; envelhecerão como vestimentas. Como roupas tu os trocarás e serão jogados fora” (Salmos 102:25-26)

Aqui o texto parece ser claro: a terra perecerá. Isso não tem como discutir. O que devemos discutir é o que o salmista entendia por “terra” neste texto, já que provavelmente se trata do mesmo autor do Salmo 104:5, que deixou bem claro que a terra ”nunca, jamais será tirada do seu lugar”. Ou ele era bipolar, ou o que ele pensava por “terra” no segundo texto não era o mesmo que ele se referia no primeiro. Aqui eu vou explicar a forma como eu entendo não só esse texto, mas também todos os outros da segunda lista.

Quando o salmista fala da terra perecer ou ser destruída, ele não estava falando de uma super explosão no núcleo da terra que faria em pedaços o planeta inteiro até desaparecer completamente. Em vez disso, a terra seria destruída no sentido de que tudo o que há na terra será desfeito, virará cinzas. De certa forma, o dilúvio foi uma “destruição da terra”, no sentido de que ele destruiu tudo o que havia no planeta. Mas isso não se refere ao planeta em si, pois internamente (no núcleo e nas outras camadas internas da terra) tudo continuou existindo como antes, mas tudo o que há na superfície foi completamente destruído naquela ocasião. É este o mesmo sentido em que a terra será destruída na volta de Jesus.

“Mas espere um momento: essa é apenas a sua interpretação!”, você diria. Calma. Venha comigo para 2ª Pedro, e veja se ele não tem esse mesmo entendimento:

“Antes de tudo saibam que, nos últimos dias, surgirão escarnecedores zombando e seguindo suas próprias paixões. Eles dirão: ‘O que houve com a promessa da sua vinda? Desde que os antepassados morreram, tudo continua como desde o princípio da criação’. Mas eles deliberadamente se esquecem de que há muito tempo, pela palavra de Deus, existiam céus e terra, esta formada da água e pela água. E pela água o mundo daquele tempo foi submerso e destruído. Pela mesma palavra os céus e a terra que agora existem estão reservados para o fogo, guardados para o dia do juízo e para a destruição dos ímpios” (2ª Pedro 3:3-7)

Pedro não apenas diz que o mundo foi submerso pelas águas do dilúvio, mas também que foi destruído. No entanto, apesar do mundo ter sido destruído no dilúvio, a terra em si continuou existindo, não houve uma explosão no núcleo da terra que desfez o planeta em pedacinhos para deixar de existir, como alguns poderiam entender pelo termo “destruído”. O detalhe é que Pedro relaciona essa destruição que ocorreu por ocasião do dilúvio justamente com a destruição que ocorrerá na volta de Jesus. Apenas três versos depois, vem a parte que diz:

“O dia do Senhor, porém, virá como ladrão. Os céus desaparecerão com um grande estrondo, os elementos serão desfeitos pelo calor, e a terra, e tudo o que nela há, será desnudada. Visto que tudo será assim desfeito, que tipo de pessoas é necessário que vocês sejam? Vivam de maneira santa e piedosa, esperando o dia de Deus e apressando a sua vinda. Naquele dia os céus serão desfeitos pelo fogo, e os elementos se derreterão pelo calor. Todavia, de acordo com a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, onde habita a justiça” (2ª Pedro 3:10-13)

Basta ler o texto dentro do contexto para perceber o quão lógico é o raciocínio de Pedro: os escarnecedores da volta de Jesus são os mesmos que lá atrás zombavam de Noé, até que veio o dilúvio e destruiu o kosmos. E da mesma forma que o mundo foi destruído pelo dilúvio na época de Noé, o mundo será destruído novamente, mas pelo fogo, quando Jesus voltar. Nos dois casos ocorre a destruição do planeta, com a diferença de que no primeiro Deus destruiu por meio da água, e no segundo Deus destruirá por meio do fogo. Foi por isso que Jesus disse:

Assim como foi nos dias de Noé, também será nos dias do Filho do homem. O povo vivia comendo, bebendo, casando-se e sendo dado em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. Então veio o dilúvio e os destruiu a todos. Aconteceu a mesma coisa nos dias de Ló. O povo estava comendo e bebendo, comprando e vendendo, plantando e construindo. Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu fogo e enxofre do céu e os destruiu a todos. Acontecerá exatamente assim no dia em que o Filho do homem for revelado” (Lucas 17:26-30)

Note que Jesus, assim como Pedro, também faz alusão ao dilúvio como uma tipologia do que acontecerá com a terra quando Ele voltar, mas também acrescenta o de Ló, quando caiu fogo e enxofre do céu e destruiu a todos. E complementa dizendo que acontecerá EXATAMENTE ASSIM quando Ele voltar. Se é exatamente assim que ocorrerá quando Jesus voltar e a terra não deixou de existir quando o fogo caiu do céu no caso de Sodoma, então logicamente o fogo que cairá do céu na volta de Jesus também não destruirá a terra no sentido de explodi-la completamente até a total inexistência, mas sim no mesmo sentido do dilúvio de Noé e do fogo em Sodoma, que destruiu completamente tudo o que estava na terra, mas não a terra em si.

O que acontecerá na volta pós-tribulacional de Jesus é muito mais radical do que as pessoas imaginam: enquanto a Igreja é arrebatada ao encontro de Cristo nas nuvens juntamente com os santos ressurretos, o fogo de Deus cai do céu sobre a terra, destruindo os ímpios e tudo o que nela há, como Deus fez na época de Noé, só que por meio do dilúvio. Enquanto nos dias de Noé o meio de condenação foi a água e o meio de salvação foi a arca, na volta de Jesus o meio de condenação será o fogo e o meio de salvação será o arrebatamento. E assim como a arca baixou sobre a terra novamente após o dilúvio e Noé e sua família voltaram a terra, quando a destruição pelo fogo terminar o seu serviço a Igreja volta a terra com Cristo para passar com ele o Reino milenar.

