15 de março de 2019

200 Moisés ressuscitou? O monte da transfiguração nos dá a resposta!



A presença de Moisés no monte da transfiguração é rotineiramente usada como um argumento em favor da imortalidade da alma. A alegação é que o espírito ou alma desencarnada de Moisés estaria presente no monte, juntamente com Elias, Jesus e os discípulos. Leiamos o relato de Mateus:

“Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, irmão de Tiago, e os levou, em particular, a um alto monte. Ali ele foi transfigurado diante deles. Sua face brilhou como o sol, e suas roupas se tornaram brancas como a luz. Naquele mesmo momento apareceram diante deles Moisés e Elias, conversando com Jesus. Então Pedro disse a Jesus: ‘Senhor, é bom estarmos aqui. Se quiseres, farei três tendas: uma para ti, uma para Moisés e outra para Elias’. Enquanto ele ainda estava falando, uma nuvem resplandecente os envolveu, e dela saiu uma voz, que dizia: ‘Este é o meu Filho amado em quem me agrado. Ouçam-no!’. Ouvindo isso, os discípulos prostraram-se com o rosto em terra e ficaram aterrorizados. Mas Jesus se aproximou, tocou neles e disse: ‘Levantem-se! Não tenham medo!’ E erguendo eles os olhos, não viram mais ninguém a não ser Jesus” (Mateus 17:1-8)

Em primeiro lugar, é preciso destacar que Elias não morreu, pois foi transladado vivo para o céu (2Rs 2:11). Considerando que Elias não passou pela morte, ele só poderia estar corporalmente no monte, isto é, com seu corpo físico. Este fato por si só já lança dificuldades para a interpretação daqueles que entendem que foi o espírito de Moisés que apareceu no monte. Pense na seguinte situação: Jesus estava em um corpo físico, Elias estava em um corpo físico, os discípulos (Pedro, Tiago e João) também estavam com corpos físicos... mas Moisés estava ali como um “fantasminha”! Essa noção desafia o bom senso antes mesmo de desafiar a Bíblia. Já podemos até imaginar a cena: Jesus cumprimenta o profeta Elias com um abraço, então tenta fazer o mesmo com Moisés, mas passa em falso atravessando o seu fantasmagórico corpo imaterial (Alan Kardec estaria orgulhoso!).

Acrescentemos o fato de que um “espírito”, a priori, não deveria sequer ser visto por olhos humanos, pela mesma razão que não vemos anjos e demônios à nossa volta (que são espíritos). Ou seja, se Moisés estivesse presente como um espírito sem corpo, ele presumivelmente sequer deveria ser visto pelos discípulos, muito menos tocado, abraçado, etc. No entanto, sua presença é bem perceptível para Pedro, que além de tudo ainda sugere a construção de uma tenda para Moisés!

“...Senhor, é bom estarmos aqui. Se quiseres, farei três tendas: uma para ti, uma para Moisés e outra para Elias” (v. 4)

Tenda para Moisés!

Seria realmente bizarra uma sugestão dessas se Pedro estivesse vendo Moisés como um “espírito” desencarnado, como imaginam os teólogos imortalistas. Será que Pedro não sabia que Moisés estava morto e que ali estava apenas o seu espírito? E que utilidade teria uma tenda para um espírito? A declaração pressupõe que Pedro, no seu entendimento limitado, acreditava que passariam alguns dias ali, razão pela qual seria necessária a construção de tendas de habitação para se passar a noite. Por isso Lucas diz que Pedro “não sabia o que estava dizendo” (Lc 9:33). Pedro não sabia que o evento duraria apenas alguns minutos, mas sabia que se durasse mais seria necessária a construção de tendas físicas para pessoas físicas – incluindo Moisés.

Se realmente foi o espírito de Moisés que apareceu no monte, isso pouco se distinguiria de uma “sessão espírita” de comunicação dos vivos com os mortos, o que Deus expressamente proíbe em toda a Escritura (cf. Dt 18:10-12; Is 8:19). Tenha em mente que para os imortalistas o conceito de “morto” não é de um morto mesmo, mas de um “vivo-morto”, isto é, alguém que está vivo como um espírito mas morto corporalmente. Consideremos novamente que Elias não passou pela morte, por isso ele não era considerado um “morto”, nem no sentido imortalista. Mas Moisés sim. Neste caso, uma comunicação com o espírito do falecido Moisés seria uma clara incorrência de comunicação de vivos com mortos, exatamente aquilo que Deus proibiu ao Seu povo.

