22 de maio de 2018

91 Resolvendo o “problema sinóptico” da origem e fonte dos evangelhos



Este artigo será certamente um dos menos lidos do blog porque o assunto não é popular e a discussão não interessa à maioria das pessoas comuns. No entanto, no ambiente acadêmico, acredite, este é um dos temas mais discutidos, muito mais do que discussões populares como “calvinismo vs arminianismo” e coisas do tipo. No meu mestrado, por exemplo, havia uma matéria só sobre isso, onde todas as hipóteses são apresentadas e discutidas. Para não tornar o texto exaustivo, aqui eu não vou trabalhar com todas as hipóteses já formuladas, mas com as duas principais.

É bom deixar claro desde já que o termo “origem” aqui não diz respeito à data em que os evangelhos foram escritos (que é uma outra discussão), mas sim sobre qual veio primeiro e serviu de fonte para os demais. Em outras palavras, qual foi a “matéria-prima” de Mateus, Marcos e Lucas para escrever seus respectivos evangelhos, chamados sinópticos por apresentarem uma forte semelhança entre si (enquanto João destoa de todos os demais). Uma vez que é consenso acadêmico tanto entre conservadores como entre liberais que João foi o último evangelho a ser escrito, não me deterei aqui sobre isso, mas exclusivamente aos sinópticos.

O leitor mais familiarizado com a leitura dos evangelhos deve ter percebido que eles contêm muitas histórias e ditos de Jesus idênticos, o que nos leva a crer que algum dos três foi escrito originalmente e os outros dois o copiaram em grande medida. No entanto, chama a atenção o fato de que todos os evangelhos contêm um conteúdo exclusivo (não presente nos demais) e inclusive passagens sobre um mesmo acontecimento, mas com diferenças textuais às vezes ínfimas e às vezes mais significativas, que deduzem não terem sido copiadas daquela fonte especificamente (ou senão seriam iguais, como de fato o são em outros casos). Diante disso, os teólogos liberais e conservadores propuseram teorias ao longo dos séculos que tentam explicar a questão e resolver a problemática, e a tese predominante entre os liberais é essa (clique na imagem para ampliar):


Vamos explicar o quadro: para eles, Marcos é o primeiro evangelho, do qual Mateus e Lucas extraíram o conteúdo. No entanto, como ainda sobra muito conteúdo em Mateus e Lucas que não consta em Marcos, esse adicional foi supostamente extraído da “Fonte Q”. Essa misteriosa fonte não se trata de um livro chamado “Q”, mas de uma fonte desconhecida por todos (literalmente todos, até pelos Pais da Igreja, a respeito dos quais comentarei mais adiante), mas que teria servido como base para os evangelhos de Mateus e Lucas junto com Marcos e um material exclusivo de cada um. Assim, basicamente “Marcos + Q = Lucas e Mateus”.

Eu discordo dessa teoria e explicarei aqui as razões. A primeira e talvez mais importante é porque Mateus era o único entre esses três evangelistas que fazia parte do grupo dos doze discípulos originais, que conviveram pessoalmente com Jesus durante todo o seu ministério. Seria muito pouco razoável que uma pessoa que viveu pessoalmente com o Mestre precisasse copiar grande parte de um evangelho escrito por alguém que não era apóstolo (ou seja, Marcos), em vez de registrar aquilo que presenciou com seus próprios olhos. Se você fosse discípulo de Jesus, tivesse convivido com ele por três anos e quisesse escrever sobre ele, você dificilmente iria se limitar a copiar autores de “segunda mão”. Em vez disso, registraria aquilo que você mesmo viu. Este é o caso de Mateus. Portanto, Mateus é presumivelmente o primeiro evangelho.

Os teólogos liberais argumentam que Marcos foi o primeiro porque Marcos consta quase integralmente dentro dos outros dois evangelhos sinópticos. Marcos possui 661 versículos, e apenas 29 são de relatos únicos, inexistentes nos outros evangelhos. Liberais usam isso como argumento para o fato de Marcos ter sido o primeiro e então Mateus e Lucas o terem usado como material-fonte para a escrita dos seus próprios evangelhos, ampliando Marcos. No entanto, isso pode ser facilmente o oposto: se Mateus foi o primeiro, Marcos pode ter apenas resumido Mateus de uma forma cronológica e de mais fácil compreensão para os gentios (que é a tese que defendo). Não é por algo ser menor que necessariamente os maiores copiaram dele. O contrário é o mais provável aqui.

E em relação à “Fonte Q”? Ela quase certamente não existe. Na verdade, nem os próprios defensores da tese conseguem oferecer qualquer evidência de sua existência – sequer possuem nome do autor, título do livro, menções na era patrística, citações de trechos da obra ou qualquer coisa do tipo. É como se fosse uma obra fantasma, que passou completamente despercebida em toda a história da Igreja mas que, mesmo assim, conseguiu servir de fonte para os outros dois evangelhos, lado a lado com Marcos. É bastante difícil acreditar nessa história.

Mas se a “Fonte Q” não existe e Mateus é o primeiro, como se explica os versos de Marcos e Lucas que destoam de Mateus em alguns detalhes dos relatos que copiam? A resposta está no próprio evangelho de Mateus... em hebraico. Isso pode ser um pouco confuso, mas o que os Pais da Igreja acreditavam desde muito cedo é que Mateus escreveu seu evangelho originalmente em hebraico, e depois ele próprio o traduziu para o grego. Por razões do destino, apenas a versão grega sobreviveu, embora a versão hebraica ainda fosse bem conhecida nos primeiros séculos.