A terra será “desnudada” como diz Pedro, como já havia sido desnudada no dilúvio, e a terra que os salvos encontrarão ao retornarem ao solo será bem diferente daquela que eles viveram antes. É aqui que entendemos os textos que falam da terra “passar” e de Deus criar uma “nova terra”. Para entender essa “nova terra” é preciso que mais uma vez voltemos ao dilúvio e entendamos o que aconteceu lá. Assim como as pessoas tem uma visão distorcida sobre o que acontecerá na volta de Jesus, elas também têm uma visão bem míope sobre o que ocorreu no dilúvio. Para a maioria das pessoas, o dilúvio foi apenas um monte de água que caiu do céu, encobriu as coisas, depois desceu e voltou tudo como era antes. Essa visão é profundamente distante da realidade, que foi infinitamente mais drástica que isso.

Na verdade, os cientistas sabem que não existe água suficiente nas nuvens do céu que seja o bastante para cobrir todos os montes do mundo inteiro como narra a Bíblia. É por isso que a Bíblia diz que no dilúvio “todas as fontes das grandes profundezas jorraram, e as comportas do céu se abriram” (Gn 7:11). Note que não apenas choveu a partir das “comportas do céu” (nuvens), mas também das “profundezas da terra”. Ou seja, o próprio solo da terra se abriu, a terra se rachou e dali subiu água que contribuiu em grande parte para formar tão grande volume.

Quando você estuda o criacionismo bíblico, você encontra a resposta para muitas coisas, como as placas tectônicas. A Bíblia ensina que no início havia um único continente (Gn 1:9), que há um século foi comprovado cientificamente e ganhou o nome de “Pangeia”. O que foi que deslocou essas placas e separou os continentes como vemos hoje? Os evolucionistas apelam aos “milhões e milhões de anos” de separação lenta e contínua, mas na teoria criacionista bíblica dos seis mil anos isso seria impossível. Apenas uma enorme catástrofe seria capaz de fazer isso em tão pouco tempo, e essa catástrofe global foi justamente o dilúvio (veja aqui). As próprias montanhas não existiam ainda, e passaram a existir a partir do dilúvio, com a ruptura e deslocamento radical das placas.

Há um documentário sobre o dilúvio que explica essas e muitas outras coisas interessantes, que eu publiquei há alguns anos no Apologia Cristã e que vale a pena conferir:



Então quando Noé e sua família desceram da arca, eles não encontraram a velha terra que antes conheciam. Em vez disso, eles se depararam com uma nova terra, uma terra totalmente diferente. Em um sentido técnico era a mesma terra, mas sua superfície havia passado por transformações tão profundas que já não tinha mais nada a ver com a antiga terra que foi destruída no dilúvio. Da mesma forma ocorrerá na volta de Jesus: a terra será destruída de tal maneira que o que veremos depois será qualquer coisa, menos o que estamos acostumados a ver agora.

É curioso observar que logo após João no Apocalipse dizer que Deus fez novos céus e nova terra, “pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado”, ele acrescenta logo em seguida: “...e o mar já não existia” (Ap 21:1). Eu sempre costumei interpretar esse texto figurativamente, embora não entendesse que raios de figura estranha seria essa de “o mar já não existe”. Mas considerando o fogo literal que cairá do céu e a destruição total da superfície terrena, é perfeitamente possível que esse fogo seja tão intenso que apague completamente os mares e as fontes de água que hoje possuímos. De todo modo, os salvos já estarão em corpo glorificado e não precisarão mais de água para sobreviver.

Um outro aspecto que é raramente observado pelos teólogos é o fato de Pedro dizer que essa destruição da terra pelo fogo se dará no “dia do Senhor” (2Pe 3:10), que na Bíblia toda é vinculado à volta de Jesus, e então diz que “naquele dia os céus serão desfeitos pelo fogo, e os elementos se derreterão pelo calor” (v. 12). Note com atenção que ele não diz que isso ocorreria mil anos depois, mas “naquele dia”, ou seja, no dia da volta de Jesus. Mas João no Apocalipse não fala de Deus criando uma nova terra senão no fim do milênio, em Ap 21:1: “Então vi um novo céu e uma nova terra...”.

Como se explica isso? A resposta é muito simples: a “nova terra” é a terra que os salvos irão construir ao longo desses “mil anos” (que podem ser literais ou não), um processo que se inicia na volta de Jesus e se concretiza no final do milênio. A única parte que não será construída por mãos humanas é a própria Jerusalém celestial, que João diz que “desce do céu, da parte de Deus” (Ap 21:2), que será a cidade principal. É importante compreender isso para tirar de mente a ideia tradicional e antiquada que se tem da vida eterna, como se fosse o ambiente monótono que Samuele Bacchiocchi descreveu e refutou com sabedoria em seu livro “Imortalidade ou Ressurreição”:

A Bíblia não retrata o mundo por vir como um paraíso etéreo onde almas glorificadas passarão a eternidade trajando vestes brancas, cantando, tocando harpas, orando, perseguindo nuvens e bebendo leite de ambrósia. Antes, a Bíblia fala dos santos ressurretos habitando este planeta purificado, transformado e tornado perfeito por ocasião e mediante a vinda do Senhor (2 Ped. 3:11-13; Rom. 8:19-25; Apoc. 21:1). Os “novos céus e uma nova terra” (Isa. 65:17) não são um retiro espiritual remoto e inconsequente em algum recanto do espaço; antes, são o céu e a terra presentes renovados à sua perfeição original.

É digno de nota que o próprio Senhor Jesus descreveu a vida póstuma não como algo que destoa completamente do que vivemos hoje, mas como a “regeneração de todas as coisas” (Mt 19:28), ou seja, a volta ao ideal adâmico pré-queda. Por isso a visão de “ir morar no céu com os anjos tocando flauta com vestes brancas” é tão longe do realismo bíblico, que jamais retrata Deus abandonando o “projeto terra” e deixando-a vazia para sempre para nos levar para o céu, mas sim restaurando as coisas como eram no projeto original, que era o de um Paraíso terreno (o Éden) onde o mal e o pecado não habitavam. Por isso Isaías diz que Deus “não criou a terra simplesmente para nada, mas a formou para ser habitada (Is 45:18).  

