29 de julho de 2018

178 Caça às bruxas: como era e quem matou mais



*Nota: o artigo é extraído da última parte do último capítulo do meu livro sobre a Reforma, que será publicado mês que vem, se tudo der certo. Boa leitura!

***

Chegamos agora a um dos temas mais deturpados de todos os tempos: a caça às bruxas. Os protestantes são constantemente acusados de terem empregado a caça às bruxas numa escala supostamente bem maior que o catolicismo, o que é uma grosseira inversão dos fatos que analisaremos aqui. Na verdade, os católicos não apenas mataram muito mais bruxas, como ainda inventaram a própria prática. Mas antes, cabe fazer uma observação importante: o fenômeno da caça às bruxas não nasceu atrelado à intolerância ou perseguição religiosa, a despeito do que a maior parte das pessoas está propensa a pensar.

Para entender a mentalidade da época, C. S. Lewis explica:

Mas é claro que a razão pela qual não se executam mais bruxas hoje em dia é que não acreditamos que elas existam. Se acreditássemos – se realmente pensássemos que existem pessoas entre nós que venderam a alma para o diabo, receberam em troca poderes sobrenaturais e usaram esses poderes para matar ou enlouquecer os vizinhos, ou para provocar calamidades naturais –, certamente concordaríamos que, se alguém merecesse a pena de morte, seriam essas sórdidas traidoras.[1]

É claro que em um momento posterior a caça às bruxas se tornou um mero pretexto para massacres por motivações religiosas e iremos discorrer sobre isso mais adiante, mas é importante ter em mente que, a princípio, a caça às bruxas não era encarada na época como um crime de natureza estritamente religiosa, mas era, antes de tudo, um crime civil como qualquer outro, só que mais grave. Isso porque em muitos casos a “bruxa” ou “bruxo” em questão não era nenhum “herege” propriamente dito (ou seja, alguém que transgride um dogma de fé ou prega doutrinas errôneas), e sim um professante da mesma fé, mas que estaria supostamente prejudicando a vida de alguém por meio de artes mágicas. É um caso muito diferente da intolerância religiosa propriamente dita, onde se proíbe alguém de professar uma fé diferente da oficial.

Por isso o tema da caça às bruxas poderia estar fora de um livro como este se não fosse a insistência por parte da militância católica em associar o fenômeno ao protestantismo em especial e à intolerância religiosa em particular. Há até mesmo aqueles que ridiculamente comparam a caça às bruxas nos países protestantes com a Inquisição dos países católicos como uma forma de equilibrar a balança, como se estivéssemos lidando em ambos os casos com o mesmo tipo de crime, o que é absurdo. No entanto, a própria alegação de que os protestantes foram os principais responsáveis pela morte de bruxas é uma grosseria anti-histórica sem nenhum fundamento, pois quem começou com a prática e mais a desenvolveu plenamente foram justamente os papistas.

Embora Carlos Magno (742-814) tenha promulgado leis proibindo a caça às bruxas, Johnson diz que “essa posição mudou no século XIII”[2] – portanto, três séculos antes da Reforma. Mas foi no século XV que a paranoia envolvendo bruxas se intensificou. Isso aconteceu sobretudo devido aos cuidados do papa Inocêncio VIII contra a bruxaria (aquele mesmo que reconheceu publicamente seus filhos bastardos, para os quais se esforçou em arranjar casamentos vantajosos)[3]. Em 1484, ele escreveu a bula Summis desiderantes affectibus, que era assumidamente uma declaração de guerra às bruxas. Lopez nos conta um pouco sobre essa bula:

Nessa bula, o papa investiu os dominicanos Jacobus Sprenger e Heinrich Kraemer de poderes inquisitoriais para erradicarem a feitiçaria no Sacro Império, especialmente em Mainz, Colônia, Trèves, Salzburgo e Bremen. A bula acusava a feitiçaria de provocar doenças, mutilar o gado, estragar as colheitas, causar abortos e impedir o sexo entre casais.[4]

Essa bula foi complementada pela Constitutio omnipotentis Dei, de Gregório XV, “na qual ele advogou o extermínio das bruxas”[5]. Inocêncio VIII ficou apavorado com os horrores causados pela bruxaria e por isso designou a Kraemer e Sprenger a responsabilidade por não deixar abominações como essas sem punição, e os encarregou de escrever um manual contra a bruxaria. Como consequência, os inquisidores nomeados pelo papa publicaram dentro de dois anos o Malleus Maleficarum (“O Martelo das Bruxas”), o mais famoso tratado sobre bruxaria, que não tardou a se tornar o maior best-seller da época[6].

O manual era inteiramente compilado com base em confissões extraídas mediante tortura e era tão extenso que virou uma grande «enciclopédia das bruxas»[7]. Kraemer e Sprenger diziam que “a opinião mais certa e mais católica é a de que existem feiticeiros e bruxas que, com a ajuda do diabo, graças a um pacto com ele firmado, se tornam capazes, se Deus assim permitir, de causar males e flagelos autênticos e concretos, o que não torna improvável serem também capazes de produzir ilusões, visionárias e fantásticas, por algum meio extraordinário e particular”[8]. Levack alega que “o tratado adquiriu autoridade muito rapidamente, tendo apresentado uma síntese convincente de um dado conceito de bruxaria e conselhos a respeito de como defendê-lo e lidar com ele”[9].

Pirenne sublinha que “como resultado da repressão realizada, a loucura contagiosa na crença das bruxas tornou-se uma verdadeira praga da sociedade, e o século XVI foi o mais afetado por ela. Até a Revolução Francesa não cessaram de ascender fogueiras para queimar a pobres anciãs acusadas de ter pacto com o diabo”[10]. Houve um afloramento de queima de bruxas já desde o século XV, quando o protestantismo ainda nem existia[11]. Em outras palavras, quando a Reforma emergiu, as pessoas da época já estavam totalmente impregnadas com a mentalidade católica da existência de bruxas cruéis e malvadas que precisavam ser identificadas e caçadas até a morte, o que lamentavelmente também acabou influenciando o modo de pensar dos protestantes que nasceram naquele contexto histórico.

Mas se por um lado os protestantes não acabaram com a caça às bruxas, eles pelo menos diminuíram bastante a prática em comparação aos católicos. Sobre isso, Baigent escreve:

Nem mesmo as piores depredações do protestantismo puderam se igualar às de Roma. Neste aspecto, a folha da Inquisição não teve rival. Ela própria se gabava de que queimara, no mínimo dos mínimos, 30 mil bruxas durante um período de 150 anos. A Igreja sempre fora mais que um pouco inclinada à misoginia. A campanha contra a bruxaria forneceu-lhe mandado para uma cruzada em escala total contra as mulheres, contra tudo que era feminino.[12]

Os especialistas em demonologia católica do século XVI, Jean Bodin e Nicolas Rémy, “já tinham recomendado a execução de crianças que confessassem ter relações com o diabo ou com bruxas”[13], ao passo em que o jesuíta Friedrich von Spee, responsável por prisões e execuções em massa na cidade de Würzburg, inclusive das crianças citadas, escreveu o Cautio criminalis, em 1631, mostrando que a pessoa acusada de feitiçaria não tinha saída[14].

O curioso é que mesmo os países protestantes que supostamente foram os responsáveis pelo maior surto de “caça às bruxas” segundo a apologética católica estão, na verdade, entre os que menos mataram bruxas na Europa. Um exemplo dos mais citados é a Inglaterra, onde a bruxaria “não foi entendida como heresia, uma ofensa fundamentalmente à igreja, mas como atentado à propriedade, ao bem-estar e à autoridade”[15], no sentido que C. S. Lewis expôs anteriormente. Mesmo assim, Johnson escreve que “no geral, os protestantes anglicanos não eram ávidos caçadores de bruxas e durante todo o período entre 1542 e 1736 muito menos de mil foram executadas (por enforcamento) na Inglaterra”[16].

O mais famigerado episódio de caça às bruxas são as famosas “Bruxas de Salém”, em Massachusetts (EUA). Mas elas só se tornaram famosas por causa de toda a divulgação midiática moderna, e não pelos Estados Unidos ter sido realmente um foco sistêmico de perseguição à bruxaria. Na verdade, não mais que vinte bruxas morreram em Salém[17], dado que contrasta fortemente com o massacre sistemático de milhares de bruxas em um único dia em territórios católicos como Würzburg. Até o site apologético católico autointitulado de “Portal Conservador” reconhece que em Salém apenas vinte “bruxas” morreram, e nenhuma delas queimada[18].

Mas a malandragem principal da apologética católica consiste em citar a Alemanha e a Suíça como a “prova” de que os protestantes eram os maiores assassinos de bruxas da Europa. O gráfico abaixo é de Leeson e Russ, e mostra esses dois países à frente no número de vítimas:

Região
Execuções
Alemanha
6.887
Suíça
5.691
França
1.663
Hungria
474
Bélgica
378
Inglaterra
367
Noruega
280
Escócia
190
Finlândia
115
Luxemburgo
99
Estônia
65
Itália
60
Holanda
46
Áustria
13
Polônia
3
Espanha
1
Irlanda
1
Irlanda do Norte
0
República Tcheca
0
Suécia
0
Dinamarca
0
Fonte: LEESON, Peter T; RUSS, Jacob W. “Witch Trials”. Economic Journal. August 2017.

O gráfico não compreende a totalidade de bruxas executadas, mas apenas os casos documentados que Leeson e Russ analisaram. De todo modo, Alemanha e Suíça aparecem na frente, com uma larga vantagem sobre os demais. Apologistas embusteiros geralmente destacam este fato acentuando que a Alemanha e a Suíça eram “países protestantes”, responsabilizando os protestantes por essas mortes. O que eles não sabem por ignorância ou escondem por desonestidade é que nenhum desses dois países era realmente “protestante”: a Alemanha continuava sendo esmagadoramente católica na época de Lutero e ainda era metade católica na Guerra dos Trinta anos, no século seguinte. O mesmo se aplica à Suíça, cujos cantões eram divididos entre cantões protestantes e cantões católicos.

Para entender como funciona a manobra, o que eles escondem é justamente que a grande maioria das condenações por bruxaria ocorreu nos estados católicos da Alemanha e da Suíça, e não nos estados protestantes. Isso nenhum apologista católico terá a honestidade de reconhecer (nem mesmo de dividir a culpa). Até o historiador católico e conservador Paul Johnson admite este fato notório quando escreve:

Philip Adolf Von Ehrenberg, bispo de Würzburg, queimou mais de 900 durante seu reinado, entre 1623 e 1631, incluindo seu próprio sobrinho, dezenove padres e uma criança de sete anos. No principado-episcopado bávaro de Eichstatt, 264 foram queimados só no ano de 1629. Em Bonn, o chanceler e sua esposa, bem como a mulher do secretário do arcebispo, foram executados. A pior de todas as perseguições teve lugar em Bamberg, onde o “bispo-bruxo”, Johann Georg Fuchs Von Dornheim queimou 600 bruxos entre 1623 e 1633. Seu chanceler, acusado de leniência, implicou, sob tortura, cinco burgomestres; um deles, por sua vez, preso e torturado, acusou vinte e sete colegas, mas mais tarde logrou contrabandear uma carta para sua filha: “É tudo falsidade e invenção, Deus tenha piedade de mim (...) Eles não param de torturar enquanto não dissermos alguma coisa (...) Se Deus enviar meios de trazer a verdade à luz, nossa família inteira será queimada”. A caçada levou um jesuíta, Friedrich Spee, que atuara como confessor de bruxas na perseguição de Würzburg, a pôr em circulação um ataque manuscrito à caçada, intitulado Cautio Criminalis: “A tortura enche nossa Alemanha de bruxas e perversões sem precedentes e não somente a Alemanha, mas todo e qualquer país que a experimenta (...) Se todos nós não nos confessamos bruxos, é porque não fomos todos torturados”.[19]

Todos esses bispos e territórios citados eram católicos, que perseguiram e assassinaram bruxas numa medida infinitamente maior que qualquer protestante jamais sonhou. Os católicos alemães mataram mais bruxas em um único dia do que os protestantes mataram em anos, e não é à toa que quando estudamos os grandes massacres coletivos de bruxas constatamos uma coisa em comum: que todos eles foram praticados por católicos em estados católicos da Alemanha. O mais conhecido é o Julgamento das Bruxas de Würzburg, perpetrado pelo príncipe-bispo Júlio Echter von Mespelbrunn e pelo seu sobrinho e sucessor Philipp Adolf von Ehrenberg.