Vejamos a citação de Papias (70-163):

Mateus anotou em língua hebraica os discursos; contudo traduziu-os cada qual da melhor maneira de que foi capaz.[1]

Jerônimo (347-420), séculos mais tarde, ainda testemunhava a existência dessa versão original hebraica de Mateus que estava conservada em uma biblioteca que já não existe mais desde os tempos das invasões árabes:

Mateus, também chamado Levi, apóstolo e antes publicano, compôs um evangelho de Cristo publicado pela primeira vez na Judeia em hebraico para os da circuncisão, mas depois traduzido para o grego, embora por qual autor seja incerto. O hebraico em si tem sido preservado até os dias de hoje na biblioteca de Cesareia que Pânfilo tão diligentemente guardou. Eu também tive a oportunidade de ter o volume descrito para mim pelos nazarenos de Bereia, uma cidade da Síria que o usa. Neste ponto, deve-se notar que onde quer que o evangelista, seja por conta própria ou na pessoa de nosso Senhor e Salvador cite o testemunho do Antigo Testamento, ele não segue a autoridade dos tradutores da Septuaginta, mas do hebraico. Portanto, estas duas formas existem.[2]

A existência deste evangelho de Mateus em hebraico foi um consenso entre os Pais da Igreja de todas as eras. Irineu (130-202) disse que “Mateus redigiu entre os hebreus e em seu dialeto um evangelho escrito”[3]. Orígenes (184-253) atesta que Mateus foi o primeiro evangelho, “escrito para os crentes do Judaísmo em língua hebraica”[4]. Eusébio (263-339) sustenta que “Mateus escreveu o evangelho em sua língua materna”[5]. Crisóstomo (m. 407) assevera que Mateus foi escrito “mais precisamente em idioma hebraico”[6]. Panteno, no século II, disse que foi à Índia e que lá encontrou o evangelho hebraico de Mateus que lhes teria sido entregue pelo apóstolo Bartolomeu, que ali pregou[7]. Mauerhofer acrescenta outros testemunhos e conclui:

Também Efrém, o Sírio (m. 337), menciona diversas vezes que Mateus escreveu em hebraico. Da mesma forma Epifânio (m. 403), Agostinho e Gregório Nazianzeno falam de uma redação hebraica. Não está descartada a possibilidade de que em alguma época e em algum lugar se descubra um vestígio do Mateus hebraico. No entanto, depois do ataque árabe de que temos conhecimento, as chances são remotas (aliás, não dispomos dos autógrafos de nenhum escrito canônico). O evangelho hebraico de Mateus havia desaparecido, mas pela providência divina o Mateus grego continuou vivendo como tradução autêntica, credenciada e canônica.[8]

Portanto, que Mateus escreveu seu evangelho originalmente em hebraico para depois traduzi-lo ao grego é uma coisa muito mais concreta e plausível do que a tal “Fonte Q” que ninguém conhece e nem escreveu sobre.

Mateus é universalmente reconhecido como o “evangelho dos hebreus”, porque foi escrito inicialmente para o povo judeu (veja aqui e aqui). Como diz Guthrie, “o autor era judeu e escreveu para judeus”[9]. Uma vez que o propósito original de Mateus foi se direcionar aos judeus, não faria sentido ter escrito originalmente em outro idioma que não o hebraico ou aramaico. Há inclusive uma justificativa bem razoável para esse direcionamento específico de Mateus aos hebreus: em um primeiro momento, os apóstolos pregaram apenas aos judeus e às regiões circunvizinhas. Não iam além disso.

Foi só depois da primeira grande perseguição em Jerusalém que os discípulos foram dispersos, e mesmo assim nas regiões para onde fugiam “anunciavam a mensagem apenas aos judeus” (At 11:19). Longos anos foram necessários até que os apóstolos entendessem que o evangelho não era “dos hebreus”, mas do mundo inteiro. O próprio Paulo inicialmente também se dirigiu aos judeus, mas após ser rejeitado por eles disse: “Era necessário anunciar primeiro a vocês a palavra de Deus; uma vez que a rejeitam e não se julgam dignos da vida eterna, agora nos voltamos para os gentios” (At 13:46).

Preste atenção no “agora”, já quase na metade de Atos dos Apóstolos. Foram longos anos em que o evangelho foi pregado apenas aos judeus, mesmo depois da ascensão de Jesus. É, portanto, bastante provável que Mateus tenha escrito seu evangelho original justamente neste período inicial, em que os apóstolos ainda pensavam que tinham que pregar somente aos judeus. Depois que percebeu que o evangelho era universal e teve consciência da importância de se levar essa mesma mensagem aos gentios, ele então traduz seu evangelho para o grego, o idioma predominante na época e falado praticamente no mundo inteiro, mais do que o inglês é para os dias de hoje.

Mas uma tradução feita pelo mesmo autor não deixa de ser uma “nova edição” do livro. Como qualquer outro livro, é natural que o autor ao editá-lo anos mais tarde faça algumas modificações que julgue necessárias – como alguns escritos a mais, talvez alguns a menos e detalhes que destoem em alguma medida da versão anterior. Apenas para citar alguns casos simples, o Mateus hebraico certamente não teria que explicar que “Eloí, Eloí, lamá sabactâni significa Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?” (Mt 27:46). Seria algo que seus destinatários originais já saberiam, mas os gentios de fala grega não. Então foi preciso acrescentar algo que não constava no original (embora o Mateus grego também seja considerado um original porque foi escrito pelo mesmo autor).

Outro detalhe que Jerônimo aponta na citação que já vimos é que esse Mateus em hebraico que ele pôde conferir citava os textos do Antigo Testamento de acordo com o hebraico (o chamado “Texto Massorético”), e não de acordo com o grego da Septuaginta. Isso era bastante lógico, já que ele escrevia a judeus. Contudo, na versão grega que dispomos de Mateus a grande maioria das citações veterotestamentárias vem da Septuaginta, a versão grega da Bíblia hebraica. Seria como se eu quisesse citar um texto bíblico a um inglês, e ao invés de pegar a Bíblia NVI (Nova Versão Internacional, em português) e traduzir o texto para o inglês, preferisse usar a NIV (New International Version, em inglês). Naturalmente, ao mudar o idioma muda-se algo do conteúdo, além do fato de que a LXX frequentemente destoa do texto hebraico em alguma medida.

Isso tudo pode explicar por que Marcos e Lucas muitas vezes citam o texto de Mateus ipsis litteris, e outras vezes com nuances de diferença. Apenas para citar um exemplo simples: em Marcos 4:9, consta “quem tem um ouvido, ouça”, enquanto em Mateus (Mt 13:9) e Lucas (Lc 8:8) ocorre a forma plural: “Aquele que tem ouvidos para ouvir, ouça”. É possível que o Mateus hebraico, de onde Marcos copiou, constasse “ouvido”, que o Mateus grego altera para o plural. Lucas, como declaradamente seguia outras fontes (Lc 1:1-3), entre as quais devia estar Mateus e Marcos, copia a forma do Mateus grego.