Estaria Jesus praticando aquilo que o próprio Deus proibiu? Estaria ele dando um mau exemplo aos seus próprios discípulos? É difícil até mesmo cogitar essas hipóteses, mas seria apenas a conclusão inevitável caso realmente fosse o espírito de Moisés que tivesse “baixado” no monte.

À luz de tudo isso, a conclusão de que foi o espírito de Moisés que desceu no monte da transfiguração parece miseravelmente falha. Sua argumentação, superficial e pobre. Alguns imortalistas perceberam isso e procuraram dar um “retoque” na argumentação, transferindo Moisés e Elias do monte para o céu. Para eles, o que aconteceu foi que os discípulos tiveram uma visão celestial de Jesus conversando com esses dois profetas no Paraíso, onde estariam. Para corroborar este ponto de vista, se apegam ao capítulo anterior, onde Jesus diz que “alguns dos que aqui se acham não experimentarão a morte antes de verem o Filho do homem vindo em seu Reino” (Mt 16:28). Pronto: é a “prova” de que Jesus estava no céu com Elias e Moisés!

O problema com essa tese é a expressão “vindo em seu Reino”, que em todo o Novo Testamento sempre se refere à volta gloriosa de Cristo no fim dos tempos (cf. Mt 24:3; Lc 23:42; 1Ts 2:19; 2Tm 4:8; 2Ts 2:8; Tg 5:8; 2Pe 1:16; 2Pe 3:12; 1Jo 2:28), eliminando as possibilidades de que Jesus estivesse falando de um acontecimento das semanas seguintes. Podemos entender o que aconteceu no monte como um antítipo da volta de Jesus, mas não como a volta em si. No monte, Jesus não “veio” em seu Reino – quando muito, ele “estaria” lá. O texto faria muito mais sentido neste caso se dissesse apenas que veriam “o Filho do homem em seu Reino”, e não “o Filho do homem vindo em seu Reino”. Jesus não veio em 33 d.C, nem durante o tempo de vida dos apóstolos, de modo que a profecia se cumpre mais provavelmente em João, que viu a volta gloriosa de Cristo nas visões do Apocalipse que recebeu em Patmos, ou, em última instância, aos discípulos ali de uma forma meramente tipológica.

Em segundo lugar, em parte nenhuma do relato da transfiguração há qualquer alusão de que os discípulos tiveram uma visão celestial. Lugar nenhum diz que eles estiveram no céu ou que viram o céu. O texto apenas diz que eles foram a um alto monte (Mt 17:1), e ali Jesus se transfigurou diante deles (v. 2). Tudo aconteceu no monte. Não há nada apontando que Jesus tenha sido transladado para o céu e que levou os discípulos junto, seja corporalmente ou em visão. Tampouco faria sentido Pedro sugerir a construção de três tendas se estivesse no céu, ou se estivesse tendo uma visão celestial. É de se pensar que o céu tenha moradas mais apropriadas. Também se presume que ali no céu seria um tanto complicado arrumar tendas para se construir – e tampouco que tal coisa fosse minimamente necessária.

Também seria de se esperar que houvesse mais gente no céu do que apenas Moisés e Elias, caso eles estivessem tendo uma visão do céu. Seria de se presumir a presença de anjos e de muitos outros espíritos desencarnados tais como supostamente era o caso de Moisés. Mas não é o que vemos. Recorde ainda que enquanto Pedro falava, “uma nuvem resplandecente os envolveu” (v. 5). Tenha em mente que eles estavam em um “alto monte” (v. 1), ou seja, próximo da altura das nuvens. Faz muito mais sentido uma nuvem os envolver em um alto monte do que no próprio céu, que se trata de uma outra dimensão espiritual (embora as pessoas continuem associando o céu às nuvens...). E ao ouvir isso, “os discípulos prostraram-se com o rosto em terra (Mt 17:6), o que confirma que eles continuavam no monte o tempo todo e tinham toda a consciência disso. A conclusão só pode ser uma: a cena toda não se passava no céu.