Cabe destacar que quando a Bíblia fala do corpo da ressurreição, ela não diz nada além do fato de ser imortal e incorruptível (1Co 15:51-54), o que, em termos simples, significa que é exatamente o mesmo corpo atual, com a diferença de que ele não vai morrer ou se deteriorar com o tempo (e consequentemente não vai ficar velho e enrugado, nem vai contrair doenças, engordar ou coisas do tipo). O corpo é o mesmo, mas sem os defeitos do mesmo. Será como deveria ter sido desde o início, como Adão foi criado antes da Queda (sobre este aspecto da vida eterna ser na nova terra, eu já escrevi este artigo, altamente recomendável para quem quiser se aprofundar no assunto).


Conclusão

A nova terra de que a Bíblia fala não é a dissolução deste planeta inteiro virando nada para depois recriar uma terra do zero, mas sim a destruição de toda a superfície da terra e de tudo o que nela há, como ocorreu no dilúvio, e a reconstrução de uma nova terra após essa enorme catástrofe global que acabará com tudo aquilo que hoje conhecemos por terra e que vemos diante de nossos olhos. Isso explica os textos que falam da terra ser destruída, ao mesmo tempo em que harmoniza com os textos que falam que a terra jamais seria “tirada do seu lugar” e “permanecerá para sempre”. Um texto que a meu ver transmite bem este sentido está no início do livro de Sofonias, que diz:

"’Destruirei todas as coisas na face da terra’; palavra do Senhor. ‘Destruirei tanto os homens quanto os animais; destruirei as aves do céu e os peixes do mar, os que causam tropeço junto com os ímpios. Farei isso quando eu ceifar o homem da face da terra’, declara o Senhor” (Sofonias 1:2-3)

Como se nota, a “destruição da terra” não é uma enorme e gigantesca explosão que desfaz o planeta inteiro em pedacinhos, mas sim a destruição de todas as coisas na face da terra, o que inclui todos os homens e animais. Isso acontecerá enquanto a Igreja estiver a salvo com Cristo nas nuvens e com corpo glorioso, com o qual passaremos o milênio reconstruindo a terra para o estado eterno.


Adendo

Adendo 1: Um leitor observou que o termo “novo” (usado em Ap 21:1 para falar dos novos céus e nova terra), no grego kainós, significa renovado, voltando a um estado original (veja aqui), o que vai ao encontro do sentido que exponho no artigo.

Adendo 2: Sobre o texto que diz que “o mar já não existe” (Ap 21:1), um leitor fez alusão ao texto que diz que “as águas que você viu, onde está sentada a prostituta, são povos, multidões, nações e línguas” (Ap 17:15), então significaria que esses povos, multidões, nações e línguas não existiriam mais no estado eterno. Embora o texto de 21:1 use o termo thalassa (mar) e não hudor (águas), é certamente uma interpretação possível. Um outro leitor apontou que o “mar” seria uma alusão ao mar que cercava a ilha de Patmos onde João estava preso quando recebeu as revelações, então “o mar já não existe” seria uma referência a não haver mais entraves à liberdade do povo de Deus. Embora considere essa interpretação um tanto quanto subjetiva, também é perfeitamente possível, da mesma forma que a interpretação literal apresentada aqui e outras que possam ser oferecidas. Cabe ao leitor decidir qual lhe parece mais razoável.

• Compartilhe este artigo nas redes:


Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,
- Siga-me no Facebook para estar por dentro das atualizações!


- Baixe e leia os meus livros clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


ATENÇÃO: Sua colaboração é importante! Por isso, se você curtiu o artigo, nos ajude divulgando aos seus amigos e compartilhando em suas redes sociais (basta clicar nos ícones abaixo), e sinta-se à vontade para deixar um comentário no post, que aqui respondo a todos :)

81 comentários:

  1. Outra questão é que o termo "Novo ceus e nova terra" usa o grego kainós, que significa renovado, voltando a um estado original.

    https://ligadonavideira.wordpress.com/2013/03/04/explicacao-de-textos-dificeis-da-biblia-novo-em-grego-e-novo-em-portugues/comment-page-1/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem observado. Adicionei como adendo no final do artigo.

      Excluir
  2. Ótimo artigo, nunca tinha refletido sobre isso antes. Só não acredito que o mar vai literalmente deixar de existir, estou mais acostumado com o pensamento de que o mar, nesse texto de Apocalipse, representaria povos e nações, logo, o texto está dizendo que não existiriam mais povos divididos e sim que todos seriamos um só povo. Acredito nessa interpretação porque se a Nova Terra voltará ao projeto original de Deus, do tempo de Adão, então teria que ter o mar obrigatoriamente, pois no tempo de Adão existia o mar. Além de que eu não acho que Deus destruiria o mar junto com todos os animais que existem lá para serem extintos pra sempre, seria como se eles não tivessem valor nenhum, como se tivessem sido criados em vão, mas não foi em vão, tudo que Deus fez ele viu que era bom. E se Isaías diz que há animais na nova terra então acho que também estão incluídos os animais marinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adicionei a sua interpretação sobre o mar como adendo no final do artigo, juntamente com outra que um outro leitor ofereceu. Sobre a questão dos animais eu creio que Deus criará animais novos, e não que estes que atualmente vivem continuarão vivos, procriando e morrendo no ciclo natural da vida, mesmo porque não haverá morte no estado eterno, o que entendo que se aplica aos animais também.

      Excluir
  3. Sobre o dilúvio e a questão da datação gosto muito deste vídeo https://www.youtube.com/watch?v=TZL2pKANYa0

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não conhecia esse, obrigado por compartilhar.