Würzburg viveu cenários de terror: em apenas um único dia, 157 homens, mulheres e crianças da cidade foram queimados na fogueira, além de outros 219 executados na cidade e mais 900 assassinados em todo o principado. Trevor-Roper diz que “Würzburg e Bamberg eram governados por primos que eram príncipes-bispos – Philipp Adolf von Ehrenberg e Gottfried Georg II Fuchs von Dorheim. Von Dorheim era conhecido como o ‘bispo bruxo’ e governou o estado de Bamberg de 1623 a 1632. Durante esse tempo ele executou 600 pessoas como bruxas. Seu antecessor havia matado apenas metade desse número”[20]. Ele prossegue dizendo:

No entanto, o primo de Von de Dorheim, príncipe-bispo Philipp Adolf von Ehrenberg, não podia ser superado em crueldade. Entre 1623 e 1631, ele queimou 900 bruxas em Würzburg. Vinte e nove execuções em massa tiveram lugar em fevereiro de 1629, com 157 pessoas executadas em apenas um dia. Homens, mulheres e crianças foram todos executados, e treze das crianças tinham menos de doze anos.[21]

O curioso é que essa matança indiscriminada sob o pretexto da bruxaria só foi terminar quando o rei protestante Gustavo Adolfo, da Suécia, tomou a cidade e pôs um fim ao julgamento de bruxas (a Suécia não tinha o costume de caçar bruxas, como o gráfico de Leeson deixa claro, apontando zero mortes no país). Ou seja, foi preciso que um rei protestante acabasse com o reinado de terror de um príncipe e bispo católico na Alemanha – cujos massacres os apologistas católicos malandros e desonestos jogam na conta dos protestantes.

Outro grande julgamento de bruxas ocorreu em Fulda, por ordens do príncipe-abade Balthasar von Dernbach, em 1603. Balthasar era um monge beneditino que liderou a Contrarreforma em sua região e pôs um fim à tolerância religiosa que os seus antecessores concederam aos protestantes, ordenando a conversão ou o exílio. Em pouco tempo, mais de duzentas pessoas acusadas de “bruxaria” foram mortas, numa tentativa de amedrontar seu próprio povo. Também é bem conhecido o Julgamento das Bruxas de Trier, que no final do século XVI resultou na morte de pelo menos 368 pessoas – alguns falam em mil – naquela que é considerada a maior execução em massa de bruxas na Europa em tempos de paz.

A perseguição foi ordenada pelo arcebispo católico Johann von Schönenberg, que se dizia «maravilhosamente fascinado» pelos jesuítas (o que explica muita coisa). Sua metodologia era simples: primeiro exterminar protestantes, depois judeus, e por fim bruxas. Nem as crianças eram poupadas das torturas, e em duas aldeias restaram apenas uma mulher em cada. Johnson confirma que “os jesuítas estavam associados à campanha mais selvagem, conduzida na região de Trier pelo arcebispo Johann von Schönenberg e seu sufragâneo, o bispo Binsfield. Entre 1587 e 1593, o arcebispo queimou trezentas e sessenta e oito bruxas em vinte e duas aldeias, deixando duas delas com apenas uma habitante do sexo feminino cada”[22].

Não podemos deixar de mencionar o Julgamento das Bruxas de Bamberg, um morticínio em massa levado a cabo por Johann Gottfried von Aschhausen, um bispo católico fanático que participou da Liga Católica e empenhou todos os seus esforços em eliminar o protestantismo em seu principado, contando para isso com o apoio dos jesuítas. Entre 1626 e 1631, ele condenou à morte cerca de mil indivíduos. Assim como os massacres em Würzburg, a caça às bruxas de Bamberg só terminaram quando o rei protestante sueco tomou o estado, por ocasião da Guerra dos Trinta Anos.

Os estados católicos da Alemanha foram os recordistas mundiais de caça às bruxas, prática na qual eram insuperáveis. Waite comenta que "as piores caças de bruxas engolfaram o principado católico do sul, onde os bispos dominantes estavam lutando para fortalecer o catolicismo tridentino em seus pequenos reinos contra incursões protestantes"[23]. Para quem não sabe, a Alemanha da época era dividida entre os estados católicos, ao sul, e os protestantes, ao norte:[24]

A situação religiosa no Sacro Império, em 1618. Fonte: O Atlas Histórico de William R. Shepherd, 1923. Biblioteca da Universidade do Texas.

Em vermelho vemos os estados protestantes, e em azul os estados católicos. E foi no sul da Alemanha (ou seja, nos principados católicos) que os grandes massacres de bruxas ocorreram – massacres esses que são covardemente jogados na conta do protestantismo por embusteiros profissionais que sequer conhecem o fato de que a Alemanha da época não era inteiramente protestante, ou que fingem desconhecer para manter a desonestidade intelectual. Trevor-Roper acrescenta ainda que a perseguição às bruxas chegou à Alemanha justamente através da infiltração jesuíta na Contrarreforma, prescrevendo a tortura e instaurando o terror:

O surto de bruxaria realmente tardou em chegar à Alemanha, e sua perseguição não começa senão após meados do século XVI. No sul da França e em outros lugares, a perseguição ocorreu desde o século XV. No entanto, a Alemanha rapidamente ganhou o tempo perdido através de pura brutalidade e ferocidade. O que realmente trouxe a bruxaria, ou a suspeita disso na Alemanha foi o Conselho de Trento em 1563, quando os jesuítas a definiram a fim de salvar a Alemanha do protestantismo. O uso de tortura foi prescrito por direito no Sacro Império Romano-Germânico, nos estados que a eles pertenciam. Através de centenas de leis e milhares de sermões, o reconhecimento de que a bruxaria era verdadeira foi forçado sobre as pessoas. Assim como os inquisidores dominicanos tinham trazido a ideia de bruxaria na Europa nos dois séculos anteriores, os jesuítas estabeleceram sua presença na Alemanha nos séculos XVI e XVII.[25]

Não obstante, a apologética católica mais baixa e rasteira insiste em disseminar fake news sobre a caça às bruxas e em culpar o protestantismo pelos crimes cometidos na parte católica da Alemanha. Um dos sites mais antigos e conhecidos que deu origem à maior parte dos embustes e mentiras que vemos sendo disseminados até hoje nesse meio é o “Cai a Farsa”, que escreveu um artigo sobre bruxaria cujo amadorismo é inigualável – cheio de citações pinceladas de fontes que nunca leu e repleto de distorções históricas das mais gritantes e fraudulentas. O artigo é assinado pelo nome de “João” e é assumidamente um compilado de publicações do Orkut(!), o que denuncia o nível do amadorismo. No artigo em questão, o autor escreve:

Um só perseguidor protestante, de bruxas na Alemanha, Nichólas Romy, considerado grande especialista e que escreveu um longo tratado sobre bruxaria, teve sobre sua consciência a morte de 900 pessoas.[26]

Tragicamente, esse tal «perseguidor protestante» mencionado por eles foi na verdade um fanático católico que já citamos aqui com o apoio de fontes (chamado Nicolas Rémy, cujo sobrenome eles trocaram para “Romy”). Nunca existiu um caçador de bruxas chamado “Nichólas Romy”, mas o Nicolas Rémy que existiu era de fato um caçador de bruxas do século XVI, só que católico. Ele era secretário do duque católico Carlos III da Lorena (França), e realizou seu trabalho com as bençãos da Igreja. Seu tratado sobre demonolatria (Daemonolatreiae libri três) foi publicado em Lyon (1595), território católico francês, e reimpresso vários vezes. Seu tratado ficou tão famoso que em alguns lugares chegou a substituir o velho Malleus Maleficarum[27].

Esses fatos são públicos e notórios, reconhecidos por qualquer historiador e conhecidos por qualquer estudioso, mas nada disso impediu o “Cai a Farsa” de cometer a gafe de chamar um serial killer católico de “perseguidor protestante”, em sua ânsia em difamar o protestantismo. Se a desonestidade da apologética católica já não fosse tão conhecida eu até pensaria que foi apenas uma “confusão” cometida por um amador que acredita mesmo que todos os alemães do século XVI eram protestantes, mas a continuação do artigo nos aponta o contrário. Isso porque o autor “João” com suas confiáveis fontes de Orkut prossegue citando inúmeros outros casos de massacres de bruxas na Alemanha – todos católicos, mas que o charlatão atribui ao protestantismo. Por exemplo, ele escreve:

W. A. Schoeder, contemporâneo aos fatos, anotou que nas localidades de Bamberg e Zeil, entre 1625 e 1630, (cinco anos) se realizaram nada menos que 900 processos de bruxaria. Deles (numa exceção), 236 terminaram com condenação à morte na fogueira. Só num ano, 1617, em Würzburg, foram queimadas 300 bruxas; em total nesta região as atas apresentam l.200 condenações à morte.[28]

Seria uma ótima forma de culpar o protestantismo por males terríveis, se não fosse por um detalhe cruel: nem Würzburg e nem Bamberg e Zeil eram territórios protestantes. Ao contrário, eram todos estados católicos do sul, como já vimos. Bamberg era uma cidade no estado da Baviera, um dos maiores bastiões do catolicismo na Alemanha, que até hoje permanece sendo fortemente católico e era um dos maiores representantes do catolicismo no Sacro Império, junto com a Áustria. A Baviera inclusive combateu a União Protestante na Guerra dos Trinta Anos, que é justamente o contexto em que ocorreram esses massacres. Mesmo assim, os apologistas católicos conseguem o incrível feito de culpar o protestantismo pelas atrocidades cometidas num dos maiores estados católicos da Alemanha, em seu desespero em ajuntar o maior número de dados falsos que sirvam para atacar a fé protestante e enganar os incautos.

E eu creio não ser necessário comentar sobre Würzburg, o estado que mais queimou bruxas na Europa e também o mais católico da Alemanha. Foi em Würzburg que o jesuíta Friedrich von Spee prendeu e executou milhares de bruxas em poucos anos, incluindo crianças, e escreveu o Cautio criminalis (1631), onde legitimava a caça às bruxas[29]. Chega a ser surpreendente o fato dos apologistas católicos não terem grandes massacres de bruxas em estados protestantes para citar e por isso precisarem ir pegar nos países católicos os exemplos para usar em um artigo em que atacam os protestantes com mentiras, calúnias e desinformação sem fim. É realmente difícil encontrar uma apologética que seja mais rasteira que essa.

Mas “João” não se cansa de distorcer e manipular os fatos, então decide fazer isso mais um pouco quando diz que “em 20 anos, de 1615 à 1635, em Estrasburgo, houve 5.000 queimas de bruxas”[30]. O que ele não sabe é que, para o azar dele, Estrasburgo nessa época já era católica. Desde 1592 a catedral passou a ser dividida entre as duas religiões, mas a partir de 1604 a Contrarreforma conseguiu impor o catolicismo e o católico Carlos de Lorraine se tornou o único bispo da cidade[31]. Foi aí que os massacres começaram, inclusive essas cinco mil bruxas queimadas entre 1615 e 1635, que o vigarista mal-intencionado atrela ao protestantismo.

Eu não vou cansar o leitor mostrando mais uns duzentos exemplos de fraudes do tipo, mas vou citar uma última, porque é o caso mais inacreditável possível. Eles escrevem:

Na Suíça, quando protestante, os casos de condenação de bruxas descritos nas crônicas conservadas chegam a 5417. Nos Alpes Austríacos, as mortes chegaram ao menos a 5000.[32]

Sim, eles literalmente citam os Alpes Austríacos como um exemplo de “matança protestante de bruxas”, porque nem mesmo sabem que a Áustria sempre foi um dos estados mais católicos que já existiu – ou talvez saibam, mas não tem vergonha em seguir a ética jesuíta à risca e fazer o que sabem de melhor: mentir.

