26 de agosto de 2020

200 Saiba como refutar todos os argumentos imortalistas para o tormento eterno no inferno



*Nota: O trecho a seguir é extraído da nova versão do meu livro “A Lenda da Imortalidade da Alma” (ainda em construção). Eu nunca postei nada tão longo no site antes, mas achei melhor postar o capítulo inteiro do que ocupar muitos posts sobre cada texto, o que me faria ficar meses postando só sobre este assunto. Além disso, como é de costume dos nossos oponentes se apegar a um texto isolado depois que são refutados em outro, nada melhor do que refutar tudo de uma vez. Lembrando que este é apenas o capítulo de refutações aos argumentos deles; em breve postarei o capítulo onde apresento propriamente os argumentos em favor do aniquilacionismo bíblico. Se alguém preferir ler em pdf, basta me enviar um e-mail (lucas_banzoli@yahoo.com.br) ou uma mensagem inbox no facebook (aqui) que eu envio em anexo. Apreciem :)

***

“Há uma segunda vida, mais elevada, assim como há uma segunda morte, mais profunda. E assim como para essa vida não há mais morte (Ap 21:4), também para essa morte não resta mais vida” (Henry Alford)[1]


Introdução

Para contrapor os 181 textos expressamente aniquilacionistas, os imortalistas tem (literalmente) meia dúzia de versículos que analisaremos minuciosamente neste capítulo. São eles: (1) o “castigo eterno” de Mateus 25:46; (2) o “desprezo eterno” de Daniel 12:2; (3) a besta e o falso profeta “atormentados pelos séculos dos séculos” em Apocalipse 20:10; (4) a linguagem do “fogo eterno” (Mt 25:41); (5) a “fumaça do tormento que sobe para todo o sempre” (Ap 14:11) e (6) o “bicho que não morre” (Mc 9:44). Se parece que são poucos textos, é porque são poucos textos. Mas como tudo o que é ruim sempre pode piorar, esses mesmos textos usados para defender o tormento eterno provam exatamente o contrário quando analisados detalhadamente. E é isso o que veremos a partir de agora.


O “castigo eterno” de Mateus 25:46

O texto mais comum usado em defesa do tormento eterno no inferno é o de Mateus 25:46, que a Almeida Corrigida Fiel traduz como: “E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna”. Um leitor que se paute apenas por essa versão não poderia chegar a outra conclusão senão a de que Jesus neste texto está ensinando a doutrina do sofrimento eterno. No entanto, a Almeida Atualizada e a Almeida Revista e Atualizada traduzem por “castigo” e não por “tormento”, da mesma forma que a Nova Versão Internacional, a Bíblia de Jerusalém e quase todas as versões em português. Por sua vez, todas as versões em inglês que eu conheço vertem por punishment (punição), incluindo a King James e a Young's Literal Translation.

Portanto, apesar de uma versão da Bíblia equivocadamente traduzir por “tormento”, esta parece não ser a melhor tradução da palavra grega kolasin, já que nem mesmo os tradutores imortalistas das outras versões da Bíblia concordam com essa tradução. Mas o que dizem os léxicos? A Concordância de Strong define kolasin como «correção, punição, penalidade»[2], mas não como sofrimento ou tormento. O Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento diz que kolasin deriva de kolos, que significa «mutilar» ou «cortar fora», sendo usado figurativamente no sentido de «impedir», «restringir» e «punir».

O respeitado Dicionário de Grego Clássico, editado por Lidell e Scott, mostra o uso de kolasin nos mais diversos escritos dos primeiros séculos e conclui que ele consiste num “método drástico de interromper o crescimento da amendoeira”[3]. Já a obra intitulada “A Critical Lexicon and Concordance to the English and Greek New Testament”, de E. W. Bullinger, dá a kolasin o sentido de “restringir, cortar curto, podar, manter dentro de limites, interromper, punir... o castigo futuro pelo pecado é claramente definido como morte e destruição.

O “Theological Dictionary of the New Testament”, de Gerhard Kittel, diz que kolasin significa fundamentalmente «mutilar, decepar»[4]. A Young’s Analytical Concordance, do Dr. Young, define kolasin como «podar, restringir»[5]. A nota de rodapé da obra The Emphatic Diaglott traz os seguintes significados para kolasin: “1) Decepar, como no truncamento de ramos de árvores, podar; 2) Restringir, reprimir; 3) Castigar, punir. Extirpar alguém da vida, ou da sociedade, ou mesmo restringir, é tido como castigo.

Como se nota, kolasin tem muito mais a ver com extirpar alguém da vida do que com sofrimento contínuo e consciente. O que corrobora ainda mais este fato é que kolasin deriva de kolazo, que, de acordo com a Concordância de Strong, significa primariamente «podar ou debastar, como árvores e asas»[6], e que conforme o “The Classic Greek Dictionary”, do Dr. George Ricker Berry, significa «podar, cercear». Novamente vemos que a punição está atrelada não a um tormento, mas a cortar fora, decepar, podar, como se fazem com as árvores. O Léxico Grego do Novo Testamento NAS define kolazo como:

1) Cortar galhos ou podar, como árvores e asas.
2) Frear, verificar, coibir.
3) Castigar, punir, corrigir.
4) Fazer com que sejam punidos.

O Dicionário Vine do Antigo e Novo Testamento define kolazo como «aparar, podar, cortar curto»[7], e o Thayer’s and Smith’s Bible Dictionary como «cortar galhos, podar, como árvores, asas». Vale ressaltar que todos esses léxicos famosos não foram editados por adventistas ou testemunhas de Jeová; ao contrário, foram elaborados por eruditos bíblicos católicos e protestantes que em suma maioria acreditam na imortalidade da alma. Não se trata, portanto, de material enviesado, mas de um fato notório reconhecido até por quem teria uma predisposição contrária.

Como Bacchiocchi comenta,

Um breve exame ao Vocabulary of the Greek Testament, de Moulton e Milligan, mostra que a palavra era empregada naquele tempo com o sentido de “podar” ou “cortar fora” madeira morta. Se este for o sentido aqui, reflete a frequente frase veterotestamentária “será eliminado do meio do povo” (Gn 17:14; Êx 30:33,38; Lv 7:20,21,25,27; Nm 9:13). Isso significaria que o “castigo eterno” dos ímpios consiste em sua eliminação permanente dentre a humanidade.[8]

Se a intenção fosse passar a ideia de tormento, Mateus tinha uma palavra pronta, à mão, que podia perfeitamente ter sido utilizada para este fim caso ele quisesse: basanos. “Basanos” significa «tortura, tormento, dores agudas»[9], e é de longe a palavra mais adequada caso o sentido intentado fosse este. Outras opções seriam o uso das palavras gregas kakopatheo, odin, ponos e pathema, que são os termos sempre utilizados nos textos do Novo Testamento que falam de dor ou sofrimento (cf. 1Pe 1:11; 2Tm 2:3; Tg 5:10; Mt 24:8; Ap 21:4).

Com tantas palavras que significam tormento, dor ou sofrimento à sua disposição, seria incrível a utilização de kolasin para este fim, que em toda a Escritura jamais carregou o significado de tormento ou sofrimento, tampouco na literatura secular. A única vez que kolasin aparece no Novo Testamento fora de Mateus 25:46 é em 1ª João 4:18, onde “pena” é a tradução mais adequada (curiosamente, a mesma Almeida Corrigida Fiel que traduz kolasin em Mateus 25:46 como “tormento”, verte o mesmo termo por “pena” em 1ª João 4:18!).

Mas se a intenção não era passar a ideia de sofrimento ou tormento, que pena eterna seria essa que o texto se refere? A resposta mais óbvia ao analisarmos o uso do termo na Septuaginta e ao compararmos com os textos similares que contrastam a vida eterna dos justos com o destino dos ímpios não pode ser outra senão a morte. Apesar do apologista imortalista Natanael Rinaldi afirmar que o aniquilamento não pode ser uma forma de punição, pois toda pena e sentido de culpa ficariam nulos”[10], desde os tempos mais remotos até os nossos dias a morte tem sido usada como uma forma de punição, não à toa conhecida pelo nome de pena (punição) de morte.

Na própria lei que o Senhor deu aos israelitas havia expressamente a pena de morte para os pecados mais graves (Êx 21:12, 22:18-20; Lv 20:2; Nm 35:16; Dt 22:25), o que mostra que aparentemente Deus não compartilha da ideia de que a morte não pode ser uma pena. O uso do mesmo termo kolasin na Septuaginta (a tradução grega do Antigo Testamento, que foi muito citada pelos apóstolos) traz luz a isso: ele ocorre em duas oportunidades, e em ambas se refere à pena de morte. Uma se encontra em Jeremias 18:20, onde o profeta escreve:

“Acaso se paga o bem com o mal? Mas eles cavaram uma cova para mim. Lembra-te de que eu compareci diante de ti para interceder em favor deles, para que desviasses deles a tua ira” (Jeremias 18:20)

Qual a pena (kolasin) que desejavam para Jeremias? O próprio verso 20 indica ser a morte, pois, até onde eu sei, ninguém cava uma cova para enterrar pessoas vivas. Como se não fosse suficientemente claro, no verso 23 Jeremias conclui dizendo que o Senhor conhece “todas as suas conspirações para me matarem(Jr 18:23). Ou seja, em Jeremias 18:20 kolasin é usado no sentido de pena de morte, não de um castigo consciente. O outro texto onde kolasin aparece na tradução grega do Antigo Testamento é em Ezequiel 18:30-31, que diz:

“Portanto, ó nação de Israel, eu os julgarei, a cada um de acordo com os seus caminhos; palavra do Soberano Senhor. Arrependam-se! Desviem-se de todos os seus males, para que o pecado não cause a queda de vocês. Livrem-se de todos os males que vocês cometeram, e busquem um coração novo e um espírito novo. Por que deveriam morrer, ó nação de Israel?” (Ezequiel 18:30-31)

Qual é a pena (kolasin) que os israelitas sofreriam caso não se desviassem de todos os seus males? O verso 31 esclarece que é a morte (“por que deveriam morrer, ó nação de Israel?”). Para completar, o verso seguinte finaliza dizendo que “não me agrada a morte de ninguém; palavra do Soberano Senhor. Arrependam-se e vivam!” (Ez 18:32). Portanto, a punição (kolasin) que o texto se refere nada mais é do que, novamente, a pena de morte. Este uso do termo kolasin também é corrente nos livros apócrifos e na literatura grega secular da época. Em 2ª Macabeus (livro considerado canônico pelos católicos), é dito:

“Excitado assim por uma cólera violenta, despojou imediatamente Andrônico de suas púrpuras, rasgou-lhe as vestes, mandou que levassem através de toda a cidade até o lugar onde havia lançado a mão sacrílega sobre Onias. E ali acabou com a vida do homicida. Assim o Senhor deu-lhe o merecido castigo(2ª Macabeus 4:38)

O trecho final diz que «o Senhor deu-lhe o merecido castigo», onde “castigo” é a tradução de kolasin. Mas qual seria esse “merecido castigo-kolasin“ que o texto se refere? O próprio trecho anterior responde, ao dizer que «ali acabou com a vida do homicida». Novamente, kolasin é usado em referência à morte como punição, não para se referir a um tormento ou sofrimento consciente. O mesmo sentido aparece na literatura secular. O escritor grego Claudius Aelianus, do segundo século, escreveu uma obra chamada Aelian, onde diz que “seus filhos que não haviam feito nada de errado foram condenados à morte”[11]. A punição (kolasin) que o texto se refere não foi uma tortura ou prisão, mas a morte, à qual foram sentenciados de forma injusta.

Este sentido do termo kolasin está de acordo com a noção apresentada em toda a Escritura, que coloca em contraste os dois destinos possíveis na eternidade: vida ou morte. Confira alguns exemplos:

Contraste entre vida eterna e morte eterna na Bíblia
“Quem obedece aos mandamentos preserva a sua vida, mas quem despreza os seus caminhos morrerá” (Provérbios 19:16)
“Quem permanece na justiça viverá, mas quem sai em busca do mal corre para a morte” (Provérbios 11:19)
“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho único, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16)
“Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis” (Romanos 8:13)
“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23)
“Que fruto vocês colheram então das coisas as quais agora vocês se envergonham? O fim delas é a morte! Mas agora que vocês foram libertados do pecado e se tornaram escravos de Deus, o fruto que colhem leva à santidade, e o seu fim é a vida eterna” (Romanos 6:21-22)
“Pois para Deus somos o bom cheiro de Cristo nos que são salvos e nos que perecem. Para estes somos cheiro de morte; para aqueles, fragrância de vida” (2ª Coríntios 2:15-16)
“Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá vida eterna” (Gálatas 6:8)
Outros numerosos exemplos poderiam ser dados (por exemplo, Dt 30:15, 19:2; 2Sm 15:21; Pv 12:28, 13:14, 14:27, 18:21; Jr 8:3, 21:8, 52:34; Jo 5:24, 11:26; Rm 5:10, 5:17, 5:21, 6:4, 6:10, 7:10, 8:6, 8:38; Fp 1:20; 2Ts 1:9; 1Jo 3:14, 5:16, etc). De fato, os dois destinos finais – vida e morte – é provavelmente a temática mais recorrente de toda a Bíblia, do Antigo ao Novo Testamento. Embora geralmente o contraste apresentado seja entre vida e morte, às vezes é entre vida e destruição (2Ts 1:9), ou entre vida e perecimento (Jo 3:16), ou entre vida e qualquer outro sinônimo para a morte, usado com a mesma finalidade.

É espantoso e assustador que, mesmo diante de tantos exemplos bíblicos contrastando vida e morte, os imortalistas prefiram se agarrar a um único texto que supostamente apresenta um contraste totalmente diferente e estranho às Escrituras, baseado inteiramente em um erro grosseiro de tradução. Pior ainda, tentam condicionar as centenas de passagens bíblicas que falam explicitamente da morte como o destino final dos ímpios a esse único texto, como se todas as vezes que os escritores sacros rotineiramente falaram da morte e da destruição como o destino dos perdidos estivessem na verdade usando uma figura de linguagem ou uma força de expressão para falar do tormento, que é o seu destino real (baseado nesse único versículo!). Seria cômico, se não fosse trágico!

O que os imortalistas querem nos convencer é que em Mateus 25:46 kolasin está em um sentido totalmente inexistente nos léxicos, inexistente nas outras ocorrências do termo na Bíblia e induzindo a um contraste igualmente inexistente nas Escrituras, entre vida eterna e tormento eterno. Mas – perguntará você – se Mateus 25:46 está falando da vida como recompensa e da morte como penalidade pelo pecado, como ocorre em toda a Bíblia, por que Jesus usa o adjetivo “eterno” em seguida? Se kolasin está no sentido de pena de morte, que sentido faz dizer que “morrerá eternamente”, se a morte ocorre uma vez só?

Este argumento imortalista baseado no uso da palavra “eterno” ignora as próprias palavras de Cristo no evangelho de João, onde diz que “quem vive e crê em mim, não morrerá eternamente (apothnesko aion)” (Jo 11:26). Se “morrer eternamente” é uma locução contraditória e por isso não pode ser o sentido de Mateus 25:46, por que foi exatamente o que Jesus disse sobre quem não crê nele? E se morrer eternamente é o que Cristo disse que acontece com os incrédulos, por que Mateus 25:46 deveria ser interpretado de maneira adversa ao que o próprio Senhor Jesus disse em outra ocasião?

Para entender por que a Bíblia fala sobre “morrer eternamente” e não somente sobre “morrer”, precisamos entender um pouco do contexto da época. Uma das crenças mais populares entre os gregos era o estoicismo, que ensinava o aniquilamento das almas por ocasião da conflagração universal, quando tudo o que existe será destruído. Mas isso não duraria para sempre, já que após uma era as almas seriam recriadas e voltariam à existência, para um novo ciclo de morte e recriação sem fim. Em outras palavras, embora os estoicos acreditassem no aniquilamento dos ímpios, eles não acreditavam que essa morte dura pra sempre, já que ela é passível de ser revertida em um ciclo futuro.

Mas os cristãos não criam numa morte temporária, pelo menos não no que compete à segunda morte – uma vez que a primeira morte, essa que sofremos ao final da vida, é de fato revertida na ressurreição do último dia. Para os cristãos, a segunda morte (que apenas os não-salvos sofrem) é uma morte eterna, porque dela ninguém volta. É definitiva. E o fato da segunda morte ser definitiva justificava o uso do adjetivo “eterno” (aionios), o que diferenciava o tipo de aniquilacionismo pregado pelos cristãos do tipo de aniquilacionismo ensinado pelos estoicos. Enquanto para os estoicos a morte durava só uma era, para os cristãos durava pra sempre – morte eterna.

O conceito de morte ou destruição eterna era bem conhecido pelos judeus, e continuou popular mesmo após a conclusão do Antigo Testamento. Os “Salmos de Salomão”, obra judaica de meados do primeiro século a.C e incluída em alguns códices da Septuaginta, dizem que “a destruição do pecador é para sempre, e ele não será lembrado, quando o justo é visitado. Esta é a porção dos pecadores para sempre” (3:11-12). Paulo, que conhecia perfeitamente bem o conceito aniquilacionista de destruição eterna, escreveu sem rodeios:

“Eles sofrerão a pena da destruição eterna, a separação da presença do Senhor e da majestade do seu poder” (2ª Tessalonicenses 1:9)

A palavra aqui usada para designar a destruição dos ímpios é olethros, a mesma que Paulo usou quando disse que certo iníquo seria entregue a Satanás “para que o corpo seja destruído (olethros), e seu espírito seja salvo no dia do Senhor” (1Co 5:5), texto em que todos concordam que está falando da morte física do homem em questão. Se Paulo quisesse dar a entender que os ímpios iriam apenas se perder, como vertem algumas traduções, ele teria à sua disposição a palavra grega pipto, que significa «estar perdido»[12], ou mesmo apollumi, que pode significar destruição ou perdição, a depender do contexto[13].

Paulo também poderia ter usado qualquer uma daquelas muitas palavras gregas com a conotação de tormento, dor ou sofrimento, mas em vez disso fez questão de usar uma cujo significado é destruição, e que assim era entendida em toda a Antiguidade clássica. Mas observe que Paulo não apenas diz que os ímpios serão destruídos (algo repetido à exaustão em todas as partes da Bíblia), mas que essa destruição é eterna. Obviamente, ele não estava falando de um processo de destruição incompleto que não termina nunca (ou seja, uma destruição eternamente inconclusiva). É evidente que ele se referia a alguém que é destruído de uma vez por todas, razão pela qual a destruição é qualificada de “eterna” – uma destruição definitiva, da qual não há retorno.

Como diz o Dr. Bacchiocchi,

a destruição dos ímpios é eterna-aionios, não porque o processo de destruição continua para sempre, mas porque os resultados são permanentes. De igual modo, a “eterna destruição” de Mateus 25:46 é eterna porque seus resultados são permanentes. É um castigo que resulta em sua eterna destruição ou aniquilamento.[14]

Para usar um exemplo didático, imagine se eu estivesse muito irritado com o meu celular e dissesse que vou destruí-lo para sempre. Com certeza ninguém em sã consciência entenderia que eu irei quebrá-lo de novo e de novo, dia após dia por toda a eternidade, mas sim que irei destruí-lo de tal modo que não sobrará mais nada – o celular estará permanentemente destruído. O adjetivo “eterno” não está aludindo ao processo de destruir, mas aos efeitos da destruição. Geisler e Howe, que não conseguem entender essa distinção tão simples, insistem que “nesse versículo ‘destruição’ não significa aniquilação, pois em caso contrário não seria uma destruição ‘eterna’. A aniquilação se dá num instante, e pronto, terminou. Se alguém sofre uma destruição eterna, então tem de ter uma existência eterna também”[15].

Para o azar deles, o Novo Testamento está repleto de exemplos de aionios sendo usado em referência aos efeitos que duram para sempre, e não ao processo de algo que não tem fim. Por exemplo, em Hebreus 6:2 o autor fala de um “juízo eterno-aionios”, mas isso obviamente não significa que o juízo é um processo que tem início mas não tem fim. O juízo é eterno porque tem consequências eternas, não porque não termina nunca. Ele se dá num momento e depois termina, mas seus efeitos são permanentes, ecoando por toda a eternidade.

Da mesma forma, em Marcos 3:29 Jesus fala de um “pecado eterno-aionios”, não porque haja um pecado eterno em processo (como se em momento algum se deixasse de praticar aquele pecado específico), mas por ser um pecado de consequências irreversíveis – um pecado que não tem perdão “nem nesta vida e nem na era vindoura” (Mt 12:32), ou seja, nunca. Hebreus 9:12 diz que Jesus efetuou “eterna-aionios redenção”, não porque ele eternamente morra pelos pecados de cada um (ele fez isso “de uma vez por todas”, como diz o verso 26), mas justamente porque os efeitos dessa redenção se estendem por toda a eternidade.

Este também é o caso da “eterna-aionios salvação” de Hebreus 5:9 – eterna porque tem efeitos eternos para os que creem, não porque estejamos sendo salvos a todo o momento por toda a eternidade. Isaías diz que Israel será salvo pelo Senhor com uma salvação eterna; vocês jamais serão envergonhados ou constrangidos, por toda a eternidade” (Is 45:17). Embora nossa salvação tenha se dado num instante, seus efeitos duram para sempre. O salmista diz que Deus “repreende as nações e destrói os ímpios; para todo o sempre apagas o nome deles” (Sl 9:5). Isso não significa que Deus passe toda a eternidade apagando o nome dos ímpios de seu livro, mas sim que eles são apagados uma vez, e permanecem apagados para sempre.

A punição da morte eterna expressa em Mateus 25:46 e em tantos outros textos entra na mesma categoria: a morte é eterna não porque os perdidos estejam morrendo a cada instante por toda a eternidade (uma morte em processo, eternamente inconclusiva), muito menos porque a morte signifique na verdade uma vida eterna em tormento (o que é precisamente o inverso de “morte”!), mas porque é uma morte com efeitos permanentes. O juízo é eterno por ser irrevogável, o pecado é eterno por não ter perdão, e a morte é eterna porque quem padece a segunda morte nunca mais voltará à vida.

Os mesmos salmistas que disseram repetidas vezes que os ímpios serão destruídos (Sl 1:6, 2:12, 5:6, 37:38), eliminados (Sl 37:22,28,34, 104:35), exterminados (Sl 37:9, 54:5, 145:20), consumidos (Sl 21:9, 59:13, 112:10), devorados (Sl 21:9, 63:10) e que deixarão de existir (Sl 37:10, 59:13, 104:35), também disseram que eles serão «destruídos para sempre», o que prova que a destruição eterna não era de modo algum entendida no sentido de uma existência eterna, mas sim como uma destruição irreversível; uma condição da qual o ímpio jamais retornaria:

“O insensato não entende, o tolo não vê que, embora os ímpios brotem como a erva e floresçam todos os malfeitores, eles serão destruídos para sempre” (Salmos 92:6-7)

Como bem observou o erudito Basil Atkinson:

Quando o adjetivo aionios com o sentido de “eterno” é empregado no grego com substantivos de ação faz referência ao resultado da ação, não ao processo. Assim, a frase “castigo eterno” é comparável a “eterna redenção” e “salvação eterna”, ambas sentenças bíblicas. Ninguém supõe que estamos sendo redimidos ou sendo salvos para sempre [como um processo]. Fomos redimidos e salvos de uma vez por todas por Cristo, com resultados eternos. Do mesmo modo, os perdidos não estarão passando por um processo de punição para sempre, mas serão punidos uma vez por todas com resultados eternos. Por outro lado, o substantivo “vida” não é um substantivo de ação, mas um que expressa uma condição. Assim, a própria vida é eterna.[16]

Em suma, um grupo (o dos salvos) viverá para sempre, ao passo em que o outro grupo (o dos perdidos) morrerá para sempre. Um herda a vida, e essa vida é eterna (o que significa que a pessoa nunca mais vai morrer), enquanto o outro herda a morte, e essa morte também é eterna (o que significa que a pessoa nunca mais vai viver). No primeiro caso há uma existência eterna, e no segundo uma inexistência tão eterna quanto. A “morte eterna” não é um processo eterno de morte onde você está sempre morrendo e nunca morre de uma vez; ao contrário, é eterna porque dela não há mais volta.

O contraste, portanto, era entre estar vivo para sempre ou morto para sempre, entre existência ou inexistência eterna. Mateus 25:46 não foge à regra absoluta de toda a Escritura – que contrasta vida e morte como os dois únicos destinos possíveis – para criar um conceito novo e estranho à Bíblia, onde há vida nos dois lados: uma vida eterna no céu para os salvos, e uma eternidade no inferno para os condenados. Em vez disso, o texto reforça a mensagem mais óbvia e recorrente de toda a Bíblia: a de que só os justos herdarão a vida, e os ímpios a morte. Não uma vida passageira ou uma morte reversível, mas uma vida eterna e uma morte eterna.


Apocalipse 20:10 e o significado do “lago de fogo”

O significado do “lago de fogo” foi uma das principais razões que me levaram a fazer uma segunda edição reformulada do livro, e é inclusive a primeira parte do livro que eu estou escrevendo (embora provavelmente não seja a primeira que você esteja lendo). Na edição anterior do livro, eu interpreto Apocalipse 20:10 como uma hipérbole, dado o caráter altamente hiperbólico do livro. No entanto, reconheço que se trata de uma explicação superficial, pois parte do pressuposto errôneo de que o lago de fogo descrito no livro diz respeito a um lago de fogo literal – ou seja, o mesmo pressuposto tomado pelos imortalistas, que entendem o lago de fogo como o “inferno” do qual tanto falam.

Nós veremos aqui que o lago de fogo é uma simbologia que tem sua razão de ser, mas que aponta para a segunda morte, não para a continuidade da vida humana. Embora os mortalistas creiam em um castigo temporário que precede a morte, não é dele que João fala ao usar a figura do lago de fogo, mas da própria morte que é o resultado final do castigo. Como sabemos disso? Simples: o próprio João disse!

"Então a morte e o Hades foram lançados no lago de fogo. O lago de fogo é a segunda morte” (Apocalipse 20:14)

Observe que este versículo aparece depois do verso 10, que diz que “o diabo, que as enganava, foi lançado no lago de fogo que arde com enxofre, onde já haviam sido lançados a besta e o falso profeta. Eles serão atormentados dia e noite, para todo o sempre” (Ap 20:10). Este é o único texto em toda a Bíblia que fala de um tormento eterno dos ímpios, embora os “ímpios” aqui se refiram apenas à besta, ao falso profeta e ao diabo. Em outras palavras, o verso 14 explica o significado da figura do lago de fogo usada no verso 10, ao dizer que o lago de fogo nada mais é que a segunda morte.

E essa segunda morte não pode ser entendida apenas em um “sentido espiritual”, pois espiritualmente falando a Bíblia é clara ao dizer que os ímpios já estão mortos (Ef 2:1), e não faz sentido nenhum “matar um morto” – isto é, condenar à segunda morte alguém que nunca passou da morte para a vida para que seja espiritualmente morto de novo. O texto só faz sentido se for lido no sentido de uma morte física e real, no mesmo sentido da primeira. Tanto justos como ímpios estão vivos hoje e morrerão um dia, e essa é a primeira morte. Mas a Bíblia ensina que há ressurreição para justos e ímpios (Jo 5:28-29), que os tira do estado de morte e os traz novamente à existência. É aí que o destino de justos e ímpios muda drasticamente: enquanto estes morrem novamente (=segunda morte), os justos vivem para sempre.

É por isso que parte nenhuma da Bíblia afirma que os justos estão isentos de sofrer a primeira morte, mas diz sempre que eles estarão livres da segunda morte, que é a morte final e definitiva:

“Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. O vencedor de modo algum sofrerá a segunda morte(Apocalipse 2:11)

“Felizes e santos os que participam da primeira ressurreição! A segunda morte não tem poder sobre eles; serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele durante mil anos” (Apocalipse 20:6)

Se o texto que fala da segunda morte estivesse se referindo a uma morte puramente “espiritual” (mas com a pessoa ainda existindo fisicamente), teríamos que entender a primeira morte como também se referindo a uma morte espiritual, e isso nos levaria à difícil situação em que um ímpio morre espiritualmente duas vezes, mesmo jamais tendo vivido espiritualmente após passar pela primeira morte espiritual. A essa teologia que consegue matar um morto eu carinhosamente chamo de “teologia-zumbi”, onde uma mesma pessoa é espiritualmente morta duas vezes, mesmo sem estar viva espiritualmente para que possa morrer de novo.

A teologia-zumbi não explica por que os salvos passam pela primeira morte já que estão vivos espiritualmente, muito menos por que a morte espiritual dos ímpios não seria uma só (que se estenderia por toda a sua existência). Não é preciso muito intelecto para perceber como a interpretação mortalista do texto faz muito mais sentido: como a primeira morte é a morte que passamos ao final desta vida, tanto os justos como os ímpios passam por ela, e como a segunda morte é a morte final de alguém que ressuscitou, apenas os ímpios experimentam a segunda morte. Isso explica por que os salvos são livres da segunda morte mas não da primeira, e também por que os ímpios sofrem duas mortes (uma vez que ressuscitam ao final do milênio para serem julgados e receber a justa retribuição por seus atos, e só então morrer em definitivo).