      Excluir
  4. Legal tbm este vídeo onde o Marcos Eberlin refuta o argumento de que o homem e o macaco tem um ancestral comum https://www.youtube.com/watch?v=_VTtDUDutLI

    ResponderExcluir
  5. Lucas,
    Pode-se dizer que, na prática, não há diferença entre Sola Scripturistas e Solo Scripturistas?
    Aliás, te mandei mensagem no Facebook.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Solo Scripturista" parece ser o tipo de coisa de "só acredito se está na Bíblia". Mas se for assim mesmo não poderíamos nem crer en nada do que diz respeito à ciência e conhecimentos humanos que transcendem as Escrituras. É como se não dêvessemos aprender português, matemática, física e etc, apenas Bíblia. É lógico que esse pensamento é falso, há muitas coisas na vida que a Bíblia não responde porque não é da sua área. Sola Scriptura consiste em que tudo relacionado à SALVAÇÃO está na Bíblia, onde Deus nos deixou legado tudo o que é suficiente para o nosso conhecimento doutrinário.

      Excluir
    2. Lucas, católico costuma dizer que não tem Sola Scriptura na Escritura. São uns incrédulos contumazes.

      O que tinha que se cumprir era a Escritura e não a tradição. Jesus, diante da dúvida e incredulidade das pessoas,  muitas vezes usou frases como, "Não lestes nas Escrituras? Está Escrito" e similares. Para os discípulos no caminho de Emaus, que provavelmente estavam nas nuvens das tradições, ele diz:

      " ... Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram!

      Porventura, não convinha que o Cristo padecesse e entrasse na sua glória?

      E, começando por Moisés, discorrendo por todos os Profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras",  lucas 24:25-27.

      Jesus não escreveu nada, mas usou muito o que estava escrito. Católico quando lê coisas assim, ele enfarta:

      "...  E, começando por Moisés, discorrendo por todos os Profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras",

      Não é a tradição que dá testemunho de Jesus, mas as Escrituras. Ele mesmo disse "... as Escrituras... são elas mesmas que testificam de mim", João 5:39.

      Jesus disse que devemos  crer nele  pelas Escrituras e não pela tradição: "Quem crê em mim, COMO DIZ A ESCRITURA, do seu interior correrão rios de água viva", João 7:38.

      Paulo tentava convencer os judeus "... mostrando pelas Escrituras que Jesus era o Cristo", Atos 18:28.

      Em Atos 24:14, ele diz: " ... conforme aquele caminho que chamam seita, assim sirvo ao Deus de nossos pais, CRENDO TUDO QUANTO ESTÁ ESCRITO  na lei e nos profetas".

      Os católicos costumam incluir as tradições nas  coisas ocultas, envolvendo tais tradicoes  em mistérios não revelados que jamais fizeram parte das Escrituras. Porém, para Paulo, o misterio que esteve oculto foi revelado sim pelas Escrituras:

      "Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu EVANGELHO E A PREGAÇÃO DE JESUS CRISTO, conforme a revelação do mistério guardado em silêncio nos tempos eternos, e que, agora, se tornou manifesto e foi dado a conhecer por meio das Escrituras proféticas, segundo o mandamento do Deus eterno, para a obediência por fé, entre todas as nações", Rom 16:25,26.

      "... foi dado a conhecer POR MEIO DAS ESCRITURAS... para a obediência por fé, entre todas as nações".

      E podem virar a mesa de cabeça pra baixo, mas esse texto é claríssimo com relação à sola scriptura:

      "... as sagradas Escrituras podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus.

      TODA a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;

      Para que o homem de Deus seja PERFEITO, e perfeitamente instruído para TODA a boa obra" 1 Tm 3:16-18.

      E para finalizar devemos nos lembrar que não há nenhum livro neste mundo que contenha as duas alianças feitas por Deus ao seu povo, mas somente a Biblia - 66 Livros. Aquilo que está escrito diz respeito as duas  ALIANÇAS!!!

      E OS CATÓLICOS AINDA DIZEM QUE NÃO É SUFICIENTE!!!

      Alon

      Excluir
    3. Alon aqui eles ficam sem saída se perguntarem onde esta escrito se é SOMENTE como diz a escritura

      Quem crê em mim, COMO DIZ A ESCRITURA, do seu interior correrão rios de água viva, João 7:38.


      qua qua qua qua qua qua qua qua qua qua qua

      Excluir
  6. Lucas, se o dilúvio cobriu todo o planeta, depois, o que houve com toda água?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela voltou para de onde veio: embaixo da terra. Curiosamente a ciência provou que há muita água debaixo da terra, mais até do que o que tem na superfície. Sobre isso o Afonso abordou neste vídeo:

      https://www.youtube.com/watch?v=pDmde29YpRo

      Como ele disse que vai deletar o canal dele em breve, você pode ver nesse outro link de outro canal com o mesmo vídeo:

      https://www.youtube.com/watch?v=JxKrwEDKBpE

      Excluir
    2. Olha isso Banban. Reforça o que você disse. Oceano subterrâneo é descoberto perto do núcleo da Terra:

      https://super.abril.com.br/blog/supernovas/oceano-subterraneo-e-descoberto-perto-do-nucleo-da-terra/

      Excluir
    3. Pois é, cada vez surgem mais provas, só não acredita quem não quer.

      Excluir
    4. Falando em aguas subterraneas o que vc acha da teoria da terra plana

      Excluir
    5. Embora os terraplanistas tenham alguns argumentos interessantes, eu nunca vi alguém explicar razoavelmente coisas que provam o globo como o Cruzeiro do Sul ou o equinócio. Acho mais fácil enquadrar as evidências pró-plana no globo do que o contrário.

      Excluir
  7. "...embora não entendesse que raios de figura estranha seria essa de 'o mar já não existe'”. Lucas, como João estava exilado numa Ilha o "mar" era um entrave à liberdade do evangelista. Na nova Jerusalém não haverá obstáculos à liberdade como o mar era pra João. Esse é o entendimento que eu tenho. Concordas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acrescentei essa possibilidade como um apêndice no final do artigo, confira lá.