O que mais assusta é que este não é um blog aleatório citado ao acaso, mas um muito conhecido e usado como fonte de referência pela apologética católica em geral. Não à toa, qualquer parte do artigo é reproduzida em centenas de outros blogs católicos antiprotestantes, é usada por católicos em debates e até mesmo citada como a “prova” de que existiu uma lendária “Inquisição protestante”. Isso só prova o quanto o amadorismo e a desonestidade são o retrato perfeito da defasada e desqualificada apologética católica como um todo, e não um caso de exceção.

Segue abaixo o mesmo mapa da Alemanha em 1618, com os territórios protestantes majoritariamente ao norte (em vermelho) e os católicos majoritariamente ao sul (em azul), dessa vez com os estados em disputa destacados (i.e, Baviera, Áustria, Lyon, Estrasburgo e Würzburg):


Mas não podemos deixar passar por alto as acusações referentes à Suíça. A Suíça aparece, como a Alemanha, entre os países que mais mataram bruxas, e é mais uma vez erroneamente classificada como um “país protestante”, quando na verdade consistia em treze cantões, divididos entre cantões católicos e protestantes. Era um caso semelhante ao alemão, onde uma parte adota o catolicismo, e outra parte o protestantismo. No caso suíço, os cantões eram divididos da seguinte maneira:

Cantões Católicos
Cantões Protestantes
Lucerna
Zurique
Uri
Berna
Schwyz
Basileia
Unterwalden
Schaffhausen
Zug
Metade de Glarus
Friburgo
Metade de Appenzell
Solothurn

Metade de Glarus

Metade de Appenzell

Como se vê, não apenas a Suíça não era um “país protestante”, como ainda era de maioria católica, mesmo após a consolidação da Reforma suíça com Zwínglio e Calvino. Portanto, o apologista católico que usa o caso suíço para mostrar o quão monstruosos eram os protestantes assassinos de bruxas só está dando um tiro bem dado no próprio pé. A situação piora ainda mais quando sabemos que, diferente da Alemanha, a Suíça já tinha por praxe queimar muitas bruxas desde o início do século XV, ou seja, cem anos antes da Reforma. De fato, como pode ser visto na compilação de Marc Carlson repleta de fontes e disponível na nota de rodapé deste livro, grande parte das mortes de bruxas na Suíça ocorreu neste período em que todos os cantões eram católicos[33].

O maior e mais conhecido episódio de execução em massa de bruxas na Suíça ocorreu justamente neste período anterior à Reforma, em finais do século XV. Trata-se do Julgamento das Bruxas de Valais, que ocorreu entre 1428 e 1447 e resultou na morte de pelo menos 367 bruxas, muitas delas acusadas de serem lobisomens[34]. Ou seja, quando um papista trapaceiro mostra os números elevados de morte de bruxas na Suíça, ele se esquece de mencionar duas coisas básicas: que grande parte desse percentual se refere à época em que toda a Suíça era católica, e que a parte restante é dividida entre estados católicos (majoritários) e protestantes (minoritários).

Para piorar, é fato histórico que nas cidades protestantes como Genebra as bruxas recebiam um julgamento bem mais brando em comparação com a severidade habitual entre os estados católicos. Wahlers, por exemplo, atesta:

Em algumas áreas, as bruxas acusadas eram torturadas até que confessassem e, se ainda recusassem, poderiam ser executadas apesar disso; no entanto, em regiões da Suíça como Genebra, que tinha julgamentos muito brandos, as bruxas cuja culpa não podia ser inteiramente provada eram frequentemente banidas ou absolvidas.[35]

A desonestidade, porém, não é monopolizada pelos apologistas católicos. Observe o que duas autoras feministas e antiprotestantes escrevem em ataque à Reforma, no livro chamado “O que é feminismo”:

O advento do protestantismo não significou uma queda nesta perseguição. Ao contrário, tanto Lutero quanto Calvino aderiram à mesma, apoiados na Bíblia. Segundo alguns autores chegou-se mesmo a se estabelecer uma competição entre as duas religiões no que se refere à “caça às bruxas”. Jules Michelet, em Sobre as feiticeiras, transcreve números estarrecedores: por ordem de seu bispo, a cidade de Genebra queimou, no ano de 1515, em apenas três meses, nada menos que 500 mulheres; na Alemanha, o bispado Bamberg queima de uma só vez 600, e o de Würzburg, 900.[36]

O que elas não sabem ou se esqueceram de avisar é que essas 500 mulheres executadas em Genebra em 1515 foram mortas quando Genebra ainda era católica. Isso ocorreu dois anos antes das famosas 95 teses de Lutero, seis anos antes da excomunhão de Lutero, sete anos antes dos 67 artigos de fé de Zwínglio e oito anos antes do primeiro cantão a se tornar protestante no país (Zurique, em 1523). Portanto, tudo o que isso prova é que os católicos já eram ávidos caçadores e assassinos de bruxas na Suíça desde antes da Reforma obter qualquer impacto no país. A citação ainda recorre ao mesmo erro infame de considerar Bamberg e Würzburg territórios protestantes, que é provavelmente a fonte de onde o “Cai a Farsa” retirou o delírio – sim, de um livro chamado “O que é feminismo”!

As maiores matanças de bruxas na Suíça se deram em Vaud, onde mais de três mil foram processadas, sendo duas mil executadas. Grivat afirma que esses julgamentos ocorreram seis vezes entre 1438 e 1528, e representaram a mais elevada taxa de pena de morte na Suíça (66%)[37]. O detalhe curioso é que Vaud só foi anexada à Reforma em 1536, pelos colaboradores de Calvino e Pierre Viret. Ou seja: todos esses massacres em Vaud, que fizeram da Suíça um dos líderes mundiais na morte de bruxas, ocorreram no período anterior à Reforma nessa região, e por ironia os massacres sistemáticos só pararam quando o protestantismo foi ali estabelecido.

São fatos como estes que a apologética antiprotestante omite, esconde e ignora, porque não lhes é conveniente dizer a verdade. Até hoje vemos em blogueiros, youtubers e, pasme, até mesmo em documentários que fingem uma certa seriedade a reprodução desses embustes que associam ao protestantismo o maior ímpeto de caça às bruxas, que é uma mentira abominável e grosseira. Sim, os protestantes em geral continuaram crendo na existência de bruxas, mas quem inventou o conceito e começou as matanças foram os católicos, que exterminaram bruxas numa escala incomparavelmente maior do que qualquer protestante jamais imaginou.

Isso se deve em grande parte devido ao fato de que os protestantes em geral só matavam bruxas por acreditar que elas existissem, enquanto os católicos, que começaram matando bruxas por essa razão, usaram o pretexto da bruxaria para perpetrar massacres sistemáticos em territórios disputados com os protestantes, principalmente durante a Guerra dos Trinta Anos. Ou seja, a “caça às bruxas” foi usada pelos católicos como um mecanismo para a limpeza religiosa de um território, análogo ao que a Inquisição já fazia em países como Espanha, Itália e Portugal, razão pela qual esses países não precisaram lançar mão da caça às bruxas em tão grande escala como os estados católicos da Alemanha e da Suíça (que não tinham Inquisição).

Mesmo assim, de acordo com Brian Levack, os países católicos como Polônia, França, Espanha e Itália estão entre os que mais processaram bruxas na Europa:

Região
Processos
Alemanha
50.000
Polônia
15.000
França e Lorraine
10.000
Espanha, Itália e Estados Papais
10.000
Suíça
9.000
Grã-Bretanha
5.000
Escandinávia
5.000
Hungria, Transilvânia, Moldávia e Rússia
4.000
Total
108.000
Fonte: LEVACK, Brian P. The Witch-Hunt. New York: Longman, 1987.

E os dados oferecidos por Peter Leeson e Jacob Russ mostram que apenas quatro países não mataram bruxas na Europa, sendo três deles protestantes (Irlanda do Norte, Suécia e Dinamarca) e um católico (República Tcheca)[38]. Embora esses dados não compreendam a totalidade de pessoas processadas e/ou executadas em toda a Europa (cujas estimativas giram em torno de 40 a 50 mil mortes, que correspondem mais ou menos à metade dos processos), elas nos mostram que o cenário pintado pela apologética católica está bem longe de ser verdade.

Em resumo, não podemos eximir dos protestantes a culpa pela morte de certa quantidade de bruxas na Europa, mas podemos assegurar com precisão:

• Que essas mortes não ocorreram por intolerância religiosa, como os massacres católicos que em poucos dias chacinaram populações inteiras para a «limpeza» e «purificação» do território, cuja população se encontrava então dividida.

• Que todos os grandes massacres de bruxas na Alemanha ocorreram nos territórios católicos do sul, e não nos estados protestantes do norte.

• Que a grande maioria das bruxas executadas na Suíça foram mortas por católicos no século XV ou princípios do XVI, quando a Reforma ainda não existia, e que os cantões católicos continuaram sendo bem mais brutais e severos em seus julgamentos de bruxas do que os cantões protestantes.

• Que países inteiramente protestantes como Suécia, Irlanda do Norte, Dinamarca, Inglaterra e Holanda costumavam caçar menos bruxas do que países inteiramente católicos como França, Polônia, Espanha, Itália e os Estados Papais.

• Que quem inventou e deu início à prática de caça às bruxas foram os católicos, que mataram bruxas ao longo de todo o século XV em grande parte da Europa (ainda que como um crime civil) e que intensificaram isso na Contrarreforma (mudando a ênfase e usando a bruxaria como pretexto para enormes matanças religiosas). Ou seja, foi o esforço jesuíta e o espírito intransigente e antiprotestante da Reforma católica que nos deu os elevados e assustadores índices de bruxas mortas naquelas décadas.

Que a Contrarreforma católica impulsionou a caça às bruxas e a elevou a níveis até então desconhecidos, fica muito evidente quando analisamos os gráficos de execuções de bruxas, que disparam de forma súbita e desproporcional a partir de então. Os gráficos de Leeson e Russ falam por si só:[39]


• Compartilhe este artigo nas redes:

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,

- Siga-me no Facebook para estar por dentro das atualizações!


- Baixe e leia os meus livros clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.




[1] LEWIS, Clive Staples. Cristianismo Puro e Simples. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009, p. 14.

[2] JOHNSON, Paul. História do Cristianismo. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2001, p. 371.

[3] SILVEIRA, Vera Maria. Os papas no banco dos réus. São Paulo: Baraúna, 2014, p. 36.

[4] LOPEZ, Luiz Roberto. História da Inquisição. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993, p. 53-54.

[5] ibid, p. 58.

[6] JOHNSON, Paul. História do Cristianismo. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2001, p. 372.

[7] ibid.

[8] KRAEMER, Heinrich; SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras. São Paulo: Rosa dos Tempos, 2001, p. 56.

[9] LEVACK, Brian. Caça às bruxas na Idade Moderna. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1988, p. 50.

[10] PIRENNE, Jacques. Historia Universal: las grandes corrientes de la historia desde el Renascimiento hasta la formación de los grandes estados continentales de Europa. Barcelona: Ediciones Leo, S. A., 1953. v. 3, p. 26.

[11] DEANESLY, Margaret. A História da Igreja Medieval: de 590 a 1500. São Paulo: Ed. Custom, 2004, p. 274.

[12] BAIGENT, Michael; LEIGH, Richard. A Inquisição. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2001, p. 137.

[13] LOPEZ, Luiz Roberto. História da Inquisição. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993, p. 54.

[14] ibid.

[15] GONÇALVES, Bruno Galeano de Oliveira. Os rastros perdidos: o estatuto criminal da bruxaria na Inglaterra do século XVII. Texto integrante dos Anais do XX Encontro Regional de História: História e Liberdade. ANPUH/SP – UNESP-Franca, 2010, p. 7.

