14 de abril de 2019

200 Por que a vida eterna na terra é muito melhor do que no céu



Há poucos dias um leitor do blog me passou o vídeo abaixo de um canal que eu até então desconhecia, mas que possui muitos inscritos (e um forte sotaque carioca). O vídeo em questão é uma reflexão pessoal sobre a vida eterna no céu que, para ele, seria uma coisa entediante e por isso seria melhor não vivê-la. Uma vida eterna nos termos cristãos tradicionais seria uma monotonia e um tédio, que ele resume em uma citação de outro autor, que diz: “Aquela velha ideia do paraíso não é a perfeita descrição do próprio inferno? A mim me parece. Um lugar sem aventuras, sem drama, sem histórias. A última nota do marasmo ecoando por todo o infinito em linha reta”.

O pensamento não é novo. Há alguns anos, o Pirula apresentou o mesmo raciocínio em outro vídeo, o segundo debaixo. Você não é obrigado a assistir os vídeos para prosseguir a leitura, mas seria importante para entender o ponto:



Pirula é um ateu, e o outro canal (“O Covil de Jack”) não se identificou no vídeo, mas disse não crer em nenhuma religião, o que faz dele provavelmente outro ateu ou agnóstico. Eu geralmente tendo a discordar do que ateus e agnósticos dizem, e inclusive tenho um blog especificamente voltado a essa temática (atualmente desatualizado, já que só escrevo neste aqui), o Ateísmo Refutado. Mas dessa vez eu tenho que concordar. Neste ponto, eles têm toda a razão. É um certo incômodo ter que admitir isso, porque eu mesmo não aceitava essa linha de pensamento até poucos anos. O vídeo do Pirula é de 2014, eu me lembrei dele hoje para escrever o artigo, voltei lá e vi que estava com um “dislike”, o que deve significar que eu na época discordei de tudo o que ele disse. Hoje eu assisti de novo e concordei com praticamente tudo, senão tudo mesmo. Tive que trocar meu “dislike” por um “like”.

Antes que você tire conclusões precipitadas ou pense que eu me converti ao ateísmo, deixe-me explicar ponto a ponto. Na maior parte da vida e mesmo após alguns anos de apologética, eu acreditei da mesma forma que a maioria dos cristãos ainda acredita em relação à vida eterna. Eu não preciso descrever aqui porque você já conhece bem, mas é aquela coisa de pessoas sem corpo físico flutuarem nas nuvens do céu cantando louvores o dia todo por toda a eternidade sem fim, em algum lugar bem distante da terra. A primeira pessoa que eu vi confrontar essa visão foi o Dr. Samuele Bacchiocchi, em seu livro Imortalidade ou Ressurreição. Ele escreveu essas palavras que me arrepiam até hoje:

Num estudo futuro veremos que a Bíblia não retrata o mundo por vir como um paraíso etéreo onde almas glorificadas passarão a eternidade trajando vestes brancas, cantando, tocando harpas, orando, perseguindo nuvens e bebendo leite de ambrósia. Antes, a Bíblia fala dos santos ressurretos habitando este planeta purificado, transformado e tornado perfeito por ocasião e mediante a vinda do Senhor (2Pe 3:11-13; Rm 8:19-25; Ap 21:1). Os “novos céus e uma nova terra” (Is 65:17) não são um retiro espiritual remoto e inconsequente em algum recanto do espaço; antes, são o céu e a terra presentes renovados à sua perfeição original.

Nessa época eu já era mortalista, mas não podia aceitar isso. Parecia demais para mim, não porque houvesse provas fortes de que iremos morar no céu, mas porque é a crença com a qual fomos ensinados e acostumados a crer desde pequenos. Isso me levou a um aprofundado e extenuante tempo de estudo bíblico para definir minha posição sobre o tema. E quanto mais eu estudava, para o meu desânimo, mais via a minha crença na “vida eterna no céu” ir desmoronando em pedacinhos. Mas embora eu visse que a Bíblia ensina uma vida eterna na nova terra e não no céu, eu odiava pensar que isso pudesse ser verdade. Pra mim, a vida no céu seria muito mais agradável (afinal, voar como os pássaros e perseguir as nuvens parece bem mais interessante em um primeiro momento do que passar a eternidade na terra, onde sempre vivemos).

Como resultado dos meus estudos, eu publiquei o artigo: “Onde passaremos a eternidade? No céu ou na nova terra?”. Quando o escrevi eu jamais imaginava isso, mas este foi o meu artigo mais acessado de todos os tempos (teve 174 mil acessos, e isso em um dos meus blogs menos acessados). Não vou repetir os argumentos e os textos bíblicos aqui, até para forçá-lo a visitar o artigo por curiosidade e aumentar os acessos 😀. Mas nem esse sucesso de views me fez gostar da conclusão. Eu sabia que biblicamente falando não havia espaço para a crença na eternidade no céu, mas queria que a eternidade fosse no céu. De um lado estava o que eu queria que fosse verdade, e do outro o que eu sabia que era a verdade. Precisou bem mais tempo para eu entender e assimilar como e por que a vida eterna na terra é muito mais fascinante sob todos os aspectos.

O que eu descobri é que a razão que me “prendia” ao céu é porque eu imaginava a vida eterna na terra nos mesmos moldes de como a teologia tradicional imagina a vida eterna no céu. Ou seja, “um paraíso etéreo onde almas glorificadas passarão a eternidade trajando vestes brancas, cantando, tocando harpas, orando, perseguindo nuvens e bebendo leite de ambrósia”, com exceção da parte sobre perseguir nuvens. De fato, em um cenário desses, uma vida eterna no céu parece algo mais contagiante do que na terra. Mas ela cai em todos os problemas do tédio tão bem descritos em ambos os vídeos. E as tentativas de se resolver esse problema pelas vias tradicionais se mostram falhas ou suscitam novos problemas.

Mas de que modo a vida eterna na terra é tão diferente – e melhor – do que a concepção tradicional que se tem do céu? Pensemos na criação original. Deus poderia ter criado Adão no céu caso quisesse, mas em vez disso preferiu criar em outro lugar – na terra. Adão peca, perde “poderes” como a imortalidade e a incorruptibilidade, e como consequência as pessoas que nascem dali em diante são mortais e se deterioram com o passar do tempo, sofrendo doenças e dores ao longo da vida, e terminando a mesma com a morte. Se tudo terminasse aí, seria uma história dramática onde o vilão vence e o mal prevalece no final. Mas, para a Bíblia, a história tem um capítulo seguinte, e este capítulo é o da ressurreição. Na ressurreição, os justos ressurgem imortais e incorruptíveis (1Co 15:51-54), para uma nova vida em uma nova terra (Ap 21:1-3), onde o mal já não existe e o bem triunfa para sempre (Ap 21:4).
                                                                                    
O ponto em questão é: no que consiste essa nova vida que se obtém na ressurreição? A teologia tradicional responderia dizendo que é em moldes totalmente diferentes, com uma vida cujo padrão se distancia completamente do que vivemos hoje – uma vida onde damos hasta la vista para o nosso querido planeta e vamos morar bem longe daqui, no céu, junto com os anjos. Mas o que Jesus diz é precisamente o contrário. Para ele, a nova vida não será outra coisa senão a regeneração de todas as coisas, ou seja, a restauração de tudo ao seu projeto original:

“Jesus lhes disse: ‘Digo-lhes a verdade: Por ocasião da regeneração de todas as coisas, quando o Filho do homem se assentar em seu trono glorioso, vocês que me seguiram também se assentarão em doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel. E todos os que tiverem deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos ou campos, por minha causa, receberão cem vezes mais e herdarão a vida eterna’” (Mateus 19:28-29)

Note que Jesus denomina a outra vida (ou seja, a vida eterna) como a regeneração de todas as coisas, e não como o início de coisas totalmente novas. A palavra grega traduzida aqui por “regeneração” é paliggenesia, e de acordo com a Concordância de Strong (#3824) «é frequentemente usada para denotar a restauração de algo ao seu estado primitivo». Em outras palavras, o que Jesus estava dizendo é que a vida eterna consiste na restauração das coisas tais como eram em seu “estado primitivo”, ou seja, de acordo com o projeto original. E como era o projeto original? Com os homens em um paraíso celeste? Nana-nina-não, mas em um paraíso terreno, chamado Éden, onde o homem foi criado. Este é o mesmo paraíso que João vê descer do céu no Apocalipse, vindo se estabelecer na nova terra, como a morada eterna dos vencedores (Ap 21:1-3). Isso tudo é melhor explicado no artigo recém-mencionado.

No projeto original, o homem seria colocado na terra para viver eternamente em incorrupção e imortalidade (o que foi suspenso devido à entrada do pecado no mundo). O “novo projeto” não é em realidade um “novo”, mas sim a restauração do primeiro, ou seja, de uma vida eterna na terra, incorruptível e imortal, só que sem o pecado que entrou e desajustou tudo. O que isso significa na prática? Significa que você deve esquecer tudo aquilo que imaginava sobre a vida eterna, porque ela é muito mais substancialmente parecida com a vida que temos hoje do que você pensa. Na verdade, é apenas como a vida deveria ser sem o pecado. Tire todo o pecado e suas consequências do mundo atual, e o que sobra é a vida eterna que a Bíblia descreve.

Parece desanimador, não? É o que eu pensei a princípio. Esperamos mais de uma vida eterna do que aquilo que já temos hoje. Mas na verdade o que temos hoje só parece ruim por causa de toda a interferência do pecado, seja direta ou indiretamente. Sofremos com a perda de entes queridos (o que não acontecerá na eternidade), sofremos com brigas nossas e de quem amamos (o que não acontecerá na eternidade), sofremos com uma pressão constante por “crescer na vida” e agradar a tudo e a todos (o que não acontecerá na eternidade), sofremos com doenças nossas ou de pessoas queridas, sofremos com perdas emocionais, sofremos com o desemprego, com a fome, com guerras, com vícios, com desilusões ou depressões, com os vexames do São Paulo, com a falta de condições básicas de vida, com problemas políticos, com ofensas que sofremos, com falsidade e hipocrisia, com o terrorismo, com a insegurança, com as péssimas condições de saúde e de educação, e inclusive com sofrimentos físicos.

E o mais impressionante de tudo é que mesmo assim queremos continuar vivendo, porque mesmo considerando tudo isso viver ainda é mais vantajoso do que não viver (pelo menos para a maioria esmagadora dos indivíduos). Conseguimos ter dias felizes, apesar de tudo, e esses dias geralmente compensam os maus momentos. Agora imagine se em um passe de mágica todos esses problemas acabassem, pois são todos eles consequências diretas ou indiretas do pecado, que será completamente extirpado do Universo com a nova criação. Essa nova vida seria tudo o que você sempre sonhou, só que muito melhor. E muito melhor porque ela além de preservar tudo o que existe de bom no mundo atual, ainda acrescenta uma série incontável de novas possibilidades que os próprios salvos construirão.

Este é o ponto mais crucial de tudo: somos tentados a encarar a eternidade como um mar de tédio e monotonia porque nós não produzimos nada, mas em vez disso já está tudo produzido para nós. Serão sempre as mesmas “mansões celestiais”, as mesmas pessoas em cada lugar, as mesmas atividades, os mesmos louvores, o mesmo tudo – e o pior, sem que nós mesmos tenhamos movido um dedo para construirmos esse novo mundo ou para escolhermos nossos próprios hobbies. Em outras palavras, a vida no céu parece um tédio completo porque a noção tradicional que se tem dela é de algo que sufoca completamente o individualismo, isto é, essa capacidade singular de construirmos nosso próprio destino e de termos uma rotina diferente da dos outros.

Não haveria conquistas ou êxitos, porque tudo já teria sido conquistado no primeiro momento, restando apenas “reviver” essa conquista inicial durante blocos intermináveis de tempo. Teríamos uma emoção espetacular ao chegarmos ao céu e revermos todos os nossos parentes e amigos e ao entrar numa mansão magnífica construída para nós, mas dali em diante não haveria nada de novo, nada de singular, nenhuma nova conquista ou êxito, nada que destoe de um mesmo padrão repetido por toda a eternidade – o que para alguns seria pior que a própria inexistência. Os cristãos chegam para um ateu e pregam o evangelho na expectativa de que ele creia para a vida eterna, mas essa própria vida eterna não lhe instiga nada de especial, tornando a própria proposta nada atraente.

Em grande parte, essa noção que se tem da eternidade do céu se deve à falta de informações concretas que a Bíblia nos deixa quanto à vida eterna. Ela nos fala muito sobre onde iremos morar – na nova terra prometida – mas pouco sobre como será essa vida. Teólogos das mais diversas vertentes têm admitido isso sem preconceitos. Se a procura por informações bíblicas sobre como será essa vida eterna já é desanimadora, adicione a isso o fato de que a maior parte dessas informações se encontra no Apocalipse, um livro com forte teor simbólico que na melhor das hipóteses deixa sempre no ar se uma determinada descrição é literal ou não. Em termos simples: temos pouco ou nada de concreto na Bíblia sobre como será a vida eterna, apesar de sabermos bem onde ela será.

A razão pela qual eu suspeito que tão pouca informação concreta nos é dada na Bíblia sobre a vida eterna é bastante simples: porque ela não se distingue da vida atual no básico, a não ser pela imortalidade e incorrupção e pela ausência de casamento (cf. Lc 20:34-35). Deus não precisou inspirar longos textos bíblicos sobre como será a vida eterna, pela mesma razão que não precisou detalhar como seria a vida no futuro (o nosso presente), com carros, aviões, computadores e etc. Tais coisas seriam construídas pelos homens e mulheres de cada geração, e seria desanimador contá-las de antemão (como alguém que dá um spoiler de um filme que você não assistiu).

O ponto é que a vida eterna na nova terra não precisou ser descrita por Deus, porque somos nós mesmos que decidiremos como ela será. A parte que compete a Deus é nos fornecer um corpo físico como este mas sem os defeitos do presente (que causam dor, doença e morte), mas sobre como essa vida eterna vai ser, depende essencialmente de como decidiremos vivê-la. Em outras palavras, são os próprios salvos que construirão o mundo porvir, como eu já expliquei neste artigo sobre o milênio (bem recomendável a quem queira se aprofundar no tema). A vida eterna não será um show de tédio e monotonia, porque teremos parte ativa em toda a construção e elaboração do mundo porvir, não receberemos tudo “pronto” e “acabado”.

Adão foi criado em um jardim, mas dali em diante era ele e seus descendentes que construiriam o mundo todo à sua maneira. O que aconteceria dali em diante – seja cidades, seja campos, seja monumentos, estádios, teatros ou o que for – era da conta dele e de seus descendentes, não algo que Deus tenha entregue de mão beijada. Deus deu capacidade para que a humanidade pudesse criar e desenvolver todas as tecnologias modernas, mas não as deu nas mãos de Adão logo de cara, embora isso pudesse ser muito útil desde o princípio. A humanidade teve que crescer pelas próprias pernas até chegar aonde chegou, com a graça e o auxílio de Deus, mas não como se tudo já tivesse sido criado “pronto”. É justamente o fato de a humanidade fazer suas próprias escolhas e superar desafios que faz a vida ter algum valor. Adão era mais que um homem jogado em um paraíso: era o administrador da terra que Deus criou, podendo moldá-la da forma que desejasse.