Outros imortalistas entendem a primeira morte não como uma morte espiritual, mas como a separação entre a alma e o corpo por ocasião da morte. Mas se a primeira morte é a separação da alma do corpo, porventura seria a segunda morte uma segunda separação da alma do corpo, após a ressurreição? Se este for o caso, qual o propósito de uma ressurreição que religa corpo e alma para imediatamente em seguida separá-los novamente? Se não for, o que faz pensar que a segunda morte consiste em um tipo de morte totalmente diferente da primeira? Apenas o condicionamento psicológico é capaz de levar alguém a concluir uma das duas hipóteses excêntricas, não uma análise racional dos fatos.

Note ainda que João não diz que a segunda morte é o lago de fogo, como interpretam os imortalistas, mas precisamente o contrário: que o lago de fogo é a segunda morte. Se o lago de fogo da visão que João recebeu significasse um lago de fogo literal, João nem ao menos precisaria explicar do que ele se trata, já que seu significado seria o próprio conceito. A única razão pela qual João precisou explicar o que o lago de fogo representa é justamente porque ele não é um lago literal de fogo e enxofre, mas está tipificando outra coisa. Quando, portanto, ele diz que “o lago de fogo é a segunda morte” (Ap 20:14), nada mais está do que esclarecendo o que a alegoria do lago de fogo se refere.

Tampouco faria sentido João dizer que o lago de fogo é a segunda morte se essa segunda morte fosse o lago de fogo (literal), o que cairia num círculo vicioso bizarro onde A significa B, que na verdade significa A (o lago de fogo significa a segunda morte, e a segunda morte significa o lago de fogo). É simplesmente surreal que alguém chegue a uma conclusão dessas, mas é essa é a triste conclusão que eles são forçados a chegar quando tomam por pressuposto que o lago de fogo é o próprio inferno. Ou João estava usando um raciocínio circular pueril e redundante para dizer que o lago de fogo significa a segunda morte que na verdade significa o lago de fogo, ou de fato a segunda morte e o lago de fogo são duas coisas diferentes, onde a primeira é a definição daquilo que é alegoricamente representado na figura do segundo.

A consequência catastrófica da interpretação imortalista é que ela inverte representado e representação, ou seja, toma o símbolo como a realidade e a realidade como o símbolo. João não diz que a segunda morte “significa” alguma coisa. A segunda morte é o que é: segunda morte. O que tem um significado por detrás não é a segunda morte, mas o lago de fogo, que é a segunda morte. Em termos simples: o lago de fogo é um símbolo, e a segunda morte é o significado desse símbolo. Os imortalistas invertem todo o panorama aqui e o jogam de pernas pro ar, transformando a segunda morte em um símbolo, e fazendo do lago de fogo o seu significado. Isso é eisegese no seu pior nível.

Para compreender melhor isso, comparemos com a própria linguagem utilizada por João em outros textos do Apocalipse, tais como o das estrelas e candelabros:

“Voltei-me para ver quem falava comigo. Voltando-me, vi sete candelabros de ouro e entre os candelabros alguém ‘semelhante a um filho de homem’, com uma veste que chegava aos seus pés e um cinturão de ouro ao redor do peito. Sua cabeça e seus cabelos eram brancos como a lã, tão brancos quanto a neve, e seus olhos eram como chama de fogo. Seus pés eram como o bronze numa fornalha ardente e sua voz como o som de muitas águas. Tinha em sua mão direita sete estrelas, e da sua boca saía uma espada afiada de dois gumes. Sua face era como o sol quando brilha em todo o seu fulgor. Quando o vi, caí aos seus pés como morto. Então ele colocou sua mão direita sobre mim e disse: ‘Não tenha medo. Eu sou o primeiro e o último. Sou aquele que vive. Estive morto mas agora estou vivo para todo o sempre! E tenho as chaves da morte e do Hades. Escreva, pois, as coisas que você viu, tanto as presentes como as que estão por vir. Este é o mistério das sete estrelas que você viu em minha mão direita e dos sete candelabros: as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candelabros são as sete igrejas’” (Apocalipse 1:12-20)

Observe que primeiro o autor trabalha com a metáfora, descrevendo sete candelabros e sete estrelas, dentre outros símbolos. Mas no final ele explica o que são as sete estrelas e os sete candelabros, ao dizer que as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e que os sete candelabros são as sete igrejas. Nós temos aqui os símbolos (as estrelas e os candelabros) e os significados dos símbolos (os anjos e as igrejas). Agora imagine se algum “intérprete” da Bíblia dissesse que na verdade é o contrário: que os anjos é que representam estrelas, e que as igrejas é que significam candelabros. Como você reagiria a isso?

Pois é exatamente o mesmo que fazem com o lago de fogo, que João explica que significa a segunda morte da mesma forma que explica o significado dos outros dois:

Alegoria
Significado
“Vi sete candelabros de ouro” (1:12)
“Os sete candelabros são as sete igrejas” (1:20)
“Tinha em sua mão direita sete estrelas” (1:16)
“As sete estrelas são os anjos das sete igrejas” (1:20)
“A morte e o Hades foram lançados no lago de fogo” (20:14)
“O lago de fogo é a segunda morte” (20:14)
Não há razão, causa, motivo ou circunstância para se interpretar a segunda morte como significando o lago de fogo, quando o que ocorre é claramente o oposto. O que os imortalistas fazem com o texto é inverter a representação, desse jeito:

O que o texto diz
Como o imortalista o lê
“O lago de fogo é a segunda morte”
“A segunda morte é o lago de fogo”
Como Bacchiocchi escreve,

a segunda morte é o lago do fogo, e não vice-versa. O significado da segunda morte deriva do sentido da primeira morte experimentada por todo ser humano quando da cessação da vida e disso depende. A segunda morte difere da primeira morte, não em natureza, mas em resultados. A primeira morte é um sono temporário porque segue-se a ressurreição. A segunda morte é a extinção permanente e irreversível dela porque não há despertar.[17]

É preciso destacar que no Apocalipse nem tudo é desvendado; na verdade, a maior parte João deixa apenas nas “entrelinhas”, sem dar o seu significado direto (ele dá pistas, mas não diz abertamente do que se trata). Mas há casos onde ele dá o significado das próprias simbologias que usa, como nos exemplos citados do candelabro e das estrelas, ou quando diz que “as taças de incenso são as orações dos santos" (Ap 5:8), ou quando escreve que “o linho fino são os atos de justiça dos santos” (Ap 19:8). Ou seja, nem sempre o que João escreve em símbolos é apenas uma incógnita: muitas vezes ele mesmo dá os significados (significados esses que alguns incrivelmente conseguem distorcer e tentar dar outros significados no lugar, ou pior ainda, insistir que a própria alegoria é literal!).

Tampouco faria sentido a segunda morte significar alguma outra coisa, pois a segunda morte já é o significado de uma alegoria, e o significado de uma alegoria precisa ser literal (não faz sentido algum explicar uma alegoria com outra alegoria, que no final não explica nada!). Tome como exemplo novamente o texto das estrelas e dos candelabros, que João diz que significam anjos e igrejas. Seria ridículo se alguém dissesse que os anjos na verdade não são o significado das estrelas, mas representam algo maior, ou que as igrejas não são o significado dos candelabros, mas representam alguma outra coisa (como se João estivesse explicando o significado de uma alegoria com mais alegoria, e no fim das contas não explicando nada com nada).

Tal é o que ocorre com o lago de fogo: se João diz que o lago de fogo é a segunda morte, a segunda morte não é uma alegoria ou uma representação de algo maior, mas o próprio significado que precisa ser literal. Da mesma forma, aquilo ao qual se está dando um significado (neste caso, o lago de fogo) não pode ser literal, doutro modo ele próprio já seria o significado para si mesmo, em vez de receber uma significação externa. Assim como seria ridículo dizer que as sete estrelas são sete estrelas literais nas mãos de alguém e que ao mesmo tempo representam anjos, também é ridículo inferir que o lago de fogo é um lago de fogo literal e ao mesmo tempo representa a segunda morte. Em suma, o lago de fogo precisa ser tão simbólico quanto a figura das estrelas e dos candelabros.

Outra forte evidência de que a segunda morte é a morte final e definitiva, e não uma existência sem fim ou a separação da alma do corpo, é que essa expressão sempre foi entendida dessa maneira no Targum. O Targum é uma coletânea de comentários bíblicos em aramaico feita pelos antigos judeus para a melhor compreensão dos que tinham o aramaico como língua materna, em lugar do hebraico (idioma em que o AT foi escrito, mas já quase em desuso na época de Jesus). Embora os comentários não sejam canônicos, eles são extremamente valiosos por nos mostrar a forma como os judeus pensavam e interpretavam a Bíblia, lançando luz sobre diversos textos. E, no Targum, a expressão “segunda morte” é sempre lida no sentido aniquilacionista, de uma morte cabal e definitiva.

O Targum de Jeremias 51:57 (um oráculo contra a Babilônia onde Deus diz que eles “dormirão para sempre e jamais acordarão”) declara: Eles morrerão a segunda morte e não viverão no mundo por vir”[18]. De modo semelhante, o Targum comenta Deuteronômio 33:6 (“que Rúben viva e não morra, mesmo sendo poucos os seus homens”) da seguinte maneira: “Que Rúben viva neste mundo e não morra na segunda morte, na qual os ímpios morrem no mundo por vir"[19]. Novamente, a respeito de Isaías 65:15, o Targum comenta: “E deixareis o vosso nome por maldição para os meus escolhidos e o Senhor Deus vos matará com a segunda morte, mas a seus servos, os justos, ele chamará por um nome diferente”[20].

Como se nota, o termo “segunda morte” já era uma expressão usada pelos judeus aniquilacionistas desde antes da época do Novo Testamento, e caracterizava não uma existência eterna e consciente longe de Deus, mas a própria ausência da vida – uma morte no sentido mais completo e literal da palavra. Se João fosse imortalista, ele jamais teria usado o termo “segunda morte”, sabendo que se tratava de uma expressão corrente para designar o aniquilamento dos ímpios.

Em parte alguma da literatura judaica pré-cristã a “segunda morte” é usada no sentido de um tormento eterno ou de uma existência infindável, mas sempre e somente no sentido aniquilacionista. Seria demasiado estúpido supor que João usaria um termo que em toda a literatura judaica da época designava aniquilacionismo, para ensinar precisamente o conceito oposto. Na melhor das hipóteses, seria uma escolha bastante inapropriada, e, na pior, uma tentativa deliberada de tentar confundir seus leitores judeus.

Mas se o “lago de fogo e enxofre” do qual João fala é uma figura apocalíptica que simboliza a segunda morte, e não um lago de fogo real onde os ímpios agonizam para sempre, ainda resta uma pergunta: por que João usa esse símbolo, e não qualquer outro? Temos fortes razões para acreditar que a razão está precisamente em como os ímpios morrerão. Nós já vimos no capítulo anterior que os ímpios serão consumidos pelo fogo que Deus fará cair do céu sobre eles, um fogo que “não lhes deixará nem raiz nem ramos” (Ml 4:1), reduzindo-os às cinzas da mesma forma que ocorreu com Sodoma e Gomorra (2Pe 2:6). Nessa mesma linha, o salmista escreve que “sobre os ímpios [Deus] fará chover laços, fogo, enxofre e vento tempestuoso; isto será a porção do seu copo” (Sl 11:6).

Aqui vemos a presença do fogo e enxofre, não como um lugar em que os ímpios passarão a eternidade em tormentos, mas como a forma que eles serão consumidos por Deus. Jesus expressou algo semelhante ao dizer que “no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu fogo e enxofre do céu e os consumiu a todos” (Lc 17:29), e que “assim será no dia em que o Filho do homem há de se manifestar” (v. 30). Novamente vemos o fogo e o enxofre, não como um lugar de castigo, mas como o modo com que Deus há de consumir os ímpios, que é o mesmo que ele usou para destruir Sodoma (fogo caindo do céu à terra). Os habitantes de Sodoma não sobreviveram eternamente em meio às chamas; eles foram consumidos, como Jesus disse. O paralelo mostra que o “fogo e enxofre” aqui em nada tem a ver com um “inferno” como o conhecemos, mas com a aniquilação da vida humana através do fogo.

A presença do “lago”, que é ausente nestes textos, presumivelmente se dá em consequência do fogo e enxofre que caem do céu sobre bilhões de condenados, o que inevitavelmente criaria um “lago” de fogo ardente no local onde os ímpios foram consumidos. Daí a imagem do “lago de fogo e enxofre” que João descreve, não como um lugar de castigo consciente como se depreenderia se o relato fosse literal, mas como uma imagem apropriada para a segunda morte, já que o modo como Deus consumirá os ímpios corresponde à imagem de um lago de fogo e enxofre que se forma em decorrência de sua aniquilação (segunda morte).

João poderia ter usado qualquer outro símbolo para se referir à morte final, mas escolheu o do “lago de fogo e enxofre” por transmitir de forma mais vívida a imagem do que acontece na destruição dos ímpios. O lago de fogo, em si, é mais uma simbologia apocalíptica, mas uma simbologia que tem tudo a ver com a segunda morte, a quem ele representa. Se alguém ainda prefere insistir em pensar que o lago de fogo é um lago de fogo literal conhecido pelo nome de “inferno”, e não uma metáfora adequada que designa a morte final e definitiva pelo fogo e enxofre, simplesmente considere o tipo de coisa que é lançada nele:

"Então a morte e o Hades foram lançados no lago de fogo. O lago de fogo é a segunda morte” (Apocalipse 20:14)

Observe que o lago de fogo não é apenas o local para onde vão os ímpios após a ressurreição, mas também para onde coisas abstratas e/ou inanimadas são lançadas, como é o caso da morte e do Hades. Independentemente de qual seja a noção que você tenha do Hades (se como a sepultura universal dos mortos, como na Bíblia, ou se como um “inferno”, como na mitologia imortalista), uma coisa você deve concordar: ele não é um ser pessoal para que seja literalmente lançado em um lago literal de fogo e enxofre. A propósito, seria ainda mais ridículo assumir neste texto que o Hades é o inferno da teologia imortalista, pois neste caso o texto estaria dizendo, nada mais e nada a menos, que um inferno é lançado dentro de outro inferno!

E as bizarrices não terminam aí: a própria morte é lançada no lago de fogo! Como uma coisa impessoal e abstrata como a morte pode ser lançada num lago literal de fogo e enxofre – um lugar físico e tangível, de acordo com os imortalistas? A não ser que os quadrinhos da Marvel estejam certos e a Morte seja uma entidade real (a esposa de Thanos, para ser mais preciso), não há como conceber que um acontecimento ou um estado seja lançado dentro de um lago de fogo literal – o que não faz sentido algum, embora faça tanto sentido quanto qualquer outra afirmação dos brilhantes eruditos imortalistas.

Se por um lado a interpretação imortalista do texto é uma bizarrice total inteiramente desprovida de lógica ou bom senso, observe como tudo se encaixa perfeitamente quando entendemos que o lago de fogo é uma metáfora que significa a morte final e definitiva (a segunda morte, no caso dos ímpios). Por que “segunda” morte? Porque a primeira é a que passamos ao final da vida, mas esta é revertida na ressurreição, que nos recoloca no estado de vida (existência). Já a segunda é definitiva, pois não há ressurreição futura para ela, o que faz dela uma morte eterna, sem fim. Então, quando o texto diz que a morte e o Hades (sepultura universal) são figurativamente lançados no “lago de fogo”, tudo o que ele está dizendo é que a morte será agora definitiva, final, irreversível, um caminho sem volta.

A morte ser lançada no lago de fogo é uma outra forma de dizer aquilo que em outro lugar João expressou sem rodeios: “Não haverá mais morte... pois a antiga ordem já passou” (Ap 21:4). A “morte da morte” é um conceito escatológico bem presente do Antigo ao Novo Testamento. Isaías diz que Deus destruirá a morte para sempre” (Is 25:8), e Paulo alega que “quando o que é corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal, de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: ‘A morte foi destruída pela vitória’” (1Co 15:54). Obviamente, nem Paulo nem Isaías estavam falando de um inferno literal sendo lançado dentro de um outro inferno literal, o que além de excêntrico é completamente incompatível com a linguagem da destruição da morte, uma vez que ali os ímpios existiriam para todo o sempre em “morte espiritual”.

O que Paulo e Isaías falavam era do fim da morte, o mesmo aludido por João em linguagem simbólica. No Apocalipse, a morte é retratada como um personagem, como vemos em Ap 6:8, onde a morte é descrita como um cavaleiro montado em um cavalo amarelo. No capítulo 20, ela e o Hades são lançados no lago de fogo, representando que já não há mais morte e nem gente morta. Na nova ordem da nova criação de Deus, há apenas vida, e vida eterna. Sem entender que João estava falando de símbolos e não da realidade per se, nada faz sentido. Mas quando assumimos que João descrevia sua visão através de símbolos e entendemos o que esses símbolos representam, o significado da alegoria torna-se extremamente óbvio.

Da mesma forma que a morte não é uma entidade pessoal, mas é tratada como uma na visão alegórica que João recebeu e descreveu, também a besta lançada no lago de fogo não é um ser humano de carne e osso, mas um sistema que consiste no império do anticristo. Muitos confundem a besta com o anticristo como se fossem os mesmos, mas uma leitura um pouco atenta do Apocalipse exclui essa possibilidade. Os “sete reis” de Apocalipse 17:10 equivalem aos quatro reinos de Daniel 7:17-27 (com a diferença de que João vai desde o Egito, o primeiro império de supremacia mundial segundo a Bíblia, enquanto Daniel começa com o reino da Babilônia, o que reinava em sua época).

João diz que “cinco já caíram [Egito, Assíria, Babilônia, Medo-Persa e Grécia], um ainda existe [Roma] e o outro não surgiu, mas quando surgir deverá permanecer durante pouco tempo” (Ap 17:10). E então diz que a besta é um dos sete, que voltará a reinar na época da grande tribulação (v. 11). Isso significa que a besta não é uma pessoa, mas um império que reinava no passado e que voltará a reinar no futuro. Quem ele é? O verso 3 diz que a prostituta está assentada na besta, o verso 11 diz que a prostituta está assentada sobre sete colinas e o verso 18 diz que é “a grande cidade que reina sobre os reis da terra”. A única cidade conhecida no mundo antigo como «a cidade das sete colinas» é Roma, o império que reinava na época de João. Em outras palavras, a besta é a cidade de sete colinas sobre as quais a prostituta se assenta, e a cidade das sete colinas (logo, a besta) é Roma.

Isso está perfeitamente de acordo com a profecia de Daniel, que descreve Roma como o quarto e último império que estará reinando quando Jesus voltar, com as mesmas características que João atribui à besta do Apocalipse (compare Daniel 7:17-27 com Apocalipse 17:3 e 9-14). Daniel diz que o quarto reino (Roma) “proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues na sua mão, por um tempo, e tempos, e a metade de um tempo” (Dn 7:25). Compare essa descrição do quarto reino com a que João faz da besta em Apocalipse 13:

“À besta foi dada uma boca para falar palavras arrogantes e blasfemas, e lhe foi dada autoridade para agir durante quarenta e dois meses. Ela abriu a boca para blasfemar contra Deus e amaldiçoar o seu nome e o seu tabernáculo, os que habitam no céu. Foi-lhe dado poder para guerrear contra os santos e vencê-los. Foi-lhe dada autoridade sobre toda tribo, povo, língua e nação” (Apocalipse 13:5-7)

Ambos proferem palavras blasfemas contra o Altíssimo, ambos perseguem os santos até a morte e ambos fazem isso por três anos e meio (equivalente aos 42 meses mencionados por João e ao «tempo [ano], tempos [dois anos] e metade de um tempo [meio ano]» de Daniel). Obviamente, a visão que João recebeu é a mesma de Daniel, porque descrevem a mesma coisa e os mesmos acontecimentos. A diferença é que Daniel o descreve como um “animal” (Dn 7:19) e João como uma “besta” (Ap 13:5), usando a palavra grega therion, que significa «animal selvagem»[21] (e que é traduzida como “fera” ou como “besta” na maioria das traduções).

Se o animal que João viu foi o mesmo que Daniel viu e todos os estudiosos são unânimes em concordar que este quarto animal de Daniel é Roma, segue-se que Roma é a besta que João diz que voltará a reinar por ocasião dos eventos da grande tribulação (a segunda metade dos sete anos de tribulação que precedem a volta de Jesus). Explicar tudo isso com profundidade exigiria muito tempo e talvez um livro inteiro (você pode conferir o meu artigo sobre isso na nota de rodapé, onde eu explico com mais detalhes[22]), o que desvirtuaria do propósito deste livro, mas por hora o importante é ter em mente que a besta não é o anticristo, mas o império que o anticristo governará.

Sendo a besta um reino e não um indivíduo, faz menos sentido ainda interpretar o lago de fogo literalmente, pois um império não pode ser literalmente lançado em um lago de fogo para sofrer eternamente! Novamente, a única opção que nos resta é entender o lago de fogo como um símbolo daquilo que o próprio João explicou que era: a segunda morte, a morte final e definitiva. Não faz sentido um sistema ser jogado dentro de um lago de fogo literal para ser conscientemente atormentado eternamente, mas faz todo o sentido dizer que um sistema maligno é destruído para todo o sempre, que é no que consiste a metáfora do lago de fogo.

O que tem em comum a besta, o Hades e a morte é que todos eles deixam de existir ao serem lançados no lago de fogo, justamente porque o lago de fogo representa a cessação da existência. Neste ponto, eu posso até adivinhar o que você está pensando: se o lago de fogo é uma metáfora para a morte final e não um lago literal de fogo e enxofre, como explicar o fato de João dizer que a besta, o diabo e o falso profeta seriam atormentados para sempre ao serem lançados no lago de fogo? Não deveriam eles apenas morrer, já que o lago de fogo nada mais é que a própria morte definitiva? Essa é uma objeção franca que pode e deve ser levantada pelo leitor, sendo você imortalista ou não.

Para responder a isso, precisamos primeiro entender como funcionavam as alegorias do Apocalipse, pois o modo como João trabalha a simbologia de Ap 20:10 é exatamente o mesmo modo com que trabalha as outras simbologias. Para isso, é preciso entender que há uma diferença enorme entre a descrição das visões e o significado das visões. João teve uma visão: ele viu o diabo, a besta e o falso profeta sendo lançados no lago de fogo e atormentados pelos séculos dos séculos, mas lembre-se que ele também viu um dragão perseguindo uma mulher grávida no deserto (Ap 12:13), cavalos que soltam fogo e enxofre pela boca (Ap 9:17), gafanhotos com rosto humano (Ap 9:7-8), mulher que cria asas e voa (Ap 12:14), estrelas caindo do céu à terra (Ap 6:13), duas oliveiras e dois candelabros soltando fogo da boca (Ap 11:4-5), cavalos com cabeça de leão (Ap 9:17), Jesus no céu com sete chifres e sete olhos (Ap 5:6) e em forma de cordeiro ensanguentado (Ap 5:6); trovões (Ap 10:3), altares (Ap 16:17), peixes (Ap 5:13) e aves (Ap 19:17) que falam em linguagem humana, e mais inúmeras outras coisas que se fôssemos transformar em doutrina iríamos criar muito mais problemas que o tormento eterno no inferno.

É curioso que as mesmas pessoas que tomam ao pé da letra a visão que João teve da besta sendo atormentada para sempre no lago de fogo não interpretam com a mesma literalidade as outras visões que João recebeu, a ponto de dogmatizar o ensino de trovões falantes e mulheres grávidas voadoras. Devemos lembrar que embora João escrevesse em termos simbólicos, ele levava essas simbologias até o fim. Por exemplo, no capítulo 10 ele diz que engoliu um livrinho. Sabemos que isso ocorreu na visão e não literalmente, mas mesmo assim ele prossegue descrevendo a visão, chegando a dizer até mesmo o sabor que o livro tinha, embora seja bem óbvio que no mundo real ele não engoliu livro algum:

“Depois falou comigo mais uma vez a voz que eu tinha ouvido falar do céu: ‘Vá, pegue o livro aberto que está na mão do anjo que se encontra de pé sobre o mar e sobre a terra’. Assim me aproximei do anjo e lhe pedi que me desse o livrinho. Ele me disse: ‘Pegue-o e coma-o! Ele será amargo em seu estômago, mas em sua boca será doce como mel’. Peguei o livrinho da mão do anjo e o comi. Ele me pareceu doce como mel em minha boca; mas, ao comê-lo, senti que o meu estômago ficou amargo’” (Apocalipse 10:8-10)

Note que tudo aqui acontece em uma visão, não literalmente. João pega um livro aberto das mãos de um anjo, o que faz parte da simbologia. Ele poderia terminar aí, mas prossegue, levando a simbologia até seus efeitos finais: ele pega o livro, come o livro e ainda sente o gosto do livro. Ele não apenas descreve o livro, mas também os efeitos que esse livro causou, que eram os mesmos que causaria caso existisse em realidade (ou seja, caso não fosse uma visão simbólica e sim algo literal). Da mesma forma que o livrinho que João engoliu executou sua função dentro da própria simbologia, o "lago de fogo" (que é tão metafórico quanto o livro) também executa o seu papel, que é causar sofrimento (que é o que aconteceria se alguém fosse literalmente lançado em um lago de fogo).

O tormento no lago de fogo é tão literal quanto o sabor do livro que João “comeu”, porque ambos ocorrem dentro da visão, não no mundo real. No mundo real, tanto o livro como o lago de fogo tem outros significados, mas dentro da visão aquilo ocorre como ocorreria se fosse real. Um exemplo ilustrativo é o sonho que o faraó teve das vacas magras engolindo as vacas gordas, registrado em Gênesis 41. Obviamente, nunca existiu uma vaca magra que literalmente engoliu uma vaca gorda – isso era apenas parte do sonho, e fora do sonho tinha um significado totalmente diferente do literal (os anos de fome que sucederiam os de prosperidade). No entanto, embora seja virtualmente impossível uma vaca engolir a outra na vida real, isso acontece dentro do sonho, não porque o sonho é literal, mas porque ele ilustra o que aconteceria se fosse real.

Este é o caso do livrinho que João engoliu e do lago de fogo: eles não são mais literais do que as vacas gordas do sonho do faraó, mas dentro da visão executam a função que exerceriam se fossem reais (no caso, o gosto amargo no estômago, o sofrimento ao ser lançado no lago de fogo e as vacas gordas engolidas pelas vacas magras). Isso também explica por que é dito que o tormento no lago de fogo é “para sempre”: porque o que ele está representando (i.e, a morte) é eterno. Tudo faz um perfeito sentido dentro da simbologia; a estupidez é transpor da simbologia para o mundo real aplicando tudo literalmente sem critério algum, como uma criança pequena faria, em vez de observar o que cada elemento representa.

Em toda a Bíblia, Deus muitas vezes revela verdades profundas através de uma linguagem figurada e enigmática, que se tornaria absurda se interpretada literalmente, da mesma forma que nos exemplos citados. Isso é particularmente verdadeiro em relação ao Apocalipse: João descrevia as coisas que Deus revelou a ele em visão, mas essas coisas não eram realidades literais, embora fossem levadas até as suas últimas consequências no contexto da alegoria. O lago de fogo, que na realidade significa a morte eterna, dentro da visão era um lago literal que João estava vendo, cujo sofrimento causado não tinha fim porque representava um efeito que era eterno (no caso, a morte).

Na sua visão, João viu a Morte personificada sendo lançada em um verdadeiro lago de fogo assim como a besta e o falso profeta, mas isso era o que ele via, e não o que aquilo representava. A razão pela qual faz tão pouco sentido a morte ser literalmente lançada em um lago de fogo – assim como a besta (Império Romano) e o Hades (sepultura universal dos mortos) – é porque a visão que João recebeu não foi dada para ser tomada ao pé da letra, mas para ser entendida através do significado que ela remete – neste caso, bem explicado no verso 14, que esclarece que o lago de fogo É a segunda morte.

Dentro da metáfora o lago queimava e causava sofrimento como se fosse real, assim como dentro da metáfora o livro que João engoliu era amargo como se fosse real, e dentro da metáfora as vacas magras engoliram as vacas gordas como se fossem reais. O problema não é a metáfora, mas os néscios que tomam a metáfora do pé da letra e a usam como um pretexto sórdido para justificar doutrinas grotescas presentes em parte nenhuma da Bíblia, e que a contrariam completamente. Chega a ser espantoso que até mesmo teólogos renomados se prestem ao ridículo de interpretar a visão de Apocalipse 20:10 literalmente, o que só nos mostra até que ponto alguém é capaz de chegar quando o que está em jogo são suas crenças frágeis defendidas a priori.