[16] JOHNSON, Paul. História do Cristianismo. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2001, p. 373.

[17] ibid, p. 375.

[18] Disponível em: <http://portalconservador.com/o-julgamento-das-bruxas-de-salem>. Acesso em: 27/07/2018.

[19] JOHNSON, Paul. História do Cristianismo. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2001, p. 374-375.

[20] TREVOR-ROPER, Hugh Redwald. The European Witch-Craze of the Sixteenth and Seventeenth Centuries. New York: Harper Torchbook, 1969.

[21] ibid.

[22] JOHNSON, Paul. História do Cristianismo. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2001, p. 374.

[23] WAITE, G. K. Heresy, Magic, and Witchcraft in Early Modern Europe. New York: Palgrave, 2003, p. 115.

[24] A imagem pode ser vista em tamanho amplificado aqui: <https://uploaddeimagens.com.br/images/001/534/653/full/92.jpg?1532827152>.

[25] TREVOR-ROPER, Hugh Redwald. The European Witch-Craze of the Sixteenth and Seventeenth Centuries. New York: Harper Torchbook, 1969.

[26] Disponível em: <https://caiafarsa.wordpress.com/inquisicao-cai-a-farsa>. Acesso em: 27/07/2018.

[27] TREVOR-ROPER, Hugh Redwald. The European Witch-Craze of the Sixteenth and Seventeenth Centuries. New York: Harper Torchbook, 1969.

[28] Disponível em: <https://caiafarsa.wordpress.com/inquisicao-cai-a-farsa>. Acesso em: 27/07/2018.

[29] LOPEZ, Luiz Roberto. História da Inquisição. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993, p. 54.

[30] Disponível em: <https://caiafarsa.wordpress.com/inquisicao-cai-a-farsa>. Acesso em: 27/07/2018.

[31] PIERRE. Strasbourg History. Disponível em: <https://frenchmoments.eu/strasbourg-history>. Acesso em: 27/07/2018.

[32] Disponível em: <https://caiafarsa.wordpress.com/inquisicao-cai-a-farsa>. Acesso em: 27/07/2018.

[33] Confira em: <http://www.personal.utulsa.edu/~marc-carlson/witchtrial/switz.html>. Acesso em: 28/07/2018.

[34] Confira em: <https://ipfs.io/ipfs/QmXoypizjW3WknFiJnKLwHCnL72vedxjQkDDP1mXWo6uco/wiki/Valais_witch_trials.html>. Acesso em: 28/07/2018.

[35] WAHLERS, Amanda. Hail and Hunger: Climate and Witchcraft in Switzerland. Disponível em: <https://witchhunts.academic.wlu.edu/hail-and-hunger-climate-and-witchcraft-in-switzerland>. Acesso em: 27/07/2018.

[36] ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jacqueline. O que é feminismo. São Paulo: Brasiliense, 2003, p. 25.

[37] GRIVAT, Olivier. Quando as bruxas eram torturadas e queimadas. Disponível em: <https://www.swissinfo.ch/por/quando-as-bruxas-eram-torturadas-e-queimadas/31142966>. Acesso em: 27/07/2018.

[38] LEESON, Peter T; RUSS, Jacob W. “Witch Trials”. Economic Journal. August 2017.

[39] LEESON, Peter T; RUSS, Jacob W. Witch Trials, p. 58. Disponível em: <http://www.peterleeson.com/Witch_Trials.pdf>. Acesso em: 26/07/2018.


ATENÇÃO: Sua colaboração é importante! Por isso, se você curtiu o artigo, nos ajude divulgando aos seus amigos e compartilhando em suas redes sociais (basta clicar nos ícones abaixo), e sinta-se à vontade para deixar um comentário no post, que aqui respondo a todos :)

178 comentários:

  1. Vc é a favor da liberação do porte de armas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No contexto brasileiro acho que isso faria mais bem do que mal (claro que desde que com uma certa regulação para não deixar gente problemática, alcoólatra ou ex-criminoso portar armas).

      Excluir
  2. Avalie:

    https://www.youtube.com/watch?v=IKsIg6E_rSc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prefiro essa:

      https://www.youtube.com/watch?v=nHdc9lJigtc

      Excluir
    2. É boa também. Mas essa que eu mandei o link é muito boa também. Esse som de violino é massa demais.

      Excluir
  3. Você já terminou seu livro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falta a conclusão, a introdução, a revisão no livro todo, a diagramação, encontrar uma gráfica e finish.

      Excluir
    2. Ou seja, vai demorar ainda.

      Excluir
    3. Quem vai prefaciar ele?

      Excluir
    4. "Ou seja, vai demorar ainda"

      Não acho, creio que dá pra fazer tudo isso em um mês.

      "Quem vai prefaciar ele?"

      Geralmente ninguém, porque eu odeio ficar esperando as pessoas escreverem os prefácios, tem gente que leva meses até terminar de ler o livro e escrever e eu não tenho todo esse tempo pra perder não, sem falar que o prefácio não é algo importante na minha opinião, na verdade é o que há de menos importante em um livro. Eu vou ver se o Gaião consegue prefaciar pra mim, ele já disse que poderia, mas se demorar muito tempo eu publico sem prefácio mesmo.

      Excluir
  4. Interessante, Banzoli:

    https://www.youtube.com/watch?v=GBtx5JIuaRc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Afonso Vasconcelos Lopes já tinha abordado isso daí, depois disso tem que ser muito desonesto mesmo para negar o relato bíblico do dilúvio e ainda usar aquele argumento ridículo e patético do "de onde veio e para onde foi toda a água do dilúvio" (que inacreditavelmente continua sendo usado hoje como um dos principais argumentos contra a historicidade do dilúvio global).

      Excluir
  5. Lucas vc é criacionista?

    ResponderExcluir
  6. Será que esse trecho da pregação do Leandro Quadros está fora de contexto? Você tem essa pregação inicial completa? Esse vídeo diz que os links completos estariam na descrição, mas esse vídeo não tem descrição.

    https://www.youtube.com/watch?v=vk56jijvW-c&feature=share

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A pregação completa é essa aqui:

      https://www.youtube.com/watch?v=NEbUBjXYAUI

      Ele estava falando sobre os grupos dissidentes da IASD (como os do adventistas.com, que é basicamente um site feito por um grupo de dissidentes adventistas para atacar a Igreja Adventista oficial). Ou seja, a grupos que saem da IASD se dizendo a "verdadeira IASD" e atacando a IASD formal (é algo mais ou menos parecido com os sedevacantistas e os veterocatólicos para o contexto da Igreja Católica Romana). No segundo vídeo ele não estava falando desses dissidentes, então não há contradição, embora por razões óbvias eu discorde que não possa haver salvação entre os dissidentes.

      Excluir
    2. À uma primeira vista, parecia que ele queria dizer que qualquer pessoa que deixasse de ser adventista não seria salvo. Por exemplo, se uma pessoa saísse da IASD e fosse pra Assembleia. Mas ele se refere a esses grupos que querem ser os verdadeiros adventistas.

      Excluir
  7. Amigo do Banzolão29 de julho de 2018 14:42

    Banzolão:

    https://scontent.fjdo1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/38071600_498601393896786_3360975865201557504_n.jpg?_nc_cat=0&oh=1ba47aae8d273c350bb866d15e6dcce7&oe=5BC8477F

    ResponderExcluir
  8. Amigo do Banzolão29 de julho de 2018 15:07

    Banzolão, o que você acha da Tradução Ecumênica da Bíblia - TEB?

    ResponderExcluir
  9. Lucas qual a sua opinião sobre a Talmud?????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Talmude é para o Judaísmo o que a escolástica é para o catolicismo, ou seja, uma tragédia.

      Excluir
    2. Vc poderia me explicar mais sobre doque se trata a Talmude???? Só sei que é um livro das tradições Judaicas e que os católicos e os zumbis tridentinos vivem afirmando que foi dele que saiu o comunismo.
      Quanto a escolástica, pq ela seria uma tragédia???
      Nao foi dela que surgiu grandes teólogos como o Duns Scoot, o Guilherme de Ockham, o Anselmo Ramón, o Boaventura, e o grande Tomás de Aquino que desenvolveu as cinco vias que até vc já se utilizou em outros artigos contra o Neo-ateísmo?? :/

      Excluir
    3. Qualquer livro que seja um "compilado de tradições" na prática acaba se prestando ao mesmo serviço de adicionar pontos de fé à Bíblia, igual os fariseus faziam e a razão pela qual eles foram severamente condenados por Jesus:

      Mateus 5:13 - E por que vocês transgridem o mandamento de Deus por causa da tradição de vocês?

      Mateus 15:6 - Assim vocês anulam a palavra de Deus por causa da tradição de vocês.

      Marcos 7:3 - Assim vocês anulam a palavra de Deus, por meio da tradição que vocês mesmos transmitiram. E fazem muitas coisas como essa.

      Marcos 7:6,7 - Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, Mas o seu coração está longe de mim; em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.

      Marcos 7:8 - Vocês negligenciam os mandamentos de Deus e se apegam às tradições dos homens.

      Marcos 7:9 - Vocês estão sempre encontrando uma boa maneira para pôr de lado os mandamentos de Deus, a fim de obedecer às suas tradições!

      Em relação à escolástica, ela é a responsável por, eu diria, uns 90% das heresias que entraram no Cristianismo ocidental. Mesmo esses homens que você citou e outros que tiveram certa qualidade ainda assim erraram muito, ensinaram heresias, divulgaram outros ensinos errôneos de sua época e ajudaram a consolidar o que o catolicismo romano é hoje. Vou pegar apenas como exemplo Tomás de Aquino: com exceção da imaculada conceição de Maria e do conceito de tradição acima da Bíblia, ele concordava com todos os outros dogmas católicos, ajudou a fortalecer alguns deles que ainda estavam em discussão, forneceu a argumentação "teológica" a favor da Inquisição, das cruzadas, da escravidão e da misoginia, e foi o precursor da moderna apologética católica. O fato de ter desenvolvido as cinco vias (embora muitas delas fossem recapitulações de argumentos antigos, elaborados desde os filósofos gregos) é louvável, mas não muda nada do que ele defendeu como um todo. É claro que devemos considerar a época e o ambiente em que ele vivia e aliviar o julgamento, mas mesmo assim a escolástica foi um desastre na história do Cristianismo; se ficassem apenas com os escritos dos Pais da Igreja não haveria nem a metade das heresias que surgiram depois.

      Excluir
    4. Compreendo, mas não acho que é correto colocarmos toda a culpa nos escolásticos pelas as heregias. Muitas delas já existiam antes da Escolástica como o purgatório que começou com Agostinho, porém só foi oficializado como doutrina da Igreja no seculo XIII (se não me engano).
      Quanto ao Aquino, eu nao sabia que ele era misogino. Em que livro ele age de forma desrespeitosa com as mulheres??

      Excluir
    5. Há um artigo sobre a visão machista do homem medieval (inclusive de Tomás de Aquino) que você pode ler neste artigo (clicando no link abaixo já vai automaticamente baixar o download do pdf, lá tem todas as citações e alusões):

      eduem.uem.br/ojs/index.php/ActaSciLangCult/article/download/16826/pdf

      Sobre a questão da escolástica, de fato ela não apenas inventou heresias novas, mas se deu ao trabalho de consolidar e fortalecer as que já existiam ou que eram nascentes (isso eu inclusive afirmei anteriormente). No caso do purgatório por exemplo, como ele não era nenhuma unanimidade na Idade Média e como o próprio Agostinho que inventou o conceito o tratou como uma mera especulação, coube à escolástica elevá-lo ao patamar de doutrina oficial e depois elevá-lo ao nível de dogma (enquanto a Igreja oriental até hoje não acredita nisso). Ou seja, se os escolásticos quisessem eles poderiam refutar essa inovação ou combatê-la de algum modo, mas em vez disso eles fortaleceram e elevaram o status do falso ensino, era isso que eles faziam, eles pioravam tudo.