Se este foi o projeto original e se a vida eterna consiste na restauração deste projeto, podemos facilmente concluir que tudo o que a humanidade construiu até aqui não chega aos dedos do pé do que ainda fará por toda a eternidade. A vida eterna não acabará com toda a tecnologia criada até hoje ou com todas as conquistas e progressos já obtidos (como geralmente se pensa), mas em vez disso elevará essas conquistas a patamares incomparavelmente maiores. Ou seja, não se trata de uma eternidade apática e estática, mas de um mundo muito mais dinâmico, enérgico e cheio de vida que o atual, onde os salvos chegarão onde quiserem, tornando possível todos os cenários de ficção científica onde a humanidade alcança o inalcançável.  

Muitos se perguntam por que Deus teria criado uma infinitude de planetas se só existe vida na terra. Pra mim a resposta é perfeitamente coerente com essa realidade dinâmica da nova criação: não há planeta ou galáxia que não possa ser explorada e “colonizada” durante toda a eternidade, com nosso novo corpo adaptável a todas as circunstâncias e com uma tecnologia progressivamente superior. Qualquer um de nós poderia desbravar o Universo, colonizar planetas e construir o mundo que quisermos.

Ao mesmo tempo, nada de útil ou proveitoso que o mundo tenha tornado realidade através dos séculos deixará de ser no futuro. Continuaremos tendo esportes, cinema, internet, parques de diversão e praças de alimentação melhores que o Mc Donald’s, pois comeremos não para sobreviver, mas pelo prazer de comer (e o melhor: sem engordar!). Adão já comia das árvores do Éden antes de comer o fruto proibido e se tornar mortal. A comida era uma atividade prazerosa, não uma necessidade orgânica por sobrevivência, como se tornou após o pecado.

Da mesma forma, haverá a prática de esportes (e presumivelmente muito mais e melhores que os que conhecemos hoje), mas sem os maus comportamentos que relacionamos a eles. Poderemos entrar em um mega estádio para assistir à final de uma “Libertadores” ou “Champions League” sem medo de brigas de torcidas organizadas, sem entradas maldosas de Felipe Melo nos adversários e sem ninguém xingando a mãe do juiz (sim, acredite, isso é possível!). Poderemos encerrar de uma vez por todas as discussões de bar comparando os mais diversos atletas de todos os tempos disputando um mesmo campeonato uns contra os outros, em jogos que seriam provavelmente muito mais competitivos e interessantes que os atuais.

Logicamente, alguns aspectos daquilo que imaginamos como pertencentes ao céu também existirão na nova terra, tais como a adoração a Deus que já existe hoje, só que de forma muito mais genuína e espontânea, pois não teremos mais uma natureza pecaminosa que nos inclina àquilo que é errado e que nos afasta de Deus. A cada dia teremos novos lançamentos de músicas que agradam a Deus, sem precisarmos pagar um centavo por elas, e sem precisarmos nos preocupar com letras que incentivam drogas, violência e imoralidade.

Hoje nos reunimos como igreja em comunidades que agregam pessoas com um mesmo interesse (de cultuar a Deus) porque há muita gente do mundo com outros interesses, mas essa separação será simplesmente desnecessária na eternidade. Não haverá templos (Ap 21:22), porque todos se encherão do Espírito de Deus de tal maneira que é como se cada canto do Universo fosse uma “igreja”. Em cada lugar que estivermos, estaremos no mesmo espírito de quando cultuamos a Deus em um templo atual. Já não haverá barreira entre o “sagrado” e o “profano”, entre o que é “de Deus” e o que é “do diabo”, entre “a igreja” e o “mundo”, porque “Deus será tudo em todos” (1Co 15:28), e sua glória encherá toda a terra.

Haverá novos livros, não para debater assuntos dos quais já saberemos a resposta, mas para compartilhar conhecimento, informações, reflexões e humor. Teremos um Oscar sem nenhuma imputação de racismo e onde nenhum indicado é acusado de assédio sexual. Teremos filmes ainda melhores e mais bem produzidos que os da Marvel, de forma muito mais vívida e realista, como se estivéssemos “dentro” do filme (esqueça o 3D, que vai virar tecnologia ultrapassada). Teremos realidade virtual e novos mundos nessa realidade, e as cidades do universo físico serão muito mais magníficas que as do Catar, com ilhas muito mais paradisíacas que as do Caribe.

Teremos tudo o que temos hoje, só que em escala muito maior e sem nenhuma preocupação com os problemas atuais, que já não mais existirão. Alguém que gosta da vida calma do campo poderá ter uma vida calma no campo, e alguém que adora as cidades poderá ele mesmo projetar uma de acordo com seu próprio gosto, ou morar em uma já existente, e viajar por todas as outras. Em suma, todo o progresso alcançado não será paralisado ou abortado por uma eternidade monótona no céu, mas estendido e amplificado para realizar os desejos e gostos de cada um, em um cenário totalmente remoto de qualquer coisa que possa ser qualificada como monótona.

No segundo vídeo do início do artigo, Pirula trabalha com uma analogia muito ilustrativa. Ele diz ser um grande fã da saga do Senhor dos Anéis (quem não?) e diz que assistiria com muito entusiasmo os três filmes completos na versão estendida, que somam 12 horas consecutivas. Mas complementa dizendo que se ao terminar as 12 horas alguém colocasse o filme desde o início para assistir tudo de novo, seria tedioso e ele não aguentaria. A analogia aqui é boa, e nos ajuda a ilustrar o ponto. Esse “reinício” dos filmes é como tradicionalmente se entende a eternidade no céu, ou seja, uma grande emoção a princípio, mas uma repetição cansativa e extenuante dali em diante.

Mas isso é o contrário do que eu entendo como a vida eterna da nova criação, que, como vimos, é viva, dinâmica, criativa, produtiva e vibrante, canalizando tudo de bom que há no mundo atual e elevando à enésima potência. Então, dentro da analogia que ele usou, não seria como se passasse os mesmos filmes tudo de novo, mas como se tivesse uma sequência mais espetacular que a outra a cada vez que um filme acabasse, como uma série daquelas intermináveis que você adora assistir, e que assistiria tudo de uma vez se pudesse. Não é como se tivesse um momento emocionante e passasse todo o resto da eternidade apenas “revivendo” esse momento, mas sim uma eternidade de momentos emocionantes que sucedem um ao outro interminavelmente.

É como um fã de Vingadores que assiste todos os filmes em sequência com todo o entusiasmo, com a diferença de que esses filmes não acabam no Endgame (Ultimato) que estréia no final do mês, mas com infindáveis filmes que sucedem um ao outro mantendo o mesmo nível e energia. A vida eterna não é apenas o fim dos nossos problemas terrenos, mas o início de uma aventura muito mais interessante e contagiante do que a vida presente pode ser, mesmo para o mais rico e bem-sucedido entre nós.

Hoje, quando eu penso em vida eterna, não me vêm mais à cabeça as nuvens do céu, mas os lugares mais extraordinários da terra (digite “lugar mais belo da terra” no Google Imagens e tenha um aperitivo de como o nosso planeta é suficientemente fascinante, mesmo no mundo caído em pecado). Deus criou o homem na terra, e é na terra que ele o ressuscitará. Isaías diz que Deus “moldou a terra e a fez, ele a fundou; ele não a criou para estar vazia, mas a formou para ser habitada” (Is 45:18). Ele não parece ter mudado de ideia em relação a isso, levando todo mundo ao céu e abandonando o “projeto terra”, deixando-a vazia e inabitável. Somos nós que não damos valor ao nosso lar, o lar que Deus criou para nós, e por isso a ideia de morar no céu nos parece mais atraente em um primeiro momento – embora a terra reformada do pecado e do mal seja a casa mais maravilhosa que alguém poderia sonhar.

• Compartilhe este artigo nas redes:

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,


- Siga-me no Facebook para estar por dentro das atualizações!


- Baixe e leia os meus livros clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.

ATENÇÃO: Sua colaboração é importante! Por isso, se você curtiu o artigo, nos ajude divulgando aos seus amigos e compartilhando em suas redes sociais (basta clicar nos ícones abaixo), e sinta-se à vontade para deixar um comentário no post, que aqui respondo a todos :)  

200 comentários:

  1. Avalie: http://desenvolvimentoemquestao.blogspot.com/2009/01/douglass-cecil-north-entrevista-revista.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse quesito, não haverá tédio, pois a partir da ressurreição, não haverá sentimentos mundanos.

      os sentimentos mundanos que todos os seres apresentam, sentimentos que deixam insatisfeitos, será rompido, como o próprio Adão que sentiasse sozinho, e Deus já sabia antemão o que ele queria,uma companhia então ele deu Eva, para ele ama-la e com ele ter filhos, por isso multiplicai-vos,ele sabia que a sua criatura queria alguém, e foi atendido prontamente, e isso acontecerá na nova TERRA, poderíamos realizar qualquer coisa era só querer. Entendi a razão pelo que o céu pode nos trazer, pois esse conceito de céu com nuvens é um conceito católico, e que foi deturpado para catequizar outros que tinham uma ideia semelhante de céu, o que muitos filósofos desde Agostinho e Tomas de Aquino já negavam esse tipo de céu o que ocorreu foi a deturpação da igreja católica,como forma(já dito acima)adquirir adeptos ou seja uma heresia, que eles faziam sem saber, esse ponto de vista de céu sempre esteve na Bíblia,que haverá coisa inimagináveis pelo o homem.Sem repetições contínuos o Pirula,não entendeu o significado, e acha que o céu é algo repetitivo,ou ele entendeu errado ou ele é desonesto intelectual. esse do outro vídeo sempre coloca a opinião dele como a certa, para aqueles que são desprovido de entendimento cristão e das filosofias cristãs, sã pegos de surpresa e acabam perdendo a sua fé, uma forma de fabricar ateus, isso é um método que muitos comunistas usam para destruir o cristianismo, por isso que o senhor banzoli está aqui para retirar esses erros que contribui para o avanço do ateísmo, que é apenas um sentimento de raiva pelo sofrimento destruição que sofrem na Terra. muitos cristão querem analisar a Bíblia da sua maneira e não como é realmente dito, proporcionando esses tipos de questionamentos. Obrigado pelo seu trabalho.

      Excluir
  2. Avalie: http://arquivoetc.blogspot.com/2006/11/veja-entrevista-david-rockefeller.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só tenho isso a dizer sobre isso:

      https://blogdocorvo.files.wordpress.com/2010/03/illuminati1.jpg

      Agora falando sério, gostei da entrevista, todas as respostas dele foram boas e coerentes.

      Excluir
  3. Só que se Jesus diz que não haverá casamento, é pq não haverá sexo, nem desejos carnais, nem ficar vendo partidas de futebol. As pessoas vão desenvolver novos interesses. Pode não ser no ceu, mas vai ser diferente do cenário atual.

    Essa questão de não ter casamento deixa intrigado. Adão não era assexuado, então não tem como pensar que vai ser igual a Adão antes do pecado. É estranho pensar que não vai ter procriação. Ninguém vai nascer?

    Outra questão é que penso que o que você descreve pode estar relacionado ao milênio. No milênio, pode ser a volta ao Eden sem tantas mudanças. Depois do milênio, vai haver a ressurreição e um estágio mais elevado e diferente do Eden.

    Eu não penso que a missão de Jesus era apenas voltar ao estágio de Adão antes de pecar, mas deixar num estágio superior, cair, ressurgir e glorificar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo escreveu: "Adão não era assexuado, então não tem como pensar que vai ser igual a Adão antes do pecado"

      Não entendi. Você está querendo dizer o que com isso?

      Excluir
    2. "Só que se Jesus diz que não haverá casamento, é pq não haverá sexo, nem desejos carnais, nem ficar vendo partidas de futebol. As pessoas vão desenvolver novos interesses. Pode não ser no ceu, mas vai ser diferente do cenário atual"

      Sobre a questão do casamento, eu mesmo disse isso no artigo (mais especificamente no parágrafo 19). O fato de não se casar decorre dos problemas que se teria nos casos de pessoas que se casaram na terra com quem não gostavam (casamentos arranjados, ou casamentos frustrados com o tempo), ou nos casos de quem se casou mais de uma vez. Não tem nada a ver com o futebol ou com o fato do ser humano mudar radicalmente de personalidade, se tornando "outra coisa" diferente do que é hoje (o que na prática seria o mesmo que dizer que uma outra pessoa ressuscita, e não nós mesmos). O que vai mudar é a imortalidade, a incorruptibilidade e a falta de estímulos carnais, não todos os traços de personalidade.

      "Essa questão de não ter casamento deixa intrigado. Adão não era assexuado, então não tem como pensar que vai ser igual a Adão antes do pecado. É estranho pensar que não vai ter procriação. Ninguém vai nascer?"

      Mas quem disse que nós seremos "assexuados"? A definição biológica de um "assexuado" não é de alguém que não faz sexo, mas sim de alguém que é "desprovido de células sexuais distintivas ou gametas; que não se reproduz de modo sexual; agâmico"; "que se desenvolve sem a junção dos gametas; assexual"; "que não possui órgãos sexuais". Neste sentido os anjos seriam assexuados, mas não os homens, nem mesmo depois da ressurreição (nós ressuscitaremos nos mesmos corpos físicos atuais, só que sem os defeitos decorrentes da passagem do tempo). Sobre por que não haverá procriação, a resposta é aparentemente simples: porque a terra já vai estar lotada com todos os salvos de todas as épocas. Lembre-se que Deus disse "multipliquem-se" para Adão e Eva quando ainda a terra era despovoada, ou seja, a intenção de se multiplicar era povoar a terra, e na eternidade ela já estará povoada, então já vai ter cumprido totalmente este propósito (que se dá mediante a procriação pelo sexo).

      "Outra questão é que penso que o que você descreve pode estar relacionado ao milênio. No milênio, pode ser a volta ao Eden sem tantas mudanças. Depois do milênio, vai haver a ressurreição e um estágio mais elevado e diferente do Eden"

      É o que você pensa, e tem o direito de pensar assim, mas não é o que a Bíblia ensina. Parte nenhuma da Bíblia diz que depois do milênio teremos "uma vida mais elevada e diferente do Éden".

      "Eu não penso que a missão de Jesus era apenas voltar ao estágio de Adão antes de pecar, mas deixar num estágio superior, cair, ressurgir e glorificar"

      O "estágio superior" é o estágio superior AO ATUAL, embora em certo sentido seremos "superiores" a Adão porque não sentiremos inclinações ao pecado (e não porque viveremos no céu, por sermos assexuados, por não estarmos em um corpo físico ou por não gostarmos das atividades terrenas que nos trazem prazer hoje).

      Excluir
    3. (Sou outro anônimo)

      Então se Adão e Eva não tivessem pecado e o ser humano fosse se multiplicando normalmente chegaria uma hora que as pessoas não poderiam se reproduzir mais e a população seria estabilizada pra sempre? Tinha um limite de pessoas que uma hora ou outra seria alcançado?