Por fim, é importante ressaltar o contexto que antecede imediatamente Apocalipse 20:10, que lança ainda mais luz a tudo o que constatamos aqui. Os três versículos anteriores dizem:

“Quando terminarem os mil anos, Satanás será solto da sua prisão e sairá para enganar as nações que estão nos quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, a fim de reuni-las para a batalha. Seu número é como a areia do mar. As nações marcharam por toda a superfície da terra e cercaram o acampamento dos santos, a cidade amada; mas um fogo desceu do céu e as devorou(Apocalipse 20:7-9)

O início do capítulo diz que os justos ressuscitam antes do milênio e passam os mil anos com Cristo na terra (Ap 20:4), e o verso 5 diz que “o restante dos mortos [ou seja, os ímpios] não voltou a viver até se completarem os mil anos”. Quando os mil anos terminam, os ímpios ressuscitam e são compelidos por Satanás a uma última batalha contra o Cordeiro e os santos, no local designado como Gogue e Magogue. O que acontece com eles? O final do verso 9 é claro em dizer que um fogo caiu do céu e os devorou. A palavra aqui traduzida na NVI como “devorou” é katesthio, que significa «devorar pelo fogo, consumir totalmente, destruir»[23].

Além daqui, essa palavra aparece outras três vezes no Apocalipse. Uma é pra dizer que João comeu o livro na visão (10:9-10), outra é pra dizer que as duas testemunhas soltam fogo pela boca que devora os seus inimigos, insistindo que “é assim que deve morrer qualquer pessoa que quiser causar-lhes dano” (11:5), e a outra é pra dizer que “o dragão colocou-se diante da mulher que estava para dar à luz, para devorar o seu filho no momento em que nascesse” (12:4). Em todos esses textos, alegóricos ou não, katesthio é usada no sentido de destruir algo completamente, não de conservar em existência eternamente.

Mas como saber se aqui João falava de uma destruição literal? O único jeito é recorrendo à fonte de onde João tirou isso, já que ele não foi o primeiro e nem o único profeta a descrever os acontecimentos finais. A principal pista neste texto está no lugar designado para a batalha: Gogue e Magogue. Diferente do vale do Megido, uma colina que de fato existe em Israel e que é palco da batalha de Apocalipse 19:11-21[24], Gogue e Magogue não existiam nos tempos bíblicos e tampouco existem hoje. O único lugar em que elas são mencionadas fora do Apocalipse é em Ezequiel 38 e 39, que também fala do tempo do fim, o que significa que Gogue e Magogue são provavelmente duas nações que existirão ao final do milênio e participarão desta batalha final[25].

Em outras palavras, a chave para descobrir o significado de Apocalipse 20:8-10 está em Ezequiel 38 e 39, os únicos capítulos que falam de Gogue e Magogue no resto da Bíblia, de onde João tirou as imagens. E em Ezequiel, tal como em Apocalipse 20:9, o destino dos rebeldes é claramente a cessação da existência:

“Convocarei a espada contra Gogue em todos os meus montes, palavra do Soberano Senhor. A espada de cada um será contra o seu irmão. Executarei juízo sobre ele com peste e derramamento de sangue; desabarei torrentes de chuva, saraiva e enxofre ardente sobre ele e sobre as suas tropas e sobre as muitas nações que estarão com ele” (Ezequiel 38:21-22)

“Nos montes de Israel você cairá, você e todas as suas tropas e as nações que estiverem com você. Eu darei você como comida a todo tipo de ave que come carniça e aos animais do campo. Você cairá em campo aberto, pois eu falei, palavra do Soberano Senhor. Mandarei fogo sobre Magogue e sobre aqueles que vivem em segurança nas regiões costeiras, e eles saberão que eu sou o Senhor” (Ezequiel 39:4-6)

“Filho do homem, assim diz o Soberano Senhor: Chame todo tipo de ave e todos os animais do campo: ‘Venham de todos os lugares ao redor e reúnam-se para o sacrifício que estou preparando para vocês, o grande sacrifício nos montes de Israel. Ali vocês comerão carne e beberão sangue. Comerão a carne de poderosos e beberão o sangue dos príncipes da terra como se eles fossem carneiros, cordeiros, bodes e novilhos, todos eles animais gordos de Basã” (Ezequiel 39:17-18)

O relato prossegue falando dos cadáveres dos ímpios deixados ao solo, após a grande matança (Ez 39:11-15). Assim, está claro que a batalha de Gogue e Magogue não resulta na existência contínua e interminável dos ímpios, mas em sua completa e total eliminação para sempre. Com isso em mente, fica muito mais fácil interpretar Apocalipse 20: o verso 9 diz o que acontece com os pecadores impenitentes (i.e, são totalmente consumidos pelo fogo devorador que cai do céu), e o verso 15 usa a metáfora do lago de fogo para reforçar o que acontece com aqueles que são consumidos pelo fogo, cujo destino é a segunda morte, a privação eterna da existência.

Se o princípio mais básico de interpretação da Bíblia – o de que a Bíblia interpreta a Bíblia – estiver certo, não há saída ou escape para a doutrina do tormento eterno, refutada cabalmente por todos os símbolos usados por João em consonância com seu teor em toda a Escritura. Só quem isola os textos do Apocalipse e os mutila é que tem um bom pretexto para ensinar uma heresia que não encontra eco em parte alguma da Bíblia, fazendo jus ao famoso ditado de que texto fora de contexto é pretexto para heresia. Como vimos, isso não pode ser mais verdadeiro em relação à primeira mentira, que sustenta todas as outras.


O “fogo eterno”

Além de Mateus 25:46 e de Apocalipse 20:10, os imortalistas se apegam aos textos que falam do “fogo eterno” como a prova de que os ímpios queimarão conscientemente para todo o sempre. A expressão “fogo eterno” em relação ao geena aparece duas vezes no evangelho de Mateus (Mt 18:8, 25:41), enquanto a expressão “fogo que não se apaga” aparece uma vez em Mateus (Mt 3:12), uma em Lucas (Lc 3:17) e duas em Marcos (Mc 9:43,45). Precisamos reconhecer que a leitura do texto em português, desconectada de seu contexto histórico-cultural, nos faz pensar que de fato Jesus falava de um fogo que literalmente nunca se apaga (ainda que os textos nada falem sobre um tormento eterno e consciente).

E é aí que muitos leigos escorregam, ao não se atentar para o fato de que a Bíblia foi escrita numa época específica, para um público específico que tinha seus próprios vícios de linguagem, da mesma forma que nós temos os nossos. Imagine, por exemplo, se daqui dois mil anos uma civilização futura, que nada tem a ver com a nossa, lesse um texto de nossa época dizendo que “fulano de tal morreu de rir”. Alguns seriam tentados a pensar que fulano riu tanto a ponto de falecer, mas nós sabemos que essa não é a ideia que o texto pretende, o qual quer apenas reforçar que o indivíduo riu muito.

Ou então pense em alguém que exclamasse: “Que calor infernal!”. Imortalistas do quarto milênio poderiam usar esse texto como a prova da existência de uma alma imortal que abandona o corpo e se dirige a esse lugar tão quente chamado inferno, mas nós sabemos que expressões desse tipo são apenas hipérboles que não devem ser tomadas ao pé da letra. Da mesma forma que nós brasileiros, os hebreus também tinham suas próprias forças de expressão, que se entendidas literalmente podem levar a grandes enganos – e, por que não, a grandes heresias. O “fogo que não se apaga” é um exemplo primoroso disso.

Mas como podemos ter a certeza de que isso se tratava de uma força de expressão semítica e não literalmente de um fogo que não se apaga? É simples: basta ler a própria Bíblia, que interpreta a si mesma. Tome como exemplo o texto a seguir, que assim diz a respeito de Edom:

“Os ribeiros de Edom se transformarão em piche, e o seu pó, em enxofre; a sua terra se tornará em piche ardente. Nem de noite nem de dia se apagará; subirá para sempre a sua fumaça; de geração em geração será assolada, e para todo o sempre ninguém passará por ela” (Isaías 34:9-10)

Edom era a terra dos descendentes de Esaú, que muitas vezes estiveram em guerra com os israelitas. Deus diz que sua terra se tornaria “piche ardente”, mas não só isso: ele diz que sua fumaça subiria para sempre, que não seria apagada nem de dia e nem de noite, e que para todo o sempre ninguém passaria por ela. Mas temos um problema: Edom não está queimando até hoje, nem existe uma fumaça literalmente subindo de seu território, e qualquer um nos dias de hoje pode tranquilamente passar pelo seu território sem medo de ser queimado. Será que o profeta falhou? Será que ele mentiu ou se enganou, comprometendo a inerrância bíblica?

É evidente que não. Quando Isaías usa essa linguagem hiperbólica, tudo o que ele pretende é enfatizar o fato de que Edom seria totalmente destruída pelo fogo, e como resultado nunca mais existiria. E, de fato, os edomitas não mais existem, e será inútil procurar um país chamado Edom num mapa-múndi. A profecia acertou com precisão, não porque a terra que pertencia a Edom esteja literalmente pegando fogo até hoje, mas porque o fogo consumiu tudo e os edomitas não mais existem. Este é exatamente o mesmo caso do fogo do geena que “nunca se apaga”: o fogo é chamado de “eterno”, não por literalmente queimar para sempre, mas por consumir completamente os ímpios, que nunca mais existirão – tal como ocorreu com Edom e seus habitantes.

Caso você ainda não esteja convencido de que essa linguagem era mesmo de uso comum entre os hebreus, tome também como exemplo o texto de Jeremias, onde o Senhor diz:

“Mas, se não me ouvirdes, e, por isso, não santificardes o dia de sábado, e carregardes alguma carga, quando entrardes pelas portas de Jerusalém no dia de sábado, então, acenderei fogo nas suas portas, o qual consumirá os palácios de Jerusalém e não se apagará (Jeremias 17:27)

Deus diz que se o povo deixasse de guardar o sábado e fizesse entrar alguma carga em Jerusalém, ascenderia um fogo que consumiria seus palácios e não se apagaria. Lemos em 2ª Crônicas 36:19-21 que o povo fez exatamente isso, e essa profecia se cumpriu. No entanto, não existe um fogo queimando os palácios de Jerusalém até hoje – os quais teriam que ser indestrutíveis, tal como os imortalistas imaginam a alma imortal. Em vez disso, os palácios foram totalmente queimados pelo exército babilônico de Nabucodonor, e como resultado eles não mais existem (cf. Jr 52:12-13).

Mais uma vez, vemos a linguagem do “fogo que não se apaga” sendo utilizada não para representar um fogo que literalmente não tem fim, mas a destruição total causada pelo fogo, que consome tudo a ponto de extinguir para sempre – exatamente como a Bíblia descreve a sorte final dos ímpios. Se você é do tipo teimoso que não se dá por convencido tão fácil, aqui vai outro exemplo:

“Diga à floresta do Neguebe: Ouça palavra do Senhor. Assim diz o Soberano, o Senhor: Estou a ponto de incendiá-la, consumindo assim todas as suas árvores, tanto as verdes quanto as secas. A chama abrasadora não será apagada, e todos os rostos, do Neguebe até o norte, serão ressecados por ela. Todos verão que eu, o Senhor, acendi, e não será apagada(Ezequiel 20:47-48)

Deus repete duas vezes que a chama abrasadora nas florestas do Neguebe não seria apagada, mas embora a floresta tenha sido totalmente consumida pelo fogo e a região seja hoje um deserto árido e estéril, não há um fogo literalmente em operação até os nossos dias. Mais uma vez, o que ocorreu foi uma destruição total pelo fogo, que extinguiu para sempre aquilo que foi consumido. Precisamente o mesmo que acontecerá com os perdidos. O mesmo acontece em Amós, onde o Senhor declara:

“Assim diz o Senhor à nação de Israel: ‘Busquem-me e terão vida; não busquem Betel, não vão a Gilgal, não façam peregrinação a Berseba. Pois Gilgal certamente irá para o exílio, e Betel será reduzida a nada’. Busquem o Senhor e terão vida, do contrário, ele irromperá como um fogo entre os descendentes de José, e a devastará, e não haverá ninguém em Betel para apagá-lo(Amós 5:4-6)

Apesar de ninguém em Betel poder apagar o fogo, Betel não seria queimada para sempre, pois o verso 5 diz expressamente que Betel seria reduzida a nada. A função do fogo não é queimar eternamente, mas consumir permanentemente.

E se você quer um exemplo do Novo Testamento, basta ler Judas 7, que diz:

“De modo semelhante a estes, Sodoma e Gomorra e as cidades ao redor se entregaram a imoralidade e a relações sexuais antinaturais, foram postas como exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno(Judas 7)

Judas (não o Iscariotes) diz que as cidades de Sodoma e Gomorra sofreram a pena do “fogo eterno”. Se lermos o relato de Gênesis 19, vemos que de fato Sodoma e Gomorra foram consumidas pelo fogo que Deus fez cair do céu, o qual consumiu e destruiu completamente as duas cidades e todos os seus habitantes (exceto Ló e sua família, que foram avisados com antecedência e deixaram a cidade). No entanto, será inútil procurar um “fogo eterno” queimando as cidades até hoje, até porque a região atualmente compreende o mar Morto, e é difícil queimar no fundo do mar. Mais uma vez, vemos o mesmo padrão se repetindo: o fogo devorador consumindo tudo a ponto das cidades e seus habitantes não mais existirem, mas não um fogo que literalmente continua queimando até os nossos dias.

Sabemos que grande parte da breve carta de Judas é baseada em 2ª Pedro, e quando Pedro cita o mesmo exemplo de Judas, ele diz que Deus “condenou as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinzas, tornando-as exemplo do que acontecerá aos ímpios” (2Pe 2:6). O que acontecerá aos ímpios é o mesmo que aconteceu com as cidades de Sodoma e Gomorra, que não foram queimadas perpetuamente, mas consumidas completamente até serem reduzidas às cinzas. Essa é uma descrição perfeita e inequívoca de aniquilacionismo, mas nada compatível com um fogo literalmente eterno que atormenta para sempre pessoas perfeitamente vivas e conscientes.

Como comenta o Dr. Bacchiocchi,

o que é eterno e inextinguível não é a punição pelo fogo, que, como no caso de Sodoma e Gomorra, causa a completa e permanente destruição dos ímpios, uma condição que dura para sempre. O fogo é inextinguível porque não pode ser apagado até que haja consumido todo o material carburante.[26]

Uma razão esclarecedora do porquê que o fogo que consome é chamado de “eterno” é porque ele vem de Deus, a «chama eterna»:

“Em Sião os pecadores estão aterrorizados; o tremor se apodera dos ímpios: ‘Quem de nós pode conviver com o fogo consumidor? Quem de nós pode conviver com a chama eterna?’” (Isaías 33:14)

Tanto a primeira parte do verso 14 como os versos anteriores descrevem o fogo que vem de Deus como um fogo consumidor (cf. v. 11). No entanto, o final do mesmo verso 14 descreve a chama como uma “chama eterna”, não porque ela nunca consome aquilo ao qual se destina (o que seria uma contradição explícita com os textos precedentes), mas porque vem de Deus, e ninguém mais pode conter. É por isso que a mesma linguagem é usada em referência à ira de Deus, que é comparável ao fogo (cf. Hb 12:29). O salmista pergunta: Até quando a tua ira queimará como fogo?” (Sl 89:46). Se usássemos a mesma exegese imortalista em relação ao fogo do geena, a resposta deveria ser “para sempre”:

“Porquanto me deixaram, e queimaram incenso a outros deuses, para me provocarem à ira por todas as obras das suas mãos, o meu furor se acendeu contra este lugar, e não se apagará(2ª Reis 22:17)

“Porque me deixaram, e queimaram incenso perante outros deuses, para me provocarem à ira com todas as obras das suas mãos; portanto o meu furor se derramou sobre este lugar, e não se apagará(2ª Crônicas 34:25)

“Portanto, assim diz o Soberano Senhor: A minha ardente ira será derramada sobre este lugar, sobre os homens, os animais, e as árvores do campo, como também sobre o produto do solo; ela arderá como fogo, e não poderá ser extinguida(Jeremias 7:20)

Será que isso significa que Deus está até hoje irado e continuará irado para sempre com o povo judeu? Não foi o próprio apóstolo Paulo que disse que Deus tem um plano para Israel, e que no fim “todo o Israel será salvo”?

“E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: ‘Virá de Sião o redentor que desviará de Jacó a impiedade. E esta é a minha aliança com eles quando eu remover os seus pecados’” (Romanos 11:26-27)

Se todo o Israel será salvo quando Deus remover de Israel os seus pecados, é sensato concluir que essa ira contra Israel não durará para sempre, apesar dos textos dizerem que Sua ira não seria apagada – da mesma forma que os vários textos que falam de um fogo eterno ou que não se apaga. A ideia de que Deus permanece irado para sempre também contradiz textos como estes:

“Quem é comparável a ti, ó Deus, que perdoas o pecado e esqueces a transgressão do remanescente da sua herança? Tu que não permaneces irado para sempre, mas tens prazer em mostrar amor” (Miquéias 7:18)

Ficarás indignado conosco para sempre? Prolongarás a tua ira por todas as gerações? Acaso não nos renovarás a vida, a fim de que o teu povo se alegre em ti?” (Salmos 85:5-6)

“O Senhor é compassivo e misericordioso, mui paciente e cheio de amor. Não reprovará perpetuamente, nem para sempre reterá a sua ira. Não nos trata conforme os nossos pecados nem nos retribui conforme as nossas iniquidades” (Salmos 103:8-10)

“Tu te levantarás e terás misericórdia de Sião, pois é hora de lhe mostrares compaixão; o tempo certo é chegado” (Salmos 102:13)

A mesma ira de Deus, que é em tantos textos descrita como um fogo inextinguível que não pode ser apagado, é retratada em outros textos como algo passageiro. Essa é a mesma contradição aparente que existe entre os textos que falam de um fogo “eterno”, e os que dizem que o fogo consome. Um exemplo dos mais notáveis está no final do capítulo 21 de Jeremias, que diz o seguinte:

“Ó dinastia de Davi, assim diz o Senhor: ‘Administrem justiça cada manhã: livrem o explorado das mãos do opressor; se não a minha ira se acenderá e queimará como fogo inextinguível, por causa do mal que vocês têm feito’” (Jeremias 21:12)

Qualquer um que ler este texto isoladamente será levado a pensar que o fogo da ira de Deus queimará para sempre. Afinal, ele é claramente descrito aqui como um «fogo inextinguível». No entanto, note como apenas dois versículos adiante, na própria continuação e conclusão do texto, o Senhor declara:

“Eu os castigarei de acordo com as suas obras, diz o Senhor, porei fogo em sua floresta, que consumirá tudo ao redor” (Jeremias 21:14)

No verso 14, vemos que a consequência do “fogo inextinguível” do verso 12 não é manter a coisa existindo para sempre em meio às chamas, mas consumir tudo. É impossível não perceber a correlação com o fogo do geena, igualmente chamado de “eterno” ou “inextinguível”, mas com a mesma função de consumir aquilo ao qual se destina, e não de perdurar sua existência (cf. Jó 20:26; Sl 21:9, 59:13, 112:10; Is 1:28, 5:24, 26:11, 30:30, 47:14; Na 1:10; Ml 4:1; Ap 20:9). Qualquer pessoa minimamente honesta consigo mesma daria o caso por encerrado.

Se depois de tudo isso alguém ainda insistir em dizer que os ímpios serão atormentados para sempre por causa da linguagem do “fogo que não se apaga”, que me traga um único texto bíblico que fale de um fogo eterno que comprovadamente continue queimando até hoje em qualquer lugar da terra, dentre os muitos exemplos que ocorrem na Bíblia – eu pedi o mesmo na versão anterior do livro e estou há uma década esperando pacientemente. Ficarei eternamente grato por isso.

Por fim, mesmo que o fogo do geena fosse literalmente eterno e inextinguível, isso ainda não seria o bastante para provar que os condenados serão atormentados para sempre, pois para isso seria necessário que permanecessem vivos e conscientes durante todo o período, algo que não pode ser provado pelo simples uso do termo “fogo eterno” nos textos usados pelos imortalistas, que nada falam sobre isso (para isso eles precisam apelar para os textos de Mateus 25:46 e Apocalipse 20:10, que já foram exaustivamente elucidados). Há até mesmo aniquilacionistas que creem que o fogo do geena é literalmente eterno, baseado no texto de Isaías que diz:

“E sairão, e verão os cadáveres dos homens que prevaricaram contra mim; porque o seu verme nunca morrerá, nem o seu fogo se apagará; e serão um horror a toda a carne” (Isaías 66:24)

O texto diz que “o fogo não se apagará”, mas o que o fogo está queimando? Almas incorpóreas? Pessoas vivas, conscientes e imortais? Nana-nina-não. Em vez disso, o texto é perfeitamente claro em relatar o tipo de coisa que o “fogo eterno” queimará: cadáveres! Na verdade, esse texto é mais um exemplo notório de “fogo eterno que se apaga”, onde o fogo é eterno pelos efeitos irreversíveis da destruição e não pelo processo em si. Mas mesmo que fosse tomado ao pé da letra, tudo o que o texto estaria dizendo é que o fogo continuaria queimando os cadáveres como uma advertência a respeito do pecado e de suas consequências, não com o propósito de causar sofrimento a um fantasminha fora do corpo.

Hiperbólico ou literal, o “fogo que não se apaga” é mais uma prova em favor do aniquilacionismo, seja por representar a destruição completa dos ímpios reduzidos às cinzas, seja por se referir aos cadáveres de quem já foi aniquilado. A única inferência completamente antibíblica, tola e disparatosa é a de que o fogo queima eternamente almas incorpóreas conscientes ou corpos ressurretos imortais e incorruptíveis. Isso é não apenas uma ofensa gritante ao bom senso, mas um insulto à hermenêutica e à própria Escritura, no anseio de encontrar na Bíblia o apoio a uma doutrina aberrante e injustificável.

Ninguém melhor que Samuele Bacchiocchi comentou a este respeito quando disse:

Para entender o sentido da frase “o fogo nunca se apaga” é importante lembrar que manter um fogo aceso a fim de queimar cadáveres requeria considerável esforço na Palestina. Os cadáveres não queimam prontamente e a lenha necessária para sua combustão era escassa. Em minhas viagens pelo Oriente Médio e África muitas vezes vi cadáveres parcialmente queimados porque o fogo se extinguiu antes de consumir os restos de um animal. A imagem de um fogo inextinguível tem simplesmente o objetivo de transmitir o pensamento de ser completamente queimado ou consumido. Nada tem a ver com a punição eterna de almas imortais. A passagem fala claramente de “corpos dos mortos” que são consumidos, e não de almas imortais que são eternamente atormentadas. É lamentável que os tradicionalistas interpretem esta passagem e declarações semelhantes de Jesus à luz de sua concepção da punição final, em lugar de fazê-lo com base no que a figura de linguagem realmente queria dizer.[27]

Encontramos apoio a essa interpretação no próprio livro de Isaías, que diz que “o poderoso se tornará como estopa e sua obra, como fagulha; ambos serão queimados juntos, e não haverá quem os apague” (Is 1:31). O curioso é que Isaías havia dito três versos antes que “os rebeldes e os pecadores serão destruídos, e os que abandonam o Senhor perecerão(v. 28), o que significa que esse fogo que “não há quem apague” tem a função de destruir os pecadores até que eles pereçam completamente, não sendo apagado por mãos humanas até que complete a sua função.

Note mais uma vez a similaridade com a linguagem da ira de Deus sobre Israel, que, como vimos nos textos anteriormente citados, não dura literalmente para sempre, mas é expressa nos mesmos termos do fogo do geena:

Jeremias 4:4
Isaías 1:31
“Circuncidai-vos ao Senhor, e tirai os prepúcios do vosso coração, ó homens de Judá e habitantes de Jerusalém, para que o meu furor não venha a sair como fogo, e arda de modo que não haja quem o apague, por causa da malícia das vossas obras”
“E o forte se tornará em estopa, e a sua obra em faísca; e ambos arderão juntamente, e não haverá quem os apague
Ambos os fogos são chamados de “inextinguíveis” porque não podem ser apagados por mãos humanas, uma vez que quem o acendeu foi Deus. Isso não significa que o fogo em si seja literalmente eterno, porque tanto o fogo da ira de Deus como o fogo do geena tem um fim temporal, que só a Deus compete. O fogo é “eterno” no sentido de que ele nunca pode ser apagado por homens, do contrário não poderia executar sua função (que é consumir por completo aquilo ao qual se destina).

Vale ressaltar que no hebraico, assim como no grego, o advérbio “nunca” e seus equivalentes temporais (“eterno”, “para sempre” e etc) são rotineiramente usados para coisas que chegam ao fim após completar a ação. Por exemplo, quando Jonas saiu do ventre do grande peixe, ele testemunha que desceu “até à terra cujos ferrolhos se correram sobre mim para sempre, contudo fizestes subir da sepultura a minha vida” (Jn 2:6). Como se nota, o “para sempre” (owlam) durou até que ele saísse do ventre do peixe. Embora em nossa gramática possa parecer estranho e até contraditório um “para sempre” que dura “até que”, isso não é incomum quando lidamos com o grego e o hebraico dos tempos bíblicos.

Isaías diz que “Ofel e a torre da guarda servirão de cavernas para sempre, até que se derrame sobre nós o Espírito lá do alto: então o deserto se tornará em pomar e o pomar será tido por bosque” (Is 32:14-15). Aqui, owlam é inserido imediatamente antes da preposição ‘ad, traduzida como “até que”. O mesmo ocorre no Novo Testamento. Paulo diz que “tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, sobre quem tem chegado o fim dos tempos” (1Co 10:11). “Fim dos tempos” é aqui a tradução de aion (a mesma palavra usada nos textos do “fogo eterno”) seguida de katantao (fim). É difícil imaginar algo eterno (aion) que tem fim (katantao), mas isso é possível no grego porque aion não carrega necessariamente o sentido de algo sem fim, como quando é empregado em relação a Deus ou ao destino eterno (vida ou morte eterna).

O aspergir do sangue na festa da páscoa era uma “ordenança eterna” (Êx 12:24), tanto quanto era a herança de Calebe (Js 14:9), a lepra de Geazi (2Rs 5:27), o sacerdócio de Arão (Êx 29:9), o reinado de Davi (1Cr 28:4) e a duração do serviço de um escravo estrangeiro (Lv 25:46). Apesar disso, ninguém poderia supor que tais coisas permaneceriam após a morte, pois owlam tem aqui o sentido de enquanto durar a existência terrena. O mesmo se aplica a objetos inanimados. Salomão disse que o templo que ele construiu seria uma “eterna habitação” para o Senhor (1Rs 8:12-13), mas ele foi destruído alguns séculos depois pelos babilônicos, e os israelitas tiveram que construir outro.

Quando entendemos que owlam e aion tem frequentemente o sentido de algo que dura até que se complete a ação, fica ainda mais fácil entender o aparente paradoxo de Isaías 66:24, que fala de um cadáver em chamas, cujo fogo “nunca se apaga”. Isso apenas significa que o fogo não pode ser apagado por ninguém até que os corpos sejam completamente consumidos a ponto de serem reduzidos às cinzas, como diz Pedro (2Pe 2:6). De fato, o próprio Isaías diz que “fogo devorador” (Is 29:6) reservado aos inimigos do Senhor “os consumirá” (Is 26:11) de tal modo que “serão reduzidos a nada” (Is 41:12).

Eles “sem dúvida eles são como restolho; o fogo os consumirá” (Is 47:14). “Assim como a palha é consumida pelo fogo e o restolho é devorado pelas chamas, assim será a sua raiz como podridão, e a sua flor se esvaecerá como pó” (Is 5:24). Toda a linguagem de Isaías diz respeito a alguém que é totalmente consumido pelo fogo devorador da parte de Deus, “de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo” (Ml 4:1). Longe de respaldar um tormento sem fim, o vocábulo “fogo eterno” prova que o fogo não pode ser apagado até que complete a sua função, que consiste em consumir completamente os inimigos de Deus até que voltem ao lugar de onde vieram: o pó. Isso é apoiado por inúmeros exemplos bíblicos onde o fogo é “eterno” ou “inextinguível” não por durar para sempre, mas por consumir permanentemente aquilo ao qual se destina.

E não só por exemplos bíblicos, mas também históricos. É curioso notar que o Manual de Disciplina, um dos manuscritos do mar Morto encontrados nas cavernas de Qumran, fala expressamente no «extermínio» dos “homens de Belial” (Satanás) por meio do «fogo eterno» (1QS 2:4-8). O Manual de Disciplina não é canônico, mas prova que a linguagem do “fogo eterno” era naturalmente usada pelos judeus aniquilacionistas do período intertestamentário para descrever o extermínio dos homens ímpios após o juízo final, destruindo qualquer argumento de que tal linguagem implica necessariamente na crença em um tormento eterno.