      Excluir
    6. Irei ler.
      Mas vc acha que o Tomás, mesmo tendo os seus defeitos, ele foi um bom teólogo???? Tenho um livro dele aqui em casa mas depois dessa fiquei com pouco de receio de ler.

      Excluir
    7. Dizem que ele foi um excelente filósofo (coisa que não entrarei no mérito porque não é a minha área), mas analisando apenas como teólogo, eu francamente não vejo nele essas coisas não, e estou sendo bem sincero. Eu consigo ler Calvino defendendo um tipo de predestinação que eu discordo completamente e mesmo assim vejo muita inteligência e genialidade, mas não consigo dizer o mesmo de Tomás. O que distinguia um do outro é que Aquino era um teólogo sistemático, ou seja, abordava todos os temas teológicos de forma suscinta e resumida e isso é inadmissível nos dias de hoje e tampouco seria muito útil em um debate inteligente. Não dá pra defender conceitos complexos para os quais pode-se argumentar em um livro inteiro com apenas algumas linhas. Isso podia ser o suficiente para os teólogos medievais, mas não acompanha a evolução da teologia, tanto é que eu nunca vi um apologista católico moderno se limitando a passar as argumentações de Tomás de Aquino em qualquer debate com um protestante sobre qualquer tema que seja.

      Veja por exemplo a argumentação dele sobre o suicídio ser um pecado mortal sem perdão; não vem ao caso aqui se ele está certo ou errado, mas a análise que faz é tão superficial que não dá para ser levada a sério. Ele é exaltado e colocado em um pedestal pelos católicos apenas porque foi quem conseguiu fortalecer todas as doutrinas católicas dando um subsídio intelectual (ainda que frouxo) àquilo que era crido na época em grande parte apenas por um fideísmo; ele era um tipo de "contra-reformador" que contrastava fortemente com o espírito dos reformadores, que era de identificar os erros para mudá-los, enquanto Tomás fazia o oposto, por isso é tão idolatrado pelos católicos. Mas se você quiser leia a Suma Teológica na parte referente à teologia e chegue às suas próprias conclusões, eu não achei nada de mais.

      Excluir
    8. "O que distinguia um do outro é que Aquino era um teólogo sistemático, ou seja, abordava todos os temas teológicos de forma sucinta e resumida"
      Mas Calvino tbm nao era um teólogo sistemáticos???? Sempre quando pesquiso sobre indicações de livros de "Teologia Sistemática" sai primeiro "Suma" do Aquino e em seguida a "Institutas" do nosso Calvino. Como é que funciona isso!??

      Excluir
    9. Na verdade não. Embora Calvino abordasse bem menos temas teológicos do que Tomás, o que ele abordava abordava com muio aprofundamento. É diferente de Tomás, que elencava um rápido postulado, então breves razões pelas quais aquilo seria verdadeiro, e então breves refutações a cada ponto. Eu diria que a maioria dos pontos teológicos que ele aborda na Suma não passam de uma ou duas páginas, bem diferente de Calvino, que tem capítulos inteiros (ou livros inteiros, na questão da predestinação) defendendo os pontos que defende.

      Excluir
    10. Mas então qual seria o real conceito de "Teologia sistemática"????? Pelo que eu saiba é simplesmente fazer uma serie de explicações sobre a Bíblia, que vão desde gênesis até Apocalipse

      Excluir
    11. Teologia sistemática é sistematizar (resumir) a teologia em um lugar só (um compêndio de teologia ou livro de teologia sistemática). Particularmente eu não sou muito fã de teologias sistemáticas porque por regra elas são reducionistas e simplificam conceitos complexos em poucas linhas; basicamente elas tratam tudo com superficialidade. O ponto positivo é que vão fazer um apanhado geral da teologia abordando muitos aspectos, mas em se tratando de estudos mais sérios e acadêmicos uma teologia sistemática é geralmente bastante inútil (embora possa ser bem útil para leigos em teologia que precisem apenas de uma introdução em cada assunto).

      Excluir
  10. Lucas analise esse video de 5 minutos do padre Paulo Ricardo onde ele faz uma comparação com a mãe de Salomão ser rainha.

    https://www.facebook.com/CapelaSaoLucasLN/videos/1575556342556135/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais um delírio fruto de eisegese sem nenhuma regra hermenêutica apenas para passar a perna nos néscios.

      Excluir
    2. ai embaixo na descrição ta escrito "escolhida antes da fundação do mundo como Mãe do Filho de Deus encarnado e futura Rainha de toda a criação" e lembre-se, eles não adoram, só veneram. E quero agora saber de onde tiraram isso? Eles pegaram o trecho semelhante que se refere a Jesus e mudaram completamente pra Maria?

      Excluir
    3. Ainda bem que só veneram (ufa, que alívio!), já pensou se adorassem?

      Excluir
    4. mas e a analogia que ele faz com a mãe de Salomão ser rainha e Jesus ser da descêndencia de Davi,e, portanto, a mãe dele rainha tb?

      Excluir
    5. É uma analogia tosca e sem fundamento, que mistura alhos com bugalhos. A mãe de Salomão era "rainha-mãe" porque Salomão era um REI LITERAL, então a mãe dele recebia esse título. Mas Jesus não era um rei literal, ele mesmo disse que seu reino não era deste mundo, ele é o rei do mundo espiritual desde muito antes de Maria sequer existir. É como disse o autor de Hebreus:

      "Sem pai, SEM MÃE, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre" (Hebreus 7:3)

      Por isso você pode folhear a Bíblia do Gênesis ao Apocalipse que a única "rainha do céu" que encontrará será essa:

      “Os filhos ajuntam a lenha, os pais acendem o fogo, e as mulheres preparam a massa e fazem bolos para a Rainha dos Céus. Além disso, derramam ofertas a outros deuses para provocarem a minha ira” (Jeremias 7:18)

      Excluir
    6. Banzolao você acredita que Melquisedeque é o próprio Cristo pré encarnado? Porque nesse mesmo capítulo de Hebreus é dito que Jesus é sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque

      Excluir
    7. Melquisedeque era uma figura de Cristo, um antítipo que o tipificava, mas não era o próprio. A "ordem de Melquisedeque" é uma ordem de natureza espiritual, não de natureza física.

      Excluir
  11. https://youtu.be/rQimhQJ2FNs

    O que dizer disso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Avalie: https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=244359772810099&id=189811361598274

      Excluir
    2. Vote: https://lp1.empiricus.com.br/pesquisa-votacao/?xpromo=XE-MEL-IG-EV-IN-BNNR-PP-X-4&utm_source=instagram&utm_medium=cpc&utm_campaign=cons-lg-ev

      Excluir
    3. Desgraçadamente só dá pra votar em um.

      Excluir
    4. Avalie: https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=253670528545690&id=189811361598274

      Excluir
    5. Avalie: https://mobile.twitter.com/doisdedosdeteo/status/1022218644837859343?s=19https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=253670528545690&id=189811361598274

      Excluir
    6. Resultado lamentável: https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1020030621489707&id=186509158175195

      Excluir
    7. Até que não está tão ruim, pensei que o pré-tribulacionismo ganharia com uns 90%, a desinformação é muito grande e as pessoas tem preguiça de estudar, é o mesmo com outros temas.

      Excluir
  12. “no geral, os protestantes anglicanos não eram ávidos caçadores de bruxas e durante todo o período ente (entre?) 1542 e 1736 muito menos de mil foram executadas (por enforcamento) na Inglaterra”[16].

    ResponderExcluir
  13. Veja Lucas:
    http://juliosevero.blogspot.com/2018/07/eles-estao-no-meio-de-nos-como-olavetes.html
    O que voce acha disso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu entrei no GospelPrime através do link que o Júlio colocou no artigo e notei uma coisa interessante: todos os artigos que falam do Bernardo foram escritos por um tal de "Jarbas Aragão" (que não sei quem é, mas presumo que seja um olavete, talvez um amigo do Bernardo que o promove naquele site). De todo modo eu não creio que isso seja o fim do mundo, primeiro porque a grande maioria dos posts não tem nenhum comentário e parece que não foram muito acessados, e segundo porque embora o Bernardo tenha alguns vídeos de militância antiprotestante usando aqueles mesmos jargões já refutados de sempre, uns 95% dos vídeos dele não envolvem ataques ao protestantismo, então é um caso bem diferente do Conde e do próprio Olavo, que tem uma fixação doentia pela gente.

      Excluir
    2. Po, o Julio está sendo um pouco neurótico.

      Excluir
    3. A Teologia Da Libertação começou dentro do catolicismo e depois que chegou no meio evangélico através da TMI (,pois parece tanto as Igrejas do Brasil quanto a dos EUA tem essa mania idiota de querer copiar qualquer heresia satânica que Roma crie).
      Fora que se as criticas que Bernado faz partissem de um Protestante, ele provavelmente seria ignorado e até atacado pelas comunidades católicas. Logo, NESSA situação faz sentido apoiarmos um Cristão Romano, pois ICAR é talvez o maior antro de marxistas que existe, e isso só acabara se os próprios membros dessa denominação se levantarem contra esses padres esquerdistas.

      Excluir
    4. Sobre esse Jarbas Aragão, eu acabei dando uma olhando no perfil dele. Ele é Pastor tem diversos artigos alertando os evangélicos dos perigos da esquerda, exaltando o o Billy Graham e fazendo diversas reflexões interessantes sobre a Reforma de Lutero. Vale a pena conferir:
      https://artigos.gospelprime.com.br/dilma-tenta-enganar-evangelicos-em-reuniao-de-oracao/
      https://artigos.gospelprime.com.br/billy-graham-e-a-centralidade-do-evangelho-da-cruz/
      https://artigos.gospelprime.com.br/martinho-lutero-e-a-ideia-perigosa-do-cristianismo/
      https://artigos.gospelprime.com.br/jesus-nao-defendia-bandido-isto-e-fake-news/
      https://artigos.gospelprime.com.br/jarbas-aragao/

      Excluir
  14. Lucas conheci ontem seu blog e estou achando muito bom. Os artigos são otimos e de excelente apoio para a Igreja desses ultimos dias. Quero sua opinião sobre o polêmico assunto do homossexualidade: Qual sua posição sobre este tema?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou contra a homossexualidade enquanto comportamento, é um pecado como a Bíblia diz, isso não tem discussão. Mas em relação ao sentimento homossexual em si é algo que não tem como controlar na pessoa que sente, ou seja, é como pedir para um homem heterossexual deixar de se sentir atraído por mulheres bonitas, é algo que não tem como, não depende da boa vontade da pessoa. Neste caso o ideal seria não colocar esses desejos em prática, ou seja, não dar luz ao pecado, se entregando aos desejos da carne. É uma luta que deve certamente ser muito difícil nas pessoas que tem esse tipo de sentimento, mas não devemos condená-las de antemão ou tratá-las como "inferiores" aos outros só por causa desse sentimento, devemos antes de tudo aconselhá-los e ajudá-los conforme o possível nessa luta diária, como cristãos.

      Excluir
  15. Aliás, tenho me referido faz um bom tempo à orientação homosseuxual como homossexualidade, ao invez de homossexualismo, pois essa é uma exigencia doas ativistas dos direitos lgbts por acreditarem que o sufixo "ismo" se refere a doença, no contexto em que a palavra foi criada.
    O que voce acha, é correto cedermos a esta exigencias destes grupos e não mais utilizarmos a palavra homossexualismo e sim homossexualidade, ou voce acha que isso é fazer o jogo deles?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é uma exigência besta, tanto faz dizer homossexualismo ou homossexualidade, na cabeça das pessoas significa a mesma coisa, ninguém vai mentalizar uma coisa diferente dependendo do termo escolhido. Sem falar que "ismo" ser doença é uma afirmação bem sem noção; eu sou adepto do CristianISMO e espero não ser doente por causa disso...