Ao mesmo tempo, tanto Marcos como Lucas acrescentaram alguma coisa de conteúdo exclusivo, porque embora não tenham convivido com o Senhor (como Mateus), tiveram contato próximo com os apóstolos de Cristo. Marcos conviveu de perto com Paulo (Cl 4:10; 2Tm 4:11; Fm 1:24) e Pedro (1Pe 5:13), e Lucas era muito chegado a Paulo (Cl 4:14; 2Tm 4:11; Fm 1:24) e por certo também tinha contato com o grupo apostólico. Por isso cada um deles (mas principalmente Lucas) tem um “material exclusivo”, que não tem paralelo nos outros evangelhos. É digno de nota que todos os Pais da Igreja sempre reconheceram que a ordem cronológica dos evangelhos era a mesma que consta nas nossas Bíblias: “Primeiro Mateus, depois Marcos, em terceiro Lucas e por último João”[10], o que condiz com o exposto aqui.

Em síntese, minha tese consiste basicamente nisso:

(Clique na imagem para ampliar)

Logicamente, isso não significa uma certeza absoluta, o que todos os teólogos (sejam eles conservadores ou liberais) reconhecem que é impossível em se tratando de teorias. Mas ao meu ver, essa é a que melhor explica e resolve o “problema sinóptico” de um modo satisfatório.

Se você tem sua própria hipótese, fique à vontade para deixar um comentário no artigo (e se não tiver nenhuma, fique à vontade também xD).

• Compartilhe este artigo nas redes:


Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,
- Siga-me no Facebook para estar por dentro das atualizações!


- Baixe e leia os meus livros clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.



[1] Conservado em Eusébio de Cesareia, História Eclesiástica, livro III, 39:16.

[2] Jerônimo, De Viris Illustribus, 3.

[3] Irineu de Lyon, Contra as Heresias, livro III, 1:1.

[4] Conservado em Eusébio de Cesareia, História Eclesiástica, livro VI, 25:4.

[5] Apud MEINERTZ, M. Einleitung in das Neue Testament. 5ª ed. Paderborn: Schoningh, 1950, p. 172.

[6] João Crisóstomo, Commentarius in Sanctum Matthaeum Evangelistam, 1:1.

[7] Conservado em Eusébio de Cesareia, História Eclesiástica, livro V, 10:3.

[8] MAUERHOFER, Erich. Introdução aos escritos do Novo Testamento. São Paulo: Editora Vida, 2010, p. 92.

[9] GUTHRIE, D. New Testament Introduction. 4ª ed. rev. Leicester: Apollos; Downers Grove: InterVarsity, 1990, p. 32.

[10] Agostinho, The Harmony of the Gospels, Book I, 2:3.


ATENÇÃO: Sua colaboração é importante! Por isso, se você curtiu o artigo, nos ajude divulgando aos seus amigos e compartilhando em suas redes sociais (basta clicar nos ícones abaixo), e sinta-se à vontade para deixar um comentário no post, que aqui respondo a todos :)

91 comentários:

  1. Lucas, excelente artigo, eu sim li, porque me interessa muito a teologia,eu tenho obras de um teólogo liberal chamado Bart Ehrman, ele afirma que o livro de Marcos foi o primeiro a ser escrito, porque não menciona ainda o nascimento miraculoso de Jesus Cristo e nao explica os motivos da crucificação, esses detalhes sosaparecem em Mateus e Lucas, por isso tambem ele levanta a tese de que a ideia de Jesus ter nascido de uma virgem, ser o filho de Deus não existia entre os primeiros cristãos, ele afirma que isso foi inventado posteriormebte, tem até um livro que "explica" isso,"Como Jesus se Tornou Deus", você já leu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse argumento é muito fraco. Marcos e João não relatam o nascimento de Jesus e começam registrando direto o seu ministério porque essa é a ênfase deles, não significa que eles não cressem no nascimento virginal ou que Jesus tivesse vindo ao mundo já adulto. Foi apenas uma opção deles, enfatizar o ministério (mesmo em Mateus e em Lucas a grande maioria do tempo é pra falar só do ministério também, excetuando apenas os primeiros dois capítulos de Mateus e Lucas). Além disso Marcos é um "evangelho de Mateus resumido", quase tudo que nele consta já está em Mateus, embora em Mateus haja bem mais conteúdo do que em Marcos. Então é natural que alguns relatos sejam deixados de fora, isso não significa de nenhuma maneira que Marcos não acreditasse nesses relatos. Esse é um grande defeito dos teólogos liberais, eles pensam que qualquer coisa que um evangelista deixa de dizer e que um outro diz é porque esse outro inventou a história, não sei de onde eles tiraram isso, os evangelhos são complementares e não há nenhuma regra que exija que um relato tenha sido narrado por todos eles para ser considerado verdadeiro.

      Excluir
  2. Qual foi o tema da sua dissertação de mestrado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "A Bíblia e a Escravidão", eu publiquei em livro depois, tem na página dos livros pra baixar ou comprar se quiser:

      http://www.lucasbanzoli.com/2017/04/0.html

      Excluir
    2. Qual foi sua nota?

      Excluir
    3. Para ser sincero eu não me lembro. Acho que foi 9,5, mas não tenho certeza. O importante é que passei :)

      Excluir
    4. "O importante é que passei"

      Verdade, meu peixe. Quando eu tiro um 7 na minha faculdade, solto fogos de artifício pra comemorar kkk.

      Excluir
  3. Irineu diz que tem relatos de alguns evangelhos que firam mexidos e colocados em outros.

    Um exemplo é o relato da mulher adúltera de João 7:53 a 8:11

    Esse texto é atribuído ao evangelho dos hebreus, que pode ser o Mateus em hebraico.

    Também tem o relato da conversão do Tiago, que não é encontrado em nenhum evangelho, apenas no evangelho dos hebreus, mas todos os pais da Igreja dizem que tal acontecimento é autêntico. Pode ser que quando se traduziu ao grego, se perdeu esse relato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O relato da mulher adúltera é de tradição Lucana,é uma conflação de 2 histórias:Uma mulher que vivia em pecados e outra história sobre uma mulher que cometeu adultério.Ela nunca é achada nos manuscritos de Mateus mas em alguns de Lucas sim.