      Excluir
    4. Esse Anônimo está totalmente atrasado. Antes da queda o Senhor disse para o primeiro casal: Crescei e multiplicai-vos"

      Deus os fez com os órgãos genitais reprodutores e deu a ordem de crescerem e se multiplicar antes do pecado entrar no mundo e me aparece um Anônimo achando que Adão e Eva não eram assexuados - ou eu entendi errado?

      Alon

      Excluir
    5. "Esse Anônimo está totalmente atrasado. Antes da queda o Senhor disse para o primeiro casal: Crescei e multiplicai-vos"

      Deus os fez com os órgãos genitais reprodutores e deu a ordem de crescerem e se multiplicar antes do pecado entrar no mundo e me aparece um Anônimo achando que Adão e Eva não eram assexuados - ou eu entendi errado?

      Alon"

      Não falei que o primeiro casal era assexuado e sim que entendi que os seres humanos não terão relações sexuais depois da ressurreição dos mortos.

      E sobre isso e fazendo outra pergunta ao Lucas. O pensamento de sexo ser um pecado ou um mal necessário é na verdade uma mentalidade católica medieval, mas você acredita que os seres humanos terão relações sexuais na eternidade? Ou você entende que sexo é apenas com propósito de procriação? Se ninguém vai nascer, então os seres humanos não vai sentir essa necessidade?

      Excluir
    6. "Então se Adão e Eva não tivessem pecado e o ser humano fosse se multiplicando normalmente chegaria uma hora que as pessoas não poderiam se reproduzir mais e a população seria estabilizada pra sempre? Tinha um limite de pessoas que uma hora ou outra seria alcançado?"

      Presumivelmente.

      "E sobre isso e fazendo outra pergunta ao Lucas. O pensamento de sexo ser um pecado ou um mal necessário é na verdade uma mentalidade católica medieval, mas você acredita que os seres humanos terão relações sexuais na eternidade? Ou você entende que sexo é apenas com propósito de procriação? Se ninguém vai nascer, então os seres humanos não vai sentir essa necessidade?"

      O sexo obviamente não é "só pra procriação", mas também não é "livre" no sentido de "qualquer um faz com qualquer um em qualquer lugar", é algo reservado ao casal (marido e esposa). Uma vez que não haverá casais na eternidade, fica difícil pensar que haverá sexo, mas não vai ser algo que sentiremos falta, pois só sentimos falta do que desejamos, e isso será algo que não desejaremos na nova natureza que teremos (da mesma forma que um viciado em drogas aqui não sentirá falta das drogas na eternidade, porque vai ter coisas melhores que isso).

      Excluir
    7. Acho bem confusa essa questão do sexo, a Bíblia tem um livro, cantares, que é totalmente erótico. O sexo não é tratado como algo ruim. Mas se a eternidade será a reconstrução perfeita da Terra, trazendo tudo de volta a origem, e lá a gente não vai ter desejo sexual, então acho que isso meio que acaba insinuando que o desejo e, consequentemente, o ato sexual quando feito sem objetivo de procriação, são algo não planejado por Deus e que veio por consequência do pecado, e que acabou sendo 'adaptado' para a vida humana com o casamento. Dessa forma as pessoas podem querer usar a mesma justificativa e aplicar isso a homossexualidade, por exemplo, dizendo que não foi originalmente planejada, que floresceu com o pecado, e que agora podemos aplicar. Não é em tudo que vão querer encaixar esse raciocínio, é claro, mas no caso citado eu consigo imaginar facilmente, pois a prática homossexual não vai afetar as outras pessoas, sendo algo pessoal, então não teria problema.

      Isso é apenas uma observação mesmo, acho que essas questões da vida eterna, mais especificamente do sexo na Nova Terra e também algumas outras questões, ainda tem que ser muito debatidas, tudo sem ser algo dogmático é claro, e também tendo em vista as limitações do assunto no texto sagrado que não se compromete em explicar tais coisas, então a resposta 100% definitiva só teremos na hora, eu acho, mais vale o assunto.

      Excluir
    8. Outra pergunta baseada no seu outro texto:

      "É curioso observar que logo após João no Apocalipse dizer que Deus fez novos céus e nova terra, “pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado”, ele acrescenta logo em seguida: “...e o mar já não existia” (Ap 21:1). Eu sempre costumei interpretar esse texto figurativamente, embora não entendesse que raios de figura estranha seria essa de “o mar já não existe”. Mas considerando o fogo literal que cairá do céu e a destruição total da superfície terrena, é perfeitamente possível que esse fogo seja tão intenso que apague completamente os mares e as fontes de água que hoje possuímos. De todo modo, os salvos já estarão em corpo glorificado e não precisarão mais de água para sobreviver."

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/05/a-terra-ira-durar-para-sempre-ou-deus.html

      Você ainda interpreta que os seres humanos não beberão água depois da ressurreição?

      E comida, continuará a existir? Talvez não carne, pq no Eden Adão era vegetariano.

      Excluir
    9. Na verdade, a Bíblia fala ressurreição de justos e injustos, para a terra (Atos 24:15), sendo esta uma parte vital do propósito de Deus, e é nessa, entendo é que o ressurreto será como os anjos no Céu, ou seja, não haverá casamento, contudo, haverá sobreviventes para o milênio (semelhante ao dilúvio dos dias de Noé)(Apoc.7:9,10) onde os salvos ali mencionados são sobreviventes da grande tribulação, por isso não precisarão serem ressuscitados; e desses não se fala que serão assexuados.

      Excluir
    10. "Então acho que isso meio que acaba insinuando que o desejo e, consequentemente, o ato sexual quando feito sem objetivo de procriação, são algo não planejado por Deus e que veio por consequência do pecado"

      Não é o ato sexual sem o desejo de procriação, mas o ato sexual fora do casamento. Mas eu concordo com você de que assuntos como esse estão em aberto e só teremos uma resposta definitiva na eternidade. Eu só disse o que acho o mais provável, mas nem de longe tenho todas as respostas.

      "Você ainda interpreta que os seres humanos não beberão água depois da ressurreição?"

      Eu não disse que nós não beberemos mais água mas sim que nós não precisaremos de água para sobreviver. Vai ser igual a questão da comida que abordei no artigo: nós não comeremos "para sobreviver", mas sim pelo prazer de comer, porque comer é um ato prazeroso (se a comida for boa, é claro!). Da mesma forma, nós poderemos beber água na eternidade, mas não como se na ausência de água fôssemos morrer.

      "Não haverá casamento, contudo, haverá sobreviventes para o milênio (semelhante ao dilúvio dos dias de Noé)(Apoc.7:9,10) onde os salvos ali mencionados são sobreviventes da grande tribulação, por isso não precisarão serem ressuscitados; e desses não se fala que serão assexuados"

      Eu discordo dessa interpretação porque os salvos que permanecerão na terra durante o milênio serão arrebatados ao encontro com Cristo nos ares antes disso, e neste processo os seus corpos se transformarão em incorruptíveis e imortais, ou seja, serão como os ressuscitados, embora não tenham precisado morrer para isso.

      Excluir
  4. Dois sustos eu tomei na minha vida cristã; um foi quando eu descobri que a igreja não é o prédio e, dois, foi quando eu descobri que ninguém vai morar no céu.

    Parabéns pelo artigo, Lucas. Apesar de não concordar com você em tudo - seu entusiasmo te fez exagera um pouco - uma coisa é certa, e parece que o mundo ortodoxo cristão não se deu conta: No novo céus e na nova terra as nações com seus respectivos reis (presidentes) continuarão existindo.

    Veja que o escritor do Apocalipse, depois de falar que a velha terra se foi, "E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já se foram o primeiro céu e a primeira terra, e o mar já não existe (Apocalipse:21:1), ele afirma que os presidentes de cada país terá acesso a Nova Jerusalém que desceu do céu:

    "A cidade não necessita nem do sol, nem da lua, para que nela resplandeçam, porém a glória de Deus a tem alumiado, e o Cordeiro é a sua lâmpada.

    As nações andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória.

    As suas portas não se fecharão de dia, e noite ali não haverá; e a ela trarão a glória e a honra das nações", Apocalipse 21:23-26.

    E para piorar muito a mente fechada dos tradicionalistas, veja o que está escrito no segundo versículo do último capítulo do Apocalipse

    "No meio da sua praça (da cidade), e de ambos os lados do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a CURA DAS NAÇÕES, Ap 22:2.
    Apocalipse:22:2

    Qual ortodoxo pode aguentar uma pedrada dessas? Nações e presidentes? Vida eterna nesse planeta? Mas é muito bem feito para quem pensa que vai morar no céu!

    Tradição só serve para destruir a beleza da Sã Doutrina.

    Alon





    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem observado, Alon! Essa questão de que na eternidade também haverão reinos e reis entra em choque com a noção tradicional da vida eterna no céu, onde ninguém pensa que vai existir nações como existe hoje (o texto inclusive insinua que impostos continuarão existindo, pois "os reis da terra trarão para ela [a Nova Jerusalém, a cidade principal da nova terra] a sua glória", como faziam na época de Salomão, pagando-lhe tributos. Quem pode imaginar tal coisa no céu?

      Excluir
  5. Olá Lucas.

    Sou o mesmo anônimo que tinha te mandando aquele vídeo do meteoro Brasil afirmando que não faz sentido nenhum ser liberal na economia e conservador nos costumes. Aliás, eu já vi muitos esquerdistas afirmando que liberal autêntico é aquele que defende também o liberalismo social (como aborto, casamento gay, drogas e etc.). Enfim como você rebateria esses argumentos???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ser liberal é ser a favor da liberdade, mas não de "libertinagem" ou de uma liberdade que violente a liberdade dos outros. No caso do aborto, trata-se de um atentado contra a liberdade do feto; no caso do casamento gay, trata-se de uma violação da própria concepção de casamento que decorre da concepção de família (duas pessoas do mesmo sexo não podem procriar; logo, não podem ser ou formar uma família), e no caso das drogas, eu expliquei como ela atinge outras pessoas neste artigo de semanas atrás:

      http://www.lucasbanzoli.com/2019/03/por-que-sou-contra-legalizacao-das.html

      Em suma: ser liberal não é ser a favor da liberdade de um EM DETRIMENTO dos outros, por isso os liberais históricos sempre se opuseram a aborto, drogas e casamento gay. O que ocorre é que em alguns lugares (como nos EUA) os esquerdistas SE APROPRIARAM do termo "liberal" para eles, da mesma forma que fizeram com o termo "progressistas", o que gera toda essa confusão e passa a falsa ideia de que ser liberal é o oposto a ser conservador.

      Excluir
  6. Respondendo a Anabelle de Direita que comentou no artigo anterior o seguinte: "Tenho outra pergunta. Eu andei lendo um livro de ética cristã, a parte de mentir. Vou supor um caso: vc é alemão, cristão e está morando na Alemanha um pouco antes da Segunda Guerra. Vc resolve manter no porão da sua casa duas famílias de judeus antes que eles fossem exterminados. Um dia a Gestapo bate na tua porta e pergunta se vc viu algum judeu nos últimos dias. Eu mentiria e diria não sem pensar mesmo, eu salvaria todos no porão da minha casa. Como justificar o ato de mentir nesse caso diante de Deus?"

    Mentir em casos como esse não é pecado, é uma situação parecida com a de Jeremias. "Então Zedequias disse a Jeremias: "Se alguém souber dessa conversa, você morrerá.
    Se os líderes ouvirem que eu conversei com você e vierem dizer-lhe: ‘Conte-nos o que você disse ao rei e o que o rei disse a você; não esconda nada de nós, se não nós o mataremos’,
    diga: ‘Fui suplicar ao rei que não me mandasse de volta à casa de Jônatas, para ali morrer’ ".
    Quando os líderes vieram interrogar Jeremias, ele lhes disse tudo o que o rei tinha ordenado que dissesse. E eles não lhe perguntaram mais nada, pois ninguém tinha ouvido a conversa com o rei.".(Jeremias 38:24-27). Se Jeremias tivesse contado tudo o que ele tinha conversado com o rei ele seria morto, então ele teve que dizer que tinha ido ao rei apenas para implorar pela sua vida. Mentir é errado quando é por motivos injustos, quando ao mentir será cometido uma injustiça, uma maldade. Mentir para salvar a sua vida ou a de outra pessoa não é pecado. Alguém poderia dizer "então seria lícito mentir para as autoridades para evitar que um assassino não seja condenado a pena de morte em países que existe essa lei". Nesse caso é pecado porque fazer isso seria perverter a justiça. É lícito mentir somente em casos que ao fazer isso não será pervertida a justiça de Deus, então mesmo que ao mentir nessa situação que você escreveu esteja pervertendo a lei da Alemanha naquela época, ainda é lícito mentir pois a lei de Deus não será pervertida, apenas a lei diabólica da Alemanha nazista. E isso vale para qualquer lei que seja contrária as escrituras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o problema é o tipo de crime realizado por este, ele deverá pagar porque é a lei do local, realmente compadecer pelo seu próximo é bom, mas não é ser conivente dos seus pecados. Por mais que seja duro e ríspido que eu digo mas é o que deve ser feito, e como vc mesmo disse, deve ser usado como forma de aplacar a injustiça ou salvar alguém, que mereça.

      Excluir
  7. Comecei a acompanhar seu blog no início do ano passado, tenho aprendido muita coisa e evoluído bastante, me tornei aniquilacionista e holista graças a você, também acredito na vida eterna na Nova Terra, não no céu.

    Apenas ainda tenho umas dúvidas sobre esse assunto e acho que só vamos conseguir compreender tudo quando o momento chegar mesmo. Penso se na eternidade vai haver casamento, no caso relacionamentos, pois Deus criou Adão e Eva um para o outro e abençoou a relação deles como casal, logo, na reconstrução perfeita da terra essas coisas também deviam estar presentes, porém Jesus disse que ninguém seria dado em casamento a ninguém, porque seremos como os anjos. Não sei se ele estava se referindo a casamento como um ritual Civil-Religioso, se estava se referindo a reprodução, ou se estava falando de relacionamentos mesmo, então ainda tenho essa grande pulga atrás da orelha.

    Também não compreendo direito o objetivo do céu, é simplesmente tipo uma outra dimensão, onde ficam outros seres criados por Deus? Porque as coisas de la interferem aqui como por exemplo Satanás interferiu? Porque a gente não pode ir pra lá mas os seres celestiais ou caídos podem vir aqui na terra e influenciar como quiserem, ou ao menos como já fizeram antes? O que Elias e Enoque estão fazendo lá esse tempo todo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, eu respondi as questões do segundo parágrafo em um outro comentário acima, vou reproduzir aqui: O fato de não se casar decorre dos problemas que se teria nos casos de pessoas que se casaram na terra com quem não gostavam (casamentos arranjados, ou casamentos frustrados com o tempo), ou nos casos de quem se casou mais de uma vez. Sobre por que não haverá procriação, a resposta é aparentemente simples: porque a terra já vai estar lotada com todos os salvos de todas as épocas. Lembre-se que Deus disse "multipliquem-se" para Adão e Eva quando ainda a terra era despovoada, ou seja, a intenção de se multiplicar era povoar a terra, e na eternidade ela já estará povoada, então já vai ter cumprido totalmente este propósito (que se dá mediante a procriação pelo sexo).