      Excluir
  8. Amigo Banzoli, na tese da aniquilação, o fogo que dará fim ao planeta e o inferno são a mesma coisa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, porque esse fogo que destrói o planeta ocorre na volta de Jesus e não no final do milênio (que é quando os ímpios ressuscitam, são julgados e condenados). O fogo da destruição do mundo consta nos textos que eu citei, já o da destruição dos ímpios consta em outros textos como o de Ap 20:9, que já é pós-milenar.

      Excluir
    2. Esse fogo poderá ser a morte solar profetizado em Joel 2.31?

      Excluir
    3. Sim, está relacionado a este evento porque é justamente ele que precede a volta de Jesus, como Cristo disse em Mateus 24:29.

      Excluir
  9. Olá Lucas tudo bem com você irmão?

    Estou aqui para ter uma opinião de quem entende de teologia.

    Minhas questões sâo as seguintes:
    1. O que você acha da Igreja Adventista do Sétimo Dia? Ela é uma seita? Um cristão pode congregar nela?
    2. Eu sou arminiano mas eu tenho umas dúvidas, por exemplo: Se Deus não predeterminou tudo, então quem colocou o futuro lá para Deus consultar, já que Ele é presciente? Se não foi Deus, então existe uma força independente de Deus que faz as coisas acontecerem, já que os arminianos não acreditam que Deus determinou o futuro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo bem?

      1) Eu vejo a IASD como uma comunidade evangélica como tantas outras, não vejo como uma "seita" e nem como a "igreja remanescente". É uma igreja com acertos e erros como as demais, mas dos erros nenhum que seja um ponto fundamental para a salvação (neste caso, para a perdição). Eu não tenho nada contra congregar nela quem quiser, se alguém só aceitasse congregar em uma igreja perfeita não iria congregar nunca em lugar nenhum.

      2) A presciência de Deus não é causativa, embora em alguns casos Deus determine algumas coisas (o indeterminismo não significa que os homens causem tudo, mas sim que Deus não causa tudo). Deus sabe o que vai acontecer porque ele é um ser atemporal e como tal está ao mesmo tempo no nosso passado, presente e futuro, não é como um "vidente" que está preso ao presente e apenas "prevê" o futuro, mas como alguém que JÁ ESTÁ lá na frente e por sabe isso de forma concreta e absoluta o que vai acontecer. Mas isso que acontece, em grande parte, não é ele quem faz acontecer com uma varinha mágica, mas os seres humanos através do livre-arbítrio, com a permissão de Deus.

      Excluir
  10. Uma pergunta.

    Esses textos não afirma que Deus precisa determinar alguém pecar para garantir o cumprimento da profecia?

    Mateus 26:24; João 17:12; Atos 2:23; Atos 4:27-28?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O fato de Deus profetizar algo que vai acontecer não significa que ele determinou o acontecimento mas sim que ele sabia que iria acontecer (pela presciência) e por isso profetizou de antemão. Não é do tipo: "Vixi, profetizei, agora já era, vai ter que pecar de qualquer jeito", mas sim como: "Eu vi que tal pessoa faria tal coisa, então já estou dizendo de antemão". Aí você pode questionar: "Mas e se a pessoa decidisse não agir daquela maneira?". Neste caso não existiria a profecia em questão, ou a profecia diria outra coisa. O ponto em questão é que são as atitudes dos homens que Deus vê antes de acontecer e profetiza, e não um decreto divino que tornem as coisas inevitáveis do ponto de vista humano.

      Excluir
  11. Conde Loppeux teve a conta do youtube deletada pelo Google

    Acusou a direita católica brasileira, que denunciou um vídeo onde ele ataca o Estado de Israel

    Acusado pelos próprios olavetes, segundo ele

    https://www.youtube.com/watch?v=6oG96gB_cFk&t=779s

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu pensando que foi porque chamou a Paula Marisa de "bruxa herética" ;p

      Excluir
    2. Aquele gordinho é viado kkk.

      Excluir
    3. Não é de hoje que o Conde fala mal do Estado de Israel e tbm dos próprios judeus. Os comentários anti-semitas dele eram evidentes em certas discussões.

      Excluir
    4. Não se preocupe, agora ele está publicando vídeos na poderosa e influente "TV Glória", está crescendo na carreira: https://gloria.tv

      O céu é o limite.

      Excluir
    5. "está crescendo na carreira"

      Boa kkkk.

      Excluir
    6. "Não se preocupe, agora ele está publicando vídeos na poderosa e influente "TV Glória", está crescendo na carreira: https://gloria.tv."

      Ainda bem, dessa forma ele não enganará tantos ignorantes como fazia antes com a sua Dialética erística.

      https://pt.wikipedia.org/wiki/Dial%C3%A9tica_er%C3%ADstica

      Excluir
  12. Lucas, o que tem achado dessa greve dos caminhoneiros? Na minha opinião até aqui tem sido bom para dar uma pressão nos governantes mas ja deu o que tinha que dar. Se passar daqui se torna irresponsabilidade pois que sofrerá é o povo e não os politicos que estão na boa com certeza. Já tem hospitalizados sofrendo seriamente com tudo isso, como pessoas que fazem hemodialise.
    Muitas das reivindicações são legitimas, no entanto, insistir nessa paralisação é ilusão pois os problemas são muito mais complexos e profundos do que se pensa. Abaixar o combustivel é ilusão pois o dinheiro será tirado de outro lugar com certeza. Por isso o Governo reluta em reduzir pois sabe que não é tão simples assim, e o qualquer que entrar vai continuar fazendo do memso jeito, pois a Petrobras e o Pais tem custos que precisam ser sanados de qualquer jeito, fora que o combustivel tem o preço vinculado ao dólar e ao sistema intenacional.
    Para o país melhorar é preciso uma transformação muito grande em nossa sociedade. Já trabalhei em varias empresas, e em todas elas, sempre tem uma parte significativa de funcionarios que trabalham pouco ou fingem que trabalham, só trabalham mesmo quando estão sendo vigiados, como que teremos uma economia forte e eficiente com tanta gente assim?
    Os caminhoneiros por exemplo, quantos deles não usam serviços de prostitutas e pior, prostituição infantil, nas estradas, fora outros problemas de caráter? Não acho que o povo brasileiro tem lá muita moral para exigir honestidade dos governantes. Nunca que os politicos terão dó de um povo como nós, na biblia esta escrito: o rei tem o coração do povo
    O povo precisa mudar, e um protesto mais eficiente seria em cada cidade a população se reunir em frente prefeitura e camara de vereadores para pressionar por corte de gastos.