      Excluir
  4. Você disse "Depois que (Mateus) percebeu que o evangelho era universal e teve consciência da importância de se levar essa mesma mensagem aos gentios..."
    Lucas, eu entendo que Mateus sempre teve consciência da universalidade do Evangelho (Mt 24,14). A minha hipótese é que ele priorizou os judeus e, posteriormente, com a missão de levar o Evangelho além fronteiras, ele (ou outro) traduziu-o para o grego. É provável?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser isso, mas pelo relato de Atos 11:3-18 fica claro que as pessoas da igreja e o próprio Pedro ainda pensavam que os gentios eram "impuros" e que apenas os judeus deviam receber as palavras de Deus. Por isso a admiração do verso 18 e a visão dada a Pedro neste sentido. Se Pedro e aqueles cristãos pensavam assim até aquele momento, é presumível que Mateus pensasse o mesmo. Devemos lembrar que nem tudo o que Jesus dizia os discípulos entendiam de imediato, nem sobre a ressurreição eles entenderam (Lc 9:44-45).

      Excluir
  5. Olá Lucas.
    Aproveitando o tema, gostaria que você tirasse umas dúvidas: o autor/redator de 1 e 2 Crônicas cita fontes onde se baseou seus escritos - livro dos reis de Israel,livro da história de Natã, profecia de Aías, visões de Ido, etc.
    1) O que sabemos dessas fontes além das citações do autor?
    2) O judaísmo preservou essas fontes?
    3) Tais fontes gozam de inspiração divina?
    4) Por que o livro das Crônicas omite o adultério de Davi, seus fracassos, e a apostasia de Salomão?
    5) Por que há um exagero nos números e nas estatísticas quando comparadas com as unarrativas paralelas de Samuel e Reis?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá:

      1) O livro dos Reis é o 1 e 2 Reis da nossa Bíblia (os judeus contavam como um livro só). Os outros se perderam e nós não sabemos o conteúdo, da mesma forma que não conhecemos a carta de Paulo aos laodicenses, no Novo Testamento.

      2) Não, na verdade preservar um documento não era nada fácil na Antiguidade, a grande maioria dos escritos se perdiam com o tempo ou eram deteriorados ou destruídos. Orígenes por exemplo escreveu 800 tratados segundo Eusébio, mas apenas alguns poucos nós temos acesso hoje em dia. Se as Escrituras que temos hoje foram preservadas, foi pela graça e poder de Deus.

      3) O fato de um livro ser citado não significa necessariamente que seja inspirado. Paulo faz às vezes citações de poetas e filósofos pagãos, e Judas cita a Assunção de Moisés, o Livro de Enoque e etc. Uma coisa é citar um livro, outra coisa é citá-lo COMO ESCRITURA. Quando um autor bíblico usa o termo "está escrito" ou "como diz a Escritura", ele indiscutivelmente está citando um livro inspirado, caso contrário não necessariamente. Eu creio que estes livros tinham muitas informações verdadeiras e úteis, mas não eram inspirados ou senão Deus faria questão de preservá-los também.

      4) Há episódios que Crônicas narra e Reis não (e vice-versa). Levando em consideração que Crônicas cita o livro dos Reis, então esse fato já era conhecido e notório e não era estritamente necessário de ser exposto. Por outro lado o livro menciona sim fracassos e erros de Davi, como por exemplo por ocasião do recenseamento:

      "Então Davi disse a Deus: Pequei gravemente com o que fiz. Agora eu te imploro que perdoes o pecado do teu servo, porque cometi uma grande loucura!" (1 Crônicas 21:8)

      5) Neste caso eu precisaria saber quais são esses exageros aí.

      Excluir
    2. A carta aos efésios provavelmente é uma cópia da carta aos laodicenses.

      Excluir
    3. Parece que Efesios era uma carta circular tanto que em Cl 4:16 fala da carta de Laodiceia e não da carta aos laodicenses.

      Excluir
    4. É possível que seja mesmo, não há um consenso sobre isso.

      Excluir
  6. Estava lendo sobre o assunto. Valeu Banzoli, caiu como luva. Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que pelo menos serviu para alguém :)
      Abs!

      Excluir
  7. Grande varão de guerra. esse é o Banzolão que eu conheço, cada vez melhor. A tua missão na terra é Grande, não se desvie jamais e o SENHOR guiará os teus caminhos, pois feliz é tua mãe, por ter te gerado!!

    ResponderExcluir
  8. Lucas se você quiser uma sugestão para artigos mais acadêmicos eu gostaria de sugerir: " Os problemas da nova pesperctiva sobre Paulo "

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " Os problemas da nova pesperctiva sobre Paulo "

      Anônimo, onde consigo esse livro? Qual o autor? Tem link?

      Excluir
    2. Na verdade isso não é um título de um livro, foi apenas uma sugestão de artigo pra eu desenvolver sobre o tema.

      Excluir
    3. "Na verdade isso não é um título de um livro, foi apenas uma sugestão de artigo pra eu desenvolver sobre o tema"

      Ah sim. Entendi.

      Excluir
  9. Mateus ao que tudo indica escreveu seu evangelho em hebraico.Pode ter acontecido de Marcos ter feito um resumo de Mateus e posteriormente Mateus ou outra pessoa traduziu seu evangelho para o grego.Sendo assim o evangelho de Marcos é mais antigo que o evangelho de Mateus em língua grega.

    ResponderExcluir
  10. Lucas,vc alega que o evangelho de João foi escrito pelo presbítero João baseado em Tiago.Mas o apóstolo Tiago morreu em 44DC.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não esse Tiago, mas o irmão de Jesus.

      Excluir
    2. Existe a possibilidade do discípulo amado ser o presbítero João?.

      Excluir
    3. Não, porque o discípulo amado não é o mesmo que escreve o evangelho, mas sim alguém que registrou as coisas para a pessoa que escreveu (por isso ele diz que "sabemos que o SEU testemunho é verdadeiro", e não "o MEU testemunho", cf Jo 21:24).

      Excluir
    4. Esse é o Banzoli que conheço. Que resposta!