      Sobre o céu se trata de uma outra dimensão fora do nosso Universo físico, os seres espirituais (anjos e demônios, além do próprio Deus é claro) podem interferir aqui porque são seres interdimensionais, coisa que nós não somos, o homem foi criado diferente dos anjos, Deus quis assim. Tentando transpor isso para a forma de analogia, seria como se algum de nós criasse um jogo de computador com personagens que existem dentro daquela realidade 2D (suponhamos que eles tenham livre-arbítrio e sejam capazes de tomar decisões reais, coisas que personagens de computador não tem). Os personagens do jogo não podem sair da tela do computador e aparecer do nosso lado em nossa realidade 3D, mas suponhamos que quem projetou o jogo também pudesse se projetar na realidade do mesmo, ou seja, como um personagem deles, em 2D. Isso é apenas uma tentativa simplista de explicar a relação entre a outra dimensão e essa, trabalhando com base na relação entre a nossa dimensão e outra que nós criamos. No caso de Elias e Enoque, Deus os quis transpor para uma outra dimensão, algo excepcional que foge ao padrão, mas na eternidade eles estarão na nova terra como todos os demais. Não é impossível alguém sair dessa realidade para a outra, o próprio Paulo diz ter ido ao terceiro céu e voltado, só é algo extremamente incomum, fora do normal, pois nenhum de nós tem acesso direto a essa outra dimensão, ou um meio natural de acessá-la.

      Excluir
    2. Nao só ja estara lotada, como tb seremos imortais. Ja pensou quantas terras seriam necessarias se alem de imortais, nos reproduzíssemos?

      Excluir
  8. A Bíblia apoia o individualismo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendido em um sentido correto, sim.

      Excluir
    2. No caso, individualidade seria o termo correto?

      Excluir
    3. Seria mais preciso, porque se refere às particularidades de cada um (aquilo que distingue você de todos os outros). Em se tratando de "individualismo" há vários significados dados pelo dicionário, alguns deles são positivos (relacionado à autonomia individual e a busca pela liberdade), e outros são negativos (no que diz respeito a "viver exclusivamente para si", que é a concepção mais popular que se tem do termo).

      Excluir
  9. Essa idéia de que nao lembraremos de entes queridos que nao foram salvos nao parece muito inteligente,uma vez que reconheceremos nossos familiares e amigos que foram salvos.Realmente seria algo confuso manter parte de uma memória , e apagar outra (refere-se a parte final do segundo video) Ninguem suporta a"MESMICE". E acredito que no mundo vindouro,estaremos sempre diante de novos momentos ,como foi proposto no texto ,se ainda nesta vida temos prazer nas pequenas coisas, muito mais ainda teremos na vida futura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, inclusive eu escrevi um artigo sobre isso há algum tempo:

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/05/nos-lembraremos-uns-dos-outros-na.html

      Excluir
  10. Lucas,

    What do you think of this article?:

    https://rationalchristiandiscernment.blogspot.com/2018/07/catholic-answers-provides-lousy-excuses.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Good article. These attempts by Catholic apologetics to find Marian teachings in the Bible are insane and bizarre. You would be impressed by Brazilian Catholic apologetics, which does this on a much more mind-boggling level, finding Marian dogmas in literally anything that says nothing of the sort.

      Excluir
    2. Oh, here's another article of wild speculation in regards to Marian dogmas:

      https://rationalchristiandiscernment.blogspot.com/2019/01/debunking-catholic-answers-on-queenship.html

      I even remember reading a work by a Roman Catholic who somehow used Philippians 2 as a way to teach Mariology, when in reality the text is exalting the Person of Christ!

      You say the way in which the Brazilian Catholics argue is even more so mind boggling. Would you care to show me just one example?!?!? I've gotta see that.

      Excluir
    3. I have a series of "pearl of tridentine zombies" articles with the delusions of this type of people. It's a shame that you can not read in Portuguese, but I'll summarize below what they say:

      1) Mary does more miracles than Jesus does.

      2) Mary opened and closed the seal of Revelation 5:3.

      3) First we have to praise Mary and then worship Jesus.

      4) Even God worships Mary.

      5) Mary is omnipotent.

      6) We are slaves of Mary.

      7) We find salvation faster by invoking Mary than by Jesus.

      8) Better go to hell if you go with Maria.

      9) Mary is the gate of heaven.

      10) Mary made herself accursed to give us salvation.

      11) Mary is the bride of the Holy Spirit, not of Joseph.

      12) The Church was born by the intercession of Mary.

      13) Jesus will return in the form of a baby by the hands of Mary.

      14) Mary is more important than Jesus, because without Mary Jesus would not have been born.

      15) The devil is more frightened when someone invokes Mary than when he invokes Jesus.

      16) Mary is co-redemptive because the blood of Mary was the same blood of Jesus (and we are saved by the blood of Jesus...).

      17) We have eternal life through Mary.

      18) "The tendency is that in the end times Mary will be better known than Jesus".

      19) A "chain of Mary" that they literally tie on their feet to prove that they are "slaves of Mary".

      20) Mary is the ark of the covenant and co-participant of the Most Holy Trinity.

      You can check in these posts:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2016/01/como-funciona-o-mundo-na-cabeca-de-um.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2015/08/como-funciona-o-mundo-na-cabeca-de-um.html

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/06/como-funciona-mente-de-um-zumbi.html

      Excluir
    4. I apologize. I didn't mean to bring about any shame. Also, I am familiar with a lot of those Catholic claims (though I have not heard of the chain of Mary idea). And yet, they adamantly tell us they do not worship idols! Could you tell me what those pictures of comments were in the first article? Those do not translate for me. Also, the last two links don't work for me.

      Excluir
    5. No need to apologize, there is no problem.

      The links are working normally for me, but if you're not getting it, try to get into the index articles, more specifically on the topic called "Articles on Catholic Beads" (there is the list of articles on this, including the three of this series). These comments are made by Catholic debaters in the debate communities on facebook, some of them are well known, others not so much, but there you find a multitude of nonsense arguments to validate the Marian dogmas.

      Excluir
  11. Respostas
    1. Não, eu abordei isso neste vídeo:

      https://www.youtube.com/watch?v=2Fre-fDThkk&t=1s

      Excluir
  12. https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Desencantamento_do_mundo
    Concorda com o Weber? O Protestantismo eliminou todos aqueles elementos místicos, rituais, explicações para fenômenos naturais baseadas em seres mágicos/deuses, e coisas do tipo que eram cridas por religiões para assim marcar uma prática religiosa fundada na ética e não em magia?
    *não confundir tal processo com secularização*

    ResponderExcluir
  13. Oi Lucas,o que o Martinez quis dizer é que ele tem a patrística e que os pais da igreja acreditavam na imortalidade da alma e que vc e o Leandro se aproveitam do fato da maioria das pessoas não terem acesso à patrística para engodá-los.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já respondi isso aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2019/04/tomas-de-aquino-e-apologia-da-escravidao.html?showComment=1555219232369#c385264334645742632

      Quem se aproveita do fato de que a maioria das pessoas não tem acesso à patrística para engodá-los são eles, que tem no máximo um punhado de artigos toscos mixurucas sobre o tema e nada que se deva levar a sério. Que refutem o meu livro sobre o tema (Os Pais da Igreja contra a Imortalidade da Alma), ou melhor ainda, os do Le Roy Edwin Froom (dois volumes gigantescos chamados "The Conditionalist faith of Our fathers"), que aí ele começa a ter alguma moral para discorrer sobre o tema com alguma propriedade, por menor que seja. Por enquanto é apenas um palpiteiro como todos os outros, que descobriu meia dúzia de textos isolados e já exaustivamente explicados por esses compêndios e acha que descobriu a pólvora.

      Excluir
    2. Ele disse que vc dá as referências mas tira as citações dos pais da igreja do contexto.

      Excluir
    3. Falar até papagaio fala, cabe a ele provar isso.

      Excluir
  14. Gostei do artigo! Penso da mesma forma que você, Lucas.

    Deus lhe ilumine!

    ResponderExcluir
  15. Completando meu comentário anterior(eu esqueci de completar ><), creio também que, embora a eternidade será na Terra, creio que parte dela será no Céu(1000 anos). Também não vejo o porquê não termos uma casa no Céu também(como morar no Brasil, mas ter outra casa na Inglaterra. No caso, o Brasil é a Terra e o Céu a Inglaterra).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sei que na teologia adventista (a sua) os mil anos são no céu, mas eu não vejo uma base para dizer que serão mil anos no céu e depois todo mundo volta pra terra e dá início ao estado eterno. Todas as descrições bíblicas do milênio (que não são muitas, é verdade) subtendem que se passa na terra. Por exemplo, Ap 20:3 diz que Satanás será preso no milênio "para não enganar as nações", depois ocorre a ressurreição dos ímpios ao final do milênio e ele "sairá para enganar as nações que estão nos quatro cantos DA TERRA" (Ap 20:8), e o verso seguinte diz que "as nações marcharam por toda a superfície DA TERRA" (Ap 20:9). Ou seja, toda a sequência acontece na terra e não há qualquer indício de que antes disso as nações de fieis estivessem no céu e depois voltaram pra terra. Tem textos do AT que parecem indicar o mesmo, por isso os judeus até hoje creem em um milênio literal na terra.

      Excluir
    2. Olá novamente, Lucas! Poderia me dizer quais são esses textos do VT que parecem indicar que o milênio será na Terra?

      Deus lhe ilumine!

      Excluir
    3. Zacarias 14 é um deles (seguramente o mais claro, talvez o único). Tem outros textos aludidos em Isaías e nos livros proféticos, mas que eu não estou certo de que falam mesmo do milênio.

      Excluir
  16. Comente:

    https://youtu.be/1xB0GhOybdU

    É verdade que Deus teve uma esposa, segundo esse vídeo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já entrei pensando que era um vídeo do Fábio Sabino.

      Mas não, Deus não tem esposa, isso é apenas paganismo que às vezes influenciava os israelitas (é só ler as páginas do AT para ver o tanto de vezes que eles se desviavam de Deus e cultuavam os ídolos, como Aserá). E também coisa de pagão romanista como esse aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2014/12/pasme-catolico-admite-abertamente-que.html

      Excluir
  17. Avalie:

    https://youtu.be/r-yFuI6-sE4

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se por "manos" ele estiver se referindo à família que foi morta na tragédia que ele comenta, eu concordo. Mas todo mundo sabe que no linguajar popular quando se fala em "mano" no sentido dessa frase está se referindo a bandido mesmo.

      Excluir
  18. Avalie:

    https://youtu.be/K9poU3GtRyI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa condenação à prisão do Gentili foi patética, é o fim da liberdade de expressão. Não consigo me lembrar de um país sério no mundo onde fazer piada leve alguém a prisão.

      Excluir
  19. Lucas sou o anônimo que sempre deseja Shabbat Shalom! Observando os artigos, os comentários e a reação da facção católica que está te ameaçando e quer o retorno da Monarquia e da Inquisição aos infiéis protestantes como eu, chego a uma grande conclusão: O grande barato em ser protestante. Justamente a chance de protestar. Podemos olhar para os lados, para trás, para cima, para baixo e até para o espelho e apontar erros, falhas, incongruências ou apenas discordâncias, até contra os pastores ruins que usam do mesmo método exegético que a ICAR usa para si o direito de "pronunciar a vontade de Deus" e não querer sequer ser questionada, tem depoimentos e testemunhos de pessoas que viveram poucas e boas no site que me edificaram bastante. Era isso que eu gostaria de dizer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem ressaltado, este é um dos grandes benefícios de não se achar "infalível': a capacidade de autocrítica. Eu acrescentaria a isso a honestidade intelectual, que é algo que não se vê em certos círculos que se acham os donos da razão, mas como nós não estamos em tese apegados incondicionalmente a uma interpretação específica, podemos olhar para todas elas e honestamente aderir àquela que parece fazer mais sentido. Com um apologista católico (apenas para citar um exemplo) não é assim, porque ele está OBRIGADO a crer em tudo aquilo que a Igreja dele defende se quiser ser católico. Ou seja, tem que comprar o "pacote completo" de uma vez e defender atrocidades e birutices que ele sabe que estão erradas, que ele sabe que os argumentos racionais apontam na direção contrária, mas que ele precisa defender mesmo assim, pelo simples fato de ser católico. Ou ele compra o pacote completo e é obrigado a defender uma porção de coisas que ele não estudou pra saber se são particularmente verdadeiras, ou ele não pode ser católico. A consequência é esse nível baixo e rasteiro que vemos por aí, num desespero monumental em se defender falsas doutrinas e atrocidades morais apenas porque PRECISA defender, mesmo inteiramente à parte dos argumentos racionais. Eles já tem a conclusão, e precisam apenas buscar pretextos para corroborar essa conclusão que já tomaram de antemão, diferentemente do protestante, que por ter mais liberdade e autonomia pode estudar cada doutrina individualmente e chegar às conclusões a posteriori, e não a priori. Ou seja, como é feito por qualquer ser pensante que deseja ser honesto intelectualmente consigo mesmo e com os outros.

      Excluir
  20. Sobre as duas testemunhas do apocalipse, tem esse vídeo https://www.youtube.com/watch?v=10RWutOSEMA poderia avaliar, nunca te pedi nada :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O vídeo me convenceu, faz muito sentido mesmo. Tem alguns errinhos (como o argumento baseado no texto de Hebreus 9:27), mas o texto de Zacarias 4 é muito forte, não tinha pegado a referência antes e conectado com o de Apocalipse 11. Tem outros detalhes no texto que ele nem chegou a citar mas que lendo os dois textos fica bem nítido a referência. Vou até publicar um artigo sobre isso, que seria uma "errata" já que eu pensava de outro modo antes. Sempre é bom aprender algo novo, vlw pelo vídeo.

      Excluir
    2. Qual o nome da música ou artista da trilha sonora deste vídeo ? Gostei e queria procurar para ouvir mais vezes...

      Sobre este artigo, gostei também bastante, obrigado.

      Excluir
    3. Eu não conheço, mas você pode converter qualquer vídeo do youtube pra mp3 usando esse site:

      https://www.dlnowsoft.com/pt-br/youtube-mp3

      Excluir
  21. Do ponto de vista filosófico eu não faço questão de existir.Não estou deprimido e nem vou me matar,apenas acho que no paraíso as pessoas deveriam ter a opção de deixarem de existir,caso queiram,em algum monumento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E existe algum monumento que faça isso?

      Excluir
    2. Eu quis dizer em algum momento.

      Excluir
    3. Mr. Anonymous,

      No offense, but the notion of potentially wanting to cease existing in heaven seems directly un-Christian.

      Why then believe the gospel in the first place?