Portanto, a hipótese de que se tratava de um espírito de Moisés descendo no monte pode ser descartada. A de que os discípulos foram ao céu ou tiveram uma visão do céu, também. Só nos resta a opção de que se tratou de um acontecimento no monte, envolvendo as pessoas físicas de Moisés e Elias. Isso descarta qualquer “sessão espírita”, ao mesmo tempo em que faz jus a tudo o que o texto indica. Mas essa conclusão, por mais lógica que seja, nos leva a uma conclusão "inconveniente": a ressurreição de Moisés. Se Moisés morreu como a Bíblia diz (Dt 34:5), e se ele estava fisicamente no monte como a Bíblia diz (Mt 17:4), a conclusão inevitável é que ele passou por algum tipo de ressurreição física, assim como outros personagens bíblicos tais como o filho da sunamita (2Rs 4:32-37) e Lázaro (Jo 11:1-44).

Um texto que corrobora este pensamento se encontra em Judas 9, que diz:

“Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda” (Judas 9)

Aqui vemos que o diabo lutava com Miguel pelo corpo de Moisés. Mas por que o diabo se preocuparia a este ponto por um simples cadáver? Se a alma de Moisés já estava no céu, brigar pelo seu corpo não adiantaria muita coisa. Alguns tentam resolver esse dilema sustentando a posição de que o diabo queria o corpo de Moisés para expô-lo à adoração pública pelos hebreus, conduzindo-os à idolatria. O problema com este argumento é que ele até faria algum sentido com os povos pagãos antigos ou com os católicos romanos, mas não com os hebreus daqueles dias, que não tinham o hábito de cultuar defuntos.

Pelas páginas do Antigo Testamento, nós os vemos adorando imagens de ídolos, mas nunca “relíquias” de mortos. É por isso que não há nenhum registro bíblico dos israelitas adorando o corpo de outros vultos tão grandes quanto Moisés, tais como Abraão, Isaque, Jacó, José, Davi, Salomão, Eliseu, Daniel, Jeremias, Isaías e etc. Essa não era uma prática israelita; portanto, a possibilidade de que Satanás brigasse pelo corpo de Moisés por este motivo é virtualmente nula. Se os israelitas não adoravam Moisés nem enquanto vivo, dificilmente fariam isso com seu corpo depois de morto. Isso porque a morte para os hebreus não era encarada da mesma forma que para os pagãos, que pensavam que depois da morte as pessoas poderiam fazer mais coisas pelos vivos do que enquanto estavam vivas. Para os hebreus, em contraste, “até um cachorro vivo é melhor do que um leão morto” (Ec 9:4).

Mas se Satanás e Miguel não lutavam pelo corpo de Moisés pela adoração ao corpo, pelo que lutavam? O que lança muita luz sobre isso é o próprio livro de onde Judas tirou essa citação, um apócrifo chamado A Assunção de Moisés. O próprio nome já diz tudo: os judeus criam que Moisés havia sido assunto aos céus (o que Satanás lutava para evitar)! Naturalmente, sabemos que nem toda tradição judaica é verdadeira, mas aqui temos fortes indícios de que esta seja, pois é o próprio apóstolo Judas que retrata este evento como verdadeiro. A tradição por si só não significa muita coisa, mas significa quando é corroborada e atestada por um escritor inspirado que nela crê. Portanto, temos aqui um registro da tradição judaica que é válido como argumento por ser creditado pelo apóstolo em um livro inspirado. Tanto pela lógica como pela tradição validada pela Escritura, a ressurreição de Moisés é o que melhor explica o acontecimento registrado em Judas 9. E isso, em conjunto com o próprio relato do monte da transfiguração, é uma prova muito forte de que Moisés ressuscitou mesmo.

Não obstante, os críticos tentam rebater essa conclusão citando textos que dizem que Jesus foi o primeiro a ressuscitar dos mortos (At 26:23; 1Co 15:22-23; Ap 1:5). Todavia, basta assumir que Moisés não ressuscitou no mesmo sentido em que os textos dizem que Jesus foi o primeiro, que essa crítica se esvazia. Assim como numerosos personagens bíblicos do AT e do NT ressuscitaram antes de Cristo e nem por isso são chamados de «a primícia dos que dormem» (1Co 15:23) ou «o primogênito dentre os mortos» (Ap 1:5), o mesmo se aplica a Moisés. Não é preciso assumir que Moisés ressuscitou da mesma forma que Cristo – isto é, uma ressurreição para não morrer mais. Basta que ele tenha passado por uma ressurreição temporária como esses outros personagens, que não comprometem o fato de Jesus ser o «primeiro» (At 26:23).