Apocalipse 14:9-11 e o cálice da ira

Um outro texto apocalíptico usado pelos imortalistas em apoio à doutrina do tormento eterno, mas que na verdade só ajuda a reforçar o fato de que a linguagem do “fogo eterno” significa um aniquilamento permanente, é o de Apocalipse 14:9-11, que assim diz:

“Um terceiro anjo os seguiu, dizendo em alta voz: ‘Se alguém adorar a besta e a sua imagem e receber a sua marca na testa ou na mão, também beberá do vinho do furor de Deus que foi derramado sem mistura no cálice da sua ira. Será ainda atormentado com enxofre ardente na presença dos santos anjos e do Cordeiro, e a fumaça do tormento de tais pessoas sobe para todo o sempre. Para todos os que adoram a besta e a sua imagem, e para quem recebe a marca do seu nome, não há descanso, dia e noite’” (Apocalipse 14:9-11)

O simbolismo textual aqui é evidente, como comenta Azenilto Brito:

Os textos de Apocalipse 14:10-11 apresentam uma situação difícil de entender num sentido literal: iriam esses condenados sob tormentos assim permanecer “pelos séculos dos séculos” “diante dos santos anjos e na presença do Cordeiro”? Será que estes últimos não encontram nada mais elevado para fazer no céu, em vez de ficarem a assistir “de camarote”, por tempo infinito, o espetáculo repugnante desses infelizes sob as agruras do fogo e enxofre?[28]

Embora o texto não mencione o lago de fogo, ele usa outras duas metáforas para o aniquilamento. Uma é a linguagem do “beber o cálice da ira”, que é usada várias vezes no Antigo Testamento, todas elas para se referir à morte de quem bebeu o cálice. Por exemplo, em Isaías é dito que Jerusalém “bebeu da mão do Senhor o cálice da ira dele” (Is 51:17). O que aconteceu em decorrência disso? O verso 19 responde com “ruína e destruição, fome e espada” (v. 19), formas distintas pelas quais o povo veio a perecer. De modo ainda mais enfático, o verso seguinte diz que “eles jazem à frente de cada rua, como antílope pego numa rede. Estão cheios da ira do Senhor e com a repreensão do seu Deus” (v. 20).

O termo aqui traduzido como “jazem” é o hebraico shakab, que pode significar alguém que está apenas descansando, ou um eufemismo para quem teve relações sexuais (“dormiu” com alguém), ou alguém que jaz morto[29]. Uma vez que o contexto claramente não permite as duas primeiras conotações, a única conclusão que nos resta é a de que aqueles que beberam o cálice da ira de Deus morreram. Outra ocasião em que o cálice da ira é mencionado está em Jeremias, onde Deus diz ao profeta: “Pegue de minha mão este cálice com o vinho da minha ira e faça com que bebam dele todas as nações a quem eu o envio” (Jr 25:15). Então Jeremias pegou o cálice e fez “com que dele bebessem todas as nações às quais o Senhor me enviou” (v. 17).

O que aconteceu com essas nações em decorrência disso? Após os versos 18-26 descreverem que nações eram essas que beberam o cálice da ira de Deus, o verso seguinte diz: “Bebam, embriaguem-se, vomitem, caiam e não mais se levantem, por causa da espada que envio no meio de vocês” (v. 27). Alguém que cai pra não mais se levantar não caiu porque estava bêbado, mas porque morreu. É isso o que acontece com quem é ferido pela espada do Senhor. Por isso a perícope termina descrevendo a morte pela espada de todos os inimigos do Senhor que beberam o cálice da ira:

“Naquela dia, os mortos pelo Senhor estarão em todo lugar, de um lado ao outro da terra. Ninguém pranteará por eles, e não serão recolhidos e sepultados, mas servirão de esterco sobre o solo. Lamentem-se e gritem, pastores! Rolem no pó, chefes do rebanho! Porque chegou para vocês o dia da matança e da sua dispersão; vocês cairão e serão esmigalhados como vasos finos. Não haverá refúgio para os pastores nem escapatória para os chefes do rebanho. Ouvem-se os gritos dos pastores e o lamento dos chefes do rebanho, pois o Senhor está destruindo as pastagens deles. Os pastos tranquilos estão devastados por causa do fogo da ira do Senhor. Como um leão, ele saiu de sua toca; a terra deles ficou devastada, por causa da espada do opressor e do fogo de sua ira” (Jeremias 25:33-38)

Note a incrível semelhança com o texto de Isaías 66:24, que também diz que os mortos no «dia da matança» não teriam seus corpos sepultados, mas seriam “um horror a toda a carne”. Ambos os textos descrevem o mesmo evento: os inimigos do Senhor que serão exterminados após o juízo final pela espada do Todo-Poderoso. Observe que em Jeremias é dito expressamente que isso acontece após eles beberem do “cálice da ira” do Senhor, e é essa a metáfora que João se apropria em Apocalipse 14:9-11 para descrever o mesmo acontecimento.

Como vemos, a figura do cálice da ira não é citada aleatoriamente por João, mas é extraída diretamente dos textos do Antigo Testamento que descrevem o aniquilamento dos ímpios, seja nesta vida ou após o juízo final. Talvez nenhum texto seja mais enfático quanto a isso do que Obadias 16, onde Deus diz: “Assim como vocês beberam do meu castigo no meu santo monte, também todas as nações beberão sem parar. Beberão até o fim, e serão como se nunca tivessem existido” (Ob 16). O que acontecerá às nações que beberão o cálice? Continuarão existindo para sempre em tormentos sem fim? Ao contrário, serão como se nunca tivessem existido, uma descrição perfeita de alguém que é aniquilado e não mais existe.

O cálice da ira de Deus é “sem mistura”, ou seja, sem diluição, para assegurar seu efeito letal[30]. O veneno era um dos meios mais usados na época para se matar alguém, e por isso era uma metáfora apropriada para descrever o que Deus fará com os ímpios. É inconcebível que João, que conhecia tão bem a linguagem bíblica e as figuras do Antigo Testamento, se expressasse dessa maneira para se referir ao seu oposto: uma existência eterna e sem fim. Isso é zombar da inteligência dos leitores, não apenas de nossos dias, mas sobretudo dos receptores originais.

É curioso notar que João usa a mesma linguagem do cálice para a Babilônia, a “mãe das prostitutas e das práticas repugnantes da terra” (Ap 17:5), que estava embriagada com o sangue dos santos (v. 6). João diz: “Retribuam-lhe na mesma moeda; paguem-lhe em dobro pelo que fez; misturem para ela uma porção dupla no seu próprio cálice (Ap 18:6). O que acontece com a Babilônia quando bebe uma porção dobrada do seu próprio cálice? Continua a viver para sempre? Basta prosseguir a leitura para perceber que é justamente o contrário: “Por isso num só dia as suas pragas a alcançarão: morte, tristeza e fome, e o fogo a consumirá, pois poderoso é o Senhor Deus que a julga” (Ap 18:8).

Assim, vemos que no próprio Apocalipse a figura do cálice se refere à destruição permanente pelo fogo, e não a uma existência sem fim. Da mesma forma que a Babilônia não bebe o cálice e continua existindo para sempre, os ímpios não bebem o cálice para continuar existindo, mas para deixar de existir. Assim como o lago de fogo, o “cálice sem mistura” é mais uma figura que João emprega para retratar o aniquilacionismo dos ímpios, não um sofrimento eterno e consciente.

A segunda metáfora que o texto usa para o aniquilacionismo é a “fumaça que sobe para sempre”. Já vimos que João tirou a linguagem do cálice da ira de vários textos do Antigo Testamento que denotam a morte dos ímpios, mas de onde ele tirou a linguagem da fumaça que sobe para sempre, e qual o seu significado? Uma comparação simples com Isaías 34:10 responde a isso sem abrir margem a dúvidas:

Edom
Ímpios
Nem de noite nem de dia se apagará; subirá para sempre a sua fumaça; de geração em geração será assolada, e para todo o sempre ninguém passará por ela” (Isaías 34:10)
“Será ainda atormentado com enxofre ardente na presença dos santos anjos e do Cordeiro, e a fumaça do tormento de tais pessoas sobe para todo o sempre. Para todos os que adoram a besta e a sua imagem, e para quem recebe a marca do seu nome, não há descanso, dia e noite” (Apocalipse 14:10-11)
Ambos os textos usam a expressão “dia e noite” e falam de uma fumaça que subiria para sempre, mas nós já vimos que a fumaça de Edom não subiu literalmente para sempre, mas queimou por um tempo até consumir completamente a região, e então se extinguiu. Se João recorreu à mesma metáfora de Isaías, a única conclusão intelectualmente honesta e aceitável é que o fogo executa o mesmo papel, não de queimar para sempre, mas de consumir permanentemente. Assim como a figura do cálice sem mistura, a do “fogo que sobe para sempre” tem o mesmo objetivo de retratar o eterno aniquilamento dos ímpios, o que qualquer leitor familiarizado com a linguagem profética do Antigo Testamento compreenderia com facilidade.

Os mesmos imortalistas que usam a linguagem do “fogo que sobe para sempre” em Apocalipse 14:11 como uma “prova” do tormento eterno ignoram completamente o mesmo termo quando empregado em relação à «grande cidade» da Babilônia, que, como vimos, é identificada como Roma (Ap 17:6,9,18). No capítulo 19, João diz que “a fumaça que dela vem sobe para todo o sempre" (Ap 19:3). Nenhum imortalista ousa interpretar esse texto literalmente, porque sabem que uma cidade não pode ser literalmente atormentada para sempre, e tampouco na nova terra haverá uma cidade permanentemente em chamas.

Tanto os que identificam a Babilônia como Roma quanto aqueles que a identificam como Jerusalém (no caso dos preteristas) concordam que o fogo aqui é um símbolo da destruição total da cidade, não um fogo que literalmente nunca se extinguirá. Temos evidência disso na própria descrição que João faz: além da linguagem da “porção dupla” do cálice (Ap 18:6), que já vimos ser uma alusão à morte e não à permanência da vida, João diz que o fogo a consumiria (v. 8) e que ela nunca mais seria encontrada, pois não mais existiria:

“Então um anjo poderoso levantou uma pedra do tamanho de uma grande pedra de moinho, lançou-a ao mar e disse: ‘Com igual violência será lançada por terra a grande cidade da Babilônia, para nunca mais ser encontrada’(Apocalipse 18:21)

Por isso, apesar do verso 7 afirmar que ela sofreria tormento e aflição, seu fim é a total destruição, não uma existência eterna. O fato da mesma linguagem de Apocalipse 14:11 ser usada em Apocalipse 19:3 como referência clara e indiscutível à extinção completa pelo fogo, e não a uma existência sem fim, é mais uma prova inequívoca de que o “fogo que sobe para todo o sempre” denota o aniquilamento dos ímpios, não sua imortalidade.


O “bicho que não morre”

Em conjunto aos textos que falam do “fogo eterno”, “que sobe para sempre” ou “que nunca se apaga”, um outro texto que não sai da boca dos imortalistas é o do “bicho que não morre”, que consta no evangelho de Marcos:

“E, se o teu olho te escandalizar, lança-o fora; melhor é para ti entrares no reino de Deus com um só olho do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno, onde o seu bicho não morre, e o fogo não se apaga”  (Marcos 9:47-48)

Não precisamos explicar a parte do “fogo que não se apaga”, o que já foi feito anteriormente. Mas o que dizer do “bicho que não morre”? Para não criar a teologia do “bicho imortal”, alguns imortalistas chegaram ao ponto de dizer, acredite se quiser, que o “bicho” aqui se refere à alma do indivíduo(!), e portanto a parte que diz que “o seu bicho não morre” deve ser lida como “a sua alma não morre” – pronto, está aí a prova da imortalidade da alma!

Para o azar deles, neste texto Jesus estava aludindo justamente ao texto de Isaías que afirma:

“E sairão, e verão os cadáveres dos homens que prevaricaram contra mim; porque o seu verme nunca morrerá, nem o seu fogo se apagará; e serão um horror a toda a carne” (Isaías 66:24)

Mais uma vez: o que é que os salvos veem ao olhar para os ímpios no geena? Almas desencarnadas queimando fisicamente? Seres imortais sofrendo tormento em um corpo incorruptível? Parece que não. Em vez disso, eles “sairão e verão os cadáveres dos homens” que pecaram contra Deus. Cadáveres, e não pessoas vivas! Pergunta difícil: o que é que come um cadáver? Se você respondeu “vermes”, acertou (já pode até passar no ENEM). O texto é tão óbvio e de simples assimilação que é de se impressionar que alguém consiga o feito de encontrar uma alma viva sendo comida por vermes ali. Devemos lembrar que Jesus dizia essas palavras a um público judeu, que conhecia bem as palavras de Isaías e jamais o interpretaria do modo bizarro como fazem os imortalistas.

O geena, como vimos, era o nome dado ao Vale de Hinom, local situado ao sul de Jerusalém que servia como um verdadeiro “lixão público” onde se deixavam os resíduos e toda a sorte de cadáveres de animais e malfeitores. Ali era aceso um “fogo que não se apagava”, pois estava constantemente aceso para consumir todos os tipos de lixo e carniça que eram ali despejados. Os dejetos que não eram rapidamente consumidos pela ação do fogo eram consumidos pela devastação dos vermes que ali se achavam, que devoravam as entranhas dos cadáveres em um espetáculo verdadeiramente aterrador.

É este o cenário que Isaías contemplava para os ímpios após o juízo final, e do qual Jesus faz menção. Não era um cenário onde almas imortais com corpos ressurretos incorruptíveis eram atormentadas eternamente em meio às chamas, mas onde cadáveres (i.e, corpos de pessoas já mortas, que já foram aniquiladas) são lançados para serem devorados pelos vermes, exatamente como ocorria no Vale de Hinom, que todos os judeus conheciam bem. Evidentemente, essa visão é inteiramente aniquilacionista do início ao fim, e em nada se parece com uma alma imortal em um corpo incorrupto (o que é precisamente o oposto do que ocorria no Vale de Hinom e da imagem que Isaías transmite).

A imagem de cadáveres sendo deixados no Vale de Hinom para servirem de alimento aos animais da terra é expressa também em Jeremias, onde se lê:

“Construíram o alto de Tofete no vale de Ben-Hinom, para queimarem em sacrifício os seus filhos e as suas filhas, coisa que nunca ordenei e que jamais me veio à mente. Por isso, certamente vêm os dias, declara o Senhor, em que não mais chamarão este lugar Tofete ou vale de Ben-Hinom, mas vale da Matança, pois ali enterrarão cadáveres até que não haja mais lugar. E os cadáveres deste povo servirão de pasto às aves dos céus e aos animais da terra; e ninguém os espantará(Jeremias 7:31-33)

Note que em Jeremias há a mesma ideia básica do texto de Isaías citado por Jesus: ambos falam dos ímpios no Vale de Hinom (geena), ambos os descrevem como cadáveres e ambos dizem que seus corpos são comidos por animais. Mais do que isso, ambos destacam o fato de que os bichos não sairão dali até que terminem todo o trabalho (Isaías e Jesus dizem que “o bicho não morrerá”, e Jeremias diz que “ninguém os espantará”). No entanto, está claro que o que os animais comem não é uma alma imortal ou um corpo incorruptível, mas meros cadáveres de gente que pereceu no «vale da matança» (que não leva esse nome por acaso).

No próprio livro de Isaías há uma passagem menos conhecida, mas que transmite a mesma ideia do capítulo 66:

“Ouçam-me, vocês que sabem o que é direito, vocês, povo que têm a minha lei no coração: Não temam a censura de homens nem fiquem aterrorizados com seus insultos. Pois a traça os comerá como a uma roupa; o verme os devorará como à lã. Mas a minha retidão durará para sempre, a minha salvação de geração a geração” (Isaías 51:7-8)

A descrição não deixa margem para dúvidas: o verme que devora o cadáver dos ímpios o devora literalmente, da mesma forma que a traça come uma roupa. Não há espaço aqui para um corpo incorruptível que não pode ser devorado literalmente. O contraste no verso final deixa claro que os homens ímpios não duram (justamente porque morrem e são comidos por vermes), diferente da retidão de Deus, que dura para sempre. Todo o quadro apresentado nos textos bíblicos é de um cadáver sendo devorado por bichos, não de uma alma imortal ou de alguém vivo e consciente sofrendo em meio às chamas e vermes.

O texto de Marcos 9:44 é inclusive mais incisivo quanto a isso, pois enquanto o hebraico usa o termo towla, que se aplica a qualquer tipo de larva, o grego de Marcos usa o termo skolex, que diz respeito especificamente ao tipo de verme que depreda cadáveres, como atesta a Concordância de Strong:

4663 σκωληξ skolex
de derivação incerta; TDNT - 7:452,1054; n m
1) verme, especificamente aquele tipo que depreda cadáveres.

Portanto, Jesus nada mais estava senão aludindo a um texto muito conhecido de Isaías em que cadáveres são comidos por vermes (que é o que acontece a um cadáver). E embora o texto diga que o bicho-skolex “não morre”, isso deve ser entendido no mesmo sentido hiperbólico do próprio “fogo que não se apaga”, mencionado imediatamente em seguida. O sentido é de que o bicho não morre até que o cadáver seja totalmente consumido, e não que o bicho tem uma vida eterna. Todo o contexto da passagem de Marcos é marcadamente hiperbólico (um estilo de linguagem baseado no exagero), pois fala de alguém entrando no Reino de Deus aleijado e sem olho:

“Se a sua mão o fizer tropeçar, corte-a. É melhor entrar na vida mutilado do que, tendo as duas mãos, ir para o inferno, onde o fogo nunca se apaga, onde o seu verme não morre, e o fogo não se apaga. E se o seu pé o fizer tropeçar, corte-o. É melhor entrar na vida aleijado do que, tendo os dois pés, ser lançado no inferno. onde o seu verme não morre, e o fogo não se apaga. E se o seu olho o fizer tropeçar, arranque-o. É melhor entrar no Reino de Deus com um só olho do que, tendo os dois olhos, ser lançado no inferno, onde o seu verme não morre, e o fogo não se apaga” (Marcos 9:43-48)

Por acaso alguém acredita que no céu haverá caolhos, manetas e pernetas? Pois deveriam, se tomam o texto ao pé da letra sem reconhecer o seu caráter obviamente hiperbólico. A ironia é que os próprios imortalistas reconhecem que ninguém estará mutilado no céu, mas, misteriosamente, ao chegar na parte do “bicho que não morre” e do “fogo que não se apaga”, interpretam literalmente sem hipérbole alguma, tamanho o despreparo e o desespero em se encontrar na Bíblia qualquer mínimo indício da horrenda e diabólica doutrina do tormento eterno.

A maioria deles também reconhece que os animais não são imortais por não possuírem uma “alma imortal”, mas subitamente a coisa muda de modo sinistro em relação ao tal “bicho que não morre”, tudo para sustentar o argumento de que as pessoas ficarão a eternidade toda sendo comidas por vermes no geena (já que não faz sentido interpretar o trecho do “fogo que não se apaga” literalmente e a parte anterior do bicho hiperbolicamente). Não há nada que não mude conforme a conveniência para salvar uma crença frágil, fraca e pouco séria, cujos argumentos infantis jogam os princípios mais básicos da hermenêutica na lata do lixo. Se existe uma coisa imortal na teologia imortalista não é a alma, mas a desonestidade intelectual de seus proponentes.


Daniel 12:2 e o “desprezo eterno”

O texto de Isaías ajuda a entender um outro texto que às vezes também é usado em defesa do tormento eterno: o de Daniel 12:2, que diz que os justos ressuscitam para a vida eterna, e os ímpios para a vergonha e o desprezo eterno. O apologista imortalista Robert Peterson argumenta que “enquanto os salvos serão ressuscitados para uma vida que não tem fim, os ímpios serão ressuscitados para a desgraça infindável”[31], mas não consegue provar que essa “desgraça infindável” se refere a um sofrimento consciente (o mesmo que fazem com Mateus 25:46, assumindo a priori que a punição se refere ao tormento, num típico exemplo de eisegese que reflete as convicções prévias do intérprete).

O texto de Daniel 12:2 está diretamente associado a Isaías 66:24, pois o termo hebraico utilizado em ambos os textos é o mesmo (deraon, que é traduzido como “horror” no texto de Isaías e por “desprezo” em Daniel). Em Isaías, deraon é usado para descrever o sentimento de repugnância causado pelos cadáveres insepultos e comidos por vermes, e não há qualquer razão para pensar que Daniel tivesse outra concepção em mente. Ao usar o mesmo termo empregado por Isaías, ele estava aludindo ao mesmo destino, onde o “desprezo” está relacionado à decomposição dos corpos, não a um tormento consciente. Em outras palavras, enquanto os justos tem como recompensa uma vida gloriosa e digna que dura para sempre, os ímpios tem um fim vergonhoso e ignóbil, uma morte repulsiva da qual jamais voltarão.

É curioso notar que o mesmo Manual de Disciplina encontrado entre os rolos de Qumran, que diz abertamente que os ímpios serão exterminados (1QS 2:4-8), também declara:

“E quanto à visitação de todos quantos caminham nesse espírito de perversidade, consiste de uma abundância de golpes administrados por todos os anjos de destruição no abismo eterno pela furiosa ira do Deus de vingança, de infindável horror e vergonha sem fim, e de desgraça da destruição por fogo da região das trevas. E todo o seu tempo de era em era na maior angústia e amarga desgraça, em calamidades de escuridão até que sejam destruídos com nenhum deles sobrevivendo ou escapando(1QS 4:11-14)

Note que o texto fala de «infindável horror e vergonha sem fim», que é exatamente o mesmo expresso por Daniel. No entanto, o horror (deraon) e a vergonha eternos não são entendidos como um tormento eterno, mas, ao contrário, como a consequência da destruição pelo fogo da qual nenhum ímpio sobreviverá ou escapará. Isso corrobora o fato de que a linguagem de “vergonha e desprezo eterno” não tinha entre os judeus da época a conotação de um sofrimento sem fim, mas de uma morte em desonra (que durará para sempre).

Para os judeus, assim como para qualquer um do mundo antigo, não havia vergonha maior do que morrer de forma indigna, como o ímpio rei Jeorão, que “morreu sofrendo dores horríveis” (2Cr 21:19) e “seu povo não fez nenhuma fogueira em sua homenagem, como havia feito para os seus antepassados” (v. 19). “Morreu sem que ninguém o lamentasse” (v. 20), e foi sepultado fora do túmulo dos reis (v. 20). Isso era sofrer uma morte vergonhosa, o que no caso dos ímpios após o juízo final é agravado pelo horror aos seus corpos em decomposição, dilacerados pelos vermes. Nada que pudesse ser melhor descrito como uma vergonha e um desprezo sem fim.

Um salmo que expressa bem essa condição é o Salmo 52, que Daniel certamente conhecia bem. Como já vimos, os salmos unanimemente descrevem o destino final dos ímpios como uma aniquilação irreversível, quando os ímpios serão completamente consumidos pelo fogo devorador (Sl 21:9), serão exterminados” (Sl 37:9) e “deixarão de existir” (Sl 37:10). O mesmo salmista declara que os ímpios serão destruídos para sempre, quando forem eliminados do mundo dos vivos, tornando-se motivo de escárnio para os justos:

“Amas todas as palavras devoradoras, ó língua fraudulenta. Também Deus te destruirá para sempre; arrebatar-te-á e arrancar-te-á da tua habitação; e desarraigar-te-á da terra dos viventes. E os justos o verão, e temerão, e se rirão dele, dizendo: Eis aqui o homem que não pôs a Deus por sua fortaleza; antes, confiou na abundância das suas riquezas e se fortaleceu na sua maldade” (Salmos 52:4-5)

A simetria com Daniel 12:2 está acima de qualquer dúvida: ambos os textos falam dos ímpios sofrendo escárnio ou desprezo, e ambos os textos usam o advérbio owlam (traduzido como “para sempre” ou “eterno”). No entanto, note como o salmista definitivamente não entende essa condição como um tormento eterno, mas sim como uma destruição eterna. O desprezo que os ímpios sofrem não decorre de um sofrimento consciente no inferno nem faz acepção a isso, mas sim ao fato de serem excluídos da “terra dos viventes” e se tornarem motivo de escárnio para os justos, devido à sua morte indigna. Não temos razão nenhuma para pensar que Daniel tivesse outra concepção em mente, que destoasse de todo o padrão da Escritura que ele conhecia e da literatura judaica.


Considerações Finais

Como vimos, os poucos textos usados pelos imortalistas para encontrar um tormento eterno na Bíblia se baseiam em análises superficiais, interpretações débeis ou traduções defeituosas, que não resistem a uma exegese simples. De fato, como vimos no capítulo anterior, a Bíblia ensina a verdade de que os ímpios serão castigados por um tempo proporcional aos seus pecados, ao mesmo tempo em que diz que eles serão por fim destruídos. Mas os textos usados na tentativa de enxergar nas Escrituras um tormento eterno tratam em realidade da morte eterna, que, como vimos, é um conceito diametralmente antagônico ao do tormento eterno, e respaldado do Gênesis ao Apocalipse.

De certa forma, não deixa de ser impressionante que em toda a Bíblia, composta por 66 livros e mais de mil capítulos, não haja nada a mais que meia dúzia de textos usados em favor da doutrina do sofrimento eterno no inferno. Quanto aos dois principais, um fala da pena capital (kolasin) eterna e não de um tormento eterno (Mt 25:46), e no outro o próprio autor explica a metáfora do lago de fogo como uma referência à segunda morte (Ap 20:10-14). Eles se somam à hipérbole do “bicho que não morre” (Mc 9:44), cujo contexto diz respeito a cadáveres consumidos por vermes, e a um conjunto de textos que falam de um “fogo que não se apaga” (Mc 9:48; Mt 3:12; Lc 3:17), expressão essa que em toda a Escritura é usada sempre e somente para se referir a qualquer coisa que tenha sido completamente consumida pelo fogo a ponto de ser extinta para sempre.

É o tipo de doutrina que seria facilmente desacreditada com escárnio e sem delongas, se não fosse pelo fato de ser defendida por grande parte da Cristandade, desde muito. Como eu já disse certa vez, uma idiotice não deixa de ser idiotice por ser defendida pela maioria, mas o fato de ser defendida por uma maioria dá ares de credibilidade que ela não merece, e que tampouco teria se não fosse por isso. Não importa o quão ilógica ou indecente uma proposição seja: se ela for apoiada por uma maioria, magicamente se torna uma crença lógica e sensata na cabeça das pessoas – que, não obstante, irão ridicularizar coisas muito menores se apoiadas por uma minoria.

Um erro crido por pouca gente é apenas um erro, mas um erro crido por muita gente e passado adiante pelas gerações vira tradição e ganha o status de verdade. É por isso que ao longo dos séculos a humanidade tem a mania de acreditar em tantas coisas burras, que eram levadas a sério pelo simples fato de serem a crença geral, impulsionadas pelo comportamento manada de concordar com tudo o que a maioria acredita, para ser aceito no grupo. Foi por essa mesma razão que muitos judeus criam em Cristo mas se recusavam a reconhecer publicamente, temerosos do que os fariseus e outras pessoas iriam pensar, preferindo a glória dos homens à glória de Deus (Jo 12:43).

Diante disso, tudo o que lhes resta são sofismas travestidos de “argumentos filosóficos” ainda mais fáceis de se derrubar, como veremos no capítulo seguinte.

• Compartilhe este artigo nas redes:

Por Cristo e por Seu Reino,


- Siga-me no Facebook para estar por dentro das atualizações!


- Baixe e leia os meus livros clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.




[1] ALFORD, Henry. Apocalypse of John in the Greek Testament. Chicago: Moody Press, 1958. v. 4, p. 367.

[2] #2851 da Concordância de Strong.

[3] LIDDELL, Henry George; SCOTT, Robert. Greek-English Lexicon. Londres: Clarendon Press, 1966, p. 971.

[4] KITTEL, Gerhard. Theological Dictionary of the New Testament. Grand Rapids: Eerdmans, 1965. v. 3.

[5] YOUNG, Robert. Young’s Analytical Concordance. Nashville: Thomas Nelson Incorporated, 1879, p. 995.

[6] #2849 da Concordância de Strong.

[7] #2849 da Concordância de Strong.

[8] BACCHIOCCHI, Samuele. Imortalidade ou Ressurreição? Uma abordagem bíblica sobre a natureza humana e o destino eterno. São Paulo: UNASPRESS, 2007, p. 201.

[9] #931 da Concordância de Strong.

[10] RINALDI, Natanael. Imortalidade Condicional ou Sono da Alma. São Paulo: Vida Cristã, 2019, p. 101.

[11] Aelian, 7, 15.

[12] #4098 da Concordância de Strong.

[13] #622 da Concordância de Strong.

[14] BACCHIOCCHI, Samuele. Imortalidade ou Ressurreição? Uma abordagem bíblica sobre a natureza humana e o destino eterno. São Paulo: UNASPRESS, 2007, p. 200.

[15] GEISLER, Norman; HOWE, Thomas. Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e “Contradições” da Bíblia. São Paulo: Mundo Cristão, 1999, p. 382.

[16] ATKINSON, Basil F. C. Life and Immortality: An examination of the nature and meaning of life and death as they are revealed in the Scriptures. Taunton: Goodman, 1969, p. 101.

[17] BACCHIOCCHI, Samuele. Imortalidade ou Ressurreição? Uma abordagem bíblica sobre a natureza humana e o destino eterno. São Paulo: UNASPRESS, 2007, p. 209.

[18] FORD, J. Massyngberde. “Revelation: Introduction, Translation and Commentary”. In: The Ancor Bible. Nova York: Doubleday, 1975, p. 393.

[19] McNAMARRA, M. The New Testament and the Palestinian: Targum to the Pentateuch. Roma: Pontifical Biblical Institute, 1966, p. 117.

[20] ibid, p. 123.

[21] #2342 da Concordância de Strong.

[22] Disponível em: <http://www.lucasbanzoli.com/2018/09/seria-uniao-europeia-o-novo-imperio.html>.