      Excluir
  22. Viver para sempre pode ser uma prisão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depende de como e onde é essa vida.

      Excluir
    2. Living forever does not have to be a prison when it is done in accordance to the glorious design and will of God. It is ultimately a matter of trusting in His wisdom. We cannot even begin imagining ourselves not being in existence.

      Excluir
  23. Lucas, que artigo legal! É a primeira vez que comento no seu blog, embora acompanhe já há algum tempo.
    Puxa, eu já tinha lido seu outro artigo sobre esse mesmo assunto e fiquei fascinada com o quão diferente a vida eterna vai ser, em comparação com o que eu acreditava. É muito melhor do que qualquer livro de ficção científica. Realmente mudou muito minha perspectiva e me fez desejar ainda mais a vida eterna!
    Eu também achava que a vida eterna no céu pudesse ficar um pouco monótona depois de um tempo, mas pensava que era melhor que o inferno eterno. rsrs
    Também quero aproveitar para agradecer a Deus pela sua vida e te agradecer por disponibilizar gratuitamente seus livros, em especial o livro sobre a lenda da imortalidade da alma. Em alguns meses lendo seu blog já virei mortalista, aniquilacionista e pós-tribulacionista! haha
    Que Deus continue te abençoando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que tenha gostado do blog e do livro (ainda mais por ter concordado xD), de fato muita gente prefere ir pro céu só pra escapar de um "tormento eterno", inclusive argumentam que se o aniquilacionismo é verdadeiro então compensa viver em pecado (como se a vida eterna com Deus já não fosse o suficiente para estimular alguém a buscar a salvação). Eu nunca entendi bem esse raciocínio deles, mas agora eu entendo: a "vida eterna" que eles concebem é tão desinteressante que o único estímulo que eles tem para não pecar é não ir para o inferno (razão pela qual o inferno PRECISA ser tão grotesco e não acabar nunca). O que é bastante irônico, já que em toda a Bíblia em 99% das vezes que algo é colocado diante dos olhos de um cristão para fazê-lo permanecer firme não é o lugar para onde ele vai caso não consiga, mas justamente para onde ele vai caso consiga. O estímulo é sempre "positivo", ou seja, foca-se na vida eterna que tem pela frente; não um "negativo", enfatizando o destino terrível que poderia ter. Há certamente textos que falam do triste fim dos ímpios (nenhum retratando um tormento eterno), mas nenhum em um contexto de estímulo para buscar a salvação. É como se a própria vida eterna bastasse, que é onde o verdadeiro cristão deve colocar seus olhos.

      Deus lhe abençoe igualmente e fique a vontade para comentar mais vezes quando quiser :)

      Excluir
  24. Lucas, como fica isso aí?


    Três perguntas aos aniquilacionistas

    1ª - Segundo os aniquilacionistas o homem ímpio será destruído, desaparecerá, então por que em Ecl. 3.14 diz que tudo que Deus faz durará para sempre? Não seria essa uma versão teológica da lei da natureza exposta por Lavousier sobre o princípio da conservação de massas, conhecido pela frase: "Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma"? A doutrina da imortalidade da alma sustenta esse verso, enquanto o aniquilacionsimo o contraria.

    2ª - “Por isso eu louvei os que já morreram, mais do que os que vivem ainda.
    E melhor que uns e outros é aquele que ainda não é; que não viu as más obras que se fazem debaixo do sol.” (Eclesiastes 4:2,3).

    Se o aniquilacionismo estivesse correto, este verso não teria sentido, pois aqueles que ainda não existem não teriam nenhuma vantagem sobre os mortos (que segundo os aniquilacionistas, não existem mais)

    3ª - Se como dizem os aniquilacionistas, o tempo do sofrimento no geena é medido pelo pecado que o ímpio cometeu, então o que fazer com quem peca contra o Espírito Santo (um pecado eterno)? Qual a duração do sofrimento desta pessoa: eterno ou proporcional? (Mateus 12:32)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Nossa, que distorção bizarra no Eclesiastes. Mas vamos supor que o raciocínio dele esteja certo e realmente tudo o que Deus faz (no sentido de cada ser que Deus cria) tem que permanecer existindo pra sempre: então cada pernilongo morto deveria ter uma "alma imortal" que o faça continuar existindo para sempre em uma outra dimensão, pois o pernilongo é uma criação de Deus assim como nós. Não há como fugir a essa conclusão, caso se leve adiante um argumento baseado nessas premissas. A mesma coisa se aplica à lei de Lavousier que ele inacreditavelmente transforma em teologia (e em teologia ruim). É impressionante a capacidade que os imortalistas tem de encontrar falácias novas para usar a todo o momento (na ausência de todos os argumentos comuns que já foram refutados há muito tempo).

      2) Meeeeuuuuuu Jesus amado, Salomão deve estar se revirando no túmulo com um argumento desses. O que Salomão está dizendo nesse verso é que alguém que não nasceu (ou seja, um ser inexistente) é "melhor" do que os vivos e os mortos no sentido de que não vai passar por aquilo que os vivos e os mortos passam/passaram na terra. Ou seja, quem está vivo está passando pelos sofrimentos da vida, quem morreu já passou por esses mesmos sofrimentos enquanto esteve vivo, então quem está numa condição "melhor" é aquele que não viveu, porque ele "não viu as más obras que se fazem debaixo do sol" (como diz a continuação), e não porque os mortos estejam sofrendo alguma coisa agora em uma outra dimensão. É incrível que ele distorça um verso desses para favorecer a sua crença mas "se esqueça" de citar justamente os versículos onde Salomão registra expressamente a sua crença em relação ao estado dos mortos, da forma mais explícita que é possível alguém escrever:

      “Ora, para aquele que está entre os vivos há esperança (porque melhor é o cão vivo do que o leão morto). Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas OS MORTOS NÃO SABEM COISA NENHUMA, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento. Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol” (Eclesiastes 9:4-6)

      “Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças; porque no Sheol, para onde tu vais, NÃO HÁ OBRA, NEM PROJETO, NEM CONHECIMENTO, NEM SABEDORIA ALGUMA” (Eclesiastes 9:10)

      3) A blasfêmia contra o Espírito Santo é um "pecado eterno" no sentido de não ter perdão nem nesta vida e nem na vida futura (enquanto há outros pecados praticados nesta vida que tem perdão no sentido de ainda dar tempo de se arrepender nesta vida, mas que também não tem perdão na vida futura se morrer nesses pecados). Ou seja, se refere simplesmente ao fato da pessoa não ser nunca perdoada por Deus, não tem nada a ver com o grau ou o tempo de condenação. Quem é condenado à segunda morte não é morto porque "Deus perdoou", mas sim porque foi punido pelos pecados pelo tempo correspondente, ainda que este pecado não tenha perdão (ou seja, ainda que ninguém possa ser salvo depois de pecar assim). Confundir a ausência de perdão com o tempo de castigo é misturar alhos com bugalhos.

      Excluir
  25. Lula fala direto errado e ninguém fala nada,mas se for Bolsonaro todos cai matando http://amp.brasil247.com/pt/247/brasilia/390206

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, que "erro crasso"! (um erro que passa imperceptível para 99% dos leitores). O outro chamava a presidente de "presidenta" milhares de vezes e esse site nunca percebeu.

      Excluir
  26. Você foi citado novamente!: https://youtu.be/p81JMet0iAQ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vi o vídeo ainda, mas é sempre uma honra ser citado pelo Leandro (apesar de que ele sempre erra a pronúncia do meu sobrenome xD).

      Excluir
  27. Fui eu que te pedi para avaliar o vídeo (Resolvi comentar logado para comemorar rs), Obrigado por fazer este excelente artigo!
    Minha visão sobre a Vida Eterna é infinitamente melhor! Obrigado! :)

    Pequenas perguntas bobas e aleatórias:

    -Você acha que será possível viajar no tempo na Nova Terra (ou mesmo antes, no mundo atual)?

    -Você acredita em alienígenas (talvez não da forma "clássica" de ETs)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você decidiu comentar logado, se não fosse por isso eu jamais saberia que você é na verdade o Seu Madruga ^^ (altas revelações)

      Sobre as "perguntas bobas e aleatórias":

      1) Viajar para o futuro sim, porque é provado pela física de Einstein que dá pra avançar no tempo se viajar um tanto mais rápido que a velocidade da luz (o que é obviamente impossível de ser feito com a tecnologia atual, mas durante a eternidade pode ser possível), eu só não sei que utilidade teria viajar para o futuro de um estado eterno rs. Agora, para o passado é fisicamente falando impossível, pois envolveria paradoxos e tudo mais. A não ser que seja no "passado" de uma realidade virtual, aí é outra coisa (mas não é viagem no tempo real).

      2) Eu não acredito em aliens (ou pelo menos não até ver um).

      Excluir
    2. Poxa, viajar para o passado parece tão mais legal, seria legal poder rever a abertura do mar vermelho e todas essas outras histórias. Eu achava que no céu teria um cinema pra a gente ver esses eventos quando era mais novo, até hoje não me parece uma ideia ruim kk vai que ne

      Excluir
    3. Obrigado novamente!
      "Eu não acredito em aliens (ou pelo menos não até ver um)" - Cuidado com o que deseja... rs

      Última pergunta:

      -Os animais irão para a Nova Terra?
      Se alguém tiver um cãozinho (e amá-lo muito) por exemplo, e ele acabar morrendo, na Nova Terra eles irão se reencontrar? Afinal, Deus criou os animais e eles faziam parte do projeto original de Deus.

      Excluir
    4. "Poxa, viajar para o passado parece tão mais legal, seria legal poder rever a abertura do mar vermelho e todas essas outras histórias. Eu achava que no céu teria um cinema pra a gente ver esses eventos quando era mais novo, até hoje não me parece uma ideia ruim kk vai que ne"

      Isso daí poderia ser feito com a realidade virtual, que eu mencionei. Não seria literalmente uma volta ao passado real (como se pudesse mudar o que aconteceu), mas você se veria naquela cena como se estivesse lá realmente, poderia "entrar" lá dentro e acompanhar tudo como se estivesse acontecendo ao vivo. Ou seja, é quase a mesma coisa, mas sem poder alterar o que aconteceu.

      "Os animais irão para a Nova Terra?"

      Vai ter animal na nova terra, mas não os mesmos que tivemos aqui (até porque se Deus ressuscitasse todos os animais que já pisaram neste planeta em todas as eras, não haveria sequer espaço para seres humanos...). Os animais que existirão serão animais novos, que Deus irá criar (mas serão os mesmos que já existem, no sentido de ter leões, cães, gatos, girafas e etc, não no sentido de serem os mesmos individualmente falando).

      Excluir
  28. Lucas ouvir essa musica é pecado ?
    https://www.youtube.com/watch?v=eZX_Lp6QCeg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus me dibre.

      Era só o que me faltava, "música islâmica gospel". Tô fora.

      Excluir
    2. É pecado ? Porque eu fiquei viciado nela

      Excluir
    3. É uma idolatria a um falso deus, então cantar uma música dessas seria pecado sim. Se o simples fato de escutar também é pecado eu já não sei, mas é o tipo de coisa que é melhor evitar.

      Excluir
  29. Nossa, alguém postou aqui uma dúzia de comentários gigantescos tirados de vários sites da internet (literalmente copiados do Google, palavra por palavra, não fez nem questão de disfarçar) que eu precisaria passar a semana inteira aqui só respondendo ele caso tivesse a intenção (embora já esteja tudo refutado em meus artigos e livros). Tem gente que simplesmente não tem noção. Eu presumo que seja o mesmo "Apologeta" pedante que recorria a essas práticas de trollagem e vandalismo virtual e foi bloqueado nessa conta, então decidiu voltar como "anônimo". Não é fácil não...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser aquele cara que criou aquele blog

      Excluir
    2. Não é ele, porque esse cara pelo menos foi respeitoso, não xingou a minha mãe, não me chamou de "psicopata maldito", não esgotou os palavrões do dicionário e aparentemente também não criou um site inteiro só pra me atacar.

      Excluir
  30. Se a eternidade é aqui,o milenio é aonde?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É aqui também, mas com a terra recém-destruída e devastada, o milênio é esse período de reconstrução da terra até se tornar uma "nova terra", como expliquei aqui:

      http://www.lucasbanzoli.com/2018/05/a-terra-ira-durar-para-sempre-ou-deus.html

      Excluir
  31. Banzoli, o que você achou do incêndio ocorrido na Catedral de Notre Dame? Acha que os muçulmanos tem alguma coisa a ver com isso? Não tô querendo dar uma de Zé cruzadinha não, longe disso, mas nas transmissões do Facebook as reações de "haha" eram em sua grande parte composta por muçulmanos e alguns ateus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que foi um acidente pq o teto que caiu estava em obras de restauração

      "O incêndio que atingiu a Catedral de Notre Damena tarde desta segunda-feira (15) destruiu praticamente todo o teto da igreja e derrubou a torre central.

      Imagens da catedral ainda durante o incêndio já mostram a enorme perda que as chamas deixaram. Impossível não se comover com o impacto sobre a igreja do século 14, em estilo gótico, que é um dos pontos turísticos mais visitados do mundo.

      O local passava por obras para restauração, e é possível que o incêndio esteja ligado a elas."

      https://www.huffpostbrasil.com/entry/notre-dame-incendio-antes-depois_br_5cb4cd01e4b098b9a2d820c1

      Excluir
    2. Os muçulmanos radicais certamente devem ter gostado disso (da mesma forma que muitos radicais celebraram a destruição das Torres Gêmeas), mas não foram eles os causadores dessa vez. Foi uma tragédia "natural" da mesma forma que o Museu Nacional (coloco "natural" entre aspas porque poderia ter sido evitada se houvesse mais responsabilidade por parte dos administradores).

      Excluir
    3. Sobre o incêndio da Notre Dame, detalhes que por vezes custam a chegar aqui ou não chegam. Estes dados foram compilados pelo Geller Report e eu os resumi abaixo:

      1- O trabalho de restauração não havia chegado ao telhado. Ainda estavam construindo os andaimes. (Philippe Villeneuve, arquiteto responsável)

      2- No momento do incêndio não havia trabalhadores na restauração. (Julien Le Bras, da empresa de andaimes)

      3- Existe uma rígida política de prevenção a incêndios e a equipe estava seguindo as instruções de segurança à risca. (Julien Le Bras, da empresa de andaimes)

      4- Por segurança não há, próximo do telhado, pontos de eletricidade ou dispositivos que causem risco de fogo. A hipótese de algum ponto quente ter iniciado o incêndio é, portanto, mais que improvável. (Philippe Villeneuve, arquiteto responsável)

      5- Uma arquiteta que visitou o local junto com a elite arquitetônica de Paris declarou que seria muito difícil ocorrer um incêndio ali. A madeira era muito bem protegida. "Creio que eventualmente iremos descobrir que foi intencional".