Neste caso, Deus ressuscitou Moisés com o propósito de que este pudesse aparecer no monte da transfiguração, onde cumpre uma função tipológica que será detalhada adiante. É também possível entender os textos que falam de Cristo como sendo a primícia e primogênito dentre os mortos não como se referindo a um fator cronológico, mas de importância. Ou seja, Jesus é o proeminente, o mais importante entre os ressuscitados, mas não necessariamente o primeiro, cronologicamente falando. É da ressurreição de Cristo que depende a ressurreição de todos os justos, razão pela qual Cristo é a primícia dos que dormem. Um exemplo desse uso do termo se encontra em Colossenses 1:15, que chama Jesus de «o primogênito de toda a criação», mas a continuação do texto claramente declara que Jesus é o próprio Criador, e não a “primeira criatura”:

“O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele” (Colossenses 1:15-17)

Em outras palavras, ser o “primogênito de toda a criação” equivale a dizer que Jesus é o mais importante de toda a criação, isto é, que está acima de todos os seres criados, e não que seja o primeiro ser criado. Se este mesmo sentido for aplicado aos textos que chamam Jesus de primogênito e primícia dos que dormem, isso não implicaria necessariamente em ser o primeiro ressuscitado em um sentido cronológico. Mas é preciso ressaltar: a crença na ressurreição de Moisés não depende de acreditar que ele foi o primeiro a ressuscitar para nunca mais morrer. Cristo pode ter sido o primeiro a ser ressuscitado em um sentido cronológico, e mesmo assim Moisés ter ressuscitado antes dele da mesma forma que os outros muitos personagens bíblicos que passaram por uma ressurreição temporária, que antecede a ressurreição eterna na volta de Jesus.

A ressurreição de Moisés faz muito mais sentido dentro da tipologia bíblica representada no monte da transfiguração. Ali estava Elias, um antítipo daqueles que serão arrebatados na segunda vinda de Cristo (a exemplo do próprio profeta), e Moisés, um antítipo daqueles que serão ressuscitados no mesmo dia. No grande dia do Senhor, os mortos em Cristo serão ressuscitados, e os vivos serão arrebatados para o encontro com o Senhor nos ares (1Ts 4:13-17). No monte da transfiguração, que tipificava o grande dia, não há nada mais lógico do que representar os arrebatados por alguém que foi arrebatado, e os ressuscitados por alguém que ressuscitou. Note que Jesus assumiu a mesma aparência que é dito que ele assumirá em sua volta gloriosa:

“Ali ele foi transfigurado diante deles. Sua face brilhou como o sol, e suas roupas se tornaram brancas como a luz” (Mateus 17:2)

“Enquanto orava, a aparência de seu rosto se transformou, e suas roupas ficaram alvas e resplandecentes como o brilho de um relâmpago” (Lucas 9:29)

Compare com a descrição feita do dia da Sua volta:

“Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e todas as nações da terra se lamentarão e verão o Filho do homem vindo nas nuvens do céu com poder e grande glória” (Mateus 24:30)

E com a descrição que João faz de Jesus no céu (compreensivelmente exagerada, uma vez que ele trabalhava com simbologias, mas com os mesmos significados básicos):

“E entre os candelabros alguém ‘semelhante a um filho de homem’, com uma veste que chegava aos seus pés e um cinturão de ouro ao redor do peito. Sua cabeça e seus cabelos eram brancos como a lã, tão brancos quanto a neve, e seus olhos eram como chama de fogo. Seus pés eram como o bronze numa fornalha ardente e sua voz como o som de muitas águas. Tinha em sua mão direita sete estrelas, e da sua boca saía uma espada afiada de dois gumes. Sua face era como o sol quando brilha em todo o seu fulgor” (Apocalipse 1:13-16)

Em síntese: no monte da transfiguração, Jesus aparece com a mesma aparência que Ele voltará para nos buscar (e não com a sua aparência natural que tinha na terra), o que reforça que o acontecimento no monte era um antítipo da volta de Jesus. Observe ainda mais um detalhe, a nuvem que envolveu os apóstolos:

“Enquanto ele estava falando, uma nuvem apareceu e os envolveu, e eles ficaram com medo ao entrarem na nuvem” (Lucas 9:34)

Como é que Paulo diz que será na volta de Jesus? Assim:

“Pois, dada a ordem, com a voz do arcanjo e o ressoar da trombeta de Deus, o próprio Senhor descerá do céu, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois disso, os que estivermos vivos seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, para o encontro com o Senhor nos ares. E assim estaremos com o Senhor para sempre” (1ª Tessalonicenses 4:16-17)

Jesus poderia ter aparecido com sua aparência normal, mas fez questão de aparecer da forma que os santos o verão em Sua volta. A nuvem que envolveu os discípulos no monte era aparentemente desnecessária no relato, mas é justamente o que acontecerá na volta de Jesus, quando seremos levados para o encontro com Cristo nas nuvens. O próprio monte cumpre uma parte importante nessa simbologia, pois é dito que Jesus voltará em um monte, o monte das Oliveiras (cf. Zc 14:4).

Todos os mínimos detalhes do evento nos mostram que era um antítipo ou representação simbólica do que acontecerá na volta de Jesus, o que explica por que foram escolhidos Moisés e Elias, e não tantos outros grandes profetas e santos do Antigo Testamento. Era necessário que fosse Moisés e Elias porque isso cumpria o propósito da representação tipológica. Um como o representante dos ressuscitados, e o outro dos arrebatados, que estarão todos juntos com Cristo neste grande dia. Não sei o que seria preciso para deixar as coisas ainda mais claras.

Não obstante, os imortalistas preferem defender a tese de que Jesus passou por uma sessão espírita de comunicação com os mortos passando por cima das prescrições divinas a este respeito, escolhendo ao acaso dois personagens aleatórios sem representar nada maior, sendo um deles um espírito sem corpo que precisava de uma tenda para passar a noite. E ainda usam isso não como uma possibilidade, mas como a prova cabal que refuta o aniquilacionismo. Seria cômico se não fosse trágico. É fascinante como toda a hermenêutica faz todo o sentido quando simplesmente deixamos os textos fluírem por si mesmos, longe da influência de doutrinas estranhas à Escritura que alguns precisam colocar lá, às custas dessa mesma hermenêutica. Infelizmente, não há exegese que resista a alguém desesperado em encontrar pretextos para qualquer ensino enganoso.


ADENDO:

O professor Leandro Quadros está debatendo sobre esse tema com o Jamierson Oliveira e o Elias Soares (embora “debatendo” seja um termo bem leve quando o mais apropriado aqui é “destruindo”), cujo conteúdo vem a agregar a este artigo. Começa com este vídeo, onde ele refuta o Pr. Jamierson, o mesmo que eu já refutei aqui e aqui e que disse que refutaria o meu artigo “em breve” quando ainda estávamos em 2015 (ainda espero ansiosamente):


O detalhe é que Jamierson foi refutado pela sua própria “Bíblia Apologética” (da qual é editor-chefe), a qual afirma claramente que Moisés estava no monte não como um espírito, mas como um corpo glorificado (para refutar os espíritas). Deve ser a única pessoa que eu conheço que consegue ser refutada pela sua própria “Bíblia” (imagine pela original). Em resposta, ele gravou este vídeo onde acusa o Leandro de “desonestidade” por “perverter” suas palavras ao mesmo tempo em que reconhece abertamente que o texto da sua “Bíblia” traz mesmo este sentido e que por isso vai mudar nas próximas edições (i.e, primeiro ele admite que o texto traz aquele sentido, e depois acusa o Leandro de ser desonesto por interpretar do jeito que ele próprio admite que se interpreta). Ou seja, o grande erro do Leandro foi dizer que o texto diz aquilo que diz (e não adivinhar a “verdadeira intenção” que estava na cabeça do Jamierson quando escreveu aquilo, e que só ele sabe). Sim, é surreal.

Nunca a expressão “a emenda saiu pior do que o soneto” fez tanto sentido:


Depois foi a vez um de certo sensacionalista chamado Elias Soares fazer uns vídeos em defesa de Jamierson, onde repete aqueles mesmos velhos argumentos sofistas de sempre e foi refutado de novo em dois vídeos:



Se você quer entender melhor o aniquilacionismo de uma forma geral, eu recomendo começar por este artigo introdutório, e, se quiser se aprofundar, leia o meu livro “A Lenda da Imortalidade da Alma”, disponível na página dos livros.