    ResponderExcluir
  13. Outro coisa preocupante é essa insistencia em intervenção militar, os militares sao seres superior por acaso? Isso gera o risco do pais cair numa ditadura o que seria um desastre para o pais e a ecomomia seria arrebentada, seja a uma ditadura de direita ou de esquerda, embora ache que de esquerda seria muito pior. Para a Igreja, é um engano pensar que uma ditadura de direita seria bom, pois todo governo totalitario tende a ser hostil a Igreja. Alem disso, não tenho duvida que esse ambiente de caos é ideal para a esquerda com oportunismo dar o bote que eles não veem a hora de dar e, infelizmente, uma hora ou outra vão conseguir dar (pois é o sistema do Anticristo), mas quanto mais demorar melhor! Qual sua opinião sobre tudo isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo com tudo o que você expôs, muito bem embasada a sua análise. Na verdade temos duas coisas em jogo aqui: primeiro, uma reivindicação legítima dos caminhoneiros por menos impostos em um país com impostos abusivos, e segundo, um dano enorme na economia e na vida social das pessoas de todo o país que acaba sendo muito mais impactante do que as reivindicações em si. De certo modo, isso me faz lembrar da greve dos policiais no Espírito Santo, que realmente tinham um salário baixo demais para a classe e o aumento seria justo, mas em decorrência disso a bandidagem rolou solta, centenas de pessoas morreram em poucos dias, estabelecimentos foram fechados e os que não foram acabaram roubados ou depredados, e assim por diante. Da mesma forma que devemos reconhecer quando uma reivindicação é justa, também devemos ter bom senso para saber quando as coisas passaram dos limites e quando os danos colaterais são maiores que as próprias reivindicações. Agora o que o governo está propondo é basicamente trocar um imposto por outro, ou seja, mudar seis por meia dúzia, é uma lástima. Por isso é tão importante que nessas eleições de 2018 votemos em candidatos liberais com uma agenda de enxugamento de gastos da máquina pública e redução de impostos, ou então veremos esse caos se repetindo o tempo inteiro.

      Excluir
    2. E quanto a esta ideia de intervenção militar? Eu acho que é perigosíssimo. As vezes me passa pela cabeça que tem gente muita esperta e perigosa jogando essa isca para fisgar o povo: a esquerda por exemplo! As pessoas realmente acham que os militares são bonzinhos? Não passa pela cabeça das pessoas possam ser de esquerda? E mesmo que sejam de direita, não irão acabar com a corrupção coisa nenhuma, pois vivem na mesma cultura e tem, portanto, a mesma mentalidade e caráter em geral.
      Agora, nós cristãos não podemos colocar a nossa confiança em militares, Bolsonaro, e nem em partido e ideologia nenhuma. Somente em Jesus! Que os ímpios tenham esperança nesse povo aí é normal pois eles não tem esperança, mas nós não podemos pensar assim.

      Excluir
    3. Exato, o regime cubano por exemplo é de caráter militar, assim como a ditadura da Coreia do Norte e a URSS stalinista, nada garante que por ser um regime apoiado pelos militares será necessariamente bom. Inclusive é justamente o fato dos militares ainda apoiarem o Maduro que permite que ele mesmo atuando como um ditador e contra a vontade quase unânime da população consiga se manter no poder. No Brasil criou-se essa mentalidade de que os militares são "bonzinhos" por causa do golpe de 64 que muitos veem como um "anti-golpe comunista", mas pensar isso em pleno século XXI é muita ingenuidade.

      Excluir
    4. A direita que apoiou a greve dos caminhoneiros era, em sua maioria, olavetes e com apoio do próprio Olavo

      http://www.gazetadopovo.com.br/rodrigo-constantino/artigos/desmascarando-um-revolucionario-de-facebook/

      http://www.gazetadopovo.com.br/rodrigo-constantino/artigos/o-brasil-precisa-e-de-uma-revolucao-cultural-nao-de-agitadores-das-massas/

      Excluir
  14. Banzoli, você ainda se congrega na igreja do Luciano Sabiá?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tá em qual agora?

      Excluir
    2. "Comunidade Vineyard"

      É pentecostal essa Vineyard?

      Excluir
  15. Porque você não crer mais na imoralidade da alma?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sempre cri na imoralidade da alma. O homem é naturalmente depravado mesmo.

      Excluir
    2. "Eu sempre cri na imoralidade da alma. O homem é naturalmente depravado mesmo"

      Não é isso não rsrs. Eu quis dizer imortalidade da alma. Acabei não colocando a letra "t".

      Excluir
    3. Eu acho que ele quis dizer imortalidade, não?

      Excluir
    4. Sobre isso escrevi aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/05/para-entender-o-aniquilacionismo-de.html

      Excluir
    5. Como você conheceu o aniquilacionismo?