      Fontes:
      http://www.fdesouche.com/1192629-notre-dame-les-travaux-nav…

      https://www.lejdd.fr/…/notre-dame-de-paris-rien-ne-va-dans-…

      https://gellerreport.com/…/notre-dame-fire-whatwe-know.ht…/…

      Excluir
  32. Banzolao excelente artigo,também acho que a vida eterna será aqui na terra,os presbiterianos acreditam nisso,também concordo com o Pirula,e olha que o conheci pelo Nando Moura,o Nando sempre xingava e debochava dele,falava que ele era um ateu fanático que odiava os cristãos ,aí por um tempo realmente pensei isso do Pirula,até que resolvi assisti os vídeos dele e mudei minha opiniao sobre ele,me pareceu um cara inteligente, sensato,tudo que ele falava, colocava fontes,equilibrado,e mesmo sendo ateu,possui atitudes muito mais cristãs que o Nando,não xinga ninguém,não possui o hábito de falar palavrão, nem grita cheio de ódio ,na prática ele é mais cristão que o Nando Moura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Vivemos tempos tão estarrecedores que aqueles que se dizem "cristãos" agem do modo como a Bíblia descreve os ímpios do mundo, e os ateus tem uma postura mais compatível com a ética cristã do que os próprios "cristãos". Está tudo virado de cabeça pra baixo, e o gado adora isso. Fim dos tempos mesmo.

      Excluir
  33. Como você define o objetivo de Deus a nos criar? Sei que Deus fez esse lugar pra nós, para cuidarmos dele, crescermos, nos expandirmos, sermos felizes. Mas também vejo que além disso, a Bíblia apoia que nós fomos criados para a glória do próprio Deus, por Ele e PARA Ele, então as pessoas se baseiam nisso pra sustentar aquela ideia monótona do céu de nós sempre estarmos num Coral cantando com anjos, todos de branco, adorando adorando e adorando, o que eu discordo, mas não nego que Deus goste que o adoremos, afinal é uma demonstração de amor. O que a Bíblia diz é que na eternidade Deus será tudo em todos, algo do tipo, e no Éden também era assim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No Éden o homem não ficava só "adorando e adorando e adorando com vestes brancas", ele também interagia com os outros seres (com os animais a princípio, e posteriormente com Eva, de quem sentia falta). Ele também comia das árvores do paraíso mesmo sem sentir fome, e conversava com Deus com naturalidade, o qual passeava pelo jardim. Ou seja, a relação era bem mais próxima, pessoal e informal do que se tornou depois. É este o padrão que vai ser restabelecido, não que nós não vamos adorar a Deus, mas que não vamos fazer isso em literalmente TODO o tempo, ou pelo menos não desse jeito formal, já que uma de nossas ações em Cristo serão para a glória dEle (ou seja, uma forma de adoração). Em relação a Deus ter nos criado para a glória dEle isso é verdade, mas como eu disse, nós glorificamos a Deus com os nossos atos quando fazemos qualquer coisa boa ao próximo ou a nós mesmos, não somente quando adoramos formalmente, ou quando oramos ou vamos à igreja. Inclusive era essa uma das teclas que os reformadores mais batiam: o sacerdócio universal de todos os crentes, segundo o qual qualquer indivíduo que faça o seu trabalho com honestidade de coração e em comunhão com Deus está agradando a Deus tanto quanto o clérigo que passa o dia todo orando. Essa noção de que só agradamos ou glorificamos a Deus quando praticamos "atos espirituais" não é bíblica, embora a Bíblia obviamente incentive esses atos. E se por um lado Deus nos criou para a glória dEle e quer que nós o agrademos, por outro lado ele também é o mais interessado na nossa própria satisfação (razão pela qual nos deu uma vida eterna ao lado dEle, como alternativa à inexistência).

      Excluir
  34. Lucas é errado desejar a morte de pessoas que são os piores tipos de ateus? Como por exemplo aqueles que não sabem argumentar e só sabem fazer escárnio e ofender, pois eu praticamente não consigo sentir compaixão por uma criatura dessas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que qualquer pessoa que sente ódio por outra precisa de um tratamento espiritual, uma cura interior, ainda que eu reconheça que sentir ódio por determinado tipo de gente é algo completamente natural de qualquer ser humano (da mesma forma que qualquer outro sentimento ou instinto que a Bíblia qualifica como pecado). Uma pessoa que está em plena comunhão com Deus não odeia ou deseja a morte de ninguém mesmo que tenha todas as razões do mundo para isso, em primeiro lugar porque está em paz com Deus e isso é mais do que o suficiente; em segundo lugar porque tem a vida eterna que compensa infinitamente qualquer perseguição ou tribulação que passamos em vida; em terceiro porque tem a consciência de que quem age assim está sob influência do diabo e na verdade é apenas uma pobre alma que precisa conhecer Jesus da mesma forma que conhecemos, ou seja, é alguém que precisa de salvação e não simplesmente um monstro. É difícil nos colocarmos no lugar de pessoas assim, mas muitos de nós já fomos assim ou fizemos coisas piores em outras áreas, coisas ruins contra outras pessoas, até Jesus nos alcançar e perdoar os nossos pecados. É como aquela parábola que Jesus conta do cidadão a quem perdoou de uma dívida milionária, que então foi cobrar satisfação de um outro que lhe devia uma merreca. Não é como se o próximo realmente não estivesse em dívida, ele está e ele vai pagar por isso um dia, mas não cabe a nós a vingança, porque fomos perdoados de uma dívida eterna para com Deus. Quem tem essa consciência apenas agradece a Deus por ter o privilégio e a graça da salvação, em vez de odiar pessoas que não tiveram a mesma sorte. Como eu sempre digo: quem tem a salvação, tem tudo. E quem tem tudo, não tem motivo pra reclamar de algo.

      Excluir
  35. Lucas, pra você, quem foi o melhor presidente do Brasil? E o pior?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O melhor fica entre JK e Itamar. O pior, entre Dilma e Figueredo.

      Excluir
  36. Banzolove, o que voce acha do santo sudario? Existe real possibilidade de ser verdadeiro como acreditam os católicos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu creio na autenticidade do sudário, escrevi sobre isso aqui:

      http://ateismorefutado.blogspot.com/2014/12/as-provas-da-autenticidade-do-sudario.html

      Excluir
  37. Lucas,oficialmente eu sei que não,mas na prática os adventistas colocam os escritos de Ellen White no mesmo patamar que a Bíblia.Eles não podem discordar(pelo menos de forma pública)de nada do que ela escreveu.Eu acho isso muito perigoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho que eles a colocam em um patamar acima do devido, mas nem tudo eles concordam com o que ela escreveu (por exemplo, ela defendia o segregacionismo racial como muitos outros de seu tempo, e nenhum adventista defende isso hoje). Ou seja, pelo menos no essencial, os adventistas não a seguem em algo que comprometa a salvação, a meu ver.

      Excluir
  38. "lá no céu eu vou morar e pra sempre descansar deste mundo de horror nunca mais irei lembrar"

    Esta ai um hino herético

    ResponderExcluir
  39. Lucas qual o ponto que você não concordou da entrevista do Ed. René Kivitz com o Pondé?www.youtube.com/watch?v=zydO9UgvG9o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu assisti essa entrevista ontem e amei, não me lembro se cheguei a discordar de alguma coisa, fica até difícil encontrar defeito numa entrevista com alguém tão lúcido e esclarecido como o Ed René, quem dera todos os pastores tivessem a mesma sabedoria que ele (antes que comentem: eu sei que ele tem algumas opiniões políticas das quais discordo, não é disso que eu estou comentando, até porque a entrevista não entrou em discussões políticas).

      Excluir
  40. ão Lucas quando Cristo esteve nessa terra,ele possuía o Espírito Santo, ou seja, ele sendo Deus não seria por si só ser suficiente para ele vencer as tentações e por que precisou do Espírito se ele era de fato auto-suficiente devido a sua grandeza?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando Jesus veio a terra ele abriu mão dos atributos da divindade (se ele "abriu mão" ou simplesmente não "lançou mão" é uma discussão secundária e irrelevante na prática), então ele precisava da ajuda divina para vencer as tentações como qualquer outro ser humano precisa (até porque ele jamais poderia ser usado como exemplo para nós hoje se tivesse vencido as tentações com a "pequena ajuda" de uma natureza divina que ninguém mais tem e que o impossibilitava de pecar, o que tornaria a própria tentação sem sentido). Fazendo uma analogia tosca com um filme, é como aquela parte do primeiro filme do Thor no qual ele é enviado à terra por Odin mas sem os seus poderes, então ele não consegue levantar o martelo, nem se livrar dos médicos que o agarram, etc. Ele ainda era um deus, mas vivia como uma pessoa comum, não como um deus. O caso de Cristo se difere somente no sentido de que ele fez isso voluntariamente, e não como uma punição.

      Excluir
    2. Creio que esse vídeo é oportuno para essa situação: https://youtu.be/oJ5BD3SpS70

      Deus lhes ilumine!

      Excluir
  41. Lucas, vc tá sabendo do caso da Paula, que ganhou o bbb. Se ela for condenada por dizer que tem medo de macumba e que nosso Deus é maior, já que foi isso o que ela disse e que por isso ela está sendo ameaçada a sofrer processo (está na fase de inquérito ainda) então daqui a pouco nem nós poderemos mais manifestar nada que seja contra, apenas manifestar algo que seja a favor de qualquer coisa menos a favor dos valores judaico-cristãos porque isso seria muito opressor e heteronormativo. Como fica nosso direito de falar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas isso já era esperado, a volta da perseguição aos cristãos é um aspecto central da grande tribulação. Ela vai voltar assim, juridicamente, aos pouquinhos, com cada vez mais repressão à liberdade de pensamento, até proibir de uma vez que se diga que outras religiões estão erradas. Este site mesmo está com os dias contados. Tem pastor sendo processado até por se rejeitar a casar homossexuais na sua igreja. E é só o começo.

      Excluir
    2. Imagine na grande tribulação,sem pode orar,ler a biblia e sem esse site que me ajuda tanto😢...........mas mudando de assunto bem que voce poderia falar mais de escatologia

      Excluir
    3. O próximo artigo vai ser sobre as duas testemunhas do Apocalipse, ou seja, sobre escatologia 😀

      Excluir
  42. Lucas como entender de maneira bem sucinta a questão que o pecado de Adão passou para os seus descendentes, já que foram eles que pecaram e as consequências deveriam ser só pra eles ...por que Deus não os destruiu não seria melhor Lucas?Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adão não passou pecado nenhum para os seus descendentes, ninguém nasce em pecado por causa de Adão, mas nascem com uma NATUREZA pecaminosa (ou seja, uma natureza com inclinações para o pecado). É preciso ressaltar que qualquer atitude que tomamos tem consequências para as outras gerações, se eu usar meu dinheiro do pior jeito possível os meus filhos vão nascer pobres, não tem como escapar disso. Adão não era apenas o primeiro homem, ele era o representante da humanidade, e como representante estava na condição de autoridade, o que ele decidiria teria consequências da mesma forma que qualquer pai para com seu filho. Abs!

      Excluir
  43. Sei que já é um vídeo antigo, mas gostaria que me respondesse uma coisa que o Arthur deixou um tanto subentendido no vídeo: o Chico Xavier era um farsante? Ele não responde a pergunta, mas pede pra pesquisar sobre aquele caso da foto que o Chico ta do lado de um cara e o "espírito" desse mesmo(só assistir o vídeo, caso não saiba que caso é esse).

    https://youtu.be/3rPAzObkLZI

    Deus lhes ilumine!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chico Xavier colecionava picaretagens, essa da foto famosa é só mais uma de muitas.

      Excluir
  44. Vejo a Revolução Francesa sempre aparecendo entre os principais eventos revolucionários do mundo, o grandes símbolos de liberdade, igualdade, luta pelos direitos, combate a tirania (ironicamente os revolucionários seriam tiranos mais tarde). Mas nunca vejo a Revolução Americana sendo citada, acho que ela é vista apenas como uma independência de colônia em meio a tantas as outras. Você acha que a Revolução Americana foi tão importante quanto a francesa em trazer e influenciar o direito a liberdade e democracia? (No caso a Revolução Americana teria sido a representação máxima do modo de pensar político/social protestante)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Revolução Americana foi muito mais importante no sentido de garantir direitos e liberdades individuais (embora não tenha feito isso de forma plena naquele primeiro momento, mas fez muito mais que a Revolução Francesa), o problema é que a Revolução Americana evoca símbolos protestantes, enquanto a Francesa é essencialmente ateísta. Como a nossa mídia, as escolas e os influenciadores são majoritariamente ateus, é lógico que eles fazem questão de tomar a Revolução Francesa como o "modelo de liberdade", como se tudo tivesse começado ali, quando na verdade a Americana é anterior à Francesa e não resultou nas chacinas praticadas na França. Isso sem falar que no Brasil há um antiamericanismo muito forte nas instituições, algo que não acontece em relação à França, então é bem mais cômodo para eles deixar a França como o "bom exemplo" em vez dos EUA, que fez antes e fez melhor.

      Excluir
  45. Avalie:
    https://www.youtube.com/watch?v=8O4Rv8LmjEk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar do vídeo ser inconclusivo, eu gostei do que ele disse no final.

      Excluir
  46. Interessante !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  47. Ótimo estudo, mestre. Cara, a única coisa que me entristece na Eternidade, é o fato de não haver casamento. Por exemplo, sei que iremos reconhecer as pessoas lá, e ao ver minha esposa lá, sentiria vontade de beijá-la, abraçar, morar junto e demais coisas que um casal faz. Não apenas ser um amigo. Por que Deus separaria a gente, se fomos tão felizes como casal, uma família? Isso realmente me deixa bem triste. Até conheço um estudo muito bom sobre isso, onde o autor do blog ensina que os casamentos permanecerão na eternidade. Parte de mim acredita nesse estudo, mas por ser algo crido pela minoria, me intriga e penso na possibilidade de estar errado esse estudo. É um blog muito sério e foi com ele (não com vc hahaha conheci ele antes) que aprendi sobre o pós-tribulacionismo e outras coisas que vc tbm ensina. O artigo em questão é esse aqui: http://prismabiblico.blogspot.com/2013/09/casamento-na-eternidade.html?m=1
    Dá uma lida por favor e comente o que acha. É um estudo bem grande, mas recomendo que leia todo e me esclareça essa duvida com o seu ponto de vista.
    A propósito, tenho outra dúvida só que pessoal kkk tu é casado, mano?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu li o texto dele mas não me convenci não. É verdade que Jesus disse que "não vão se casar nem dar em casamento", mas com isso ele estava se referindo também ao próprio estado de casado, não apenas ao ato de se casar, caso contrário a pergunta dos saduceus ficaria sem resposta e ele estaria apenas desvirtuando o tema e fugindo pela tangente (como se estivesse dando uma pegadinha nos saduceus, fingindo responder a pergunta deles mas na verdade respondendo outra coisa). A pergunta era sobre com qual dos homens que a mulher se casou é que ela seria casada na eternidade (presumindo a monogamia, obviamente), ele poderia ter respondido "com o primeiro", ou então "com o último", ou então "com quem ela escolher", ou então "com quem for seu par perfeito", mas em vez disso a resposta dele deixa bem implícito que é "ninguém". E a mulher do exemplo era uma pessoa salva, obviamente, caso contrário o exemplo dos saduceus não se sustentaria. Mas se no caso o fato dela ter se casado sete vezes implicasse que ela não era salva, então bastaria Jesus responder que o exemplo era inválido por causa disso (mas não foi isso o que ele fez).