      Excluir
  11. Lucas, qual a opinião sobre essa tese dos teólogos liberais: "Os redatores bíblicos publicaram o que interessava e não necessariamente o que importava".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é muito sem base, porque os escritores bíblicos escreveram sobre muita coisa que seria bem desagradável, para falar a verdade. Eles não hesitavam em retratar erros dos discípulos, que às vezes eram repreendidos duramente (como o "arreda, Satanás", que Pedro levou), e outras vezes pareciam tolos sem entender nada do que Jesus dizia. Eles também não omitiram pecados pessoais (como as negações de Pedro ou a incredulidade de Tomé), e seus relatos de milagres eram feitos de maneira natural, e não da forma embelezada que se vê em livros apócrifos que tentam inventar esse ou aquele "milagre". Até mesmo atitudes de Jesus que talvez não fossem tão convenientes de serem registradas se a intenção fosse convencer os outros (como quando ele derrubou tudo e expulsou os cambistas, ou quando disse à sua mãe "que tenho eu contigo"), eles faziam questão de registrar. Você pode ver esses e outros argumentos mais elaborados aqui:

      http://apologiacrista.com/veracidade-biblicap5

      Excluir
  12. Lucas; bart Ehrman afirma que os evangelhos provavelmente não foram escritos por Mateus, marcos, Lucas e João; pois, muito dificilmente, eles eram fluentes no grego. O que dizer sobre isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outra pessoa traduziu?
      Voce precisa saber todas as linguas, para publicar um livro em outro país?
      Argumento fraquissimo, digno de pena, só descredibiliza o Bart...

      Excluir
    2. Além disso Lucas era grego...

      Tá mais para Bart Simpson este argumento...

      Excluir
    3. O argumento é muito ruim mesmo. Vou elaborar apenas algumas de suas falhas:

      1) O fato de alguém não saber um idioma durante parte da sua vida não significa que não soubesse durante a vida inteira. Eu tenho um artigo onde mostro que os discípulos tinham todos menos de 21 anos à exceção de Pedro (link abaixo), que é a época em que a Bíblia diz que eles eram "sem instrução". Mas quando eles escreveram, já havia se passado décadas, tempo mais que o suficiente para que eles aprendessem outros idiomas na fase adulta. Cabe destacar que o Apocalipse, por exemplo, tem um grego bem ruim, escrito claramente por alguém que não dominava bem o idioma. E a grande maioria do conteúdo neotestamentário foi escrito ou por Paulo (que já era da elite antes de se converter) ou por Lucas (que era médico, e provavelmente bem esclarecido também).

      http://ocristianismoemfoco.blogspot.com.br/2016/02/a-idade-dos-discipulos.html

      2) Na Antiguidade um livro geralmente não era escrito de próprio punho por alguém, por isso tem livros em que Paulo termina dizendo que estava escrevendo tal verso de próprio punho, porque o resto ele ditava e outra pessoa (um escriba) escrevia. Isso permitia com que muitas pessoas que não dominavam bem um idioma conseguisse escrever razoavelmente bem por causa do escriba que era capacitado para isso e passava tudo por escrito. Cabe lembrar que Pedro disse que escreveu sua primeira epístola com Silvano, e que em uma epístola de Paulo há a menção explícita de quem estava escrevendo: "Eu, Tercio, que escrevi esta carta, saúdo-vos no Senhor” (Rm 16:22).

      3) Os evangelhos no início não eram "anônimos", eles vinham com o nome do autor na parte superior dos pergaminhos, por isso a Igreja sempre soube desde o início o nome dos autores dos quatro evangelhos e nunca sequer discutiu a esse respeito. Você pode ver esse print que tirei de uma página da "Introdução aos escritos do Novo Testamento", de Erich Mauerhofer:

      https://4.bp.blogspot.com/-cIIHDbPi9xY/WUzR_FQ9y-I/AAAAAAAADjg/wUhhetZ5og8Xdw6aq97kJYEovBTBic-9QCLcBGAs/s640/1.png

      Excluir
  13. http://fimdafarsa.blogspot.com.br/2013/04/convite-ao-lucas-banzoli-um-mentiroso.html?m=1
    Lucas, você escreveu artigos sobre essas supostas refutações que estão juntas nesse artigo? Se tiver manda aí. Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso tudo já está exaustivamente refutado no "Fim da Fraude", veja o índice:

      https://fimdafraude.wordpress.com/

      Excluir
  14. Lucas conheces bem a obra de Bart Ehrman? Te sugiro um artigo a refutando a obra dele, porque ele é bem divulgado na mídia, pode enganar muitos cristãos que não leem a Bíblia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou escrever quando puder, embora no momento eu não esteja muito interessado em escrever sobre teologia liberal por estar mais focado em outros temas. Abs!

      Excluir
  15. Conhece o Carlos Nougué?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ouvi falar esses dias por causa do debate com o Yago, mas nunca vi um vídeo dele não.

      Excluir
  16. Banzolense, você já tá sabendo da tragédia? Tiraram o MinhaTeca do ar:(

    ResponderExcluir
  17. Lucas quando sai o livro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No final do mês que vem, eu acho.

      Excluir
    2. "No final do mês que vem, eu acho"

      Promessa de político? kk

      Excluir
    3. "De político do PT ainda xD"

      Então esse livro não vai sair nem nesse século e nem no futuro kkkk

      Excluir
  18. Realmente muito obrigado por ser sempre objetivo!

    ResponderExcluir
  19. Lucas, você usou o material que te disponibilizei no meu Google Drive? La nas palestras do Wilbur Norman Pickering ele comenta que cerca a metade dos manuscritos dos evangelhos tem colofões indicando a data em que foram escritos: Mateus 8 anos após a ascensão; Marcos 10 anos após a ascensão; Lucas 15 anos após a ascensão; João 32 anos após a achei legal ascensão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, esse material do Google Drive você compartilhou por e-mail? Porque eu não me lembro de ter recebido, embora eu possa ter me esquecido. Essa informação que você me passou é nova, não me lembro de ter lido algo assim em lugar nenhum, seria importante consultar as fontes para averiguar a veracidade porque seria uma informação muito importante realmente, que por sinal condiz com o que escrevi aqui.

      Excluir
  20. Lucas, outra tese da teologia liberal: "Sempre houve pluralidade de crenças e disputa por reconhecimento... Aquilo que hoje temos como 'ortodoxia' na verdade é o entendimento que prevaleceu..." Concordas Lucas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, por isso é tão importante que reconheçamos como verdadeiro a doutrina que é bíblica, e não necessariamente a que é considerada a "mais ortodoxa".

      Excluir
  21. o que voce acha do atual governo temer do brasil? e da gasolina etc?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Temer está longe de ser um presidente ideal mas pelo menos é bem menos ruim que a Dilma. Isso como presidente, porque como pessoa é tudo farinha do mesmo saco. Sobre o preço das coisas o problema são os impostos que aqui no Brasil são muito altos, tudo aqui fica mais caro do que lá fora e o retorno não vem para o bolso do povo, o único jeito é abaixar os impostos significativamente, o que nunca será feito por um governante de esquerda ou de centro.