      Excluir
    6. Eu conto isso nesse vídeo:

      https://www.youtube.com/watch?v=qF94lSNkM44

      Excluir
  16. Lucas, você conhece a história de sao simao de trento, onde ele teria sido brutalmente torturado por judeus?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é uma das mais famosas conspirações católicas contra os judeus na Idade Média, que os católicos inventaram para difamar e caluniar os judeus e se aproveitar do ódio instigado pelo episódio a fim de assassiná-los em massa. Não há absolutamente NENHUMA prova que os judeus assassinaram essa criança, e na época qualquer coisa que acontecia eles culpavam os judeus, até na Peste Negra acusaram os judeus de terem envenenado os poços (a despeito do fato dos próprios judeus estarem morrendo pela peste como todos os demais) e usaram este pretexto para massacrá-los. Foi assim também nas cruzadas e em qualquer situação por mais corriqueira que fosse; os judeus eram sempre o bode expiatório para todos os problemas sociais que eles não sabiam como lidar em absoluto, tanto pela sua ignorância a respeito do mundo quanto pelo seu fanatismo característico. Até mesmo os acusavam de profanar hóstias consagradas para torturá-los, forçá-los a admitir o "crime" e assassiná-los covardemente. Literalmente qualquer coisa podia ser um pretexto para perpetrar o ódio que sentiam pela minoria judia, que era ao mesmo tempo um fruto do fanatismo e intolerância católica da época, e da inveja que sentiam pelo fato dos judeus geralmente prosperarem nos negócios e eles não. Daí era só culpá-los de terem cometido "deicídio" (assassinato de Deus) e pronto, já tinham uma boa razão para persegui-los, confiscando-lhes suas propriedades ou simplesmente assassinando a sangue frio.

      Excluir
  17. A Irlanda(País católico),vai descriminalizar o aborto devido ao resultado de um referendo.
    Pergunta:O que aconteceu com o "Baluarte do Conservadorismo"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser o baluarte mais fraco que eu já vi.

      A propósito, acabei de escrever um artigo sobre isso. Será publicado amanhã.

      Excluir
  18. Lucas, minhas perguntas são: 1. Qual sua opinião sobre a comparação do pedobatismo com a circuncisão judaica?
    2. Qual sua opinião acerca dos Iluminatti e o Circulo de Bildenberg? Tu acredita que a cúpula do Vaticano está envolvido com a Nova Era?
    3. Não sei se compreendi direito, mas o seu artigo não acaba dando margem para a concepção das TJ?
    4. Desafio você a rebater o bispo católico Dom Henrique Soares. Tipo numa mensagem para ele. Quero ver se existe alguém corajoso capaz de acabar com o orgulho e destruir a idiotices que ele fala. Como por exemplo: " A Igreja está acima da Bíblia... o católico que pensa o contrário, é um protestante".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá:

      1) Sobre isso eu comentei neste artigo:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2013/08/o-batismo-e-circuncisao.html

      2) Não conheço quase nada sobre esses assuntos, realmente são assuntos que eu ainda não parei para estudar a fundo, então não me sinto apto para comentar sobre conspirações, nova era, iluminatis e etc. Na minha opinião superficial e leiga há sim uma elite global controlando o planeta pois só assim poderiam levantar o nome do anticristo de forma consensual para ser aceito no mundo todo, dificilmente o anticristo conseguiria na sorte ou por pura manipulação de tudo e de todos. O Daniel Mastral (ex-satanista) fala disso nos seus livros e vídeos, que o satanismo tem preparado o surgimento do anticristo e o treinado justamente para este fim, não é algo que surgirá espontaneamente.

      3) As TJs tem muitos conceitos sobre o mundo por vir que eu discordo bastante, como a questão dos 144 mil, a crença de que só os justos vão ressuscitar e que os ímpios que ressuscitarem terão uma segunda oportunidade de salvação, dentre outras esquisitices escatológicas às quais me oponho. Mas nessa questão específica da terra eles estão certos, não só eles, mas todos os muitos teólogos das mais diversas denominações e vertentes que também concordam que a terra não será destruída no sentido proposto pelos que ensinam que iremos morar no céu. Cabe lembrar ainda que para os TJs uma elite de salvos irá passar a eternidade no céu e o resto na terra, isso eu discordo completamente e vejo como algo totalmente sem base, na minha concepção TODOS os salvos passarão a eternidade na nova terra.

      4) Essas bobagens já foram refutadas em diversos artigos do meu blog antigo, que você pode conferir neste índice aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2015/07/artigos-sobre-catolicismo.html

      Mais especificamente sobre essa alegação, você pode conferir estes artigos:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2017/09/a-igreja-catolica-esta-acima-da-biblia.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2015/06/os-catolicos-romanos-deram-biblia-aos.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2017/04/a-biblia-foi-escrita-por-catolicos-e.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2015/02/a-biblia-e-filha-da-igreja.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2015/06/a-igreja-e-coluna-e-sustentaculo-da.html

      Abs!

      Excluir
  19. É debate tipo aquele seu com o frei... rsrs... um abraço meu amigo

    ResponderExcluir
  20. Então quando a bíblia cita os 144.000 mil está falando de forma literal? Lembro de um artigo seu onde vc dizia que esses 144.000 era figurativo...mudou seu pensamento em relação aos 144.00 mil tbm?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os 144 mil continua sendo bem mais lógico se interpretado de forma figurada com o significado que exponho no artigo em questão, por várias razões, entre as quais o fato de a lista das tribos citadas neste trecho do Apocalipse não ser compatível com nenhum outro registro das doze tribos em toda a Escritura:

      http://ocristianismoemfoco.blogspot.com/2015/09/quem-sao-os-144-mil.html

      Nem o milênio eu interpreto de forma necessariamente literal; como disse no artigo, é bastante razoável que se refira a um período completo que diz respeito ao tempo que os santos ressurretos levarão para reconstruir o planeta, o que pode ser menos ou mais do que os mil anos em si (provavelmente menos). Só a questão do mar que eu incluí no artigo a possibilidade de ser algo mais literal porque harmoniza com o relato da destruição da superfície da terra pelo fogo, e mesmo assim há outras possibilidades como figura de linguagem, tais como as duas que adicionei como adendo no final do artigo. Abs.