[23] #2719 da Concordância de Strong.

[24] De acordo com Apocalipse 16:16, onde o termo “Har Meggido” (vale do Megido) é erroneamente traduzido como “Armagedom” (a tradução de uma transliteração grega que acabou criando um lugar novo no imaginário popular).

[25] Para ser mais preciso, quando João fala das “nações que estão nos quatro cantos da terra, Gogue e Magogue” (Ap 20:8), ele provavelmente se referia a dois extremos geográficos, assim como quando o Antigo Testamento usava a expressão “de Dã a Berseba” (cf. 1Sm 3:20; 2Sm 3:10; 1Rs 4:25, etc) para designar toda a extensão da terra de Israel (Dã ficava no extremo norte, e Berseba no extremo sul). Como João estava falando das nações “dos quatro cantos da terra”, que é uma expressão usada para se referir a toda a extensão do planeta, é de se supor que Gogue se localize num extremo geográfico, e Magogue no outro extremo. A mensagem principal que o texto quer passar é que Satanás irá reunir os ímpios ressuscitados de todas as regiões da terra para a batalha final contra o Cordeiro e os santos, onde serão definitivamente exterminados pelo fogo consumidor enviado por Deus (Ap 20:9). Diferente da batalha do Armagedom (Ap 19:19-21), que ocorre ao final da grande tribulação e antecede o milênio, aqui não há uma “batalha” propriamente dita, já que as legiões de Gogue e Magogue são devoradas pelo fogo sem que haja combate corpo a corpo.

[26] BACCHIOCCHI, Samuele. Imortalidade ou Ressurreição? Uma abordagem bíblica sobre a natureza humana e o destino eterno. São Paulo: UNASPRESS, 2007, p. 224.

[27] ibid, p. 191.

[28] BRITO, Azenilto. Nota do tradutor. In: BACCHIOCCHI, Samuele. Imortalidade ou Ressurreição? Uma abordagem bíblica sobre a natureza humana e o destino eterno. São Paulo: UNASPRESS, 2007, p. 241.

[29] #7901 da Concordância de Strong.

[30] BACCHIOCCHI, Samuele. Imortalidade ou Ressurreição? Uma abordagem bíblica sobre a natureza humana e o destino eterno. São Paulo: UNASPRESS, 2007, p. 204.

[31] PETERSON, Robert A. Hell on Trial: The case for eternal punishment. Phillipsburg: Nova Jersey, 1995, p. 36.


ATENÇÃO: Sua colaboração é importante! Por isso, se você curtiu o artigo, nos ajude divulgando aos seus amigos e compartilhando em suas redes sociais (basta clicar nos ícones abaixo), e sinta-se à vontade para deixar um comentário no post, que aqui respondo a todos :)  

200 comentários:

  1. Relançamento? Uhuuu esse livro foi muito importante pra mim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, tinha muita coisa a melhorar da versão anterior, desde a linguagem até os argumentos que podiam ser aprimorados, e conteúdos novos que não constavam naquela edição. Se você gostou daquela versão então não pode perder essa :)

      Excluir
  2. Comente:

    https://thatswhatshehad.com/russian-villains-stranger-things/

    Certa vez, enquanto eu estava na escola minha professora de história falou da figura do "russo malvado" de Hollywood como um exemplo do imperialismo cultural americano e também que os EUA usam essa imagem como uma espécie de "doutrinação ideológica".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os russos faziam a mesma coisa com os americanos na Guerra Fria, retratando-os como os "vilões" em seus filmes e obras, a diferença é que a produção artística dos russos era um lixo em comparação com a americana, então quase ninguém ficou sabendo. Sem falar que hoje em dia com o politicamente correto é quase impossível fazer um vilão de cinema, porque virou tudo um mimimi: se o vilão for russo é xenofobia, se for muçulmano é islamofobia, se for gay é homofobia, se for negro é racismo, e assim por diante. Praticamente todos os vilões tem que ser obrigatoriamente homens brancos cisgênero (e de preferência cristãos), senão a patrulha do politicamente correto vai acusar de tudo que é coisa.

      Excluir
    2. Putin é o maior vilão russo da atualidade https://g1.globo.com/mundo/noticia/2020/08/24/hospital-afirma-que-opositor-russo-apresenta-sinais-de-envenenamento.ghtml e o pior que há cristãos que apoiam seu governo só por ele ser contra a agenda LGBT

      Excluir
    3. Concordo plenamente com você Gabriel. Aliás apoiar o Putin (que é um Ditador mal-caráter da pior espécie) só porque ele é contra a agenda gay é uma coisa burra, por que até mesmo Fidel Castro (outro ditador comunista mal-caráter) era contra a agenda gay e o Governo Chinês (que também é uma ditadura comunista da pior espécie) fortemente desestimula a homossexualidade na China, embora oficialmente não se posicione contra ou à favor à agenda gay. Aliás o Putin é só mais um comunista (ex-agente da KGB) que se traveste de "conservador" para ludibriar o ocidente, uma vez comunista, comunista sempre!

      Excluir
  3. Comente esse meme socialista:

    https://pics.onsizzle.com/Facebook-8b23bf.png

    Segundo eles, no capitalismo também há filas para pães e também propagandas consumistas, coisa que segundo eles os socialistas eram mais "humanos" nesse quesito, pois segundo eles: sim até tinha filas para pães nos países socialistas, mas só quando estavam em crise, pois quando prosperavam havia comida pra todos e não haviam propagandas consumistas incentivando os pobres à comprar, o que é "desumano" segundo eles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O engraçado é que é uma foto EM PRETO E BRANCO de uns trocentos anos atrás, porque era o único jeito deles conseguirem encontrar fila para pão em um país capitalista, enquanto as filas pra comprar comida nos países socialistas ocorrem todos os dias até hoje.

      Excluir
    2. Da Grande Depressão ainda, que aconteceu há quase 90 anos atrás e antes dessa crise em decorrência da Pandemia de Coronavírus (que trouxe níveis de crescimento compatíveis à Crise de 1929), ou seja, enquanto no Capitalismo tivemos que esperar quase 100 anos para ter uma crise quase equiparável à Crise de 1929, no Socialismo essas crises acontecem o tempo todo.

      Excluir
    3. Pois é. O capitalismo tem crises, mas o socialismo é em si mesmo uma crise.

      Excluir
  4. I am not convinced by these kinds of arguments. I must disagree with this article.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Which part did you disagree with and why? Give your arguments, I'm interested.

      Excluir
  5. Lucas, como eu posso fala com meu sobre masturbação no caso o vicio q ele tem e pra convece ele a nois doi tenta sai dese vicio junto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu respondi isso recentemente aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2020/08/confira-live-sobre-inquisicao-e-o.html?showComment=1597278770010#c5695874088278157500

      Pode simplesmente reproduzir as minhas palavras para o seu amigo.

      Excluir
  6. Bom dia. Tenho algumas considerações:
    (1) Em Lucas 2, vemos Maria and José levando Jesus ao templo com 40 dias, para a purificação (Levíticos 12). Nesse episódio sabemos das condições financeiras da família, já que oferecem duas rolinhas (pombas), em vez de carneiro e a ave, para os que pudessem. Ou seja, estavam sem grana. Isso indica que nessa época eles ainda não tinham sido visitados pelos magos, que tinham trazido ouro. Se tivessem o ouro já antes de irem ao templo, a oferta seria a oferta normal, e não a dos pobres. Faz sentido isso?

    (2) A estrela então que os magos viram podia ser alguma que durou o tempo necessário para que guiasse os magos (Mateus 2) e não uma supernova explodindo que pudesse ser vista durante o dia. Apenas quem entendesse da coisa, como astrólogos (não o de Virgínia) poderia sacar o evento. E como vieram do Oriente, poderiam ter levando meses se preparando para a viagem, semanas viajando e poderiam ter visitado Jesus quanto ele tivesse meses ou até mais de um ano de idade, e não necessariamente na manjedoura, como nos cartões postais. Pelo menos, se a conclusão anterior for verdadeira, Jesus teria no minimo 40 dias de idade, isso se a família dele tivesse voltado no mesmo dia de Jerusalém para Belém, percurso que levava dias. Faz sentido?

    (3) Quando os magos depois foram embora por outro caminho sem avisar Herodes, poderia ser que tivesse levado semanas ou meses depois da primeira visita deles a Herodes para Herodes então perceber que não receberia feedback dos magos a respeito do encontro com a criança. Vamos supor que os magos na primeira visita tivesse dito: 6 meses atrás vimos a estrela do nascimento do Messias, e estamos procurando a cidade. Aí da primeira visita até a conclusão de que eles escaparam por outro caminho pode ser que tenha passado uns 3 a 6 meses, então ele fica furioso e manda matar as crianças, e por precaução manda matar as que tinham de 2 anos para baixo. Faz sentido?

    (4) Vamos supor que Maria e José foram pra o Egito assim que os magos partiram por outro caminho, isso deu tempo para que eles usassem o ouro para preparar a viagem e se manter no Egito, então puderam ir com segurança, saindo de noite para não chamar tanta atenção e ir em paz. Digo isso pq não me lembro se nos Evangelhos tem que eles saíram correndo, tipo os soldados de Herodes batendo na porta da frente e eles fugindo pelas portas do fundos, como vi num seriado. Até pq o relato é que eles saíram durante a noite, ligando o modo stealth. Faz sentido?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, quando os magos visitaram Jesus ele já tinha cerca de dois anos de idade, o que pode ser depreendido tanto pelo tempo médio de uma viagem tão longa acompanhando o movimento da estrela, como também das palavras de Herodes (de matar todos os meninos de dois anos para baixo). Mas como a tradição tende a distorcer tudo, criou a ideia de que os magos visitaram Jesus na manjedoura (e não só isso, como também que eram três e que eram reis, daí "os três reis magos", quando a Bíblia fala apenas de "uns magos do Oriente"). Por isso o papel de um teólogo é desfazer as badernas que a tradição criou, e não de reforçá-la, como fazem os dogmáticos.

      Excluir
  7. Lucas, o que pensa á respeito do aborto voluntário em caso de estupro? É legítimo? Deixa de ser assassinato?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acho que seja, até porque o feto não tem culpa por aquilo que aconteceu. Pra mim o único caso legítimo é quando a vida da mulher está em risco (como nesse caso recente da menina de dez anos), porque neste caso é vida por vida e a vida da mulher tem preferência.

      Excluir
    2. vc acha realmente que a vida da menina estava em risco? Nao foi o que uma junta medica disse. Alem disso, da pior forma possivel, ela deu a luz. Mas nao a um bebe que poderia ser dado em adoçao e ser amado, mas a restos mortais de uma vitima de assassinato.

      Excluir
    3. Isso não é verdade, nem faz sentido. Uma menina de dez anos não tem estrutura biológica para aguentar um parto, mesmo que isso possa acontecer a chance de morrer é muito alta. Não sei em qual das bilhões de fake news bolsonaristas você se baseia para dizer que não havia risco, mas o próprio médico responsável pelo procedimento disse que o risco era grande:

      https://tribunaonline.com.br/risco-do-aborto-era-menor-que-o-parto-explica-medico-sobre-menina-de-10-anos

      https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/rfi/2020/08/17/parto-representaria-mais-riscos-a-saude-de-menina-de-10-anos-vitima-de-estupro-do-que-aborto-seguro.htm

      O pior é que ainda havia o risco de ambos morrerem (a menina e o bebê) se o aborto não fosse realizado para salvar a vida da mãe, o que é muito comum em se tratando de gravidez extremamente precoce como neste caso. Ser "pró-vida" não é apenas ser a favor da vida intrauterina, mas também da vida fora dela.

      Excluir
  8. https://ndmais-com-br.cdn.ampproject.org/v/s/ndmais.com.br/seguranca/policia/os-episodios-envolvendo-lideres-das-tres-maiores-religioes-do-brasil-abalam-a-fe/amp/?amp_js_v=a3&amp_gsa=1&usqp=mq331AQFKAGwASA%3D#referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s&ampshare=https%3A%2F%2Fndmais.com.br%2Fseguranca%2Fpolicia%2Fos-episodios-envolvendo-lideres-das-tres-maiores-religioes-do-brasil-abalam-a-fe%2F

    Lucas, mesmo q catolicos e espiritas possam ser considerados como nao cristaos, eles ainda sao uma boa parte da qual o povo btasileiro ve como tal, vc acha q os casos descritos podem vir a abalar a fe d mt gente q depositava ela n nas doutrinas mas nas pessoas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De certa forma mancha a imagem sim, é só ver a quantidade de ateus e irreligiosos que atacam o Cristianismo por coisas que não tem nada a ver com os evangélicos (Inquisição, cruzadas, venda de indulgências e etc), embora com a ascensão do neopentecostalismo a gente nem precise dos católicos pra manchar a nossa imagem.

      Excluir
  9. Comente:

    https://www.huffingtonpost.co.uk/entry/cancel-culture-political-correctness_uk_5f0856d0c5b6480493ce9ec0?guccounter=1&guce_referrer=aHR0cHM6Ly93d3cuZ29vZ2xlLmNvbS5ici8&guce_referrer_sig=AQAAAIZtzKgTKPpMo_4fEkeVxCPCVeQcxx90G0vMqvEBX_UnmlshQ978k07OR5IpWrNJJs5yKDxl0PklqOjvgC6RCt6_sg_dkuAT1KYPtRctRFlxYHX_8LIsUTRJRb-HYDTDx2YBiD8-lGNeRG83GMZJ-QmxUEuhoWu4_SS8JXRN4Vpf

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O artigo é muito genérico, de qual "correção política" estão falando? Há algumas coisas que precisam ser corrigidas mesmo e faz parte da evolução da consciência humana, mas outras são pura frescura e babaquice sem a menor necessidade (como transformar "todos" em "tod@s" ou "todxs", para não "ofender" as mulheres...).

      Excluir
  10. Comente:

    https://www.youtube.com/watch?v=Tz86H78BdKY

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu infelizmente não disponho de tempo para comentar vídeos, a não ser que sejam vídeos muito curtos mesmo, inferiores a 5 minutos.

      Excluir
    2. Pois bem pra resumir nesse vídeo o Wagner do Canal Tragicômico mostra o que a imprensa não mostrou à respeito do histórico criminal de George Floyd e que segundo ele não foi o Derek Chauvin o responsável pela morte dele:

      Ele mostrou que o George Floyd tem um extenso histórico criminal: que ele foi condenado por assalto à mão armada, que ele apontou uma arma pra cabeça de uma gestante, de que ele era acusado de narcotráfico e que entre 2009 e 2014 ele esteve preso pelo crime de assalto à mão armada, e que quando saiu da cadeia em 2014 ele se mudou para Minneápolis onde tudo começou.

      Além disso, segundo ele no vídeo dá pra ver claramente que o mesmo estava sob efeito de drogas (e que isso foi depois revelado na autópsia que ele era viciado em drogas) e que pelo fato do policial não poder imobilizar ele com arma de choque ele se ajoelhou no chão e pra imobilizar, ele chega à admitir que houve excesso desse "policial", mas que a culpa da morte foi inteira do George por estar sob efeito de drogas.

      Excluir
    3. É muito ridículo dizer que o policial imobilizou ele daquele jeito por QUINZE MINUTOS só porque supostamente não conseguia imobilizá-lo com a arma de choque, só alguém muito imbecil acreditaria numa narrativa dessas. Dá pra ver que haviam vários policiais ali, eles facilmente conseguiriam imobilizar o homem sem a necessidade de agir daquele jeito, bastava algemá-lo e pronto, o cara já estava rendido, nem respirar conseguia, muito menos reagir. Esse canal "Tragicômico" é de péssima qualidade, todos os vídeos que eu já vi dele (vídeos que me passaram, porque eu nunca tive o desprazer de assistir um voluntariamente) são conteúdos de extrema-direita, sensacionalistas ou conspiracionistas, endossando narrativas absurdas baseadas em preconceitos escancarados, é um Bernardo Kuster piorado. Eu tenho repugnância a todo o tipo de gente que ao invés de analisar um fato racionalmente e particularmente, tenta sempre torcer um fato para se adequar a uma ideologia, interpretando-o sob um viés ideológico (não importa se de direita ou de esquerda). Dá pra perceber como ele tenta encaixar tudo sob um viés de extrema-direita, o que o leva a defender coisas absurdas e totalmente sem sentido.

      Excluir
    4. Lucas, se recuse a responder comentários que não tem NADA A VER com o assunto do artigo. Os comentários devem ser outra fonte de informação sobre o tema, esclarecendo outras dúvidas ou argumentos.

      O pior é que chegam assim: Comente. No imperativo. Como assim? Esse pessoal é folgado hein? Eles precisam respeitar o seu tempo. Não podem ficar te alugando dessa forma não.

      Excluir
    5. Eu não vejo problema em comentários fora do tema, até porque nem sempre o tema suscita tantas dúvidas, embora de minha parte eu gostaria que todos lessem o artigo e que comentassem alguma coisa sobre o mesmo, mesmo que seja um comentário breve, para em seguida expor outros assuntos. Mas cada um tem sua própria maneira e eu respeito isso. A única coisa que eu não gosto é de receber comentários pedindo pra comentar vídeos e/ou textos muito longos que eu não tenho como ler/assistir/responder, mas o pessoal já está avisado e já estão respeitando isso.

      Excluir
    6. "O pior é que chegam assim: Comente. No imperativo. Como assim? Esse pessoal é folgado hein? Eles precisam respeitar o seu tempo. Não podem ficar te alugando dessa forma não."

      O Imperativo não necessariamente significa no contexto de uma ordem, o modo imperativo é o modo verbal pelo qual também pode se expressar (além de uma ordem): pedido, desejo, súplica, conselho, convite, sugestão, recomendação, solicitação, orientação, alerta ou aviso. Quando algum leitor pede ao Lucas para que comente um determinado assunto fora do tema do artigo (porque as vezes o tema do artigo em si nem levanta tantas dúvidas) não é (pelo menos não no meu caso, embora eu raramente use o imperativo, pois em 80% dos casos eu inicio como uma conversa normal, pois só uso quando realmente estou com uma dúvida sobre aquele assunto) em tom de ordem ou obrigação, mas sim como um conselho, uma súplica, uma solicitação e (99% dos casos) um pedido, ou seja o leitor apenas faz um simples pedido ao Lucas para que comente sobre aquele assunto, e o Lucas tem pleno direito de comentar como também não, embora da minha parte eu gostaria que ele tivesse todo o tempo do mundo para sanar as dúvidas de todos os leitores.

      E Só pra terminar, quero citar um versículo bíblico:

      "Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça."

      (João 7:24)

      Por favor, eu peço tão encarecidamente ao leitor para que não taxe aos leitores do blog que pedem ajuda ou um conselho ao Lucas de folgados, pois nunca se sabe com quem está falando na internet (pode ser que dentre os leitores do Blog haja algum juiz, promotor ou pessoa que tenha um certo cargo ou influência, pois há muitos evangélicos que são juízes, promotores ou ocupam alguma posição de influência) e taxar todos eles de folgados pode te acatar sérios problemas jurídicos, não estou te ameaçando nem nada (longe disso), apenas estou aconselhando-o amigavelmente para não julgar quem pede ajuda ou um conselho ao Lucas e para que sejas mais prudente para com o próximo, pois nunca se sabe com quem está falando do outro lado no computador. Sou apenas um simples Estudante de Direito que gosta de conversar e dialogar pacificamente com os outros sobre diversos temas e não gosto de recorrer à repressão para impor nada a ninguém, embora na minha profissão terei de lidar com muitos processos judiciais e conflitos. Também sei que o Lucas tem seu tempo, e eu respeito isso, pois nem sempre ele tem tempo de responder às dúvidas dos leitores. Afinal de contas, todos nós temos uma vida fora do Blog. Quanto ao comentário feito pelo Lucas, quero agradecer à ele por sua postura, também quero agradecer por estar sempre respondendo e sanando às minhas dúvidas sejam elas com relação ao tema do artigo ou não. Abraço. Fique com Deus. 🙂💙

      Excluir
  11. Agora quero ver como vai acabar essa treta:

    https://www.youtube.com/watch?v=YKGYx_ZP1Uw

    PS. Estou assistindo à essa treta comendo pipoca com refrigerante diet, se você quiser podemos assistir ela juntos e pedir uma pizza pra podermos ver essa treta que tá boa demais.

    ResponderExcluir
  12. Lucas, quando eu li a bíblia quando eu tinha 12 ou 13 anos, eu era imortalista assim como a maior parte das pessoas, e a primeira vez que eu li (eu li por cima ainda) eu continuei sendo imortalista. Mas depois eu reparei que em gênesis, Deus diz que a punição do pecado seria a morte, e eu nunca entendi isso como morte imediata e Deus sacrifica os animais no lugar da humanidade (e faz as roupas das peles), ou morte espiritual, eu sempre entendi envelhecimento e morte, mas o ser humano tem uma alma imortal, então como funcionaria? Foi ai que eu notei muitas e inúmeras passagens, onde a punição da morte não se encaixa com uma alma imortal que continua consciente após a morte física, isso não fazia nenhum sentido. Outra coisa que eu pensava era daquela que o diabo esta preso no inferno, ou pior, reinando lá e torturando pessoas, mas a bíblia também falava que ele anda por ai, que esta nos "ares e lugares celestes". Eu realmente me surpreendi lendo a bíblia, vi coisas que eu nunca tinha ouvido antes e quase ninguém falava mais, a ressurreição foi esquecida em prol da vida no céu com roupinhas brancas e arpas e auréolas, as punições pelo pecado e a destruição foi substituída por um Deus tirano que tortura pessoas eternamente (hoje já tão mudando, tão dizendo que o inferno não tem torturas nem nada, e sim que é uma punição estar afastado de Deus, mas pra mim não muda nada, é uma existência consciente na qual você esta sofrendo, seja por estar eternamente afastado de Deus ou por torturas mesmo), dentre outras coisas como falar com mortos, espiritismos, reencarnações, e todo tipo de doutrina estranha que surge nas mais variadas religiões (inclusive cristianismo) porque as pessoas falam dessa alma imortal.

    Lucas, pra você quando a igreja ocidental realmente ruiu? Pois desde o século V os cristãos já estavam crendo em intervenção de santos mortos, divinização da Maria e outras coisas, mas qual foi o ponto mesmo, o ano ou década, que caiu tudo? Pelo que vejo foi após o cisma em 1054, pois antes o papa tinha que estar junto aos patriarcas, e já que agora eles se separaram, o papa começou a achar que podia fazer tudo e isso levou a todas as loucuras doutrinarias e morticínio.

    Eu vi recententemente alguns videos de certas igrejas neopentecostais (era no Eua), e algumas tão ruins mesmo, comprova a profecia de que nos últimos tempos as pessoas darão ouvidos a espíritos enganadores. Eles falam sem nenhuma racionalidade, falando palavras vazias e sem contexto como linguás, Deus, batismo do Espirito, mas sem nada pra ensinar e sem coesão, apenas isso mesmo. Fora o maior pecado destas igrejas na minha opinião, que é usar crianças, estas ai apenas ouvem coisas e repetem sem nenhuma racionalidade também (não é culpa delas, afinal são os pais que colocam a criança naquela situação), e o pior é ver o povo aplaudindo, chega a ser perturbador. Talvez o futuro do mundo seja esse, virar ateus secularizados e amantes dos prazeres vaidosos que o mundo hoje oferece, ou virar estes cristãos passivos que muito se ve na Europa, ou seguir esta neopentecostalização do evangelismo, que tira qualquer racionalidade do culto e faz até parecer que o diabo esta se manifestando ali as vezes (aqueles cultos onde as pessoas ficam rindo loucamente por exemplo). Por isso Jesus disse que quem permanecer até o fim será salvo, pois as opções hoje são variadas e não são boas (são ruins aos olhos de Deus, mas bom ao mundo, por isso tanta gente segue).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Comigo foi parecido, a crença na ressurreição foi o grande gatilho, a partir dela eu fui entendendo o quanto a imortalidade da alma é sem sentido e completamente incompatível com a doutrina da ressurreição, que é ofuscada por ela (e por isso mesmo é tão esquecida em nossos dias e colocada às margens das pregações). Mas só quando eu compreendi que o diabo usa o engano da imortalidade da alma como a base de sustento de todas as piores heresias e desvios possíveis (tais como o culto aos mortos, a comunicação com os "espíritos", a reencarnação, a idolatria, a intercessão dos "santos", a reza aos defuntos e assim por diante) é que eu vi o quão urgente e importante é refutar a primeira mentira contada por Satanás (Gn 3:4), que não à toa é a mais importante, a que sustenta todas as outras. E é justamente pelos protestantes serem tão passivos neste aspecto e aceitarem em grande parte este engano diabólico que as doutrinas satânicas que mencionei continuam tão populares até os nossos dias, algumas delas levadas a sério até mesmo por protestantes. Ou seja, nós pagamos o preço por não atacar o âmago do problema, apenas os seus efeitos (que são muitos e quase impossíveis de se lidar um a um).

      2) Foi um processo lento e gradual, não de uma hora pra outra como muita gente pensa (geralmente atribuindo tudo na conta de Constantino, como se Constantino tivesse corrompido toda a Igreja de um dia pro outro sem nada ter havido antes ou depois). Mas se eu fosse obrigado a apontar três momentos mais "cruciais", por assim dizer, seria o início do processo de paganização por Constantino, o Cisma com a Igreja do Oriente em 1054 e o Concílio de Trento do século XVI (que consolidou todas as corrupções anteriores de forma oficial e dogmática). Mas tanto antes como depois desses três acontecimentos mais importantes houve distorções doutrinárias e ensinos estranhos à Bíblia (a infalibilidade papal, por exemplo, só foi aprovada em pleno ano de 1870).

      3) É triste mesmo. Grande parte do câncer que o neopentecostalismo se tornou é devido à influência de pregadores muito famosos nos EUA como Kenneth Hagin, o pai de todas as heresias modernas (não que ele tenha criado todas, mas ele é quem tornou essas aberrações populares). E a partir daí a coisa só foi deslanchando, de mal a pior. Hoje com a internet eu tenho uma leve esperança que melhore, pois as pessoas já tem contato com o outro lado e é muito mais difícil continuar na ignorância desse jeito recorrendo a práticas tão absurdamente antibíblicas. Mas até que isso aconteça, há muito trabalho a ser feito.

      Excluir
  13. Vi agora isso aqui, nessa entrevista com o padre ladrão da um trovão bem alto que dispara os alarmes e até cai um raio, logo depois que fala de Deus, parece até Deus avisando: https://www.youtube.com/watch?v=jvciDrxLFFw

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Independentemente do raio ter sido uma "resposta divina", sabemos bem o que Deus pensa desse padre aí...

      Excluir
  14. jesus nasceu em belém ou nazaré

    ResponderExcluir
  15. http://www.biblicalcatholic.com/apologetics/AnsweringJamesWhite.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. The article is too long to be answered, but the topics he addresses are exactly the same as those I cover in my books "In Defense of Sola Scriptura" and "The Untold Story of Peter" (about the papacy). You can download it from the books page:

      http://www.lucasbanzoli.com/2017/04/0.html

      If you have difficulty with the language, use this site that translates the pdf from any language to another language:

      https://smallpdf.com/pt/blog/traduzir-pdf-para-qualquer-lingua

      Excluir

  16. lucas, algumas pessoas dizem que em joão 1:1 no original o certo seria ´´um Deus´´ e não ´´Deus´´ oque acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As testemunhas de Jeova mudaram este texto na bíblia deles para ficar "um deus", mas isso não o é que estava escrito originalmente. Fora que se Jesus foi só "um deus" contradiziria todos os textos do próprio evangelho de João que ele se iguala ao Pai e até diz que ele é o "Eu Sou".

      Excluir
    2. O grego desse texto não traz o artigo indefinido, então deve ser entendido como "Deus", não como "um deus".

      Excluir
    3. *Só corrigindo: eu fiz confusão sobre o "artigo indefinido". O que eu deveria ter dito é que o grego não tem artigo indefinido, mas neste texto o artigo definido não é usado na parte que diz que "o Verbo era Deus", assim como não é usado na parte inicial que diz que o Verbo "estava com Deus" (e nem por isso as TJ traduzem por "um deus" nessa parte, que se refere ao Pai da mesma forma que a sequência do texto se refere ao Filho). Geralmente quando se quer afirmar que alguém é "divino" ou "semelhante a Deus", usa-se o termo "theios", e não "theos", como consta no texto. Além disso, os linguistas afirmam que a locução "theos en ho logos" significa literalmente "Deus era o Verbo", por isso é corretamente traduzido como "o Verbo era Deus".

      Excluir
  17. https://guiame.com.br/gospel/noticias/evangelicos-sao-multados-por-atividade-missionaria-na-russia.html E o Julio Severo diz que o Putin é um cristão conservador sincero

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daqui a pouco ele vai usar até os países muçulmanos como referencial de "conservadorismo", só porque apedrejam gays.