      Além disso, todas as pessoas que morreram antes de ter tempo de se casar (ou que viveram em celibato, voluntariamente ou não) não teriam ninguém na eternidade, porque ele vincula o casamento na eternidade como sendo sempre e somente o mesmo que tivemos aqui, então o "problema" persistiria pelo menos no caso desses (que ele não se preocupa, porque não é com ele). O que eu entendo é que duas pessoas que foram casadas na terra podem viver juntas no céu no sentido de viverem próximas, de compartilharem tudo um com o outro, de serem "companheiros" neste sentido, mas não no sentido atual de marido e mulher, mas como "irmãos" (por isso Jesus faz a analogia com os anjos, que não são casados entre si). Ou seja, tudo o que se refere a um relacionamento "de alma" permanece (o carinho, o amor, o respeito, a empatia de um pelo outro), mas não beijo, sexo e etc, que são coisas que não sentiremos vontade na eternidade, neste sentido não haverá casais, mas não é algo que sentiremos falta na eternidade porque as nossas necessidades físicas serão diferentes das atuais. Deus não vai impedir duas pessoas de conviverem juntas por toda a eternidade caso quiserem, mas será como dois irmãos, não como se estivessem necessariamente vinculados um ao outro, o que seria uma "prisão" para muitos. Abs!

      *PS: não sou casado.

      Excluir
    2. Ah, sei lá. Se eu puder escolher meu galardão, pedirei a Deus que seja continuar casado com minha esposa kkkk vai que ele deixa né 😂😂😂

      Excluir
  48. Comente:

    https://youtu.be/ArmVPqBHRk8

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tirando a parte em que ele fala da Carta Capital, o resto é plausível.

      Excluir
  49. Comente:

    https://youtu.be/v1R7mSwxQAY

    https://youtu.be/ww02BK2VYO0

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A influência de Paulo Freire é tão positiva que a educação brasileira é uma das piores do mundo (e tem piorado sistematicamente desde a sua influência).

      Excluir
    2. Lucas, certa vez vi um vídeo do Clayson que fala que o método de Paulo Freire é tão importante que é usado em escolas do mundo inteiro, ele certa vez disse que a Finlândia é um país que adota o método de Paulo Freire. E que esse método atualmente não é aplicado na educação brasileira. Como você responderia esses argumentos?

      Excluir
    3. E o triste é que a direita tem o astrolavo como o maior educador,aquele quejustifica as Cruzadas e a Inquisição, triste ver o nosso país nesse estado,o governo atual quer retirar a influência de Paulo Freire da educação brasileira,o que está correto,mas veem o astrolavo como uma influência positiva,Banzolao por que vc acha que a direita brasileira nao consegue produzir um educador que melhore os nossos índices educacionais?

      Excluir
  50. https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1997In
    Interessante, não acha?

    ResponderExcluir
  51. Eu de um tempo pra cá comecei a me importar mais com a Bíblia, com o que Deus quer de nós, com o plano de Salvação por meio de Jesus e tudo mais. Alguns dos meus amigos e alguns da minha família estão tirando onda, me chamando desde vocacionado para padre até viado em potencial, e olha que sou protestante... como olhar para essas pessoas e sentir amor por elas? Tipo eu sinto é raiva, esse pessoal caga pra tudo que seja sagrado aí quando morre ninguém quer ir pro inferno... cansei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não deveria se importar com isso, isso já é previsível, a Bíblia diz que "todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos" (2Tm 3:12), se alguém não passa por nenhuma perseguição é porque tem alguma coisa errada com a vida dela (ou com a vida cristã dela). Se eles querem ir pro inferno é problema deles, eles que se lasquem depois, você não deveria se preocupar com isso a ponto de perder a cabeça por isso, o que importa é que você está no caminho certo.

      Excluir
  52. Lucas, explica isso pra mim:

    1) 5. Porquanto os que estão entre os vivos sabem que morrerão, mas os mortos não sabem mais nada; não haverá recompensa para eles nem mesmo lembranças restarão acerca de suas pessoas.
    6. Assim, o amor, o ódio e a inveja há muito os deixaram; NUNCA MAIS TERÃO PARTE EM NADA DO QUE SE PASSA DEBAIXO DO SOL.
    (Eclesiastes, 9)

    Esse texto, bem como o livro de Eclesiastes não está tratando da vida terrena ou de saber das coisas dessa existência? Salomão não está falando que os mortos apenas não sabem do que ocorre debaixo do sol, ou seja, apenas nessa vida (com isso dando base a imortalidade da alma)?

    2) Se Jesus deixou de existir ou foi aniquilado como homem, isso não seria uma modificação na Pessoa Dele? Pode Jesus deixar de existir como homem? Isso não seria dizer que o corpo de Jesus teria que ser refeito (e não ressuscitado) depois da morte, exatamente como era antes de morrer? Não seria isso contrariar a imutabilidade de Jesus (Hebreus 13.8)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Salomão diz que "não tem parte em nada do que se passa debaixo do sol" porque para ele não existia um "outro lugar" para o qual as pessoas fossem depois da morte. Mas mesmo que interpretemos este texto aí no sentido de que "os mortos não sabem de nada apenas no que concerne ao que acontece debaixo do sol", como ficaria o do verso 10, onde ele menciona expressamente o Sheol (habitação dos mortos)?

      "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças; porque NO SHEOL, PARA ONDE TU VAIS, não há obra, nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma" (Eclesiastes 9:10)

      Lembrando que para os imortalistas o Sheol é uma morada metafísica dos mortos para onde os espíritos vão (ou iam, pelo menos) depois da morte, mas Salomão diz que ali não há ATIVIDADE ALGUMA (significado da palavra hebraica ma`aseh, usada neste texto).

      2) "Se Jesus deixou de existir ou foi aniquilado como homem, isso não seria uma modificação na Pessoa Dele?"

      Seria.

      "Pode Jesus deixar de existir como homem?"

      Claro que pode, da mesma forma que ele não existiu como homem durante toda a eternidade até a encarnação.

      "Isso não seria dizer que o corpo de Jesus teria que ser refeito (e não ressuscitado) depois da morte, exatamente como era antes de morrer?"

      Não houve necessidade de "refazer" o corpo de Jesus porque ele não se deteriorou como outros corpos que passam anos, séculos ou milênios na sepultura.

      "Não seria isso contrariar a imutabilidade de Jesus (Hebreus 13.8)?"

      Esse texto não tem nada a ver com o corpo físico de Jesus, mas sim com as suas atitudes, é só olhar pro contexto. O verso 6 cita um salmo em que Davi diz que o Senhor o ajuda, o verso 7 diz que o Senhor ajudou os guias espirituais dos hebreus crentes em Cristo, e o verso 8 complementa dizendo que o Senhor é o mesmo ontem, hoje e eternamente, dando a entender: do mesmo modo como Ele ajudou o salmista e os heróis da fé, também vai nos ajudar hoje, porque Ele não mudou de atitude, é o mesmo Deus. O contexto não tem NADA a ver com o corpo físico de Jesus nos três dias em que esteve morto, mas o povo adora tirar esse texto do contexto para provar tudo quanto é coisa, já vi pastor usar Hebreus 13:8 pra provar até teologia da prosperidade pra você ter uma ideia, é um texto fácil de tirar do contexto pra provar qualquer coisa que quiser.

      Excluir
  53. Lucas, como explicar racionalmente Cristo ter ficado 40 dias sem comida e água?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Da mesma forma que Moisés e Elias também ficaram em jejum completo por 40 dias. É algo muito difícil sim, mas não é humanamente impossível. E não devemos nos esquecer que eles tinham amparo divino, pois Deus nos dá forças para superarmos obstáculos aparentemente intransponíveis.

      Excluir
    2. Anônimo, provávelmente Jesus bebeu água, já que água não quebra o jejum. O corpo humano não aguenta muito tempo sem agua. Pode ser por este motivo que o texto diz que no final de quarenta diz JESUS TEVE FOME:

      E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome.
      Mateus:4:2

      Só fome? Não teve sede por que?

      Alon


      Excluir
    3. Anônimo, presta atenção aqui. Veja o que diz quem fica sem água

      O ferreiro faz o machado, e trabalha nas brasas, e o forja com martelos, e o forja com o seu forte braço; ademais ele tem fome, e a sua força falta; não bebe água, e desfalece.
      Isaías:44:12


      O verso diz tudo!

      Alon

      Excluir
    4. Fui agora conferir as citações dos evangelhos sobre a tentação de Jesus e confirmei que realmente não há nada que diga ou sugira que ele não bebeu água também. É incrível como certas coisas da tradição são tão popularmente aceitas que a gente nem desconfia que não são bíblicas, mesmo já tendo lido a Bíblia tantas vezes. É o velho problema da “programação mental” à qual estamos submetidos...

      Excluir
  54. Banzoli, assita e me diga:

    https://www.youtube.com/watch?v=MI5YfNSqpIE&t=533s

    ResponderExcluir
  55. Existe uma coisa de interpretação bíblica, não sei que nome se dá para essa técnica, de ler o AT e tentar ver uma prefiguração de Cristo em tudo. Por exemplo nesse pequeno artigo (https://www.gotquestions.org/Portugues/Livro-de-Obadias.html) no final tem um exemplo disso. E hoje vemos exatamente a ICAR usando esse tipo de técnica para se justificar, justificando até Mariolatria, como podemos ver aqui (https://blog.cancaonova.com/tododemaria/maria-no-antigo-testamento/) . Como usar essa técnica adequadamente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não concordo com o método de interpretação que "vê prefiguração de Cristo em tudo" (a não ser nos textos que apontem alguma coisa nessa direção), que é a forma com que a antiga escola alexandrina (de Orígenes e Clemente) interpretava a Bíblia, e que entrou em desuso. Mas mesmo que este fosse o caso, seria bem diferente de "ver Maria em tudo", porque Cristo pelo menos é o centro das Escrituras, o propósito, o ápice, e por isso mesmo aparece em literalmente milhares de textos bíblicos, em todo o Novo Testamento e em algumas profecias do AT, enquanto Maria é uma personagem secundária até no NT, mencionada pouquíssimas vezes nos próprios evangelhos (quase sempre em contextos que falam do nascimento de Jesus ou de sua presença ao pé da cruz junto a outras mulheres) e que literalmente desaparece dali em diante (é citada de passagem no começo de Atos junto com os apóstolos e os irmãos de Jesus, e depois disso não é mais mencionada até o fim da Bíblia, sendo ignorada por completo por Paulo e pelos outros apóstolos). Ou seja, Maria teve um papel importante no que compete ao nascimento de Cristo, mas em se tratando de IMPORTÂNCIA DOUTRINÁRIA ela não tem relevância, não há uma única doutrina ou dogma sobre Maria na Bíblia, todas as doutrinas apontam unicamente para Cristo.

      Excluir
    2. O que você acha da crença da escola liberal de que poucas profecias do AT se referiam a Jesus e na verdade foram reinterpretações? Depois da obra de Jesus, deram uma nova perspectiva a leitura.

      Por exemplo. Isaias 7:14 que fala do nascimento virginal dizem que se trata de um rei que nasceria naquela época, Ezequias, filho de Acaz, mas que Mateus quis estender a leitura a Jesus, dando uma nova roupagem e entendimento. Falam também disso em Isaías 53, que quando ele escrevia não vislumbrava Jesus.

      Falam também em relação aos demais profetas, de que não esperavam a vinda de alguém que morreria, ressuscitasse, mas sim que esperavam um rei literal, nos moldes de Davi, um rei militar, mas Jesus veio e trouxe outra luz sobre a esperança messiânica diferente da perspectiva dos profetas.

      Muitos teólogos aceitam isso, mas por exemplo, em Atos 17:11 quando fala dos bereanos, diz que Paulo quis mostrar nas profecias do AT que Jesus era messias

      "Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim."

      Atos 17:11

      Se não fosse algo objetivo, não teria o que encontrar nas escrituras, de maneira minuciosa, bastava apenas a pregação do evangelho.

      Excluir
    3. Isaías 7:14 fala de uma virgem que daria à luz a alguém que seria “Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” e etc, coisas que Ezequias jamais foi. Isaías 53 não pode ser uma referência a um rei físico, pois descreve um servo sofredor, exatamente o oposto a um rei físico. Essas teorias liberais visam apenas confrontar o evangelho, porque seus proponentes são em grande maioria ateus ou agnósticos, vivem para desacreditar a Bíblia.

      Excluir
  56. Cara, eu imagino o reino e morada de Deus la no Céu tipo Asgard kkk

    ResponderExcluir
  57. Sobre o plano de paz que o Trump está bolando: https://www.jpost.com/Diaspora/Ambassador-Dermer-Trump-peace-plan-should-give-Jews-confidence-587115 será que a hora está chegando?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos os presidentes americanos tentam a paz na Palestina, e muitos deles conseguem se reunir com líderes do mundo árabe e israelenses, mas acaba não dando em nada. Se o Trump vai conseguir, o que vai demonstrar isso visivelmente em conexão com o Apocalipse é a reconstrução do templo.

      Excluir
  58. Lucas, o que Paulo quis dizer com esse verso?

    2 Coríntios 16-4:Por isso, não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.

    I Coríntios 5-3:Eu, na verdade, ainda que ausente no corpo, mas presente no espírito, já determinei, como se estivesse presente, que o que tal ato praticou...

    Romanos 8-10: E, se Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive por causa da justiça.

    II Coríntios 7-1: Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus.

    Gênesis 35-18:E aconteceu que, saindo-se-lhe a alma (porque morreu), chamou o seu nome Benoni; mas seu pai o chamou Benjamim.

    Esses textos não estariam contrastando o físico do não físico, e portanto, dando respaldo pra dualidade humana?

    E sobre Salmo 146.3-4, muitos imortalistas argumentam que o termo "pensamentos refere-se aos planos, propósitos do indivíduo que cessam e não aos ato de pensar. Essa posição tem sentido pra vc? Vlw!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nenhum desses textos falam de uma "parte imaterial" do homem no sentido de um "ser dentro do ser" (i.e, uma coisa dentro do homem que subsiste fora dele com consciência e personalidade após a morte). Na linguagem hebraica, estes textos se referem meramente à dualidade entre corpo e mente ("corpo" aqui como o aspecto físico, e "mente" como os pensamentos, embora os pensamentos sejam produzidos por algo físico, o cérebro). Em outras ocasiões a dualidade é entre razão e emoção, ou entre os instintos carnais e os desejos espirituais (que são por vezes representados na forma da luta entre "carne e espírito"), ou seja, se referem apenas a aspectos ou características de uma mesma pessoa, e não de um "ser dentro do ser", não de uma "alma imortal", tal como no pensamento grego. Por isso entre os hebreus era tão comum metaforizar o coração ou até os rins em contextos semelhantes a estes, na mesma intenção.