• Compartilhe este artigo nas redes:

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,


- Siga-me no Facebook para estar por dentro das atualizações!


- Baixe e leia os meus livros clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


ATENÇÃO: Sua colaboração é importante! Por isso, se você curtiu o artigo, nos ajude divulgando aos seus amigos e compartilhando em suas redes sociais (basta clicar nos ícones abaixo), e sinta-se à vontade para deixar um comentário no post, que aqui respondo a todos :)  

200 comentários:

  1. Lucas, você já leu o livro "A Ilusão Americana" do monarquista Eduardo Prado? Se sim, teria como você fazer uma resenha crítica a respeito daquele livro? Esse livro foi escrito por um monarquista fanático e ferrenhamente antiliberal, antirrepublicano e anti-americano. Além de ser um seguidor cego e fanático de Pedro II e também um católico tridentino ultratradicionalista (a nossa sorte é que esse cara morreu há quase 120 anos e ainda morreu antes dos 40)

    Estranho não? Quando não são os esquerdistas, são os tridentinos e os monarquistas da extrema-direita que criticam os EUA (bem como sua cultura protestante, capitalista e conservadora).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tridentinos, monarquistas e esquerdistas são tudo farinha do mesmo saco, compartilham da mesma moral baixa que consiste em mentir, mentir e mentir mais ainda para promover seus ideais destrutivos para a sociedade. Eu não li esse livro aí, mas vou procurar ler para dar umas gargalhadas.

      Excluir
    2. Banzolao e o que vc acha da expansão territorial Norte americana?Eu tenho algumas críticas pelo modo que eles adquiriram a Califórnia,o Texas,o Arizona,Nevada,Colorado e Novo México do México,foi através de guerras,derramamento de sangue,não foi comprando como eles fizeram com o Alaska, que era da Rússia e hoje o governo Trump quer construir um muro justamente nessa região que já foi territorio mexicano,quando ersm parte do México eram estados bem pobres,os EUA desenvolveu esses lugares,Hollywood na Califórnia é a capital do cinema mundial,algo que nao ocorreria se tivesse ficado com o México

      Excluir
    3. Eu também não concordo com expansões pela guerra, mas convenhamos: qual país respeitável nunca ganhou território através de guerras? Praticamente todos os que existem são o que são porque em algum momento no passado tomaram de um outro povo, e fizeram isso não com flores nas mãos, mas através de guerras. Se não fosse assim, o mundo ainda teria a mesma configuração territorial que tinha nos dias de Abraão.

      Excluir
    4. (Sou outro anônimo)

      "Eu tenho algumas críticas pelo modo que eles adquiriram a Califórnia,o Texas,o Arizona,Nevada,Colorado e Novo México do México,foi através de guerras,derramamento de sangue,não foi comprando como eles fizeram com o Alaska, que era da Rússia e hoje o governo Trump quer construir um muro justamente nessa região que já foi territorio mexicano"

      No começo, os EUA queriam comprar aquele território do México, inclusive chegaram a oferecer ao México uma quantia de 20 milhões de dólares (naquela época isso era uma fortuna, o equivalente hoje a +- 50 bilhões de dólares) pela compra dos territórios do Texas, Califórnia e Sudoeste. Só que o México na época era governado por um ditador antiamericano chamada Antonio Lopez de Santana, que não queria negociar com os EUA de jeito nenhum e queria uma guerra com os EUA a qualquer custo, então ele decidiu recusar a oferta e declarou guerra aos EUA em janeiro de 1846.

      Alguns dias antes da declaração de guerra, soldados mexicanos tinham arbitrariamente invadido a fronteira do Texas e mataram dezenas de soldados americanos, o que provocou uma reação negativa do governo americano, que exigiu ao México uma reparação pelo dano, e o México se recusou a pagar ela, então assim começou a Guerra entre Estados Unidos e México, que durou de 1846 até 1848.

      O México perdeu a guerra de um jeito bem feio, pois ao contrário dos Estados Unidos que tinham um exército moderno, bem treinado e bastante profissional (bem como rifles e canhões modernos considerados de última geração). O México tinha um exército bem arcaico e despreparado (pra se ter uma ideia, eles ainda usavam táticas de guerra do séc. XVIII que já estavam ultrapassadas, bem como rifles de pederneira e canhões que exigiam carregamento pela boca).