      Excluir
    2. Banzolao falando nessa questão gay vc acha que alguns cristãos hipervalorizam esse pecado,tratam como se fosse pior que os demais pecados?As vezes me dá a impressão de que em vez de ter matado o marido a Flordelis declarasse que é homossexual esses grandes líderes a detonariam,especialmente o Silas Malafaia,que até agora está calado sobre esse caso

      Excluir
    3. Sim. Não porque a prática homossexual não seja um pecado grave (ela consta na lista de pecados graves que podem levar à condenação, como em 1Co 6:9-10), mas porque certos cristãos focam exclusivamente nisso, como se fosse a única coisa que importasse ou o único pecado que existe.

      Excluir
    4. Mas pq vc acha que muitas vezes há um foco exclusivo nisso?

      Excluir
    5. Isso eu já não sei dizer, teria que perguntar pro Severo ou pro Malafaia...

      Excluir
    6. Interessante é que o Severo critica bastante Arabia Saudita e Turquia exatamente porque eles matam homossexuais mas não são repreendidos. O pensamento resumido do Severo é o seguinte: O ocidente protestante era conservador e cristão até os anos 50 e 60, mas ai o Estados Unidos se tornou corrupto e amante do dinheiro, levando a coisas como aborto, casamento gay, guerras pelo petróleo e todo o resto. A corrupção moral do Eua afetou todo o Ocidente, os países católicos (que o Severo critica bastante também) e protestantes. A Russia depois da guerra fria se levantou como um dos poucos países conservadores cristãos (segundo ele), e como ela não está sobre a influencia da "imoralidade americana" logo ela é atacada constantemente. Então por exemplo, na Russia não existe leis que matam homossexuais (mas a Russia não tolera também), logo, o ocidente moralmente caído ira atacar a Russia, como se eles matassem homossexuais e fizessem outras barbaridades, enquanto isso, Arabia Saudita realmente mata homossexuais mas é bem menos criticada, pois é amiguinha do Eua, e como o Eua não quer nada a não ser dinheiro, ele sempre vai defender seus aliados econômicos, mesmo quando estes fazem aquilo que o Eua diz que é errado (como matar gays). Inclusive o Severo varias vezes cita um livro que não me recordo o nome, na qual diz que os Estados Unidos é a prostituta da babilônia, pois a bíblia diz que a prostituta vive de maneira luxuosa, com grandes riquezas e todos os mercadores do mundo compram (assim como o Eua atual supostamente), e assim como Sodoma e Gomorra foi destruída, Deus usara a Besta para destruir os Estados Unidos (Severo até onde eu sei nunca disse quem ele acha ser a besta). Eu concordo com alguns pontos, principalmente no fato da guerra pelo petróleo e nestas alianças do Eua com países como arabia saudita ser algo terrível, mas o supor foco do Severo em homossexualidade o levou a loucura, tudo que ele escreve atualmente tem menção a gays em algum lugar, como se o mundo fosse uma luta de héteros e gays. Alem disso ele critica bastante os cristãos reformados, segundo ele (o Severo) Calvino o fundador dos reformados foi um homicida que condenou Serveto, eles não creem nos milagres como os pentecostais acreditam (e logo não são tão bons em evangelizar), e segundo Severo eles apoiam bastante ideologias esquerdistas. Ou seja Severo tem uma briga com reformados também (que pra mim é simplesmente ridículo, ele generaliza todas estas características, por exemplo o único setor dos reformados que não creem em milagres são os cessacionistas, todos os demais creem em milagres).

      Excluir
    7. Essa de que os Estados Unidos é a prostituta da Babilônia eu não estava sabendo. Quero ver onde ele vai encaixar os Estados Unidos em sete colinas.

      Excluir
    8. http://juliosevero.blogspot.com/2015/05/destino-manifesto-na-biblia-os-eua-sao.html esse é o artigo que ele explica isso. Encontrei um comentário muito bom nesse artigo, que disse que o EUA não preenche os requisitos das sete colinas ou sete reis. Mas com exceção deste, os outros são um show de horrores, tem um dizendo que as sete colinas é o grupo econômico G7. Outro disse que é o brasil (ele disse que Pedro I é o rei que já esta, e que o Pedro II é o rei que ainda vira, não me pergunte o que ele quis dizer com isso, pois até onde sei estes já morreram a mais de um século, e não pergunte também quem são os cinco que já caíram porque ai ele nem mencionou), e ai ele fala que a monarquia sera restabelecida com o oitavo e ultimo rei. É um ótimo lugar pra dar risadas.

      Excluir
    9. Os cinco reis que já caíram devem ser o Aquaman (rei de Atlântida), o Pantera Negra (rei de Wakanda), Aragorn (rei de Arnor, na Terra Média), o rei Arthur e o lateral Reinaldo, do São Paulo (como o próprio nome diz, trata-se de um rei).

      Excluir
  18. Banzolão a que vc atribui o fato do nível dos políticos evangélicos do Brasil ser tão baixo?

    https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/08/28/pastor-everaldo-e-preso-em-operacao-que-afastou-witzel-do-governo-de-rj.ghtml

    https://istoe.com.br/dentes-de-feliciano-custam-r-157-mil-para-a-camara/
    https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/08/28/flordelis-pede-a-colegas-pelo-amor-de-deus-para-nao-ser-cassada.htm

    Listei alguns escândalos,o mais grave obviamente o da Flordelis,pq envolve homicídio e ela ainda tem a cara de pau de pedir para não ser cassada kkk,em se tratando de Brasil infelizmente não duvido que ela escape,mas eu esperava que os políticos evangélicos,por se proclamarem servos de Deus,defenderem os valores conservadores,teriam um nível melhor,mas vemos que infelizmente são iguais aos demais políticos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque quase todos esses políticos evangélicos que estão em Brasília são neopentecostais (que pregam teologia da prosperidade e são amantes do dinheiro), aí não dá pra esperar muita coisa mesmo. Um político já é extremamente suscetível à corrupção porque diferente do cidadão comum ele tem a oportunidade escancarada diante dele, aí junta isso com um pastor que já é amante das riquezas e o resultado só podia ser esse.

      Excluir
  19. https://diariodopoder.com.br/claudio-humberto-home/exercito-dos-traficantes-no-rio-de-janeiro-ja-e-maior-que-o-efetivo-da-policia-militar
    Lucas, como chegaram nessa situação? Acho q o maior problema n é simplemente ter um efetivo maior q o da PM, mas s c chegar um PCC ou Comando Vermelho da vida e unifica td isso, ae o RJ vira um narco estado. Lucas como reverter isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A curto prazo, o poder público deveria tratar a coisa do jeito que ela é: uma guerra. O exército deveria ser mobilizado junto com a polícia, não apenas do RJ, mas uma força-tarefa que incluísse outras cidades e outras regiões, e os soldados/policiais deveriam ter legalidade para agir como se age em uma guerra, e não ficar de braços atados como estão hoje (porque se erram um tiro e uma bala perdida atinge um cidadão de bem, ele pode ser incriminado e preso por isso, o que não acontece em uma guerra). Além disso, a polícia é instada a não matar, apenas prender, o que lhe dá uma clara desvantagem nessa guerra, justamente porque os criminosos não tem o mesmo escrúpulo que os policiais, eles atiram pra matar e estão nem aí. Pra você ter uma ideia, antes do Witzel assumir, os policiais não podiam nem mesmo abater um bandido com fuzil na mão, o que seria cômico se não fosse trágico. Como vencer uma guerra assim? Obviamente, é impossível. Não à toa, a polícia brasileira é a que mais morre no mundo, em disparado (especialmente a do RJ). E se dependesse da esquerda seria até pior, os policiais iriam combater os bandidos com estilingues.

      O principal problema é justamente esse, o Estado não trata isso como uma guerra, trata isso como se fossem bandidos comuns de rua, por isso a polícia nunca consegue êxito. Enquanto um lado tratar como uma guerra e o outro não, o que está na guerra vai sempre vencer. Para evitar a morte de civis inocentes, o Estado deveria proibir que saíssem de casa por alguns dias, até que a guerra acabasse, e todos os criminosos fossem mortos ou detidos. Sim, é uma posição radical, mas claramente já é nítido para todos que a política "mamão com açúcar" que tem sido implementada desde a época do Brizola (que proibiu a polícia de subir o morro a não ser com mandado) simplesmente não funciona, e não vai funcionar nunca. Se isso fosse encarado como uma guerra, o Estado teria uma enorme vantagem, porque as Forças Armadas de diversos estados poderiam ser mobilizadas para atacar em conjunto, o que não pode ser feito pelos criminosos, que não vão sair de um estado a outro só para ajudar outra facção. Mas isso nunca vai ser feito, porque o Estado insiste em encarar a situação como "prender bandido de rua", perpetuando a violência e as mortes, em vez de encará-la como deve e acabar com isso de uma vez por todas.

      A longo prazo, a solução seria a "desfavelação", porque além dos morros não oferecerem uma vida digna para a população de bem (sempre sujeita a desmoronamentos, a péssimas condições de saneamento e à violência constante), nos morros também é mais fácil para os criminosos se esconderem e tirarem vantagem em confrontos. Lógico que os moradores não seriam simplesmente expulsos sem ter para onde ir, o que seria um crime humanitário. Caberia ao Estado construir casas populares até que cada um deles pudesse viver em outro lugar, de forma mais digna, e proibir novos povoamentos nos morros. Isso não iria acabar com a violência em absoluto, mas iria restringir muito o número.

      Excluir
    2. Eu sugiro ao Rio de Janeiro seguir o exemplo de Medellín https://exame.com/revista-exame/menos-violenta-e-mais-prospera/ ,Medellín entre os anos 80 e 90 era pior que o Rio de Janeiro mais violenta,Pablo Escobar foi o oitavo homem mais rico do mundo,tinha poder político,patrocinava o time de futebol do Atletico Nacional,inclusive montou o time que ganhou a Copa Libertadores de 1989,foi eleito senador,coisa que nenhum narcotraficante carioca conseguiu,nenhum dos chefões do morro do RJ conseguiu expandir sua influência para além de suas comunidades, ocorreu essa união do Exército e das Polícias locais para desmontarem o Cartel de Medellin e matarem o Pablo Escobar,além de outros integrantes,mas mais importante que a vitória militar foi a vitória cultural,foi incutir na cabeça das novas gerações de jovens de família de baixa renda que o crime não era um bom caminho,isso foi feito através das políticas sociais,combinadas com a intensa repressão.

      ´´A explicação para o sucesso de Medellín na segurança pública está numa combinação de coisas que não costumam andar juntas. De um lado, houve uma intensa repressão policial e a aplicação de leis severas. De outro, programas sociais que oferecem uma porta de saída do mundo do crime, com capacitação profissional, renda garantida por tempo determinado e apoio psicológico e social — além da presença tanto do Estado quanto de organizações não governamentais.´´

      Mas no Rio de Janeiro,vc tem de um lado a esquerda lacradora,o Freixo e a turma do PSOL,querem só políticas sociais e não querem polícia no morro,seguem essa linha brizolista e deixam os traficantes fazerem a festa e do outro lado vc tem o bolsonarismo tosco,o candidato bolsonarista vai ser o Rodrigo Amorim,aquele que quebrou a placa da Marielle e ele só quer repressão,não quer políticas sociais,então enquanto não tivermos um equilíbrio,alguém que pense como os governantes de Medellín pensaram,esse problema não será resolvido.

      Excluir
    3. Por isso eu tenho umas críticas a alguns liberais que exageram ao pregar estado mínimo,pq penso que o estado tem um papel essencial para salvar o Rio de Janeiro do poder desses criminosos,tanto no combate ao narcotráfico,papel da PM e de outras forças militares auxiliares,como na prevenção ao crime através de políticas sociais,foi o que foi implantado em Medellin e não só em Medellin,mas posteriormente em toda a Colômbia através do governo de Álvaro Uribe,o Uribe sempre foi bem duro com o crime organizado,não só com os cartéis de drogas,mas com as FARC tbm,teve um papel fundamental para reduzir o poder dessa guerrilha.

      Excluir
    4. Excelente exemplo. As duas coisas andam de mãos dadas.

      Excluir
  20. https://youtu.be/YSg9TmtnFK4

    Gostei do vídeo do Leandro. Mas na parte que ele falou sobre Deuteronómio 22:28 e 29 da pra perceber que ele não leu o post do Lucas sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  21. lucas , você ja viu o novo argumento dos neo ateus? eles dizem que o universo se criou sozinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse argumento não é novo, ele existe desde que eu me entendo por gente, mas já foi refutado há muito tempo.

      Excluir
  22. Lucas, em alguns textos o Anjo do Senhor parece desta forma, mas em outros textos que citam o mesmo evento (a destruição de Jerusalém na época de Davi, e a destruição do exército assirio, comparando Samuel, Reis e Cronicas) aparece apenas um anjo. E segundo uma interpretação comum O Anjo do Senhor é o próprio Deus Filho (antes de ser Jesus) e não um outro anjo qualquer, como conciliar os textos?

    O capitão que Josué encontra é o Anjo do Senhor ou Miguel? Normalmente aqueles que acreditam que Jesus é Miguel apontam este texto pra dizer que Jesus e Miguel são o mesmo, isso porque o personagem em questão é o príncipe do Exército do Senhor, uma descrição semelhante a Miguel em alguns textos, mas Josué o adora e não é repreendido (que aconteceu com João ao adorar um anjo em Apocalipse), e parece que é o próprio Deus mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois que eu vi um vídeo do Rodrigo Silva sobre isso eu estou propenso a acreditar que de fato o Anjo do Senhor/Jesus/Miguel são o mesmo, mas não no sentido de que Jesus era um anjo, e sim que ele é o líder dos anjos (o termo "arcanjo" literalmente é uma junção de duas palavras, uma que significa "líder" ou "chefe", e a outra que significa "anjo" - "líder dos anjos"). Que o Anjo do Senhor é Deus isso é muito claro em diversos textos onde ele é reconhecido como tal e é objeto de adoração, mas isso não se deve ao fato dele ser um anjo propriamente dito, porque a palavra para "anjo" é a mesma para "mensageiro", e os textos que falam do "Anjo do Senhor" eu entendo mais neste segundo sentido, de que está se referindo ao Mensageiro do Senhor (=Jesus, o Verbo que se fez carne). Este não é o mesmo sentido entendido pelos adventistas e pelos TJ (ambos creem que Miguel era um anjo mesmo, e eu não penso assim), mas é o único que faz sentido pra mim. Neste caso, "Miguel" seria o nome celestial de Jesus (que ele tinha antes de se encarnar), "arcanjo" seria sua designação como "chefe dos anjos", e "Anjo do Senhor" seria entendido no sentido de "Mensageiro do Senhor", porque Jesus é o enviado de Deus (como dizem vários textos dos evangelhos). Eu ainda vou fazer um artigo e explicar tudo isso detalhadamente, mas por enquanto veja o vídeo do Rodrigo Silva que eu me referi acima e um outro em inglês que prova que o Anjo do Senhor é Deus:

      https://www.youtube.com/watch?v=-knBOLbj8UU

      https://www.youtube.com/watch?v=BNt5NKSse0Y&feature=emb_title

      Excluir
    2. Eu já havia visto este video do Rodrigo a uns anos e não fui convencido. No Antigo Testamento quando Jesus ainda não havia aparecido com este nome e estas características, ele é citado por outros nomes como Anjo do Senhor por exemplo, e nesse caso Miguel até poderia se encaixar, mas no Novo Testamento os dois continuam sendo citados simultaneamente, Jesus e Miguel, isso só levaria a confusão dos leitores se fosse verdade. Alem disso, os apóstolos nunca comparam os dois (como eu disse, se Miguel não aparecesse no Novo isso não seria importante, mas ele é citado por nome duas vezes, e em nenhum dos textos o autor diz que é o mesmo). Outro fator é que títulos muito exaltados e de Glória são dados a Jesus em diversos momentos, enquanto o máximo que Miguel recebe é de arcanjo ou líder do exército de anjos. Outro fator é que Jesus repreende o diabo diretamente no deserto, enquanto Miguel convoca Deus para fazer isso, exatamente porque ninguém tem autoridade para repreender demônios se não for em nome de Deus ou Cristo, se Miguel fosse o próprio Jesus mas celestial então ele poderia fazer isso mesmo. E por fim, Gabriel no livro de Daniel diz que Miguel é um dos "primeiros" príncipes, ou principais príncipes. Ele diz isso no plural. Portanto Miguel esta no mesmo nível de autoridade que o próprio Gabriel (em Lucas ele diz que assiste as coisas diante de Deus) e talvez de mais alguns anjos desconhecidos, enquanto Jesus não é comparado como igual a ninguém (somente igual ao Pai e Espirito, pois os três são um só Deus).

      Excluir
    3. Se você viu o vídeo há alguns anos então deve ter visto outro, porque esse é do ano passado. Sobre o Novo Testamento citar Miguel e Jesus ao mesmo tempo, na verdade isso só acontece em dois textos, e em ambos está aludindo à pré-encarnação de Cristo. Um é Apocalipse 12:7, que fala da guerra no céu entre Satanás e seus anjos e entre Miguel e seus anjos, e o outro é Judas 9, que é uma alusão a um fato citado no livro da Assunção de Moisés e faz uma paráfrase de Zacarias 3:2, que também diz "o Senhor te repreenda". Ou seja, as duas únicas menções a Miguel no NT são de textos que remetem a coisas que aconteceram no passado (antes de Jesus ter este nome). O argumento sobre Miguel não repreender o diabo diretamente faz sentido, mas em Zacarias 3:2 exatamente a mesma expressão "o Senhor te repreenda" aparece, e ali é claramente o Senhor (YHWH, no texto hebraico) que diz isso. Quanto ao texto que chama Miguel de "um dos primeiros príncipes", na verdade o hebraico desse texto é ambíguo, pode ser traduzido tanto dessa forma como por "o primeiro dos príncipes". E em outro texto Miguel é citado como "o grande príncipe" (Dn 12:1), em exclusividade.

      Excluir
    4. Vou falar apenas esta vez, pois senão ficaríamos aqui eternamente, mas este artigo em questão responde a estas coisas: https://www.blueletterbible.org/faq/don_stewart/don_stewart_24.cfm. Basicamente em resumo (tanto deste artigo quanto outros que eu li), Miguel nunca é equiparado a Deus em nenhum momento das escrituras, tanto que o próprio nome dele significa "quem é como Deus?" ao contrario do Anjo do Senhor, que se equipara a Deus em muitos textos, principalmente quando Ele diz "porque pergunta pelo meu Nome? Que é Maravilhoso" (Jz 13:18). E sobre o texto de Josué que eu mandei, uma coisa não contradiz a outra. Miguel é chamado de o protetor de Israel, e aquele que no final dos tempos descera para salvar a Israel (Dn 12:1), mas Deus também é chamado de protetor de Israel, e que Ele descera para salvar seu povo. Igualmente, em muitos textos, temos anjos ou profetas falando, mas o texto fala diretamente de Deus também, ou seja, os textos bíblicos não trata diferente quando é Deus falando ou fazendo, de um profeta ou anjo fazendo a mesma coisa, pois os profetas e anjos são obedientes a Deus e fazem a vontade Dele. Como o homem que Josué adorou não o repreendeu por adoração, significa que ele só podia ser o próprio Deus (mais especificamente, o Filho), e o fato dele ser capitão do exército do Senhor não anula o fato de Miguel também ser, pois Miguel é apenas o representante de Deus, assim como textos dizem que um profeta fez um milagre, mas em outros diz que foi Deus que fez aquele mesmo milagre (ou seja, através do profeta). Portanto Deus é o líder dos anjos, mas Ele realiza isso através do arcanjo Miguel, que representa esta função (assim como os profetas representa a função de falar aos homens o que Deus quer por exemplo). E o fato de Miguel em nenhum texto ser comparado a Deus prova que ele não é o Anjo do Senhor ou Jesus, que são equiparados a Deus em muitos momentos que eles são citados. Deus é o capitão (mas ele deixou para Miguel cumprir esta função), mensageiro (mas Ele deixou que os anjos e profetas cumpram esta função) e salvador (mas Ele deixou para que o Filho, encarnado como Jesus cumprisse este trabalho).

      Excluir
    5. Outra coisa é que o próprio Satanás é chamado de "príncipe deste mundo", que aparentemente é um titulo com bastante autoridade, ainda assim isso pouco importa para Jesus que é Rei de todas as nações, que as julgara com cetro de ferro. De igual forma, Miguel é o grande príncipe de Israel, mas Jesus é o Rei de Israel, Rei dos reis e Senhor dos Senhores. A função de Miguel pode ser equipada aos principados mencionados no Novo Testamento, ou a função dos anjos ministradores. No contexto da guerra espiritual, estes anjos governam regiões do universo no combate aos principados das trevas, Miguel é apenas aquele que governa nesse caso Israel, assim como os demais príncipes governam outras regiões (a qual não da pra saber, pois somente Miguel a bíblia menciona a informação, e não há pra que ir alem disso). E pesquisando na internet, um dos artigos que eu me deparei foi o seu mesmo, que era como uma resposta para aqueles que dizem que Miguel é Jesus, e lá você analisa estes mesmos textos mas diz que Miguel não é Jesus (e não existem muitos textos para se analisar, visto que Miguel é pouco citado na bíblia).

      Excluir
    6. Pode não haver um texto que diga expressamente "Miguel é Deus", desse jeito, até porque Miguel só é mencionado cinco vezes na Bíblia toda, e o próprio Jesus que é mencionado milhares de vezes nós só temos uns dez textos afirmando expressamente sua divindade, mas isso está implícito em textos como Zacarias 3:2, onde o próprio YHWH diz "o Senhor te repreenda", o que em Judas 9 é colocado na boca de Miguel. Além disso, 1Ts 4:16 diz que o Senhor descerá do céu "com voz de arcanjo", e só existe um arcanjo na Bíblia, o arcanjo Miguel (que como eu disse, significa "chefe dos anjos", não um anjo propriamente dito). O fato de Miguel ser citado como "o príncipe de Israel" não o torna menos Deus do que o fato de YHWH ser citado como o "Deus de Israel" em tantos e tantos textos do tipo. O fato do nome de Miguel significar "quem é como Deus?" também não significa muita coisa, já que em si mesmo não diz se ele é Deus ou não, só diz que ninguém é como Deus. "Jesus" significa "Jeová é salvação", não "eu sou Jeová", mas mesmo assim sabemos que Jesus é Jeová (YHWH). Da mesma forma, o argumento de que Miguel é chamado de príncipe e não de rei também é fraco, já que Jesus também é chamado de príncipe, o "príncipe da paz" (Is 9:6). Essas e outras razões me levam a pensar que de fato Miguel é o "Anjo do Senhor" que é o mesmo que Jesus/YHWH, mas eu ainda estou estudando o tema e quando tiver concluído postarei um artigo sobre isso, com mais profundidade que aquela carta-resposta de 2010 que você se refere.

      Excluir
  23. Lucas, você acredita que Deus perdoa a apostasia de uma pessoa que venha se arrepender depois ter se desviado? Pergunto isso pois em Hebreus 6:4-6 parece que está falando sobre as pessoas que se convertem ao Senhor e depois se desviam. Seria um tanto estranho visto que existem muitos cristãos que em algum decurso de suas vidas se desviaram de Deus por anos e hoje voltaram a confessar a fé em Jesus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hebreus 6:4-6 não se refere a qualquer tipo de apostasia, mas a um nível profundo e irreversível, de alguém que tinha dons espirituais, que possuía o Espírito Santo, que chegou a experimentar "os poderes da era futura" e caiu a ponto de não ser mais reconduzido ao arrependimento. A grande maioria dos que se desviaram da fé em algum momento não são exatamente "apóstatas" no sentido do texto de Hebreus, mas "desviados", que ainda podem reencontrar o caminho do qual se desviaram. A apostasia da qual não há perdão é uma apostasia da qual a pessoa nunca se arrepende (porque quem move a pessoa ao arrependimento é o Espírito Santo, que foi rejeitado e blasfemado por ela). Eu escrevi sobre isso mais detalhadamente aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2020/05/o-que-e-blasfemia-contra-o-espirito.html

      Excluir
  24. https://twitter.com/srgadoaldo/status/1300521130596405249/photo/2 O Malafaia nunca acerta nos apoios políticos,apoiou Lula,Lula foi preso, Garotinho,Garotinho foi preso,Eduardo Cunha foi preso tbm,assim como Michel Temer,Pezão e na última semana o Pr Everaldo,apoiou o Bolsonaro que tbm está envolvido em escândalos,por isso que eu acho melhor ele não se envolver com política

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu só espero que se um dia eu me candidatar a qualquer coisa, mesmo que a síndico de prédio, o Malafaia não me apoie.

      Excluir
  25. Paz de Deus Lucas, quanto tempo irmão.
    Como está?
    Me diga vc ja ouviu falar do Padre Jean Meslier ??
    A história desse cara chega a ser bizarra, ja vi muitos Neo-Ateuzinhos Comunistas usando esse cara como fonte:

    http://saoasvozesquemandam.blogspot.com/2018/06/padre-jean-meslier-o-ateu-revoltado.html?m=1

    Tu acha que esse livro imenso dele oferece algum debate sólido ou é so uma boçalidade a nível do Dawkins ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, eu vou bem, e você?

      Nunca tinha ouvido falar nesse tal padre Jean Meslier, então não posso dizer se o livro dele é bom ou não. Mas ao que parece a obra dele não fez muito sucesso nem na época dele, e embora alguns possam usá-lo como fonte hoje, os livros dos neo-ateus de nosso tempo são muito mais usados como fonte, e são todos de péssima qualidade. Se o padre Meslier tinha argumentos melhores, os neo-ateus devem ter se esquecido.

      Excluir
    2. Eu estou Bem tbm.
      Deus tem abençoado bastante minha família, já estou em vários Projetos com meus Professores da Faculdade, e estou com chances altas de ganhar um Bolsa. ^^



      Excluir
    3. Que ótimo, espero que consiga a bolsa!

      Excluir
    4. Quando ao Jean Meslier, pelo oq pesquisei ele foi um Padre Francês que viveu no período em que o Iluminismo estava ganhando força no país.

      Ele exerceu o oficio de sacerdote romano durante 40 anos, até a sua morte em 1729.

      Jean era tido como um Padre "piedoso" padrão. Buscava ajudar financeiramente os mais pobres, instruía seus fieis e evitava confronto com as autoridades publica.

      Contudo após morrer foi encontrado em seu testamento um texto com mais de 600 paginas, onde revelava que esse tempo todo viveu uma farsa.
      Nunca havia acreditado em Deus e tinha desprezo genuíno por todas as formas de religião.

      Ele começa pedindo perdão aos seus paroquianos por nunca ter lhes contado a verdade, logo em seguida inicia o seu ""Tratado Filosófico anticristão em defesa da descrença"".

      Excluir
    5. Se não me engano ele que foi o autor daquela frase:

      "Que o mundo só terá paz quando o ultimo rei foi enforcado nas entranhas do ultimo padre"

      Excluir
    6. Achei estranho pois, além da historia surreal, não achei nenhum conteúdo apologético contra os escritos dele.
      No site do Graig, por exemplo, não há nenhuma citação a este sujeito. Oq é curioso, já que o Filosofo Voltaire chegou a fazer uma analise da obra dele na época.

      Atualmente o Meslier parece ser conhecido apenas por um nicho de acadêmicos. Que costumam classifica-lo como um Proto-Comunista.

      Vc consegue encontrar algumas obras em PDF aki na internet, ou a versão impressa por Editoras especializadas.

      Excluir
    7. Interessante. Eu também nunca tinha ouvido falar dele. Mas faz sentido ele esconder seu ateísmo na época, ainda mais na França, onde ele fatalmente seria morto se manifestasse suas opiniões abertamente. Embora eu me pergunte até que ponto podemos confiar num livro de alguém que só foi encontrado depois de morto; eu suponho que naquela época não seria muito difícil alguém escrever com o pseudônimo dele (pseudônimos eram muito comuns e muitos não sabiam identificar o verdadeiro autor), que não estaria mais vivo para se defender.

      Excluir
  26. Lucas oq vc acha da teoria de Bauman sobre a sociedade liquida?

    ResponderExcluir
  27. Um fato curioso, é que Anderson do Carmo, antes de ser marido de Flordelis foi adotado pela deputada e chegou a ser tratado como genro, quando namorou uma das filhas biológica da parlamentar.
    Fonte>>> https://www.pragmatismopolitico.com.br/2020/08/flordelis-foi-mae-sogra-e-mulher-do-pastor-que-mandou-assassinar.html

    Ninguem repreendeu eles?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bizarro mesmo. Nesse meio há muita podridão, as pessoas as consideram "enviados de Deus" e cegam os olhos para essas aberrações. A raiz de tudo isso é a mentalidade de "não toque no ungido do Senhor", que virou lema nas igrejas neopentecostais e se tornou a base da subserviência aos erros das autoridades religiosas, eliminando todo e qualquer senso crítico e abrindo espaço para as atitudes mais absurdas em nome de Deus. Isso vem desde o Watchman Nee e o seu livro "Autoridade Espiritual", que se tornou uma febre no século passado e desgraçou as igrejas que aderiram a esse modelo.