      Excluir
  16. Olá Lucas! Como vai? Eu tenho uma pergunta que para mim é muito importante! Vamos imaginar que uma pessoa começou a vomitar ou a urinar; agora, eu não acho que seja bom para a saúde da pessoa "prender" essas duas vontades, tento em vista que ela estava no meio dessa ação e, por vontade própria, interrompeu. Agora, e sobre as ejaculações noturnas? Eu tenho uns problemas com isso; embora as vezes eu quando tenho essas poluções noturnas eu tenho sonhos, as vezes tenho... algumas vezes, eu não acordo, mas outras sim. Nessas vezes que acordo, eu seguro(quase sempre) o sêmen, prendendo-o; na minha cabeça, eu acredito que, NESSA SITUAÇÃO, se encaixa no quadro da urina ou do vomito que já está saindo, e são impeditivos de sair tudo, assim, prejudicando o organismo da pessoa. Portanto, creio que seria melhor "ajudar" a expulsar o que está preso.
    (Nota importante: Eu NÃO estou falando de caras que pensam em sacanagem o dia todo só para ter essa situação que descrevi acima)

    Claro, isso tudo é minha opinião. E que Deus lhe Ilumine!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que isso não tem nada a ver, não é pecado aquilo que não se pratica conscientemente na intenção de pecar.

      Excluir
    2. Vocês acham que a masturbação é algo tão grave assim? Não sei vocês, mas alguns demonizam a masturbação, como se fosse o fim do mundo. A masturbação não pode ser saudável? Sei que tudo em excesso é errado, até o alimento. Eu não sei mais o que pensar. O cara passar a vida toda sem fazer nada, isso não causa doenças? Seria algo deprimente :(

      Excluir
    3. Nada que leva ao vício e que inclui pecado (pelo menos na parte de mentalizar e desejar o que não se deve) pode ser "saudável". Eu não digo que seja "o fim do mundo" como você disse, mas pecado é sim. Em relação ao "o cara passar a vida toda sem fazer nada, isso não causa doenças?", o cara só vai "passar a vida toda sem fazer nada" se for celibatário - o que eu creio ser bem improvável para alguém que tem tanto desejo pela prática.

      Excluir
    4. E se o cara se masturbar pensando na esposa dele?

      Excluir
    5. Neste caso tecnicamente falando não seria pecado, mas qual a graça de se masturbar quando tem uma esposa?

      Excluir
  17. 4º parágrafo, faltou o "de":
    Por isso o tema da caça às bruxas poderia estar fora DE um livro como este se não fosse a insistência por parte da militância católica em associar o fenômeno ao protestantismo em especial e à intolerância religiosa em particular.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigido. Não quer corrigir o livro todo de uma vez? (não é sarcasmo; você descobre detalhes que me passam despercebidos).

      Excluir
    2. Irmão Lucas, sou outro Anonimo (rs). Essa foi minha primeira correção.
      Creio que o anterior é oq te corrige normalmente (mas n sei se tem mais tbm kkk). O ideal seria unir forças hehe, mas de minha parte só poderia pegar em algo para corrigir se fosse no final do ano. (e ainda ñ dou certeza absoluta - já q sou detalhista, ñ entregaria um trabalho de qlqer forma).
      Tomara q o outro 'corretor' tenha maior disponibilidade no momento, pra somar :]
      Abs,
      Paz e Bem.

      Excluir
    3. Ah sim, desculpe pela confusão, não tem problema não :)

      Excluir
  18. Lucas, será que o Luís Felipe será vice do Bolsonaro? Isso é possível? Caso Luís Felipe seja candidato a vice do Bolsonaro, os monarquistas poderão se aproveitar disso para tentar restaurar a monarquia católica? Sinceramente se o Luís Felipe for vice do Bolsonaro eu não votarei nele nem por um cacetete! Monarquia nunca mais!

    P.s: príncipe é o caralho! Aqui é uma República! Não há espaço para títulos de nobreza em uma República! (Desculpa o palavrão, eu precisava desabafar)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu respondi sobre isso no outro post:

      Acho difícil restaurar a monarquia só por causa de um "príncipe" na vice-presidência, mas que daria força ao movimento, isso é indiscutível (e uma razão muito séria para abominarmos uma candidatura dessas). A "boa" notícia é que tem um astronauta na frente, ao que parece:

      https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2018/07/27/interna_politica,697803/principe-como-vice-bolsonaro-diz-que-prefere-astronauta.shtml

      Excluir
    2. A Janaína Paschoal seria uma boa candidata a vice? De todos os candidatos a vice do Bolsonaro, quem você preferiria que fosse vice?

      Excluir
    3. Eu acho ela melhor do que o astronauta e o príncipe.

      Excluir
    4. Essa noticia é falsa. O Bolsonaro não disse que vai por o Marcos Pontes
      como vice, mas sim como ministro da ciência.

      Excluir
    5. Não vejo a Janaína como a melhor Opção lucas, embora ela tenha sigo uma escolha estratégica para conseguir votos do eleitorado que ainda está indeciso, ela não é conservadora e se utiliza de uma retoria semelhante a da esquerda:
      https://www.youtube.com/watch?v=o0HNLXxQMCs&t=12s
      https://www.youtube.com/watch?v=4zGVMzQYqDM&t=301s

      Excluir
    6. "O Bolsonaro não disse que vai por o Marcos Pontes como vice, mas sim como ministro da ciência"

      Ele disse que prefere ele como vice do que o príncipe.

      "Não vejo a Janaína como a melhor Opção lucas, embora ela tenha sigo uma escolha estratégica para conseguir votos do eleitorado que ainda está indeciso, ela não é conservadora e se utiliza de uma retoria semelhante a da esquerda"

      Nenhuma opção desses que estão sendo cotados para vice do Bolsonaro é boa, mas a pergunta que me foi feita é sobre ela ser melhor que as outras duas opções (o astronauta socialista e maçom, e o príncipe de sangue azul). E lógico, comparado a esses dois, ela é a melhor sim. Mas o ideal seria o Magno Malta que parece não acreditar na candidatura do Bolsonaro e preferiu não arriscar perder a vaga no Senado.

      Excluir
    7. Sem falar que a Janaína pelo menos já fez algo pelo Brasil (foi fundamental no impeachment da Dilma, sem o qual o Brasil provavelmente estaria uma Venezuela hoje), enquanto esses outros dois nunca vi fazer nada (o astronauta até que fez, mas como astronauta, e o outro vive de ativismo da monarquia, ou seja, não faz p**** nenhuma).

      Excluir
    8. Banzolao se bem que o Luiz Philippe até que não me parece um monarquista católico fanático ao estilo Dom Bertrand ele nem está na linha sucessória do trono eu soube que ele escreveu um livro em que basicamente defende o liberalismo "Ppr que o Brasil é um país atrasado"? Em que aponta o problema de excesso de tributos em relavao a edse atraso, eu sou contra ele ser vice presidente pela sya falta de experiência na política, mas ele me parece tee uma maior capacidade intelectual que os demais membrosmda família real e outros monarquistas. E o Marcos Pontes é socialista? Não sabia disso

      Excluir
    9. Concordo que ele é bem mais lúcido que o Bertrand e bem mais honesto do que a média dos monarquistas também, inclusive quando o Nando Moura veio com aquelas palhaçadas de dados fraudulentos e adulterados sobre a economia do Brasil no século XIX ele não confirmou igual o Bertrand faz, mas "fugiu pela tangente", disse que aqueles dados não eram certos e etc, ou seja, não foi desonesto em confirmar dados que ele sabe que são fraudulentos. E eu gostei de uma participação dele no MBL news (que não tratava nada de volta da monarquia), me parece diferente dos outros monarquistas, embora nada disso mude o fato de que essa é a agenda dele e que isso amplificará enormemente o movimento caso ele seja eleito como vice, dando muito mais voz a esses monarquelhos de plantão e tornando o movimento um perigo real. Sobre o Marcos Pontes ser socialista, veja aqui:

      https://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/10/1352535-astronauta-vira-socialista-e-ja-faz-planos-para-o-ministerio.shtml

      Excluir
    10. O Luiz Philip me parece uma versão "principesca" do Bruno Garschagen kkkkkk. Mas falando serio, eu admiro o muito Luiz, o cara é extremamente inteligente nos assuntos ligados a economia, e demonstra profundo conhecimento sobre o Conservadorismo Burkeano e o Liberalismo Clássico. No inicio eu até apoiei a ideia dele ser o Vice, porém percebi que a Janina ajudaria mais o nosso Jair, pois diferentemente dos outros ela consegue dialogar com os Centristas que ainda estão indecisos em relação ao Bolsonaro.
      Eu pessoalmente creio que o Luiz seria mais util apenas como um deputado, e o mesmo vale pro Magno Malta que deve continuar sendo um senador, pois ao meu ver o "Mito" vai precisar de muito apoio da camara e do senado para fazer as mudancas nessesarias no governo, (oq nao é possivel tendo uma classe politica que é quase que inteiramente de esquerda).

      Excluir
  19. no site o catequista, na pagina "católicos, não joguem pérolas aos porcos" já começa com ele fala que os debatedores católicos são honestos mas perdem os debates devido as jogadas sujas de seus opositores. kkkkk

    ResponderExcluir
  20. Lucas sua obra completa sobre a Reforma vai ser quantos volumes? Você recolheu quantas citações?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 3 volumes. O tanto de citações ao todo eu não sei, mas neste primeiro volume teve mais de 2.300.

      Excluir
    2. Amigo do Banzolão31 de julho de 2018 19:33

      3 volumes? Mais de 2300 citações só no 1º volume? Cara, você é de outro planeta. Não tem a menor chance de você ser terráqueo. Diga logo de que civilização extra-terrestre você pertence.

      Excluir
    3. Sou daquela civilização que construiu as pirâmides e aparece de vez em quando em Varginha.

      Excluir
    4. E aquele outro que morar em Virgínia? Pertence a que civilização?

      Excluir
    5. Amigo do Banzolão1 de agosto de 2018 23:27

      Eu estive pesquisando sobre você na WikiAlien e descobri que você pertence a raça dos Banzolianos. De acordo com a WikiAlien, os Banzolianos são descendentes dos Reptilianos, só que um pouco mais inteligentes. Por exemplo, sua raça constrói naves que viajam a 60% da velocidade da luz. Já os reptilianos constroem naves que viajam apenas a 40% da velocidade da luz. Depois de várias guerras brutais contra os Macabeusanos, outra raça humanoide, suas raças destruíram umas às outras quase que por completo. Restaram apenas dois humanoides sobreviventes que ainda guerreiam um contra o outro. Da raça dos Banzolianos restou você, e da raça dos Macabeusanos restou esse ser aí de baixo. Confira as fotos abaixo :)

      https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSMwcb0AmR2C83AUu2dtgKc34oks7UE_BEOtDraGLBRPHsXft25Ww

      https://i.ytimg.com/vi/aKcv5PE_COU/hqdefault.jpg

      kkk

      Excluir
    6. "E aquele outro que mora em Virgínia? Pertence a que civilização?"

      Esse aí é da mesma civilização do Romílson Ferreira.

      "Eu estive pesquisando sobre você na WikiAlien e descobri que você pertence a raça dos Banzolianos"

      Isso não é verdade (mas se fosse eu diria o mesmo).

      Excluir
  21. Olá, você mesmo reconhece que não possui infabilidade, portanto, muitas coisas nesse blog podem estar erradas. Portanto, peço encarecidamente que você o feche permanentemente. Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já estava praticamente clicando no botão de deletar o blog para sempre, mas aí ocorreu um error 404: eu me lembrei que você também não é infalível, então o seu comentário também pode estar errado e eu não devo levá-lo a sério.

      Volte sempre.

      Excluir
    2. Esse tipo de comentário estilo troll é tão ignorante, porém ao mesmo tempo tão engraçado. HAHAHAHA

      Continue liberando esses comentários Lucas, pois são excelentes para nos entreter.