      Com isso o México perdeu a guerra e teve que ceder o Sudoeste, a Califórnia e o Texas para os EUA. E foi o que mais saiu prejudicado nessa história, se o Ditador do México Antonio Lopez de Santana tivesse aceitado a oferta dos EUA, esse conflito poderia ter sido evitado, mas o orgulho e o antiamericanismo falaram mais alto.

      Até hoje esses Estados que você citou possuem uma população mexicana bem grande, contudo se você perguntar para eles se eles preferem viver nos EUA ou no México, pode ter certeza absoluta de 99% deles vão preferir viver nos EUA. Lembrando que quando aqueles territórios eram parte do México eles eram grandes vazios demográficos e estavam deixados às moscas. Mas depois que passaram para os EUA, eles transformaram aquele grande vazio demográfico em uma das regiões mais ricas do país, se a Califórnia tivesse continuado sendo parte do México dificilmente ela se tornaria um Estado bem rico, como hoje é, é dificilmente seria considerada o berço da indústria moderna do entretenimento (inclusive só o PIB da Califórnia é bem maior que o PIB brasileiro).

      Excluir
    5. Acabei de ler seu artigo sobre Moisés.Quero saber onde se encontram nesse momento Moisés e Elias.

      Excluir
    6. Elias e Enoque estão no céu pois não passaram pela morte. Moisés foi ressuscitado e apareceu no monte, isso é tudo o que sabemos. Ele pode ter morrido depois como os outros personagens bíblicos que passaram por ressurreições temporárias, ou ter passado por uma ressurreição permanente e estar no céu como os outros dois (embora eu veja a primeira possibilidade como a mais plausível).

      Excluir
  2. 'Considerando que Elias não passou pela morte, ele só poderia estar em corporalmente no monte, isto é, com seu corpo físico '

    Esse 'em corporalmente' ficou sem sentido. Tire esse "em". Ficará "ele só poderia estar corporalmente no monte". Faz mais sentido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, foi um equívoco que passou despercebido na revisão do texto, já corrigi.

      Excluir
  3. E na sua opinião, todas essas pessoas já ressuscitadas estão aonde? No céu, esperando a volta de Jesus?

    Outra pergunta. Existe possibilidade de comunicação com Moises, Elias ou outro ressuscitado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os únicos que estão no céu hoje são Elias e Enoque (que foram arrebatados vivos), e talvez Moisés, se a ressurreição dele foi de efeito permanente. Mas não há possibilidade de comunicação com eles porque não há contato entre os que estão na terra com os que estão no Céu, a Bíblia ensina que Jesus é o nosso único mediador (1Tm 2:5) e o único caminho ao Pai (Jo 14:6), e não há qualquer garantia de que os seres celestiais saibam de tudo o que acontece aqui na terra (a exceção óbvia é o próprio Deus, que possui o atributo da onisciência e por isso conhece o que acontece em toda parte para atender as orações de todos ao mesmo tempo).

      Excluir
    2. Lucas, é possível incluir Maria no rol dos arrebatados sem que com isso signifique acatar obrigatoriamente os dogmas marianos?

      Excluir
    3. Seria possível incluir Maria se tivéssemos evidências disso assim como temos com Moisés. Mas não há nada sobre isso na literatura canônica e nem na patrística. Epifânio, no século IV, escreveu um tratado chamado "Os Últimos Dias da Virgem Maria" (link abaixo), e em vez de dizer que ela foi assunta aos céus, mostra que desconhecia completamente essa crença, pois diz que "se ela morreu, não sabemos", porque "a Sagrada Escritura, transcendendo aqui a capacidade da mente humana, deixa a coisa na incerteza". Ou seja, a única base que Epifânio tinha era a Escritura (nada de tradição oral), então ele não podia cravar nada. Certamente se fosse conhecido dos cristãos de sua época a doutrina da assunção de Maria, ele não perderia a oportunidade de mencioná-la em uma obra dessa natureza, mas não chega nem perto. Os primeiros textos falando de assunção de Maria são apócrifos e bem tardios, de séculos depois de Epifânio, um tipo de evidência que nenhum estudioso respeitável levaria a sério (mas que foi o suficiente para convencer os católicos da época, que pendiam cada vez mais para uma mariologia idólatra).

      https://www.ecclesia.org.br/biblioteca/pais_da_igreja/s_epifanio_os_ultimos_dias_de_maria.html

      Excluir
  4. Você citou Judas que considerava o apócrifo "A assunção de Moises"

    Judas também cita outro apócrifo, o "livro de Enoque" que descreve 10 ceus. No terceiro ceu é aonde fica o paraíso e também o inferno, mas não sei se da pra afirmar se o autor acreditava ou não em imortalidade da alma.