      Excluir
  22. Já tive acesso a uma teoria que explica o grego ruim do Evangelho de São Marcos. Acontece que este é uma transliteração da pregação de São Pedro. São Pedro aprendeu a falar grego "na marra" e por isso tinha certas dificuldades. Até cometia erros de localização geográfica nas suas pregações. O fato deste evangelho ser tão "curto e grosso" se deve a fidelidade de São Marcos ao que o apóstolo dizia, e não por "por ter sido escrito primeiro" como alguns argumentam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não concordo com essa tese que vincula Marcos à pregação oral de Pedro porque claramente seu conteúdo é o mesmo do de Mateus na grande maioria do tempo, com raras exceções de episódios extras que Marcos narra e Mateus não. Ou seja, Marcos é como que um "resumo" de Mateus, com algumas modificações. Se ele tivesse apenas copiado o que Pedro dizia dificilmente sairia tão parecido com Mateus e narrando os mesmos episódios, muitas vezes ipsis litteris. Esperar-se-ia que fosse bem diferente, como é o de João, por exemplo.

      Excluir
    2. Bom, não deixa de ser uma tese interessante. O pilar central dela está na fidelidade. Se não me engano, São Clemente fala sobre esta fidelidade de São Marcos. Deixa eu explicar:

      O primeiro evangelho (São Mateus, concordamos), foi escrito cerca de quarenta anos depois dos acontecimentos. Até lá, o que havia era apenas a pregação oral dos apóstolos. Lembremos que a oralidade era de extrema importância na época. Isso fazia parte da cultura dos judeus. Os apóstolos ouviram o que Cristo disse apenas uma vez e desde já, tiveram que guardar a informação. Decorar as coisas era bem mais comum. Isso somado a consciência dos apóstolos da importância da missão que lhes foi dada explica a fidelidade de um para com o outro.

      Quanto ao Evangelho de São João, acredito que há vários fatores que explicam suas abordagens diferenciadas.

      Excluir
    3. "O primeiro evangelho (São Mateus, concordamos), foi escrito cerca de quarenta anos depois dos acontecimentos"

      Isso eu discordo, Mateus foi escrito apenas alguns anos após a ascensão, possivelmente oito anos como o outro leitor observou acima em um comentário bem pertinente. E mesmo assim ele é a tradução do hebraico anterior, ainda mais antigo. Quem afirma uma data tão longe para os evangelhos são os teólogos liberais, que não podem aceitar que os evangelhos realmente profetizaram um evento futuro que se concretizou (a destruição do templo e de Jerusalém).

      "Os apóstolos ouviram o que Cristo disse apenas uma vez e desde já, tiveram que guardar a informação. Decorar as coisas era bem mais comum. Isso somado a consciência dos apóstolos da importância da missão que lhes foi dada explica a fidelidade de um para com o outro"

      Decorar histórias sim, mas descrevê-las ipsis litteris um igual ao outro (como ocorre em tantos casos) seria virtualmente impossível. Se você me contar uma história em alguns minutos e me pedir para contar essa mesma história a outra pessoa, mesmo que tenham se passado apenas trinta segundos, eu já não contaria exatamente igual a você, pelo menos algumas palavras ou construções fraseais ficariam diferentes, embora a essência da mensagem seja a mesma.

      "Quanto ao Evangelho de São João, acredito que há vários fatores que explicam suas abordagens diferenciadas"

      Na verdade isso ocorre porque João é o evangelho mais novo, este sim escrito muitas décadas depois dos demais, quando os outros três já eram bem conhecidos, e por isso não fazia sentido ficar repetindo as mesmas histórias e relatos que todo mundo já conhecia. Mas como Mateus/Marcos/Lucas foram escritos mais ou menos numa mesma época e para públicos diferentes, explica-se o porquê fizeram questão de pegar as mesmas histórias e relatos uns dos outros.

      Excluir
  23. Olá estou lendo o antigo testamento desde Gênesis e estou agora em Números. Pela leitura que tenho feito percebi que, com exceção dos israelistas (que, as vezes, também pecavam), os demais povos eram pagãos. Você acha que Deus teria tentando se manifestar para esses povos pagãos ou Ele só decidiu manifestar a verdade para os israelitas, deixando esses povos pagãos vivendo conforme seus pecados? Hoje em dia eu sei que, pela expansão do conhecimento, o evangelho tem chegado inclusive em aldeias indígenas que realizam práticas pagãs (e muitos tem se convertido ao evangelho), mas será que no passado (no antigo testamento) a mensagem de Deus chegava com essa facilidade a esses povos pagãos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus se revela a esses povos pagãos também, mas não da mesma forma com que se revelou a seu povo escolhido. Com Israel Deus se relacionava diretamente, com leis expressas, se comunicando diretamente com Moisés, com rituais, mandamentos, ordenanças e tudo mais, enquanto com as outras nações Deus se revelava através da lei de consciência que implantou no coração de cada um. Sobre isso eu escrevi aqui:

      http://ateismorefutado.blogspot.com.br/2015/04/o-destino-dos-povos-nao-alcancados.html

      Excluir
  24. Olá lucas Banzoli! o que voce acha dos seguintes videos:^
    https://www.youtube.com/watch?v=Td7rHQ5d1jM
    https://www.youtube.com/watch?v=n8Gy2RtjzXg
    https://www.youtube.com/user/VoltemosAoEvangelho
    https://www.youtube.com/watch?v=brGEqrNEgmSe
    Se puder ver e quando puder claro passa a tua opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acabei de assistir o vídeo do "Voltemos ao Evangelho", me pareceu uma análise bem sensata. O vídeo-resposta sobre Daniel ao Sabino na verdade nem era necessário já que a tese do Sabino era bem insana, nenhum estudioso sério daria atenção a ela. E mesmo se Daniel fosse castrado isso não significa necessariamente que fosse homossexual, muitos cristãos se castravam nos primeiros séculos apenas para conter seu desejo sexual e não pecar com mulheres em relações extra-conjugais, vivendo uma vida celibatária (Orígenes mesmo fez isso, embora mais tarde tenha se arrependido). Eu realmente não sei de onde o Sabino tirou que castrado=gay.