      Excluir
  21. Banzolão, crie um site só pra refutar o liberalismo teológico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa coisa de ficar criando um site para cada coisa é muito ruim, eu fiz isso durante anos e foi uma péssima escolha, no final as pessoas não sabiam mais nem qual site acompanhar para ler meus artigos novos, por essa razão hoje só escrevo neste site mesmo e não em outros. Eu pretendo escrever sobre liberalismo teológico sim, mas no momento não é o foco, eu coloco mais como um projeto futuro, talvez para o fim desse ano ou para o próximo (o que não me impede de escrever um ou outro artigo sobre isso de vez em quando, já no tempo presente). Abs.

      Excluir
    2. No momento o seu único site funcionando é esse?

      Excluir
    3. "Funcionando" todos estão (eu não tirei nenhum no ar, exceto o "Estudando Escatologia" porque era inútil), mas os outros estão parados e vão continuar assim até a volta de Jesus porque desde o início de 2018 eu só escrevo por aqui mesmo.

      Excluir
  22. Lucas, gostaria de enumerar os erros da novela "Apocalipse" da Record?

    ResponderExcluir
  23. "Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão." (2 Pedro 3:10)

    O mais interessante é que, antes de falar sobre "a terra e as obras que nela há", fala sobre "os céus... e os elementos". Será que isso quer dizer que todo o universo será atingido pelo fogo? Ou todo o nosso sistema solar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, pelos relatos bíblicos é algo que envolve muito mais que apenas o nosso planeta em si. Inclusive Jesus disse que "o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz; as estrelas cairão do céu, e os poderes celestes serão abalados" (Mt 24:29), em um contexto onde não parece ser nada alegórico (todo o capítulo 24 de Mateus são de coisas literais).

      Excluir
  24. Eu não entendo o que significa essas estrelas caindo do céu. Será meteóros? O curioso é que não diz onde cai. Não diz, por exemplo, "e as estrelas cairão na terra". Diz apenas que cairão do céu. Se essa passagem se refere a estrelas mesmo, será um buraco negro super-massivo que vai tirar as estrelas da nossa galáxia de seus lugares? Existem estrelas milhares de vezes maiores que nosso sol. Só a força gravitacional espantosa de um buraco negro é capaz de mover uma estrela (ou o poder de Deus diretamente). Ou talvez seja meteoros mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não faço a menor ideia. Seguramente o grego koiné não tinha palavra específica para "meteoro", então o termo "estrela" é genérico, da mesma forma que a "baleia" que engoliu Jonas, quando na verdade é um termo hebraico e grego que pode significar qualquer animal marinho.

      Excluir
    2. Talvez para o conhecimento popular da época, qualquer ponto brilhante que se movia no céu fosse chamado de estrela. Outra passagem que eu acho enigmática é a da estrela que guiou os magos até onde Jesus estava:

      "E, tendo eles ouvido o rei, partiram; e eis que a estrela, que tinham visto no oriente, ia adiante deles, até que, chegando, se deteve sobre o lugar onde estava o menino." (Mateus 2:9)

      Eu não tenho uma opinião fixa, mas acho que talvez essa "estrela" também fosse um meteoro que, do ponto de vista do observador, se "deteve" sobre o lugar. Eu me lembro que quando eu era criança e morava na zona rural, em um sítio, eu e meus amigos ficávamos observando as "estrelas cadentes" (que na verdade são meteoros) durante muito tempo a noite. Lembro que tínhamos a impressão de que aquelas "estrelas" caiam dentro do açude desse sítio. Passamos nossa infância toda crendo nisso, até que na escola aprendemos sobre os meteoros. Mas, do nosso ponto de vista, dava a impressão de que caiam dentro do açude. Quando eu leio essa passagem, sempre lembro desse acontecimento. Então, talvez, do ponto de vista deles, tivessem a impressão de que aquela "estrela" parou sobre a casa, quando o que aconteceu foi, provavelmente, que o meteoro se desfez em um ângulo que fizesse eles pensarem assim. Mas, isso é só teoria minha. É apenas minha opinião. Meteoros quando caem, dependendo do ângulo de visão, nos dá a impressão de que caiu em uma cidade próxima. Provavelmente, no conhecimento popular (e ainda existe hoje) da época, pontos brilhantes que se moviam no céu por um tempo e desapareciam (meteoros) eram chamados de estrelas. Se for assim, o que Jesus previu provavelmente foi uma chuva de meteoros que acontecerá na sua segunda Vinda, que para as pessoas daquela época era estrelas caindo. Como ninguém não sabia nada sobre pedras gigantes ou pedaços gigantes de ferro vindos do espaço, talvez Jesus preferiu falar estrelas mesmo, segundo o conhecimento popular da época dele. E você, o que acha?

      Excluir
    3. Também existe a possibilidade de que essa "estrela" em particular fosse apenas uma visão dada aos magos. Pode parecer bizarro em um primeiro momento como eu também achei no início, mas o vídeo que o "A Verdade é Lógica" fez sobre isso faz muito sentido. Por exemplo, nem Herodes e nem as outras pessoas pareciam ver a estrela, só os magos que a viam, e Herodes pediu informação para eles para que eles voltassem e dissessem onde a "estrela" estava a fim de encontrar Jesus, já que presumivelmente nem o próprio Herodes estava vendo a tal estrela.

      Excluir
    4. Eu lembro desse vídeo do a verdade é lógica. Faz sentido mesmo.

      Excluir
  25. Olhe isso, Banzoli.

    https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Espaco/noticia/2015/06/estrela-de-belem-pode-ter-sido-fenomeno-parecido-com-o-que-ocorre-nos-ceus-hoje.html

    ResponderExcluir
  26. Interessante seu artigo.
    Talvez queira ler este:
    https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1200001239

    Abraço

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário. Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas sobre qualquer assunto são bem-vindas e serão respondidas cordialmente, mas comentários desrespeitosos não serão publicados. Debates e discussões são aceitos, desde que saia do anonimato.