      Excluir
  28. seguindo o comentário: Muito bem, voce quer o decreto, ora, acha que esta biblia que usas é a original?
    Da original não existe mais nada, tudo foi mudado e a igreja queimou milhares de escritos, até o seculo XIV queimaram documentos.
    Mas como não existe crime perfeito, as atas por fazer parte dos concilios não foram queimadas, como a de Constantino e os escritos de Eusébio
    Não se pode afirmar que esteja atualmente disponível, basta verificar nos documentos católicos, porque eles foram os autores
    Alguns historiadores catolicos escreverem a verdade mas seus escritos foram adulterados

    Além do decreto da deificação dos humanos Yesu e Khrestus através de Constantinus, que acabou virando Jesus e Cristo, existe outros, por exemplo, até o ano 360, cristo ou jesus como queira, não era considerado divino, não era filho de um deus, muito menos salvador de alguém
    A partir deste concilio os bispos decretaram os atributos que voce aprendeu do religiosos

    Outro Decreto foi a criação do espirito santo, que segundo eles era para fazer parte de uma trindade,
    porém nunca seria uma trindade, uma vez que são quatro os componentes

    Na verdade quem mais engana voces é a elite protestante
    Não pode esquecer que o protestantismo foi criado por Roma, e que este protestantismo que vc segue tem menos de 300 anos

    Se voce fizer como muitos estão fazendo, estudando a biblia e não apenas lendo, com certeza vai entender

    Os religiosos deitam e rolam porque voce não conhecem
    Mas de qualquer maneira estas mentiras criadas pela igreja vai chegar ao fim, a religião vai acabar
    Quem vai mandar e que ja começa dar as cartas, é o governo mundial

    Tudo foi realizado pela igreja no século IV, e apos 11 séculos nasceu um protestantismo rival
    E como ja disse, menos de 300 anos se tornaram amigos

    Portanto estude se quiser, pois até´hoje nenhum historiador ou arqueólogo, conseguiu provar algo na história sobre o jesus ou sobre o cristo da nova aliança romana

    E nunca irão achar, pois a igreja queimou todos o escritos referente dupla Jesus e Cristo

    Além disso, a igreja uniu os nomes querendo ensinar que era um, e isto leva alguns historiadores perder tempo pois procuram por um, e não por dois

    Yesu (Jesus), um grande rei no passado, nada tem a ver com este novo testamento

    Khrestus (cristo) Era líder de uma seita de fanáticos na judeia, foi preso, condenado a cruz, mas escapou, Simão de Cirene foi o crucificado, mas foi salvo por José de Arimateia

    Novo testamento, um livro inventado baseado no livro de Josefo e nos concilios romanos

    Resumindo: Toda religião foi criada pelo homens, seja ela qual for, a sua foi criada pelos romanos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso já foi refutado aqui:

      http://ateismorefutado.blogspot.com/2014/12/a-autenticidade-do-novo-testamento.html

      http://www.lucasbanzoli.com/2019/02/a-igreja-catolica-adulterou-biblia.html

      Excluir
    2. Olá Lucas. Engraçado é você e eu sermos idiotas por crermos numa religiao inventada por Constantino mas o nobre delator é intelectual/inteligente/bem informado por crer acriticamente numa teoria da conspiração sem nenhum respaldo científico, histórico ou da arqueologia!

      Excluir
    3. Pois é. Se o mesmo senso crítico que as pessoas tem em relação ao Cristianismo elas também tivessem em relação às teorias de conspiração contra o Cristianismo, não sobraria uma de pé.

      Excluir
  29. os videos desse canal é menos de 5min então acredito que você possa da uma olhada. https://www.youtube.com/channel/UCfAM9MDI4Rb3qc0qibhxOqQ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vi o trecho da entrevista do Craig sobre o argumento moral e não encontrei nenhuma "obliteração". Pelo contrário, o Craig respondeu adequadamente a tudo o que lhe foi questionado, e mesmo que estivesse errado sobre os membros de uma tribo nunca praticarem canibalismo com os da mesma tribo, o argumento central permanece (o de que existe uma moral objetiva comum a todos os povos, mesmo que não em todos os detalhes). Em todas as culturas de todas as épocas, coisas como o estupro, o adultério, a mentira, o roubo e o assassinato são consideradas moralmente erradas, e contra este fato não há argumentos.

      Excluir
    2. Sem falar que na maioria dos casos de antropofagia (termo tecnico para canibalismo), em especial na america do sul, é feito em casos ritualísticos, como alguns índios faziam antes de ir para uma batalha, eles comiam seu guerreiro mais forte para absorver suas habilidades, ou seja uma mal menor (matar uma pessoa) para se evitar um maior (a morte de toda tribo), ou quando derrotavam comiam o adversário mais forte que, na maioria das vezes era voluntario (pois provavelmente sua tribo tinha o mesmo costume).

      Excluir
    3. e em relação ao argumento kalam ? qual sua opnião

      Excluir
    4. Escrevi sobre isso aqui:

      http://ateismorefutado.blogspot.com/2015/04/dawkins-refutou-o-argumento-cosmologico.html

      Excluir
  30. ESSE É UM DIA NEGRO PARA A HISTÓRIA DO BRASIL: 😢😢😢

    https://www.youtube.com/watch?v=nB9PZnsEvFw

    https://www.youtube.com/watch?v=bEYRHwyyxyc

    https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/09/01/deltan-diz-que-deixa-lava-jato-para-se-dedicar-a-tratamento-da-filha.htm

    https://oglobo.globo.com/brasil/deltan-dallagnol-deixa-comando-da-lava-jato-em-curitiba-1-24617670

    https://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2020/09/01/coordenador-da-lava-jato-em-curitiba-deltan-dallagnol-deixa-a-forca-tarefa.ghtml

    ResponderExcluir
  31. O Rio de Janeiro definitivamente não é para amadores, graças a Deus eu moro na Região Metropolitana do Rio e não na cidade em si, sou fluminense (não o time, e como bem sabes futebol pra mim só futebol americano) e não carioca:

    https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/09/02/apontado-como-organizador-dos-guardioes-do-crivella-comandava-grupo-com-mao-de-ferro-e-era-temido-por-funcionarios-diz-testemunha.ghtml

    https://www.terra.com.br/noticias/brasil/politica/procuradoria-pede-investigacao-contra-crivella-por-guardioes,fcf9b8d415d4851da5dabedf2d147533l2e89cr2.html

    https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2020-09-02/em-video-crivella-rebate-denuncia-e-diz-que-globo-atua-como-partido-assista.html

    https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/09/01/camara-do-rio-votara-abertura-de-processo-de-impeachment-contra-crivella.htm

    Já é o segundo processo de impeachment contra o Crivella em menos de um ano! Se bem que pro Witzel as coisas também não tão nada favoráveis:

    https://www.terra.com.br/noticias/brasil/politica/alerj-deve-votar-impeachment-de-witzel-em-duas-semanas,4bb56244216933d32ca21dbed07748acmnyi8yg4.html

    https://istoe.com.br/apos-afastamento-de-witzel-via-stj-alerj-deve-votar-o-impeachment-em-2-semanas/

    https://www.metropoles.com/brasil/justica/impeachment-de-witzel-deve-ser-votado-em-duas-semanas-na-alerj

    Olha, as vezes me dá vontade de mudar de Estado! 🤦🏻‍♂️

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O RJ é um retrato falado do que há de pior no Brasil. É uma experiência de laboratório envolvendo milhões de seres humanos, algo parecido com Cuba e o socialismo. Uma cidade superlotada de funcionários públicos parasitários, que vivem na praia e não gostam de trabalhar (não generalizando, é claro), com o tráfico e o crime organizado dominando as favelas, com um monte de gente oportunista que gosta de tirar vantagem dos outros, pra no final todos acabarem na mesma lama. Os políticos são apenas o reflexo disso, mesmo porque eles são eleitos pelo povo. É o "jeitinho brasileiro", a malandragem da qual tanta gente se orgulha, mas que dá nisso aí. É uma Europa ao contrário.

      Excluir
  32. Lucas quem você acha que pode ganhar essa eleição presidencial nos EUA?

    ResponderExcluir
  33. O Comunismo deixou a Rússia, mas a Rússia não deixou o Comunismo:

    https://horadopovo.com.br/66-dos-russos-querem-uniao-sovietica-de-volta/

    https://br.sputniknews.com/russia/2018122012948646-volta-urss-russia/

    https://brasil.elpais.com/brasil/2018/12/19/internacional/1545228653_659406.html

    https://vermelho.org.br/2018/12/20/cresce-o-numero-de-russos-que-lamentam-o-fim-da-uniao-sovietica/

    Isso tudo me fez lembrar esse plebiscito que aconteceu na URSS em março de 1991 (poucos meses após a dissolução da URSS):

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Referendo_da_Uni%C3%A3o_Sovi%C3%A9tica_de_1991

    https://en.wikipedia.org/wiki/1991_Soviet_Union_referendum

    Porque há tantos russos que querem a volta desse governo pernicioso, autoritário e tirânico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiro porque autoritária a Rússia ainda é, e pra falar a verdade sempre foi, os russos já estão habituados a isso, assim como os muçulmanos por exemplo. Eles querem a volta da União Soviética porque a URSS é um símbolo de um passado nostálgico onde ela "rivalizava" com os EUA (embora fossem muito inferiores na prática), ou seja, muitos lembram dela como uma época de poder, quando os russos eram respeitados e temidos, tratados por todos como uma grande potência (esquecendo-se de que o sistema econômico levava ao colapso inevitável, que aconteceria de qualquer jeito, mais cedo ou mais tarde). Na época a Rússia se beneficiou grandemente do início do processo de industrialização, hoje ela não conseguiria repetir o feito e só teria a parte da crise mesmo. Até o Brasil quando se industrializou foi o país que mais cresceu no mundo entre 1930 e 1980, isso não significa muita coisa, porque é um crescimento artificial que não se sustenta a longo prazo.

      Excluir
  34. Olá Lucas!
    Ouvi uma locução de rádio dizendo que um determinado pastor neopentecostal (daqueles que vive falando pra determinar a vitória, e que "a letra mata!" referente a teologia etc.) era o representante de Deus na Terra! O que você acha dessa afirmação? Seria uma pretensão dele? (Inclusive é um título dos papas).
    Aproveitando o gancho, os cristãos são embaixadores de Cristo na Terra. Isso nos faz REPRESENTANTES de Deus na Terra?
    Espero a resposta! Abraços, fica com Deus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato todos nós somos representantes de Deus na terra, na condição de embaixadores do Seu Reino (2Co 5:20). Por isso tomamos o nome de "cristãos", que significa "pequenos Cristos". Mas se dizer O representante, como se fosse o único, é um título de soberba fruto do orgulho e da arrogância, coisa típica de papas e de pastores neopentecostais midiáticos.

      Excluir
    2. Exatamente o que imaginava! Já tinha notado que as "intros" do programa de rádio desse pastor sempre exaltava ele (chegava a ser bizarro).
      Muito obrigado pela resposta!

      Excluir
    3. Você pode citar o nome do pastor aqui, não tem problema... rs

      A não ser que seja o pastor da minha igreja, eu não vou censurar o comentário xD

      Excluir
  35. comente: https://www.tiktok.com/@apologistacatolico/video/6861746473831369989?_d=secCgsIARCbDRgBIAIoARI%2BCjz%2FWljvqoOqK1EyOq0Vzvia5yop182OpHxCtINmtqsxJTNF2Nux2FnxHXtOLEZKvxfEGcRFcrx4BvjZSfAaAA%3D%3D&language=en&preview_pb=0&sec_user_id=MS4wLjABAAAAfS5HlxGWpjcp8hgMIyl4d6r5nPt5pY2lU8nqkdS5g7b6SDaq-UD5eDGyWhlX14j1&share_app_name=musically&share_item_id=6867749367315451142&share_link_id=35931026-a9a0-4bb1-8e04-d4560ddd764a&timestamp=1599075049&u_code=dcddc25d03i242&user_id=6828395059260539910&utm_campaign=client_share&utm_medium=android&utm_source=twitter&source=h5_m&lang=en


    (comente o video em si, não a resposta)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade são as duas coisas: os habitantes de Sodoma eram em grande parte homossexuais (por isso o termo "sodomita" foi usado até o século XIX para designar a prática, até ser substituído pelo termo mais técnico de "homossexual"), e a Bíblia relata a tentativa deles de estuprar os anjos (que eles não sabiam que eram anjos, pensavam que eram apenas homens). Por isso eles eram tão imorais (não só pela prática homossexual em si), o que justificou o castigo divino sobre eles.

      Excluir
  36. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É lógico que os evangelhos eram "relatos apaixonados", não poderia ser diferente com alguém que testemunhou a ressurreição de Cristo. Se alguém testemunhasse uma ressurreição e não se impactasse com isso não seria um ser humano. O que ele está pedindo é um relato da ressurreição por testemunhas "independentes" no sentido de não-cristãs, o que é totalmente ridículo, já que qualquer um que testemunhasse a ressurreição de Jesus iria crer nele, e consequentemente se tornaria cristão.

      Jesus não apareceu só para dez pessoas, ele apareceu aos 11 discípulos, aos dois de Emaús, e também às mulheres, que eram pelo menos quatro, isso sem falar de Tiago, o irmão de Jesus, e de outros para quem Jesus apareceu durante os 40 dias que esteve na terra antes de sua ascensão (que Paulo diz ter sido 500). Dizer que "só teríamos 500 testemunhas se tivéssemos 500 cartas de 500 pessoas diferentes" é completamente estúpido, ainda mais considerando que naquela época poucos sabiam escrever, e menos ainda tinham um pergaminho (que custava o equivalente a três meses de salário de um trabalhador comum).

      Excluir
  37. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse monge iria morrer de qualquer jeito, já que se ele não passasse pelo julgamento do fogo seria queimado na fogueira pela Igreja, o que implicaria numa morte ainda mais certa. Ele não passou pelo julgamento do fogo por livre e espontânea vontade, como os discípulos de Jesus, que poderiam tranquilamente livrar sua pele se apenas seguissem suas vidas, mas preferiram arriscar suas vidas e sua integridade física se sujeitando a prisões, açoites, apedrejamento e martírio por testemunhar a ressurreição de Jesus. Portanto, tratam-se de casos totalmente diferentes, nem um pouco simétricos.

      PS: eu tive que apagar um monte de comentários seus porque é totalmente impossível dar conta de tantos comentários gigantescos com uma imensidão de coisas para refutar, isso é considerado prática de spam e não é aceito aqui. Uma coisa é tirar uma dúvida qualquer como os outros fazem (uma pergunta simples e objetiva), outra coisa é copiar e colar uma enormidade de posts de internet para refutar tudo, o que consumiria todo o meu tempo e seria extremamente trabalhoso e extenuante. Liberei esses primeiros comentários para que não se zangue, mas espero que entenda que é humanamente impossível refutar tudo o que se encontra na internet. Para isso eu recomendo que se procure fóruns como os grupos de facebook onde tem muita gente pra responder, porque eu sou um só.

      Excluir
    2. ok, na verdade isso é so um comentário porém bem extenso que vi de um neo-ateu, enfim, obrigado

      Excluir
  38. E aí, Lucão. Já leu todo o livro do Bacchiocchi que eu ti mandei? :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já sim, inclusive já enchi o meu livro de citações do livro dele :D

      Excluir
    2. "já enchi o meu livro de citações do livro dele"

      Que bom que lhe foi útil kkk.

      É uma raridade. Procurei ele em vários sites para vender e não encontrei.

      Excluir
    3. Eu me lembro que na época em que escrevi o livro originalmente (em 2010, que depois foi revisado em 2012) eu também procurei o livro dele e não achei em lugar nenhum, as citações que eu fiz do livro dele eram da síntese do livro que me foi enviada pelo Azenilto Brito (que traduziu o livro), tinha umas 40 páginas e foi bastante útil, mas é muito melhor ler a obra integral.

      Excluir
  39. Lucas, você concorda que o pressuposto da mentalidade "não toques no ungido do Senhor" não seria um plágio do dogma católico do Magistério infalível?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza. Os dois visam imunizar o alvo de críticas.

      Excluir
  40. Lucas, olha só: se os milagres de falar em linguás fossem reais, então toda a igreja cristã falaria, e não somente os pentecostais que curiosamente são os únicos que acreditam nisso. Basicamente os que dizem isso são os reformados, que acreditam em milagres, mas não que eles sejam algo programado e exagerado, como se todo domingo fosse ter milagres ou coisa assim, e muitos entendem que falar em linguás é a línguas de outros povos, e não linguás que ninguém entende. Eles também afirmam que os milagres como falar em linguás e expulsar demônios ocorrem nos campos de batalha dos missionários, e não que um demônio vai no domingo fazer showzinho na frente das pessoas.

    Vi uma outra pessoa que disse (não da pra saber se é verdade, afinal estava na internet) que um amigo cristão árabe foi num culto pentecostal no Estados unidos, e ouviu as pessoas lá falarem em árabe mas na verdade estavam amaldiçoando a Deus sem saberem, pois como as pessoas não sabem o que estão falando, isso possibilita que o diabo mexa com elas e coloque palavres na boca delas, afinal elas não irão perceber mesmo e acharam que é outra coisa (segundo esta pessoa que disse). O que você pensa disso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ninguém diz que só os pentecostais estão aptos para falar em línguas. O dom é pra todos, mas obviamente vai ser difícil Deus dar o dom a alguém que não crê no mesmo, já que a Bíblia diz que precisamos BUSCAR COM AFINCO os dons espirituais (1Co 14:1). Se os dons só são recebidos por quem busca, e eles não buscam, então não é surpresa que eles não falem em línguas. Isso não significa que eles sejam "menos espirituais" ou cristãos de "segunda classe", podem ser até melhores que os pentecostais (e talvez na média até sejam mesmo), mas o dom não é uma questão de mérito, mas de busca. Se um reformado pelo menos se abrir com sinceridade para a possibilidade do dom de línguas e buscá-lo, o dom lhe estará acessível tanto quanto a um pentecostal. E o mesmo argumento pode ser dado em relação às "línguas terrenas" que eles creem: se o dom se refere às línguas de outros povos, por que ninguém fala sobrenaturalmente a língua de um outro povo (nem mesmo os reformados, que acreditam assim)? Alguns vão dizer que é porque os dons cessaram, mas aí já estará afirmando algo sem nenhuma base bíblica.

      Quanto ao que "outra pessoa" disse sobre "um amigo cristão árabe", até que haja provas disso, deve ser tratado tal como é: um boato. Ninguém deve fundamentar doutrina na base do "fulano de tal disse que beltrano disse que...", se for assim vamos abrir uma margem enorme para acreditar em qualquer bobagem sustentada por fofocas e diz-não-diz.

      Excluir
  41. GRANDE DIA!

    https://valor.globo.com/politica/noticia/2020/09/01/aps-125-anos-stf-decide-que-palcio-da-guanabara-da-unio-e-no-da-famlia-real.ghtml

    https://www.tsf.pt/mundo/um-julgamento-que-durou-125-anos-justica-brasileira-decide-contra-familia-imperial-12602354.html

    Minha reação ao saber dessa notícia maravilhosa:

    https://www.youtube.com/watch?v=FB36vv75Pz0

    Assim que eu fiquei sabendo dessa notícia fui direito ouvir essa música (e eu ouvi mesmo, eu juro!) pra comemorar:

    https://www.youtube.com/watch?v=JAEDQwMtf4o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pior é que eles precisaram de 125 anos pra concluir o óbvio... no Brasil até quando a justiça funciona é desse jeito aí.

      Excluir
    2. Pelo menos sejamos francos, antes tarde do que NUNCA.

      Excluir
  42. Boa noite. Teria como me indicar um site bom que rebata as doutrinas espíritas de forma bem ampla mesmo. Não achei quase nada na net, não sei se procurei direito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não conheço nenhum focado exclusivamente nisso. Se alguém conhecer, pode postar nos comentários. Particularmente eu nunca achei a doutrina espírita muito relevante para atrair minha atenção, embora indiretamente eu sempre faça isso quando refuto a imortalidade da alma (que é a base do espiritismo).

      Excluir
  43. Banzolão muitas vezes pensadores esquerdistas afirmam que as pessoas se tornam criminosas por serem muito pobres e morarem nas favelas,em parte isso contribui,eu como cristão entendo que o ser humano já nasce ruim,diferente do que Rousseau afirmou ´´ o homem nasce bom e a sociedade o corrompe´´,eu não concordo com Rousseau,entendo que o homem nasce mau mesmo por causa do pecado original,mas certamente o ambiente em que vive e uma família desestruturada,como muitas são hoje em dia,o número de mães solteiras e de divórcios é altíssimo contribui para isso,mas o ponto que eu quero chegar é sobre as origens do Pablo Escobar,eu falei sobre ele em posts anteriores,que a união do Exército e das polícias colombianas conseguiram derrotá-lo,eu pesquisando sobre ele,descobri que ele nunca foi pobre,que vinha de uma família da elite da região de Antioquia.

    ´´En una entrevista concedida a la televisión nacional del entonces (años 80), Pablo Escobar manifestaba sobre sus orígenes lo siguiente:24​

    Pues mi familia no tuvo unos recursos económicos importantes y vivimos dificultades como las que vive la mayoría del pueblo colombiano, entonces no somos ajenos a esos problemas, los conocemos profundamente y los entendemos.
    Pablo Escobar
    Sin embargo, sus antepasados y sus familiares más inmediatos se destacaron como políticos, empresarios, ganaderos y figuras de la élite antioqueña,25​por lo cual sus tan difundidos «orígenes populares» no corresponderían a la realidad. Entre su extensa parentela podemos mencionar a Isabel Gaviria Duque, primera dama de la Nación, esposa de Carlos E. Restrepo, quien fue presidente de Colombia entre 1910 y 1914. El padrino de bautismo de Pablo Escobar fue el reconocido diplomático e intelectual colombiano Joaquín Vallejo Arbeláez. En la parroquia de Rionegro reposa su partida que dice:

    Ele chegou a fazer faculdade:

    ´´En 1969 terminó el bachillerato en el mencionado Liceo, entonces fue admitido para cursar estudios en la Facultad de Economía de la Universidad Autónoma Latinoamericana de Medellín en la que estudiaban varios de sus primos Gaviria, entre esos José Obdulio, pero finalmente optó por retirarse ya que prefirió dedicarse a sus «negocios» personales.

    Mas preferiu seus ´´negócios ´´ pessoais como o texto disse,o caso dele desconstrói totalmente essa teoria esquerdista de que o criminoso é vítima da sociedade,sofreu com a pobreza,pois ele teve oportunidade de estudar economia,nessa época,final dos anos 60 fazer faculdade na América Latina era privilégio da classe média e da elite,poucas pessoas tinham oportunidade,ele teve e escolheu o crime.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os maiores ladrões que esse país já viu (gente como Sérgio Cabral, Lula, Dirceu, Cunha e etc) não eram pobres, pelo contrário, eram bem ricos. Essa visão de que o pobre é criminoso porque é pobre é um viés preconceituoso contra os pobres, que na grande maioria são pessoas honradas que levam uma vida honesta e digna, apesar das dificuldades. Quem apela para a vida do crime não faz isso porque é pobre, mas porque é mau-caráter mesmo (ainda que use a pobreza como um pretexto).

      Excluir
  44. Banzoli, qual o motivo d a gente morre, por causa de Adao, se is filhos n pagam pelos pecados dos pais?
    Acho q vc ja respondeu, mas ela fica viltando na cabeça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os filhos não herdam o pecado, mas herdam as consequências do pecado. Por exemplo, uma mãe fumante que engravida pode passar ao seu filho alguma doença respiratória, um motorista que dirige bêbado pode levar à morte pedestres ou outros motoristas que não beberam, um marido que é preso pode prejudicar a vida (financeira e emocional) da mulher e dos filhos, e assim por diante. Nossos atos tem consequências para terceiros, ainda que eles não sejam culpados. Por isso nós sofremos a consequência do pecado original, mas não a culpa, que é de responsabilidade individual de quem o pratica. Nós somos condenados por nossos próprios pecados, não pelos pecados de Adão, mas o pecado de Adão trouxe consequências ao mundo, por ser ele o primeiro representante da humanidade (o pai de todos nós).

      Excluir
    2. Mas banzoli nao seria injusto Deus deixar ,nos q nao fizemos nd, sentirmos as consequencias do ato de Adao?

      Excluir
    3. Nós herdamos a pratica do mal de Adão, e nós são podemos viver eternamente e praticando o mal, por isso Deus expulsou Adão e Eva do Éden, se eles comessem da árvore da vida poderiam viver eternamente mas ao mesmo tempo praticando o mal. A morte existe para de certa forma, "limitar o pecado", por isso temos um tempo de vida. Mas aquele que Jesus purifica do pecado, ira herdar a eternidade na ressurreição, pois não mais pecará. É incompatível alguém ser imortal e pecador ao mesmo tempo, e como nós herdamos a natureza maligna de Adão, logo somos pecadores e não podemos ser imortais, mas Deus através de Cristo pode purificar as pessoas, e estas, sem pecado, poderão viver eternamente. Já os pecadores, tanto humanos quanto os angelicais, serão punidos pelo que fizeram mas depois destruídos, pois não podem existir eternamente pois são pecadores.

      Excluir
    4. "Mas banzoli nao seria injusto Deus deixar ,nos q nao fizemos nd, sentirmos as consequencias do ato de Adao?"

      Além do que o Vinicius respondeu, eu acrescentaria que Deus permitiu isso para mostrar que as vidas humanas estão conectadas umas às outras. Como eu disse citando alguns exemplos, tudo que nós fazemos para bem ou para mal impacta outras vidas, não apenas a nossa. Ao permitir que o pecado de Adão trouxesse consequências para toda a sua posteridade, Deus estava mostrando ao homem que nossas ações tem consequências, não só para nós, mas para todos à nossa volta. É como um presidente, que na condição de chefe de Estado e representante da nação pode tomar medidas boas e ruins, cada uma delas afetando milhões de vidas, não só a dele. Adão era o "presidente" da raça humana, o seu representante, e por consequência suas decisões boas ou ruins afetariam a posteridade, que ele representava. Isso nos leva a pensar em termos de sociedade, não sob um prisma individualista (no pior sentido do termo). Nos faz ver que precisamos uns dos outros, e que nossas escolhas são muito mais importantes do que pensamos, o que reforça a nossa necessidade de tomá-las com sabedoria e prudência.

      Excluir
    5. Hmmmmmmmm, deixo ver c entendi, nos sofremos as consequências pq Adao e Eva tinham responsabilidades para conosco ( ter filhos e crialos). Assim como um pai d familia fica desempregado, a familia dele tbm é afetada.

      Excluir
    6. Banzoli, oq falta no meu entendimento? Serio mesmo.

      Excluir
    7. "É por aí." da a entender que não cheguei ainda no pleno entendimento da coisa (a res ponsabilidade de Adao e Eva), oq falta nele (q esta abaixo)?

      '...deixo ver c entendi, nos sofremos as consequências pq Adao e Eva tinham responsabilidades para conosco ( ter filhos e crialos). Assim como um pai d familia fica desempregado, a familia dele tbm é afetada."


      Excluir
    8. Quando eu disse "é por aí" não é porque você tenha errado em algo, mas porque é um entendimento correto mas bem resumido de um todo maior.

      Excluir
  45. Lucas, li um comentário que levantava os seguintes questionamentos.

    Pq a mulher foi mais severamente castigada e amaldiçoada pela queda se ambos (Adão e Eva) pecaram?

    Pq a mulher sendo igual ao homem diante de Deus, obteve somente um papel de reprodução e cuidados domésticos?

    Pq a mulher seria considerada 7 vezes mais impura se desse à luz uma menina; ou pq uma mulher seria morta se não gritasse o suficiente pra evitar seu estupro?

    Pq a mulher abusada poderia casar com seu abusador mediante pagamento de dote; ou pq em uma briga, teria sua mão amputada caso tocasse nos testículos de um homem?

    Ainda comentam sobre o relato de Abraão oferecendo sua esposa ao rei e de Paulo silenciando as mulheres na igreja.

    Com esses questionamentos defendem que a bíblia é sim machista e que somente pelo movimento feminista a mulher ganhou o status de igualdade juntamente com os homens

    Sei que esse assunto pode estar saturado pra vc, mas não encontrei nenhuma obra sua a respeito, e queria muito saber sua opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho uns artigos sobre isso:

      http://ateismorefutado.blogspot.com/2015/04/o-valor-da-mulher-na-biblia.html

      http://ateismorefutado.blogspot.com/2015/04/a-igualdade-entre-o-homem-e-mulher-na.html

      http://www.lucasbanzoli.com/2019/04/a-biblia-e-machista-por-pregar.html

      http://www.lucasbanzoli.com/2019/10/por-que-sou-favor-do-ministerio.html

      Mas resumidamente:

      1) Eu não vejo assim. O castigo da mulher foi só as dores de parto, que acontecem algumas vezes na vida (ou uma, ou às vezes nenhuma, dependendo da mulher), ainda que seja bem intenso, enquanto ao homem coube o trabalho da terra que era suado e penoso por toda a vida.

      2) Qual texto diz que a mulher tem "somente um papel de reprodução e cuidados domésticos"? Na Bíblia tem mulher que foi juíza, rainha, profetiza e etc, nem de longe se limitava a isso.

      3) Também havia leis de impureza relacionadas ao homem (por exemplo, quando derramava o sêmen), e a mulher que não gritava era um atestado de que ela concordou com o ato (ou seja, não foi estupro, porque o estupro implica em não-consentimento, e quem não gritava é porque consentia no ato).