      Excluir
    2. Só uma observação, o terceiro link é de um canal e não de um vídeo, e o último remete a um vídeo inexistente ou retirado do youtube.

      Excluir
  25. Lucas, Em romanos 1 tem esse texto:
    E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.
    Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si;
    Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.
    Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.
    E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.
    E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm;
    Esse trecho é usado por muitos para afirmar que o ecado homossexual é mais grave do que a maioria dos pecados e, portanto, tal pecado incorrerá numa condenação mais pesada para seus praticantes. Voce concorda com isso? Vejo que o texto diz que quem vive nessa pratica realmente esta entregue, pelo proprio Deus, a algo "mais perverso". Para ti, qual o significado disso?
    Alem disso, muitos dizem que a homossexualidade será uma marca do tempo do fim, quando o mundo será como Sodoma, com muita violencia, pedofilia, homossexualismo e e todo tipo de imoralidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que a prática sexual homossexual é pecado disso não resta dúvidas, mas se é o "pecado mais grave de todos", eu não diria isso. Em todo o NT só há três textos que o mencionam (esse de Romanos, além de 1Tm 1:9-10 e 1Co 6:9-10), embora sejam textos que mostrem a gravidade do pecado por ser uma prática anti-natural. Há pecados que são certamente mais graves, como assassinato, estupro, pedofilia, zoofilia, adultério, etc. A respeito do "entregue ao pecado" por Deus, isso se refere ao fato da humanidade como um todo se desviar de Deus de tal modo que Deus também se afasta dela, de modo que surgem práticas pecaminosas entre as quais a que Paulo menciona (ele cita a prática homossexual como um exemplo, mas não se limita a isso, em outros textos ele menciona outras práticas pecaminosas diversas). Sobre ser uma "marca do tempo do fim", eu não vejo um texto muito claro nessa direção, mas como a Bíblia diz que nos últimos dias o amor esfriará e as pessoas perderiam a fé, eu creio que o pecado de uma forma geral será mais estimulado, incluindo mas não se limitando ao homossexualismo.

      Excluir
  26. Lucas vc poderia me dizer se esses textos são verdades?

    1) Santo Hipólito de Roma (170 — 236):

    "...corpo de Maria toda santa, sempre virgem, por uma concepção imaculada, sem conversão, e se fez homem na natureza, mas em separado da maldade: o mesmo era Deus perfeito, e o mesmo era o homem perfeito, o mesmo foi na natureza em Deus, uma vez perfeito e homem." (As obras e fragmentos. Fragmento VII)

    2) Orígenes de Alexandria (185 — 253):

    "Para, se Maria, como aqueles que declaram, com exaltar sua mente sã, não tinha outro filho, mas Jesus, e ainda Jesus diz para sua mãe, "Mulher, eis aí teu filho", e não "Eis que você tem esse filho também” (Comentário ao Evangelho de João, Livro 1, 6)

    Sobre este assunto, eu encontrei uma observação muito bem em uma carta do mártir Inácio, segundo bispo de Antioquia depois de Pedro, que lutou com as feras, durante a perseguição em Roma. A virgindade de Maria estava escondida do príncipe deste mundo, graças a José e escondido seu casamento com ele. Sua virgindade foi mantida escondida porque ela foi pensada para ser casada." (Origenes, Homilias sobre Lucas, 6, 3-4.)

    3) São Gregório de Neocesareia (213 — 270):

    "Para a santa Virgem guardado cuidadosamente a tocha da virgindade, e deu ouvidos diligentemente que não deveria ser extinta ou contaminada." (A Segunda Homilia. Na Anunciação à Santa Virgem Maria)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja os artigos do Bruno Lima sobre este assunto onde ele refuta tudo isso:

      http://respostascristas.blogspot.com.br/2016/05/a-virgindade-perpetua-de-maria-e.html

      http://respostascristas.blogspot.com.br/2016/05/a-virgindade-perpetua-de-maria-e_23.html

      Excluir
  27. Lucas olha só isso:

    http://www.bbc.com/portuguese/brasil-44172873

    Sinceramente, eu odiava esse cara, agora eu sinto nojo dele e de toda essa corja da família imperial "brasileira", sendo bem sincero, nem acompanhei o casamento real (aliás me lichei a respeito disso, a única coisa que eu fiz foi desejar um casamento longo e feliz e conceder minha bênção). Mas assim que eu vi essa notícia, me deu nojo fiquei com ânsia de vômito, o "príncipe" (título de nobreza uma ova! Aqui é uma República! Não existe espaço para títulos de nobreza em uma República) Bertrand falou a coisa mais infeliz que eu já ouvi de um monarquelho até hoje! Ele falou que se ele tivesse se casado com uma princesa e não uma plebéia haveria mais repercussão, na boa esse cara não é príncipe de nada e quer mandar na vida dos outros! Olha eu já odiava esses caras, mas agora eu sinto nojo deles, que além de quererem restaurar uma forma de governo falida que não trouxe nenhum desenvolvimento para o nosso país, agora é sério! Esse "movimento" monarquista precisa ser desmascarado o quanto antes! Espero que essa notícia lhe seja útil no livro que você falou que pretende escrever sobre a monarquia. Sou de direita, mas não sou monarquista e nem sou obrigado a ser. Aliás esse movimento não passa de uma grande PALHAÇADA. Se eu fosse esse Bertrand aí eu parava de ficar bostejando na internet e procuraria um emprego, esse cara já recebe milhões do imposto do laudêmio e ainda quer ser um rei a todo custo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse cara é odiável mesmo. Nossa sorte é que esse movimento é ridículo e risível e não representa nem 1% da sociedade brasileira.