      A exceção é o texto de Gênesis, que não apresenta ali nenhuma dualidade e onde "alma" se refere apenas à própria vida, como os hebreus entendiam (e não um fantasminha saindo do corpo). Tome como exemplo o que esse texto diz sobre Elias:

      "E ele mesmo entrou no ermo, sentou-se debaixo de certo zimbro. E começou a PEDIR QUE A SUA ALMA MORRESSE e a dizer: 'Já basta, Senhor, agora TIRA A MINHA ALMA, pois não sou melhor que os meus pais'" (1ª Reis 19:4)

      A parte que diz "tira a minha alma" poderia ser facilmente interpretada por um imortalista no sentido de um "fantasminha" saindo do corpo com consciência e personalidade para a presença de Deus (ou seja, da sobrevivência da alma), e isso é condizente com o modo helenista de se ler o texto, mas na mentalidade hebraica significava algo totalmente diferente, pois o mesmo texto diz que Elias pediu que a sua alma MORRESSE, e não que sobrevivesse. Ou seja, embora para os gregos "tirar a alma" significasse preservar a alma viva fora do corpo, para os judeus "tirar a alma" significava apenas tirar a vida da pessoa, ou seja, morrer (o que significava a morte da alma, uma vez que a alma é o próprio ser vivo - cf. Gn 2:7). Por isso é tão perigoso interpretar a Bíblia com as lentes do paganismo grego, quando devemos reprogramar nossa mente para pensar as coisas tal como um israelita da época pensava, é só assim que entenderemos os textos corretamente.

      Sobre a "refutação" ao Salmo 146:4, a palavra hebraica que aparece ali é eshtonah, que segundo a Concordância de Strong (#6250) significa simplesmente "pensamento" (é um dos poucos termos que literalmente não possui nenhum outro significado, apenas este). Quem está mudando este significado único por um novo são os imortalistas, que por não aceitarem o que o texto diz precisam mudar o que o texto diz, transformando "pensamentos" por "planos", quando o hebraico já tem uma palavra específica para "planos", que é machashabah, a qual não é usada aqui. Mudando-se as palavras de um texto fica muito fácil se chegar a qualquer conclusão sobre qualquer texto, mas não é uma postura das mais honestas.

      Excluir
  59. Essa sexta é a Páscoa e tenho uma dúvida

    A Igreja católica afirma que na última ceia, nem Jesus, nem os apóstolos comeram o cordeiro pascal, que era um dos elementos da ceia judaica (outros elementos eram o pão sem fermento e as ervas amargas), mas o novo testamento não fala nada sobre nem o que comeram ou deixaram de comer, somente relata o pão e o vinho, que aconteceram depois da ceia.

    isso foi dito pelo papa bento 16

    "No Evangelho de João, Jesus morre na cruz no momento da Páscoa judia, quando os cordeiros são sacrificados no Templo de Jerusalém, enquanto que, nos outros três Evangelhos, sua "Última Ceia" acontece na noite de Páscoa.
    Além disso, segundo o Papa, Jesus celebrou a Páscoa "sem cordeiro, como a comunidade de Qumran", que não sacrificava animais. "No lugar do cordeiro ofereceu a si mesmo, ofereceu sua vida", acrescentou.

    http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI1530149-EI294,00-Bento+XVI+evoca+a+relacao+de+Jesus+com+os+essenios.html

    E também a tradição de comer peixe vem disto. A igreja católica interpreta que após a ressurreição de Jesus, cessaram os sacrifícios, por isso não comem carne na semana santa.

    O que você acha disto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre Jesus e os apóstolos terem comido o cordeiro pascal nesta ocasião, a Bíblia não diz se eles comeram ou não, então é inconclusivo. Mas seguramente eles não permaneceram com a prática, pois depois da morte e ressurreição de Cristo sacrificar cordeiros já não era mais necessário. Sobre a tradição de não comer carne na semana santa, isso é invencionice deles, parte nenhuma da Bíblia proíbe que se coma carne em qualquer dia do ano.

      Excluir
  60. O que aconteceu com a moral que Deus colocou no nosso coração durante praticamente toda a história? Já que ao olharmos para trás vemos tanta maldade e mais maldade. Sabemos que somos inclinados para o mal porém como explicar tantos atos cruéis e coisas ruins, guerras, desigualdade? A lei moral não teve literalmente efeito nenhum? De modo que ao olharmos para trás, conseguimos enxergar perfeitamente a depravação total, mas enxergar a lei moral se manifestando nas sociedades é tão difícil, como se ela nem existisse. As leis pra proteger direitos eram sempre muito limitadas e visavam somente um grupo que se considerava superior (ex: machismo. A Lei de Moisés devia ser a única que equilibrava sexos, pobres e ricos), eram leis formuladas por medo de que algo acontecesse com você e não por compaixão ou noção do certo ou errado. E o argumento da moral é um dos mais usados para justificar a existência de Deus.
    Ex de atrocidades: matar bebês que nascem com defeito, entregar os filhos para sacrifícios, massacres com outros povos/pessoas que nem eram considerados seres humanos como nós, sendo vistos como inferiores, indignos. Assistir matanças de animais e pessoas num Teatro, etc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O senso moral existe, e por isso mesmo podemos saber com tanta certeza que essas práticas que você listou são erradas. Mas do fato de alguém saber o certo e o errado (ou ter pelo menos noções gerais disso, ainda que divirja em detalhes particulares) não decorre que vá sempre optar pelo certo; pelo contrário, a nossa carne pecaminosa tem a tendência de desejar o que é pior, de fazer o que é errado, mesmo sabendo que é errado. Ou seja, o egoísmo fala mais alto que o moralismo (o que não exclui a existência de um moralismo, apenas significa que ele nem sempre vencia a "queda de braço" da política de cada época). Além disso eles nem sempre tinham uma percepção correta quando um senso moral se chocava contra outro senso moral. Por exemplo, os índios que matam bebês que nascem com defeito não matam esses bebês porque são malvadões, mas porque acreditam ser dever deles evitar o sofrimento futuro daquela criatura, sendo melhor tirar a vida rápido. Da mesma forma, os nativos que sacrificavam crianças no Novo Mundo faziam isso porque pensavam que o sol não nasceria na manhã seguinte se não fizessem, então era um "mal necessário", um sacrifício que se fazia matando alguns para que todos não morressem. O mesmo podemos dizer nos dias de hoje em relação a temas como o aborto, a maioria dos abortistas não é simplesmente "gente que odeia bebês", na cabeça deles eles estão fazendo um bem, por isso se apegam tanto à "liberdade de escolha da mãe" e à "questão de saúde pública", que em tese também fazem parte da lei moral, mas não se sobrepõem ao direito à vida. Em suma: muitas vezes leis ruins existiam (ou existem) não porque as pessoas sejam todas malévolas, mas porque colocam um princípio moral menor acima de um princípio moral maior, por falta de discernimento ou por falta de conhecimento técnico da coisa.

      Excluir
  61. Comente:

    https://youtu.be/2apo-8Lr_sk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele não foi “expulso” de NY, eles simplesmente mudaram o lugar onde será feita a homenagem (talvez por razões políticas, realmente).

      Excluir
  62. O que achou da demissão do Vélez como ministro da educação? Duro golpe para Olavo e para a ala Olavista no governo? Olavo fica mais desacreditado por ter dado bola fora?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não foi uma derrota para o Olavo porque o que foi colocado no lugar dele foi indicado pelo Olavo também. Mas já era meio óbvio que um ministro indicado pelo Olavo não duraria muito tempo, se esse novo aí durar seis meses já será muito.

      Excluir
  63. Lucas, eu estava refletindo sobre minha vida, e cheguei a triste conclusão de eu sou ateu, no sentido de eu "seguia" a cristo somente pra acaricia meu ego, e não pra melhorar pois eu vi que tudo q eu fiz era só para mim. O que eu faço?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso não te faz um ateu, no máximo um “cristão interesseiro” ou “egoísta” (como infelizmente grande parte dos cristãos são). Mas sempre há tempo de rever os nossos erros e mudar de vida, assumindo o foco correto que um cristão deve ter. De minha parte eu lhe recomendo a leitura de meus livros “Chamados para Crer e Sofrer” e “O Enigma do Falso Profeta”, que discorrem sobre isso (entre outras coisas).

      Excluir
  64. Lucas,vc poderia fazer um artigo analisando este debate? https://youtu.be/RO8J6ftetgA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acho necessário escrever um artigo só sobre esse debate, já que os temas ali tratados eu já abordei em um monte de artigos e em livros.

      Excluir
  65. Amigo do Banzolão17 de abril de 2019 22:00

    Banzolão, eu tenho uma dica de filme pra você assistir durante a noite antes de dormir :)

    https://megafilmeshd.co/filmes/the-conjuring/

    ResponderExcluir
  66. A crença católica de morar no céu tem fundo gnóstico, que foi a maior heresia dos primeiros séculos no cristianismo.

    Quem mais bateu no gnosticismo, depois de Paulo, foi o bispo Irineu, de Lyon, que acreditava num reino na terra de mil anos, antes dos novos ceus e nova terra.

    O curioso é que católicos tridentinos toda hora fala de gnósticos pra lá, gnósticos pra cá, mas não percebem que boa parte das doutrinas que acreditam vem desta heresia: imaculada conceição; virgindade perpetua de Maria; celibato; eucaristia em substituição ao sacrifício de Jesus; morar no céu; etc

    ResponderExcluir
  67. (Acho que já linkei esse texto) Oque acham desse post? E outra pergunta; o site linkado tem viés de esquerda?

    https://www.psychologytoday.com/us/blog/sex-dawn/201309/can-pedophilia-ever-be-mild

    Deus lhes ilumine!

    ResponderExcluir
  68. Oque acham desse artigo?: https://www.psychologytoday.com/us/blog/happy-singlehood/201903/does-marriage-make-you-happier-in-the-long-term

    Creio que o autor esta somente falando que o casamento em si não traz felicidade, e não que ele seja um ativista anti casamento, como ele diz nesse artigo dele(mais antigo): https://www.psychologytoday.com/us/blog/happy-singlehood/201901/are-married-people-happier-questions-answered

    Deus lhes ilumine!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O casamento não traz felicidade dependendo da pessoa com quem se casa, mas muita gente que se casa certo se torna mais feliz e completa ao lado de alguém por quem tem empatia e identificação.

      Excluir
  69. https://www.youtube.com/watch?v=nLEGht8wa64 ,Banzolão já viu esse excelente vídeo do Afonso do canal Ciência de Verdade comentando o primeiro buraco negro que foi fotografado,eu tinha comentado no outro post que não gostava do fato do Afonso considerar a ideia de terra plana e de que vacinas podem causar doenças,como autismo,mas no geral eu gosto do canal dele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu assisto todos os vídeos do Afonso, mesmo os que eu discordo.

      Excluir
  70. Só para esclarecer um texto aqui pra mim, por favor.

    O texto de 1 Coríntios 7:8-9 está dizendo que os solteiros, que não conseguem controlar-se, devem casar mesmo que oque eles sentem pelas mulheres que "gostam"(ou os homens que "gostam", no caso das solteiras) é somente uma atração sexual? Creio que não seja isso, pois senão seria um terrível conselho; só pedindo pra acabar com o casamento em 1 ano(ou bem menos).

    Deus lhe ilumine!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é isso o que ele diz, ele só diz que é melhor se casar do que ficar com vontade de se casar e não se casar. O celibato é só para quem não sente necessidade de se casar, para quem se sente bem na condição de solteiro e prefere permanecer assim.

      Excluir
  71. Sobre minha mensagem que acabei de mandar sobre 1 Coríntios 7:8-9, parece que Paulo não curtia muito a ideia de pessoas casando... Eu nunca entendi isso. Alguém pode me explicar?(Emoji pensativo)

    Nota:tenho quase certeza de que ele não curtir casamento ta mais pra uma opinião pessoal dele, do que um "assim diz o Senhor: ser solteiro, igual a Paulo, Fulano, etc., é melhor do que casar-se" da vida.

    Deus lhe ilumine!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se Paulo fosse contra o casamento ele estaria contrariando o que ele próprio escreve em 1ª Timóteo 4:3 e ainda por cima acabaria com a humanidade a longo prazo, indo contra o “crescei e multiplicai-vos”. O que ele diz em 1ª Coríntios 7 é para pessoas solteiras que não sentem desejo de se casar e preferem continuar assim, as quais são encorajadas a permanecerem solteiras em vez de se casarem contra a vontade delas (ou seja, apenas por pressão da sociedade). Então ele elenca algumas vantagens em permanecer solteiro, o que não significa que ele desejasse que essa fosse a condição de todos, mas apenas de quem foi chamado para isso (ou seja, de quem não sente esse desejo, como expliquei no comentário anterior).

      Excluir
  72. Ei mestre, como ficaria a interpretação correta desse trecho (em especial o final)?

    I Tes 4-14 
    Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem Deus os tornará a trazer com ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Escrevi aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2016/01/quem-acompanha-jesus-na-sua-vinda.html

      Excluir
  73. Lucas, o que vc acha de Varg Vikernes?

    ResponderExcluir
  74. Sobre essa indagação judaica: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1291515884320455&set=a.136106716528050&type=3&theater acho que tem erro nessa versão bíblica não???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caramba, que distorção grotesca é essa? Ele pegou um versículo onde Paulo está CONDENANDO o uso da mentira como um meio (na voz de um interlocutor), isolou do contexto, retirou a primeira parte do verso onde Paulo diz que isso poderia ser dito por ALGUÉM (e não por ele) e cortou a sequência onde ele próprio responde que isso é uma CALÚNIA e que a condenação dos tais é merecida:

      Alguém pode alegar ainda: ‘Se a minha mentira ressalta a veracidade de Deus, aumentando assim a sua glória, por que sou condenado como pecador?’. Por que não dizer como ALGUNS CALUNIOSAMENTE AFIRMAM QUE DIZEMOS: ‘Façamos o mal, para que nos venha o bem?’ A condenação dos tais é merecida” (Romanos 3:7-8)

      Ou seja, ele pega algo que Paulo diz que é uma CALÚNIA que inimigos do Cristianismo colocavam na boca deles, e usa isso para dizer que o próprio Paulo endossava essa prática. Aqui podemos ver bem quem realmente usa de desonestidade e mentiras...

      Excluir
  75. Avalie: https://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/novelas/jesus-claudia-e-helena-abandonam-pilatos-apos-crueldade-com-judeus-25994

    Basicamente, o recado é o mesmo das novelas da Globo: se o seu marido é um escroto, largue-o!

    Mas 1Coríntios 7.13 afirma: "E se alguma mulher [cristã] tem marido descrente, e ele consente em habitar com ela, não o deixe".

    ResponderExcluir
  76. Não pude responder os comentários ainda porque estive doente o dia inteiro, e terei que fechar temporariamente a caixa de comentários porque com as minhas respostas chegará aos 200, espero que hoje eu melhore e possa escrever o novo artigo que postaria ontem.

    ResponderExcluir