      4) O texto não diz isso, eu comentei sobre isso aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/08/deuteronomio-2228-29-permite-o-estupro.html

      "Tocar" no testículo do homem era um eufemismo para quebrar os testículos, e um homem com testículos quebrados não podia ter filhos ou gerar descendentes e herdeiros, o que era extremamente importante na sociedade da época, por isso exigia uma punição à altura.

      5) Isso foi Abraão que quis, não Deus que mandou. Ele fez isso para proteger sua vida, porque pensava que iriam matá-lo para ficar com a sua mulher. Sobre Paulo e o silêncio, se refere a não interromper as pregações com perguntas em voz alta, como algumas mulheres estavam fazendo na época e consequentemente atrapalhando os cultos. Isso não tem nada a ver com a mulher não poder falar na igreja em nenhuma circunstância, até porque o próprio Paulo disse que a mulher podia orar e profetizar na igreja, e ninguém profetiza em silêncio.

      Excluir
    2. Muito bem esclarecido Lucas, obrigado. Fica evidente que em grande parte essas pessoas simplesmente distorcem os princípios e ensinamentos bíblicos pra terem o que acusar, só pra poderem alimentarem o próprio ceticismo, e propagar o engano.

      Excluir
  46. https://www.instagram.com/p/CEsXckKJi8K/ comente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso daí é mais uma fake news entre as bilhões de fake news bolsonaristas que povoam a internet. Já foi desmentido aqui:

      https://www.boatos.org/brasil/secretaria-educacao-sao-paulo-retira-antes-cristo-livros-escolares.html

      Excluir
    2. ah , perdão parece que fui enganado kkkkkk

      Excluir
  47. https://rationalchristiandiscernment.blogspot.com/2020/08/editors-should-pay-attention-when-king.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. I am always impressed to see how archeology is always corroborating biblical accounts. David's existence is one of many examples.

      Excluir
  48. lucas , como você sabe , existe o texto do historiador flavio josefo que fala sobre jesus : ´´surgiu jesus , homem sábio...etc. Porém , existe um momento na carta onde fala da ressurreição do cristo: ´´que passando o terceiro dia apareceu-lhes vivo´´ .Entretanto críticos afirmando que esse texto foi adicionado posteriormente , oque acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Josefo estava falando do ponto de vista dos cristãos, porque ele próprio não era um cristão, então não acreditava na ressurreição de Jesus, mas falou como um historiador. E há zero evidências do trecho ter sido adulterado, ele consta em todos os manuscritos da obra em qualquer idioma antigo.

      Excluir
  49. Parabéns pelo seu trabalho, Lucas! Vc é um dos meus escritores prediletos. Inclusive já comprei um de seus livros e pretendo comprar mais futuramente. Vou adquirir esse também. Muito obrigado por abrir os meus olhos de que não existe um fantasminha dentro das pessoas que sobrevive a morte do corpo. Essa é uma verdade que pouquíssimas pessoas sabem e me sinto privilegiado e abençoado por ser uma delas!
    Gostaria de tirar mais dúvidas com vc, caro Dr. Banzoli (kkkk).
    Bom, tenho visto que a mídia tem tentado provar para as pessoas que Jesus era negro. Não me importaria nem um pouco se isso fosse verdade. Mas o fato é que os palestinos NÃO SÃO NEGROS!!! E ainda tem gente estúpida o suficiente para querer debater com os outros para provar o contrário! As pessoas chegaram a um nível de burrice tão grande que elas nem percebem o quanto isso é improvável!
    Vamos lá, segundo os estudiosos (cientistas e historiadores picaretas que distorcem a verdade só para dar argumentos ao movimento negro) Jesus era negro porque ele nasceu no Oriente Médio. O problema é que O POVO DO ORIENTE MÉDIO SEMPRE FOI PREDOMINANTEMENTE BRANCO!!! Então com qual autoridade alguém pode afirmar uma burrice dessas?
    Quero deixar claro que NÃO SOU RACISTA. Eu simplesmente fico profundamente irritado quando alguém USA JESUS PARA SEUS PRÓPRIOS INTERESSES, tipo aqueles pastores descarados que usam Jesus para ganhar dinheiro. Agora o movimento negro está tentando fazer o mesmo!!!
    SOU TOTALMENTE CONTRA O RACISMO, mas para combater o racismo temos que ser HONESTOS, não usar mentiras e trapaças rasteiras para um bem maior. Pior ainda é usar o meu Jesus para isso! Isso é extremamente irritante. Devemos lembrar que o Sudário mostra Jesus com traços de pessoas brancas.
    Queria saber sua opinião sobre isso. O que vc acha das pessoas que mentem e usam Jesus para um bem maior? Vc acha isso honesto? Acha que eu não deveria me sentir tão ofendido? Infelizmente, quando vc fala isso as pessoas ficam irritadas e acham que vc é racista. Para elas, ou vc concorda com tudo que o movimento negro fala ou você é racista. Eu nem discuto sobre isso com as pessoas porque já vi que 99% delas ACREDITAM NO QUE LHES CONVÉM, como vc bem falou no artigo sobre as fake news eu já tinha percebido isso há muito tempo. Dê sua opinião, por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É aquela classica estrategia de tentar fazer a maioria ficar ao seu lado

      Excluir
    2. Lucas, já vi algums argumento e tal mais poderia me falar sobre se o mundo seria melhor ou não sem religião?

      Uma vez um cara me disse que a maioria dos cristãos são inguinorantes e intolerantes, em primeiro lugar, ninguém é totalmente tolerante, em segundo temos essa impressão porque os cristãos são a maioria, que vem de uma epoca que não tinha a mesma informação e estudos que hoje, internet e etc, sem contar que os movimentos das minorias "mal chegaram" e já está cheio de extremista, lacrador, doente de tudo que é tipo!

      Excluir
    3. Na verdade os que eu vi dizendo que Jesus era negro são adeptos de uma teoria de conspiração segundo a qual os judeus atuais não são judeus de verdade, são judeus fake que não descendem dos judeus da época de Jesus, e os africanos atuais é que são os "judeus verdadeiros", que após a destruição do templo se dispersaram pela África e hoje constituem os povos africanos, enquanto os judeus que nós vemos são judeus de mentirinha que estão aí para controlar o mundo em um plano sinistro de dominação global que envolve George Soros, Karl Marx, os Rothschild, os maçons, os illuminati e muita imaginação. É uma teoria totalmente bizarra, sem pé nem cabeça, que nem merece ser apreciada. Jesus provavelmente tinha a pele amorenada porque vivia debaixo de um sol escaldante trabalhando como carpinteiro e porque os judeus não são branquelos iguais aos europeus, mas dizer que era negro é passar da dose, fica tão ridículo quanto o "Jesus loirão" das imagens católicas.

      Excluir
    4. Eu acabei me esquecendo de responder a mensagem do Seu Jiraya sobre a religião. Bom, basta lembrar o que os regimes declaradamente ateus fizeram quando baniram a religião totalmente: a Rússia de Stalin, a China de Mao Tsé-Tung, a Coreia do Norte e etc. Um banho de sangue muito maior do que qualquer religião organizada já perpetrou. A ideia de que o mundo seria um lugar melhor sem religião é no mínimo das mais contestáveis, pois o problema não está na religião em si, mas na maldade do coração do homem (que se manifesta com ou sem religião). A religião pode inclusive colocar freios nessa maldade, e na verdade é esse o objetivo maior delas, ainda que algumas ao longo dos séculos tenham falhado miseravelmente nesse propósito. De todo modo, os ateus nunca foram mais tolerantes, eles só parecem mais tolerantes onde são minoria, porque uma minoria nunca consegue oprimir uma maioria. Por isso é verdadeiro o ditado que diz que "se você quer conhecer alguém, dê poder a ele", porque aí sim ele vai agir conforme o seu código de ética moral, não quando ele é uma minoria com pouca voz na sociedade.

      Excluir
  50. Lucas, vc afirma q as espistolas universais d joao foram escritas pelo presbitero e n pelo apostolo, certo? Pq Deus deixaria q algo feito por um presbitero entrasse no canon? N deveriamos remover? Pois esta incluido no canom pq pensavam q era do apostlo joao.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Remover por que? Você fala como se presbítero fosse um cidadão de segunda classe, quando na verdade os presbíteros na era apostólica eram exatamente a mesma coisa que os bispos que os pastores, eram termos diferentes para designar o mesmo cargo, como eu escrevi aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2019/02/voce-sabia-que-pastor-presbitero-e.html

      Só mais tarde é que o presbítero virou um subordinado dos bispos ou "ajudante de pastor", mas naquela época até os apóstolos como Pedro se chamavam de presbíteros (1Pe 5:1), porque todo apóstolo é um pastor e todo pastor é um presbítero. E nem todos os escritores do Novo Testamento eram apóstolos, Lucas foi quem mais escreveu (em quantidade de páginas) e ele não era apóstolo, provavelmente era apenas um presbítero, como o João que escreveu as três cartas e o quarto evangelho (e o mesmo pode ser dito em relação a Marcos). O critério para um livro estar no cânon não era "ser escrito por um apóstolo", mas ter sido reconhecido pela Igreja antiga, desde os tempos primitivos, como prova de sua autenticidade. E também não é totalmente verdadeiro que os Pais da Igreja pensavam que as três cartas de João eram do João apóstolo, a maioria pensava assim, mas vários reconheciam ao menos a possibilidade de ter sido do outro João (como Dionísio de Alexandria e Eusébio de Cesareia), e nem por isso rechaçavam as cartas, pois como eu disse este não era o critério.

      Excluir
    2. N queria rebaixar o presbitero, é q tinha a ideia d q era menor q os apostolo, agr entendi. Lucas quais eram os requisitos da igreja para um livro ser inspirado? pq so as epistolas d joao entraram no canon, e n tbm outras d outros autores? pq pastor d hermas, didaque n entraram no canon? Sinplemente pq a igreja n reconheceu? Conhece um livro bom sobre a formação no NT?

      Excluir
    3. O Pastor de Hermas é de meados do século II, muito tardio para entrar no cânon. A Didaquê talvez até tivesse idade para entrar no cânon, mas tem algumas partes estranhas, que não chegam a ser propriamente heréticas mas que fogem da ortodoxia. Para um livro ser considerado canônico era preciso ser recebido e reconhecido pelas igrejas antigas, e ter uma doutrina inteiramente ortodoxa. Sobre livros, o F. F. Bruce tem um chamado "O Cânon das Escrituras".

      Excluir
    4. Que partes fogem da ortodxia? EU lembro que tinha umas partes de concertar os pecados com as próprias mãos, seria isso?

      Excluir
    5. Eu não vou me lembrar de tudo, mas tem uma parte que diz que "os seus jejuns não devem coincidir com os dos hipócritas. Eles jejuam no segundo e no quinto dia da semana. Porém, você deve jejuar no quarto dia e no dia da preparação” (c. 8). Mas na Bíblia nunca vemos Deus proibindo alguém de jejuar num dia específico, ou obrigando a jejuar em um outro dia determinado.

      Excluir
  51. Lucas, saindo do tema do artigo, mas é algo exclusivo do Brasil ou ocorre nos EUA também de apologistas católicos serem defensores ardentes do liberalismo? Estava há pouco pensando no assunto e como isso é contraditório e nonsense.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nos Estados Unidos os católicos votam massivamente no Partido Democrata, que é a esquerda de lá, embora haja uma minoria de católicos liberais, mas não é o que predomina. Mesmo aqui no Brasil essa coisa de católico liberal só predomina entre os olavetes, historicamente eles sempre foram reacionários e antiliberais de índole fascista ou autoritária, inclusive os católicos mais tradicionalistas continuam assim até hoje, é só ver o que um instituto católico tradicionalista como a Montfort tem a dizer sobre o capitalismo e o liberalismo econômico, pra eles é tão abominável quanto o socialismo. E pra ver como eles não chegam nem perto de um consenso, entre o clero o que predomina é a ideologia de extrema-esquerda, a famosa teologia da libertação que tomou conta da CNBB há muito tempo. Então temos os católicos tradicionalistas que são reacionários e odeiam o liberalismo, os católicos da TL que são socialistas ou algo parecido com isso e também odeiam o liberalismo, e os católicos olavetes que se tornaram liberais por causa do Olavo (deve ter sido a única coisa boa para a qual ele serviu). Mas o ponto é que essa onda de "católicos liberais" é extremamente recente, historicamente falando. Há duas décadas seria quase impossível encontrar um católico liberal no Brasil, há uma década ainda era extremamente raro, isso só se tornou um fenômeno em tempos recentes, na contramão dos ensinamentos oficiais da ICAR e dos ideais pelos quais os católicos brasileiros sempre lutaram.

      Excluir
  52. Lucas tem mt pessoas d esquerda no meio q vc trabalha? Sao mais professore ou alunos? A maioria é hostil ou é tranquila? Ja foi perseguido?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca tive problemas com isso, sou uma pessoa tranquila e não gosto de me envolver em intrigas, muito menos por causa de política. Mas de fato a esquerda domina totalmente o meio acadêmico brasileiro, pelo menos no que diz respeito às humanas.

      Excluir
    2. "(...) a esquerda domina totalmente o meio acadêmico brasileiro (...)"
      Lucas, qual o motivo?

      Excluir
    3. É em grande parte por culpa da ditadura militar, que fez com que a direita brasileira fosse associada ao autoritarismo (o que não deixava de ser verdade, em se tratando da direita que historicamente temos aqui) e fez com que a esquerda pudesse se vitimizar (embora em outros países a esquerda tenha matado muito mais e cometido atrocidades bem maiores, e mesmo aqui houve tentativas de revoltas comunistas, guerrilhas e tudo mais). Então todos os "intelectuais" da época se posicionavam à esquerda por serem contra a ditadura, que por sua vez era a única "direita" que eles conheciam (a direita liberal sempre foi insignificante aqui, só em tempos recentes que começou a ficar popular). E como os militares censuravam a mídia e todas as formas de expressão cultural, restou aos esquerdistas ocupar as escolas e universidades e fazer a doutrinação ali, que pôde ser praticada de forma mais aberta após o fim do regime. A geração atual é fruto desses que foram doutrinados nessa época, que aprenderam que a esquerda é sinônimo de democracia e humanismo, e que a direita é sinônimo de repressão e atraso.

      Excluir
  53. lucas, não sei se você acompanha o bart D.erman , mas sabe dizer se ele ainda levantou aquela teoria conspiracional sobre o irmão gêmeo de jesus?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele levantou essa teoria bizarra no debate dele com o William Lane Craig sobre a ressurreição de Jesus.

      Excluir
    2. eu sei , porém ele continuou falando isso?

      Excluir
  54. Banzoli, noe levo os dinosauro na arca ou levo as galinha pra dps vira dinossauro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente levou filhotes pequenos.

      Excluir
    2. Isso que vc falou das galinhas me fez lembrar da maior piada evolucionista (é piada entre eles mesmos), que alguns terópodes viraram galinhas, como o tiranossauro. Ai isso te faz pensar, como o maior caçador que já viveu (segundo os próprios evolucionistas), o tiranossauro, se "adaptou" até virar uma mera galinha, o animal mais inútil do reino animal. A galinha literalmente não tem propósito, ela não voa, não corre rápido, não é inteligente, e é uma presa fácil, não atoa elas só conseguem viver em ambiente doméstico como fazendas. Não precisa nem ser tiranossauro, pode ser qualquer animal, não faz sentido nenhum em um mundo onde as espécies com as melhores características sobrevivem e procriam, existir galinhas e serpentes, animais que literalmente eram pra ter sido extintos no primeiro momento. Pensar que tiranossauros viraram galinhas por causa da "seleção natural" é muito engraçado (a unica alternativa racional é que todas as espécies foram criadas diretamente por Deus, não criadas por seleção natural, mas é possível existir variações dentro da mesma espécie por causa da seleção natural).

      Excluir
  55. Lucas o que voce acha do argumento católico de que é necessario a alma ser imortal, pois Jesus disse que os cristãos estariam com Ele para sempre, portanto não pode haver um periodo intermediario onde eles não estão. Logo é necessario que após a morte fisica, a pessoa continue viva (como uma alma) para estar com Cristo. Alem disso eles dizem que comunhão de todos os santos não poderia ocorrer só com o santos da terra, mas tambem com os que ja partiram, os vivos e os mortos celebram a Deus segundo eles.

    A Igreja Católica teve ligações com o nazismo? As vezes eu vejo matérias e artigos que afirmam isso, mas ai vários católicos dizem que não, que o Papa protegeu os judeus, que ele criticou os nazistas, e até mesmo que o Papa já tentou matar Hitler cinco vezes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um argumento bem bobinho, bem típico deles. É óbvio que a afirmação "estarei convosco até a consumação dos séculos" se refere ao período de vida deles, ele não estava falando sobre os mortos. É como quando a Bíblia diz que Geazi pegaria lepra "para sempre", ou que Davi seria rei "para sempre", ou que o sacerdócio de Arão era "perpétuo", dentre outras centenas de exemplos que ninguém em sã consciência pensa que permanecem depois da morte, mas apenas durante o período em que a pessoa vive. No caso em questão, o que Jesus estava dizendo é que até o fim dos tempos ele estaria com os crentes, por isso a sua presença se faz entre nós até hoje, não tem nada a ver com uma alma saindo do corpo (a não ser que se pressuponha a imortalidade da alma como parte das premissas, o que seria uma petição de princípio). O conceito católico de "comunhão dos santos" é um conceito herético e delirante, sempre que a Bíblia se refere à comunhão entre os irmãos o contexto é de comunhão entre os crentes da terra com outros crentes da terra, nunca de comunhão entre os mortos ou com os mortos (que é um espiritismo mal disfarçado).

      Sobre a ligação da ICAR com o nazismo, há narrativas dos dois lados, e eu ainda não estudei o assunto com profundidade. Mas o que está acima de qualquer dúvida é: (1) a ICAR estimulou durante séculos o preconceito antissemita, e quase todas as leis que os nazistas criaram foram apenas cópias de seus estatutos que vigoravam há muito tempo nos Estados Papais e nos países ligados ao papado (sobre isso eu escrevi no artigo abaixo); (2) o Vaticano foi o primeiro Estado do mundo a fazer uma concordata com Hitler, isso quando o nazismo já dizia explicitamente as suas intenções; (3) os próprios apologistas católicos reconhecem que o papa demorou para a condenar o nazismo oficialmente e abertamente, supostamente por "medo de represálias", o que é uma desculpa bem fraca dado que eles condenavam oficialmente e abertamente regimes liberais e socialistas. Ele só começou a erguer a voz contra o regime quando já estava claro que os Aliados ganhariam a guerra, aí qualquer covarde se enche de coragem para fazer o certo. No mais, eu desconheço esse suposto plano do papa para matar Hitler, mas se ele realmente tentou isso deve ter sido muito incompetente pra falhar cinco vezes.

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/06/conheca-todo-o-odio-intolerancia-e.html

      Excluir
  56. lucas, só é possivel o divorcio se ocorrer adultério? e em casos de relacionamentos abusivo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é muito complexo e polêmico pra ser respondido de forma tão simples em um comentário breve como este, mas resumidamente o que eu penso é o seguinte: (1) A única exceção que Jesus abriu para o divórcio é em casos de "porneia" (cujo significado inclui homossexualismo, imoralidade, adultério e outros mais), mas Paulo aos coríntios abre pelo menos mais uma exceção, que é no caso de um marido ou esposa incrédulo que decide se divorciar, e neste caso o cônjuge cristão estaria livre de qualquer culpa. Então existem mais causas que justifiquem um divórcio além da "porneia"; (2) o ponto principal de Jesus não era exatamente delimitar em quantas ou quais condições um divórcio é justificável, mas sim se opor ao conceito farisaico de que o marido pode abandonar a mulher "por qualquer razão", como se pudesse trocar de esposa como se troca de roupa, o que é um absurdo. Eu não vejo necessidade de tratar a questão de forma estritamente legalista, como muitos fazem; (3) mesmo que o divórcio em casos de relacionamentos abusivos, agressão física e etc fosse pecado por não se enquadrar no conceito de "porneia", ainda assim eu acharia preferível pecar por se divorciar de um traste desses do que continuar com a criatura que vai tornar sua vida um inferno e colocar em risco sua própria salvação, por tirar a própria alegria de viver, que nos motiva a sermos mais produtivos e a evitar o pecado. Lembrando que da mesma forma que Jesus disse que quem se divorcia comete adultério, também disse que quem olha para uma mulher para desejá-la também comete adultério com ela em seu coração, e nem por isso temos o hábito de condenar ao inferno todo mundo que já se masturbou um dia ou que cobiçou uma mulher comprometida. Eu não estou dizendo isso para suavizar o pecado, mas penso que em certos casos um pecado é "preferível" a um mal maior (como Raabe, que mentiu para salvar os espias).

      Excluir
  57. Dae Banoli, vi um cara refutando o argumento de q o peixe usado no Livro de Tobias é bruxaria, pra isso ele cita 1 Sm 16:23 por causa da harpa, e At19:11,12 por causa dos pano em que Paulo tocava.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não são casos simétricos, Davi não tocava a harpa para expulsar um demônio, mas para acalmar o espírito perturbado de Saul, e os panos de Paulo não curavam ninguém, era Deus que "fazia milagres extraordinários por meio de Paulo" (v. 11), o pano era apenas um instrumento, diferente do livro de Tobias que diz que o próprio coração do peixe espantaria qualquer demônio.

      Excluir
  58. Continuando, e pra confirma a ideia d q no livro de Tobias, as esmolas apaga pecados, ele fala q Deus deu esse meio pq eles n tinham o sangue de Cristo e cita Dn 4:24, ele cita outros como Tg 2:17; Dt 15:11, mas o mais importante é o de Daniel q é o mais parecido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não vi nada disso em Daniel 4:24 (muito menos nos outros textos).

      Excluir
  59. Quando esse livro atualizado sobre esse assunto ficará pronto mais ou menos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro inteiro só no final do ano ou início do ano que vem, mas nas próximas semanas vou publicar uma prévia do segundo volume completo (como ficaria estranho publicar o volume 2 antes do volume 1, vou esperar para publicar a versão impressa dos livros quando terminar a parte 1, mas vou disponibilizar o pdf da parte 2 assim que terminar de revisar todo o texto, que já terminei de escrever).

      Excluir
  60. Lucas, seguramente o mortalismo possui um grande respaldo bíblico. Mas em meio à tanta clareza relacionado ao assunto, há algo em particular que ainda não consegui conciliar. Trata-se da situação existencial de Cristo em sua morte.

    Seguindo as premissas:
    1- A morte humana significa cessação de consciência, completo aniquilamento do ser.
    2- Cristo se fez homem e passou pela morte
    3- Cristo deixou de existir enquanto morto

    Mas como conciliar tal entendimento com o ensino da imortalidade inerente à divindade Cristo? Não me parece razoável imaginar que Cristo morreu como homem, permanecendo vivo em sua divindade (no sentido mortalista). Pois em minha percepção, é o msm que dizer que ele de fato não morreu. Pois, teoricamente, pra morrer, o seu eu (pessoa integral), precisaria experimentar a inexistência.

    Concluo que há certas realidades que estamos muito limitados em entendermos, cabendo-nos somente a fé.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não penso que seja "o mesmo que dizer que ele de fato não morreu", ele morreu, mas como homem. Da mesma forma que Tiago diz que "Deus não pode ser tentado" (Tg 1:13), mas Jesus foi tentado, como homem. Da mesma forma que Paulo diz que Deus é imortal (1Tm 6:16), mas Jesus morreu, como homem. Deus "não tem princípio nem fim de dias" (Hb 7:3), mas Jesus nasceu (teve um começo como um homem). E assim por diante, numerosos exemplos poderiam ser dados: Deus não pode sofrer dores físicas, mas Jesus sofreu como homem; Deus não faz necessidades físicas, mas Jesus sim, como homem; Deus não pode "crescer em graça e sabedoria" (Lc 2:52) porque já é pleno de graça e sabedoria, mas Jesus sim, como homem. Sem separar as duas coisas seria impossível declarar Jesus como Deus, porque como homem ele fez ou sofreu um monte de coisas que seria impossível a Deus, e a morte é uma delas.

      Excluir
  61. https://www.youtube.com/watch?v=ormp0FucbTo esse video so tem 2 min então acho que possa da uma olhada.

    Bom, o ´´cosmos´´ é um pouco antigo pois carl sagan morreu em 96, você acha que hoje a gente possa concluir a ultima pergunta dele? que não o universo não é eterno?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que todas as evidências científicas indicam é que o universo não pode ser eterno. No meu outro site tem alguns artigos sobre isso:

      http://lucasbanzoli.no.comunidades.net/existencia-de-deusp2

      http://lucasbanzoli.no.comunidades.net/o-argumento-cosmologico-kalam

      Excluir
  62. Os teólogos liberais e historiadores do tipo são muito desonestos, eles dizem que Daniel foi escrito no século II a.C, mas Daniel é citado por Ezequiel (e este aqui ninguém duvida que foi escrito por volta do século VI a.C), então eles dizem que Daniel é um personagem "lendário" e que o autor fake do Daniel usou o nome que ele encontrou ali, é brincadeira.

    Eles também dizem que quase todo o Antigo Testamento foi escrito pelos sacerdotes de Josias. Enquanto a bíblia diz que eles encontraram o livro da lei embaixo do templo, os historiadores dizem que eles escreveram tudo aquilo (desde Deuteronômio até os livros dos Reis) para "centralizar" o poder na mão de Josias. Ou seja, a unica fonte sobre o acontecimento fala que eles encontraram o livro da lei, mas os historiadores tem que negar a veracidade bíblica, então eles inventam sem fonte alguma que tudo foi escrito ali mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também acho bizarro o modo como os teólogos liberais chegam às suas "conclusões", basicamente qualquer hipótese por mais fraca e sem base que seja é tomada com peso de prova, por isso eles não conseguem concordar nem entre eles mesmos, já que cada um usa a sua própria imaginação de um jeito diferente do outro, para concluir as coisas mais absurdas e sem lógica nenhuma. Um livro que me mostrou isso com clareza foi a "Introdução aos Escritos do Novo Testamento", de Erich Mauerhofer. Ele aborda tópico por tópico, escrito por escrito e autor por autor, mostra as várias vertentes de interpretações liberais que contradizem umas às outras e refuta cada uma delas com uma enorme facilidade e simplicidade, sem fazer esforço, já que as teorias são realmente muito fracas. É basicamente um "vale tudo" para desacreditar a Bíblia, que os leva às conclusões mais mirabolantes que eles jamais chegariam se não fosse por esse preconceito.

      Excluir
  63. lucas, qual a sua opinião em relação ao santo sepulcro ? dizem que não é la de fato

    ResponderExcluir
  64. Lucas, esqueci de ter dito isso antes à você com relação ao artigo, ele está muito bem feito e pelo jeito o livro parece estar bem escrito, mas como é um tema que não tenho interesse decidi não comentar sobre o assunto. Muito obrigado por estar sempre respondendo às minhas dúvidas e tenho certeza que minha participação no Blog é sempre muito bem-vinda espero também ser um bom leitor que gosta de conversar com você sobre todos os assuntos, especialmente direito, política, história, teologia e assuntos atuais um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, e é claro que pode comentar, sempre que quiser. Abs!

      Excluir
  65. https://www-cartacapital-com-br.cdn.ampproject.org/v/s/www.cartacapital.com.br/politica/projeto-aprovado-na-camara-perdoa-dividas-de-1-bilhao-de-reais-de-igrejas/amp/?amp_js_v=a3&amp_gsa=1&usqp=mq331AQFKAGwASA%3D#referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s&ampshare=https%3A%2F%2Fwww.cartacapital.com.br%2Fpolitica%2Fprojeto-aprovado-na-camara-perdoa-dividas-de-1-bilhao-de-reais-de-igrejas%2F

    Oooooohhh gloriaaaaa, agr o BR vai pra frente, so falta a teologia da prosperidade chega no paulo guedes pra comeca a chuva de serodia nessa nação.

    Banzoli, comonuma igreja pod ficar enfividada???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho isso um absurdo, a União não deveria perdoar dívidas de ninguém, nem de estados e municípios, nem de outros países, nem de igrejas, nem de indivíduos particulares ou de qualquer organização que seja. O Estado está cada vez mais quebrado e indo de fundo do poço a fundo do poço, e ainda quer perdoar dívidas de quem as contraiu por irresponsabilidade. Além de ser extremamente deseducador, pois se o Estado perdoa as dívidas de quem quer que seja, as pessoas vão pensar que não tem problema se endividar de novo, estimulando a irresponsabilidade fiscal.

      PS: eu deixei de aprovar um comentário recente seu porque esgotou os 200 comentários deste post, por isso peço para postar o mesmo comentário no post mais recente (se você não tiver mais o comentário, é só falar, porque eu tenho guardado aqui).

      Excluir
  66. O artigo chegou aos 200 comments e por isso a caixa de comentários daqui será fechada. Quem quiser postar um novo comentário ou responder a algum daqui, fique à vontade para fazer no artigo mais recente 👍

    ResponderExcluir