      Excluir
  22. Parabéns pelo excelente artigo, fico impressionado em como os papistas conseguem acreditar em mentiras inventadas pelos apologistas católicos. O próprio padre Paulo Ricardo conhece a historia real mas mesmo assim inventa mentiras para enganar os seus fiéis mal informados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, infelizmente em se tratando de apologética católica só existe dois tipos de gente: os ignorantes que disseminam as asneiras por burrice, e os desonestos que conhecem a história verdadeira mas preferem mentir para salvar a honra da "Sancta Igreja".

      Excluir
  23. Banzolao um caso que muitos católicos sempre citam para sustentar sua tese de Inquisição Protestante é o das Bruxas de Salem que ocorreu no atual território dos EUA ainda na era colonial onde de fato muitas pessoas foram executadas acusadas de bruxaria ,e há evidências de que uma escrava africana adepta das religiões ocultistas afeicanas tenha incentivado essas práticas ,mas não foram pastores que mandaram executar essas pessoas não é ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu abordo isso no artigo. Apenas vinte pessoas morreram em Salém, por ordens de um tribunal civil comandado pelo juiz Samuel Sewall, que mais tarde se arrependeu publicamente da decisão, e ainda no final do século XVII se tornou um militante abolicionista e convocou os americanos para um dia de oração, jejum e reparações pelo lamentável episódio das "bruxas de Salém".

      Excluir
  24. lucas, na sua opinião o liberalismo de hoje (não no sentido econômico, e sim no sentido moral e social) se deve ao marxismo cultura, que ao invés de transformar o sistema econômico e politico para mudar a sociedade (como queria o comunismo original) visa o contrario, transformando a sociedade para se obter o poder econômico e politico, ou se deve aos avanços do capitalismo e da ciência (como teorizou Friedrich Nietzsche, que teorizou que os avanços da sociedade iria facilitar tanto a vida do homem, que ele começaria a abandonar a religião e as tradições conservadores)? Pois o que a mídia divulga geralmente é que o mundo hoje esta se tornando mais liberalista devido aos avanços sociais e econômicos, já os teóricos da conspiração conservadores afirmam que isso se deve ao marxismo cultural. Na sua opinião, o que seria responsável pelo crescente numero de ateus e abandono da moralidade nos dias de hoje?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um misto das duas coisas. A riqueza e o conforto da sociedade moderna faz as pessoas pensarem que não "precisam" de Deus, daí o avanço do ateísmo. Mas o marxismo cultural existe e por isso essas pautas (legalização de aborto, drogas, ativismo LGBT e etc) são fortemente defendidas pela esquerda (mesmo nos países que não são ricos). Ainda assim seria um erro dizer que a nossa sociedade é "menos moral" que as sociedades antigas. Infelizmente há uma grande desinformação quanto a isso, as pessoas pensam que os indivíduos do passado eram mais morais porque tem uma visão romantizada do passado, mas ninguém que estuda história de fato acredita nisso. Eles podiam acertar em alguns aspectos em que nós erramos, mas de um modo geral, o mundo antigo e medieval era bem mais imoral do que o presente.

      Excluir
  25. https://www.youtube.com/watch?v=pwGS4Yn5qLo O que acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não diria que está entre as melhores, mas é boa sim.

      Excluir
    2. Amigo do Banzolão30 de julho de 2018 23:07

      Nada disso. Boa é essa:

      https://www.youtube.com/watch?v=8WOSqH0FnMI

      Excluir
    3. Abri o vídeo, assisti meio segundo (na verdade bem menos, seria um número bem fracionário mesmo) e fechei.

      Excluir
    4. Amigo do Banzolão31 de julho de 2018 19:25

      Êpa, êpaaa... não fale mal da música de dragon ball Z não (e nem dos meus forrós), senão vamos trocar socos. Dragon ball Z é o melhor anime kkk.

      Excluir
    5. Nem sabia que era dragon ball Z. Vi alguma coisa de forró e fechei o vídeo imediatamente.

      Excluir
  26. Sempre impressionando... Parabéns!

    Não vejo a hora de ler o seu livro sobre a Reforma. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Banzoli, estas pessoas mortas acusadas de bruxaria não perdiam os seus bens também?
      Imagino que a igreja católica devia usar muito isso para se apropriar de riquezas de opositores na fé.

      Excluir
  27. Banzolao e o que você acha da influência jesuíta no Brasil?Ja vi alguns católicos defendendo que ele “civilizaram os índios”,os vestindo e impedindo que praticassem o canibalismo,e impedindo sua escravidão tanto que por conta disso foram expulsos daqui por pressão dos bandeirantes que queriam continuar escravizando-os

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São duas coisas diferentes aqui, a influência jesuíta no geral e o seu trato com respeito aos índios. No geral a influência jesuíta foi uma bela de uma porcaria como em qualquer outro lugar onde se instalaram, mas em relação aos índios eles foram mais humanitários que os bandeirantes, embora se aproveitassem dos índios como uma mão-de-obra barata e apoiassem a escravidão negra.

      Excluir
    2. Um texto sobre isso:

      http://www.periodicos.ufc.br/amerindia/article/view/1570/1422

      Excluir
    3. Inclusive ja ouvi falar não sei se procede, que os castigos violentos na escola que ocorriam no tempo de nossos avós,meu avô como era um aluno muito levado já me contou que teve que ajoelhar no milho e quebtbmqapanhou de palmatória,são herança da influência jesuíticas na educação, mas não tenho certeza se é só deles e de os países protedtsntes também vostumavam adotar punições violentas para alunos travessos

      Excluir
    4. Isso é verdade, e nos países protestantes não era tão assim (vou abordar isso no terceiro volume do livro).

      Excluir
  28. Avalie:

    https://www.youtube.com/watch?v=yvuHUf7b7tU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já tinha visto esse vídeo, embora há muito tempo atrás e não me lembrasse de muita coisa. Acho que nada justifica moralmente as bombas lançadas nessas duas cidades, mas é preciso contar o outro lado da história para entender o contexto que levou a isso (como o autor do vídeo faz muito bem).

      Excluir
  29. Você fez a análise sobre aquele artigo contra a ressurreição?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu comentei os primeiros 9 pontos dele, depois dei uma pausa por ser cansativo (e repetitivo) demais.

      Excluir
  30. E aí Doctor Lucas. Como vai? Dê uma olhada no novo lançamento da Vida Nova:

    https://vidanova.com.br/959-crenca-crista-avalizada.html

    Vai comprar? Alvin Plantinga é de alto nível.

    ResponderExcluir
  31. Amigo do Banzolão31 de julho de 2018 01:01

    Banzolão, qual o erro?

    https://2.bp.blogspot.com/-1kKD2BMGeHs/WjfgyvaqeqI/AAAAAAABNsI/mem-oHRiwvMk_aUClfDDJkBfkN-zpt4tACK4BGAYYCw/s1600/erro-min.png

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "31 de Junho"

      Nossa, essa tá muito fácil, mal precisei bater o olho pra perceber, inventa uma mais difícil aí ;p

      Excluir
    2. Amigo do Banzolão31 de julho de 2018 19:18

      Eu sou muito burro. Demorei cerca de um minuto pra entender. Eu não consigo decorar a quantidade de dias de cada mês.

      Excluir
    3. Pra decorar a quantidade de dias num mês, a técnica de juntar as 2 mãos fechadas é a melhor. Onde tem osso é 31, no vazio do osso do dedo é 30. Exceção à regra é fevereiro com 28 ou 29. E oq vc tem q saber é a ordem correta dos meses (bem tranquilo pra muita gente :] )
      A memorização vai depender do uso/aplicação, repetição, pq é hábito - pra firmar a memória de longo prazo (frequência).

      Excluir
  32. Lucas, em relação ao aniquilacionismo e Consciência pós-morte, poderia analisar o vídeo abaixo que fala sobre o assunto?

    Link do vídeo: https://youtu.be/WZoLi4ufbgE

    Graça e Paz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente vídeo. Bom seria se todos tivessem a clareza para entender uma coisa tão simples.

      Excluir
  33. Lucas, existe possibilidade de salvação para os judeus que não acreditam em Cristo?
    Porque tem uma passagem na Bíblia que diz que "quem não recebe o Filho, não recebe o Pai".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nenhum judeu vai ser salvo só por ser judeu por raça, a salvação é condicionada à fé em Cristo para quem o conhece, mas há sempre a possibilidade de salvação para pessoas de qualquer religião que não tiveram muita luz e serão julgadas de acordo com o conhecimento que tiveram e com sua correspondência com a lei moral (de consciência).

      Excluir
  34. Lucas, em Isaías 45:7 diz o seguinte: Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas.

    O que voce acha, realmente Deus é o criador do mal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu comento este texto na parte final deste artigo:

      http://ocristianismoemfoco.blogspot.com/2014/07/como-explicar-o-mal.html

      Excluir
  35. ESCÂNDALO DE CENSURA: Mídia internacional entrevista MBL:

    https://www.youtube.com/watch?v=3JPLWo9F1j0

    ...Comente...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora só falta mudar oficialmente o nome para "Foicebook".

      Excluir
  36. Dê uma olhada nisso. Muito legal:

    http://csntm.org/Blog/Archive/2018/7/31/Digitization_Georgia_Greece_Germany_2018

    http://www.csntm.org/Blog/Archive/2018/6/24/CSNTMAcquiresMultispectralImaging

    ResponderExcluir
  37. Olá, tudo bem? Quero agradecer você por esse trabalho feito sobre cristianismo / teologia, pois foi a partir desse blog que passei a ter a minha fé mais firme em Deus. Embora eu sempre tivesse sido criada em um lar cristão, e desde criança meus pais tivessem me dado uma bíblia pra ler, eu tinha muitas dúvidas sobre Deus. Quando eu entrei na adolescência, quase virei atéia porque foi nessa fase que os questionamentos começaram a florar mais na minha mente. Infelizmente eu via muitos cristãos não esclarecidos que passavam vergonha por não saberem lidar com pessoas incrédulas, e ainda tinham os ateus que vinham me infernizar dizendo: Como vc acredita em um livro em que a cobra fala? Em um livro em que Caim fez sexo com a própria irmã? Em um livro em que um homem matou um gigante com uma pedra? E isso me fazia muito mal porque eu não tinha uma resposta sensata na minha cabeça, ficava com angústia porque eu não sabia responder essas pessoas idiotas e depois me sentia triste. Mas depois eu conheci cristãos muito inteligentes, com argumentos muito mais sólidos do que os argumentos ateístas, passei a ver vídeos sobre Deus (inclusive vi um vídeo nesses canais tipo Discovery Channel de um cara PROVANDO que é possível matar uma pessoa com mais de 2 metros de altura com uma pedra MUITO BOM MESMO), vídeos sobre o Willian Lane Craig MA-RA-VI-LHO-SO em que ele refuta praticamente TODOS OS ATEUS, e também passei a acompanhar o seu blog. Mas assim, sendo mais objetiva, o seu blog foi ESSENCIAL pra mim nesse processo de fortalecimento da fé. Sinceramente não é querendo exagerar nem nada, mas não encontrei nenhum outro site brasileiro tão bom quanto o seu em refutar argumentos anti-religiosos, e isso fez fortalecer a minha fé. Sempre quando eu tenho dúvidas eu busco respostas no seu site e em outros também, mas busco mais no seu rsrs. Espero que você continue com esse trabalho porque SÉRIO, talvez VOCÊ NÃO TENHA IDEIA, mas tem ajudado muita gente a ficar firme na fé em meio a esse mundo cheio de paganismo, ateísmo e ódio contra Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, fico muito feliz pelo comentário, sinto-me lisonjeado, obrigado mesmo. Espero que sua fé se fortaleça a cada dia mais, e qualquer dúvida não hesite em perguntar aqui. Deus lhe abençoe!

      Excluir
  38. O que você acha do dicionário Vine?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não me lembro muito dele a não ser da época de FTBP onde às vezes eu pesquisava alguma coisa nesse dicionário, era uma boa fonte pelo que eu me lembre, mas não tenho um conhecimento profundo do mesmo.