      Excluir
  28. Pode refutar ou tem/recomenda algum artigo que refute isso? https://www.google.com.br/amp/s/igrejamilitante.wordpress.com/2011/02/03/martinho-lutero-o-absurdos-pregados-pelo-pai-do-protestantismo-evangelico/amp/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Consulte estes artigos:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/01/refutando-calunias-contra-martinho.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/12/refutando-calunias-contra-martinho.html

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/03/descubra-origem-das-calunias-papistas.html

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/03/como-um-apologista-catolico-desonesto-e.html

      Excluir
  29. Dublado em português. Para todos, principalmente os hereges adoradores de imagens, os ROMANOS!

    https://youtu.be/XBwOZkkZEbA

    ResponderExcluir
  30. Banzoli e o que você acha do MBL?Eu sempre gostei do grupo, me identifico com a pauta liberal defendida por eles, além de admirar o trabalho feito em favor do impeachment da Dilma, mas ontem o Nando Moura publicou em seu canal uma entrevista com um ex advogado do MBL em que são feitas acusações graves,como o fato do Alexandre Santos, um dos fundadores do grupo usar mais de um CPF, o fato da irmã dele se dizer presidente do grupo e morar em Berlim, além de um caixa 2 na campanha do Fernando Holiday e o fato do mesmo advogado que atuou na camoanhando Holiday ter sofrido ameaça de morte de uma menina que trabalhava na campanha, e o MBL não respondeu a nenhuma acusação e ainda tiraram a live feita ontem do ar, me pareceu terem ficado com medo, caso eles sejam mesmo desonestos seria mais uma enorme decepção na nossa política e eu votei no Holiday para vereador e tava pensando em votar nos candidatos deles novamente, no Kim Kataguiri para deputado federal e no Artur Mamaefalei para estadual

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O MBL é um grupo mafioso, envolvido com os piores políticos que se encontram no Congresso. Pesquisa no Youtube, você vai encontrar vários vídeos com vários escândalos dos seus membros (muitos envolvidos com crime também). Eles são instrumentos para controlar a opinião da população, já que o governo percebeu que a população tem se movido através das redes sociais, percebeu que era necessário criar esses grupos para manipular a opinião das massas. Basta olhar para o cenário recente, gasolina a 5,00 reais e nenhum desses grupos se organizando para fazer protestos pedindo pela diminuição do preço do combustível (até onde eu sei)...
      OBS - Não sou esquerdista, mas o MBL, Nando Moura e Mamãe Falei também sabem manipular.

      Vídeos para você ver:
      https://www.youtube.com/watch?v=6lEdvJJPnXo
      https://www.youtube.com/watch?v=eAuI5_eteXw (sobre Nando Moura)
      https://www.youtube.com/watch?v=B_EowpOqbns
      https://www.youtube.com/watch?v=lyugELkP-QY (sobre Mamãe Falei)
      https://www.youtube.com/watch?v=xmxLviLeVp0 (MBL)

      Assista os vídeos com atenção. Não existe oposição no Brasil, tanto direita como esquerda possuem planos malignos contra o Brasil.

      Excluir
    2. Eu não vou comentar sobre a questão jurídica da coisa porque não sou apto para isso, cada um tem seu lado e vou deixar que a Justiça resolva as coisas, não cabe a mim decidir qual lado é o criminoso e qual não é. Sobre a questão política, eu sou um admirador do Arthur e principalmente do Kim, acho que ele tem análises sensacionais embora naturalmente discorde de certas colocações (isso não significa um apoio a todo o MBL, estou apenas destacando essas duas figuras que tem meu reconhecimento). De todo modo eu nunca doei nada pra eles e nunca doaria, ainda mais agora depois das denúncias.

      Excluir
  31. Banzoli qual a sua opiniao sobre o sonho da esposa de Pilatos com Cristo, achas que foi Deus twntando avisar que Cristo era inocente e o filho de Deus, se bem que ela não iria pensar que ele fosse o filho de Deus ja que provavelmente era romana e os romanos não esperavam nenhum Messias e além do maia eram politeístas, ela pensaria que ele fosseffilho de algum deus romano, talvez se tenha sido Deus ele simplesmente poderia fazê-la perceber que ele era um homem bom puro e a partir daí ela iria pesquisar sobre ele, procurar conversar com aeua discípulos ou achaa que foi Satanás tentando fazer Pilatos não condená-lo e assim evitar cumprir o plano de Deus para nos perdoar de nossos pecados? Eu acredito que ela tenhatse tornado cristã já que provavelmente ooevangelista que escreveu a historia conversou com ela, já que todoa os evangelhos foram escritos através de pesquisas e das próprias ações testemunhadas pelos evangelistas que foram diacipulos dedJesus no caso Mateus e Joao, Marcos era um jovem que vivia na Galileia na época mas não acompanhou Jesus todo o tempo, então teve que fazer pesquisas para escrever, para eacreverem sobre algo tão íntimo como un sonho da esposa de Pilatos tiveram que conversar com ela, não acho que isso tenha sieo revelado sobrenaturalmente a eles

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao meu ver foi um sonho que Deus deu a ela para que Pilatos ficasse ainda mais consciente do erro que estava tomando ao condenar Jesus. O fato de Jesus ter que morrer de qualquer jeito não exime Pilatos da culpa, e quanto maior fosse a sua ciência, maior era a sua responsabilidade. Em relação à mulher, é bem possível mesmo que ela tenha se tornado cristã, embora isso não possa ser comprovado totalmente.

      Excluir
  32. Para quem gosta de crítica textual recomendo o canal do prof.José Ferreira,ele é o que refuta o Fábio Sabino com mais propriedade na minha opinião https://www.youtube.com/channel/UCD6TnMSoSc63xSfa5i3GWcA

    ResponderExcluir
  33. Lucas e eu citei o Bart Ehrman em outro post porque mais ou menos há 3 anos atrás eu tive uma crise de fé e acabei me deixando levar pelos argumentos dele, nao tinha ainda a intimidade com Deus que tenho hoje, estava bem frágil, comprei três livros dele e hoje me arrependo ao ver quão tolo era de acreditar em argumentos tão simplicistas, e me sinto culpado por ter comprado os livros e principalembte de ter acreditado neles, as vezes fico com paranoia de que não serei abençoado caso mantenha os livros aqui, achas que devo jogar fora ouoqueimar?por que a simples presença do livro na minha estante do quarto nao me prejudica né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vejo necessidade em queimar livros, isso me soa coisa de católico da Idade Média, você pode guardar para consultas futuras ou se quiser pode até fazer uma doação para mim que eu agradeço kkk

      Agora, se você quiser destruir o livro por já ter lido e não querer ler mais e nem ter mais interesse nisso, não vejo necessidade de queimá-lo, pode simplesmente jogar fora no lixo como você disse.

      Excluir

Deixe o seu comentário. Sua participação é importante e será publicada após passar pela moderação. Todos os tipos de comentários ou perguntas educadas sobre qualquer assunto são bem-vindas e serão respondidas cordialmente, mas comentários desrespeitosos não serão publicados. Debates e discussões são aceitos, desde que saia do anonimato.