      Excluir
  39. Olhe essa. Mais uma obra de peso da Vida Nova. Fico aqui sofrendo em ver essas maravilhas e não poder comprar. Como não quero sofrer sozinho, mostro a você pra você sofrer também rsrsrs:

    https://vidanova.com.br/975-fundamentos-do-cristianismo.html

    ResponderExcluir
  40. Lucas, você poderia me ajudar rapidez a refutar uma afirmação de um judeu? Eu tava no Youtube falando com alguns judeus em um comentário de um vídeo e citei para eles a passagem de Romanos 11: 7-10 falando sobre as cegueira que os judeus estavam e o ódio que els tinham de Jesus. Contudo, um judeu me responde e queria que você me ajudasse a responde ele porfavor. Emfim segue-se a citação abaixo

    Judeu:

    "Não temos ódio de Jesus, e sim de pregadores, que vivem atolados em diversos erros e se dizem a verdade absoluta do mundo, e não conhecem nada da própria historia das igrejas e suas doutrinas. E o que nos buscavamos que não alcançamos? QUEM ESTÁ REALMENTE EM PROFUNDO SONO? "Pode um homem fazer para si deuses? Esses tais não são deuses!" (Jeremias 16:20) Trindade são 3 deuses destintos não é, Deus Pai, Deus filho e Deus espirito, HA MAS OS TRES JUNTOS SÃO UM, que isso Hinduismo? Bhama, Vishinu e Shivá formam um só Deus Criador. Não é no cristianismo que adoram imagens de Jesus, da trindade de Maria, dos apostolos? Mas nós evangelicos não adoramos imagens, mas adora o mesmo Jesus dos Catolicos, que tem uma imagem, adoram ele em suas imaginações, ISSO É IDOLATRIA CONCEITUAL, ADORAM EM: musicas, festas e orações, adoram um homem como se fosse Deus, colocam esse homem e sua mãe acima do criador indo contra Exodo 20:3 Não tereis outros poderes diante de mim, Deus é 1 DT6:4 e imcorporeo, quem será que está em profundo sono a ponto de não perceber que Deus não é um ser humano encarnado, e que adorar humanos como se fosse deuses é idolatria. E antes de dizer filho de Deus, isso é uma expressão semitica, pois pessoas consideradas importantes no oriente medio era chamdos de filho de algum Deus, Platão era filho de Apolo, o faráo era filho de Seth, ''filho de'' quando atribuido a divindades não é literal, mas alegorico. Quem está em profundo sono? Ha usar o Novo Testamento para justificar suas crenças a respeito dos Judeus, voce nem imagina o que o Alcorão fala dos cristãos e seu destino pós morte."

    Graça e paz.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, vamos por partes:

      1) Sobre a trindade ser politeísta e pagã, isso eu já respondi neste artigo:

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/01/a-trindade-e-paga.html

      2) Não é "o Cristianismo" que adora imagens, mas o catolicismo romano.

      3) Nós evangélicos não adoramos imagens de Jesus, como ele diz. Adoramos ao próprio Cristo porque a Bíblia ensina claramente que ele é Deus e portanto digno de adoração (inútil será discutir este ponto com um judeu que não crê no NT).

      4) Nós não colocamos a mãe de Jesus acima do criador, mais uma vez ele confunde cristãos com católicos e generaliza a coisa. Nem mesmo colocamos o próprio Cristo acima do criador, pois ele é igual ao Pai em natureza e subordinado em termos administrativos.

      5) Deus é incorpóreo em sua natureza inata, mas ele justamente por ser Deus pode assumir diferentes formas (inclusive físicas) quando bem entender, parece que ele nunca leu Êxodo 33:18-23.

      6) Eu não entendi bulhufas da inclusão do Alcorão no final do argumento dele, nem entendi qual o sentido ou lógica disso, se você entendeu por favor me explique.

      7) O Antigo Testamento mesmo faz alusão à divindade do Messias, como por exemplo Isaías 9:6 ("Maravilhoso, Conselheiro, DEUS FORTE, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz...").

      Abs!

      Excluir
  41. https://www.youtube.com/watch?v=dNN1d1hSJFk

    O que acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu achei que no geral o Bolsonaro se saiu bem na entrevista, mas o nível dos entrevistadores era mesmo péssimo (se bem que o próprio Bolsonaro disse umas gafes bem pitorescas que me fizeram rir, mas pelo menos foi bem menos ruim do que os pífios jornalistas dali).

      Excluir
  42. Amigo do Banzolão31 de julho de 2018 23:53

    Banzolão, você sabe reagir com o avião? Kkk.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo do Banzolão1 de agosto de 2018 22:53

      É uma nova "reação" que apareceu no Facebook e está virando moda. Mas eu não fiz ainda. E não sei se ainda está disponível. Dê uma olhada como se faz:

      https://www.youtube.com/watch?v=2DH8nAqUqfM

      Excluir
    2. Nunca vi ninguém usar essa palhaçada de avião aí, esses caras não tem mais o que inventar não?

      Excluir
  43. “O zelo que tenho por vocês é um zelo que vem de Deus. Eu os prometi a um único marido, Cristo, querendo apresentá-los a ele como uma virgem pura.”
    ‭‭2 Coríntios‬ ‭11:2‬ ‭

    Cristo é o ÚNICO marido e a Virgem pura é a Igreja. E Maria, fica onde nisso? Kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "...Eu os prometi a um único marido, Cristo, e a uma única esposa, Maria, a Rainha-mãe, a Rainha dos céus, medianeira das graças, co-redentora, advogada, intercessora, adjutriz, que esmagou a cabeça da serpente..." (2 Coríntios 11:2, na BSC)

      *BSC: Bíblia dos Sonhos dos Católicos, que eu lancei em primeira mão aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2013/10/a-biblia-dos-sonhos-dos-catolicos.html

      Excluir
    2. Rainha-mãe soa tão pagão...

      Excluir
  44. Avalie:
    http://revistacalibre.blogspot.com/2017/01/as-mentiras-da-reforma-protestante.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não leio artigos sobre história que não trazem nenhuma referência. Coisa assim é lixo academicamente falando e não merece sequer ser lida.

      Excluir
  45. Avalie:
    https://noticias.gospelprime.com.br/igreja-catolica-critica-israel-e-defende-palestinos/

    https://noticias.gospelprime.com.br/cristianismo-principal-inimigo-socialismo/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre o primeiro link, é muita cara de pau um católico reclamar que Israel é um Estado oficialmente judeu quando o Vaticano e outros estados apoiados por eles são ainda hoje oficialmente católicos e eles não reclamam disso, sem falar que durante TODA a existência dos Estados Pontíficios eles SEMPRE foram oficialmente católicos e apenas o catolicismo era aceito neles (diferente de Israel, que permite outras crenças). Então tem que ser muito safado mesmo para criticar Israel por essa decisão quando se leva em consideração o seu próprio histórico. Nenhum bispo ou leigo católico estaria reclamando a uma hora dessas se a decisão fosse em favor de tornar Israel um país católico. Reclamam porque não é com eles, e não por princípios.

      Sobre o seegundo link, o pastor está certíssimo, o Cristianismo é oposto ao socialismo mesmo.

      Excluir
  46. Gabriel fala com os pastores sobre o nascimento do menino Jesus... os pastores...

    Lucas 2:16 foram apressadamente, e acharam Maria, e José, e o menino deitado na manjedoura.

    Lucas 2:17 E, vendo-o, divulgaram a palavra que acerca do menino lhes fora dita;

    Lucas 2:18 E todos os que a ouviram se maravilharam do que os pastores lhes diziam.

    Lucas 2:19 Mas Maria guardava todas estas coisas, conferindo-as em seu coração.

    Lucas 2:20 E voltaram os pastores, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes havia sido dito.

    Lucas 2:21 E, quando os oito dias foram cumpridos, para circuncidar o menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido.

    Lucas 2:22 E, cumprindo-se os dias da purificação, segundo a lei de Moisés, o levaram a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor,

    Foram a Jerusalém???!!!

    Cadê os reis magos ?

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Herodes queria matar o menino e eles o levam a Jerusalém???!!!

    A Tradição católica é um desastre! Não combina com as Escrituras!

    ResponderExcluir
  47. Lucas, uma dúvida aqui, a Igreja Adventista é classificada no grupo das tradicionalistas ou pentecostais? E você acha que os evangélicos são a religião mais ridicularizada aqui no Brasil? Olha, eu acho que o escândalo que algumas igrejas fazem aqui no sentido de sempre estar "demonizando" tudo aquilo que eles veem de negativo como por exemplo religiões de origem africana, ou até dizendo que toda doença ou tudo de ruim que acontece na vida delas é coisa do demônio eu acho bem ridículo, realmente. Na sala de aula foi promovido um debate e estou pesquisando a respeito do racismo religioso, os três primeiros sites que eu chequei já imediatamente associam esse preconceito aos evangélicos, são bem específicos nesse ponto, nunca vejo isso sendo associado a outros grupos cristãos como, por exemplo, os católicos, sempre os evangélicos. Sinto vergonha por isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Lucas, uma dúvida aqui, a Igreja Adventista é classificada no grupo das tradicionalistas ou pentecostais?"

      Nenhuma das duas coisas, na verdade. É um ramo diferente.

      "E você acha que os evangélicos são a religião mais ridicularizada aqui no Brasil?"

      Com certeza, mas sempre foi assim, desde o início da história do Cristianismo. Originalmente os cristãos eram os que mais sofriam preconceito na sociedade, eram difamados, acusados de comer criancinhas em rituais, acusados de ateísmo, queimados por Nero, Domiciano, Dioclesiano e outros muitos imperadores romanos, e caçados implacavelmente mesmo sendo uma minoria. Ou seja, os cristãos sempre foram os mais desprezados pelo mundo, e obviamente não deveríamos esperar coisa diferente nos dias de hoje. E quando alguns grupos evangélicos dão razão a isso então, a coisa aumenta exponencialmente - e o que menos falta hoje são denominações dando mau exemplo.

      Excluir
  48. https://youtu.be/LyhQM_OZJr8 Lucas poderia avaliar ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu só discordo da interpretação dele de que Atos 2 fala de línguas humanas. Abordei isso nesse vídeo:

      https://www.youtube.com/watch?v=GXSbiLzVDaE

      Excluir
  49. Lucas, tenho outra dúvida a respeito do aniquilacionismo. Mateus (25:46) fala sobre o "tormento eterno" que analisando do grego aparece a palavra "aiônios" que quer dizer uma "era", ou "espaço de tempo indeterminado" ok. Contudo, essa mesma nesse mesmo texto aparece quando fala dos justos, como vc me responderia isso? pois a palavra significa a mesma coisa, quer dizer que os salvos passarão apenas por um certo período no céu também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A discussão neste texto não recai sobre o "eterno", tanto imortalistas quanto mortalistas concordam que neste texto está falando de um tempo sem fim mesmo, a discussão é sobre O QUE É eterno. Para os salvos é a vida eterna, isso está claro, mas o termo "tormento" ali (para falar dos ímpios) é uma adulteração flagrante e descarada, o original grego não usa nenhum dos termos gregos que significa tormento ou sofrimento, mas "kolasin", que significa apenas "punição" (sem especificar que tipo de punição é essa), e que na época de Jesus era frequentemente utilizada no sentido de PENA CAPITAL, ou seja, a morte. Isso é confirmado por todos os léxicos do grego, como mostro neste artigo:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com/2013/08/mateus-2546-fala-de-um-tormento-eterno.html

      Em resumo: o texto está apenas colocando em contraste os dois destinos opostos, em consonância com o que diz toda a Escritura - a vida eterna para os salvos, e a morte eterna para os ímpios. Para uns a vida não terá fim, e para outros a morte não terá volta.

      Excluir

Fique à vontade para deixar seu comentário, sua participação é importante e será publicada e respondida após passar pela moderação. Todas as perguntas e comentários educados são bem-vindos, mesmo que não tenham a ver com o tema do artigo. Críticas serão publicadas desde que não faltem com o respeito e não sejam feitas em anonimato.

Caso o seu comentário não tenha sido publicado dentro de 24h, reenvie-o.