    Esse apócrifo também é interessante porque descreve a rebelião de Satanas e outros anjos, algo negado hoje em dia pelos judeus, mas que faz parte da tradição antiga deles.

    Nesse vídeo um cara descreve os 10 ceus.

    https://www.youtube.com/watch?v=Hw7hoyW4fCc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No artigo eu fiz questão de frisar que não é porque um livro apócrifo é citado que ele é verdadeiro como um todo, mas sim que aquela parte citada é verdadeira (senão o autor inspirado não teria citado). No caso de Judas 9, isso se aplica à disputa pelo corpo de Moisés no contexto da sua ressurreição, enquanto no caso dessa citação de Enoque se aplica a isso aqui:

      “Enoque, o sétimo a partir de Adão, profetizou acerca deles: ‘Vejam, o Senhor vem com milhares de milhares de seus santos, para julgar a todos e convencer a todos os ímpios a respeito de todos os atos de impiedade que eles cometeram impiamente e acerca de todas as palavras insolentes que os pecadores ímpios falaram contra ele’” (Judas 1:14-15)

      É preocupante tomar como verdade o livro de Enoque como um todo, porque ele possui algumas esquisitices que batem de frente com o AT canônico (por isso mesmo não foi aceito como canônico pelos judeus), o que inclui alguns textos que indicam a sobrevivência da alma após a morte (lembremos que este livro foi escrito no primeiro século a.C, ou seja, bem depois da diáspora judaica, quando os judeus se dispersaram pelo mundo grego e se helenizaram, adotando essa doutrina em grande parte). Mas certamente possui verdades em outros textos, porque nem tudo da tradição judaica havia sido corrompido até o século I a.C.

      Excluir
    2. Lucas, então você concorda que a leitura dos livros apócrifos enriquece o entendimento dos canônicos? Lógico com ressalvas necessárias.

      Excluir
  5. Comente:

    https://www.respostas.com.br/esquerda-ou-direita-politica-na-biblia/

    https://www.respostas.com.br/em-quem-um-cristao-deve-votar/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Embora eu concorde que nenhum dos dois sistemas como um todo é expressamente ensinado na Bíblia, há muitas coisas em que a Bíblia claramente pende mais para aquilo que hoje chamamos de direita, por exemplo: é contra o aborto, é a favor da posse de armas (naquela época, espadas) para a autodefesa, é a favor da propriedade privada, é contra impostos excessivos e é contra práticas imorais e destrutivas que a esquerda quer legalizar (como drogas e prostituição).

      Excluir
  6. Eae Lucas, salve.
    Eu vi uma argumentação a favor da imortalidade, seria de que o falso profeta e a besta passaram mil anos no lago de fogo, e por lógica o castigo é eterno e a alma também. Olha esse vídeo Paulo Junior : https://www.youtube.com/watch?v=9PLDWuRFomY
    (Orra, na transfiguração, todo mundo de corpo físico e só Moisés de fantasminhas)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse argumento de que a besta e o falso profeta ficaram "vivos" por mil anos no lago de fogo é refutado pela mesma exegese que faço neste artigo sobre Apocalipse 20:10:

      http://www.lucasbanzoli.com/2019/01/qual-e-o-significado-do-lago-de-fogo-do.html

      Embora o artigo ali seja sobre esse outro texto, a mesma lógica se aplica aqui: uma vez que o lago de fogo é uma metáfora que significa a segunda morte, e essa segunda morte é eterna, é natural que o autor descreva-os "vivos" no lago de fogo durante o milênio e toda a eternidade, DENTRO DA ALEGORIA, porque aquilo que o lago de fogo representa (i.e, a morte) é eterno, e não porque a própria metáfora retrate algo literal. É só ler o artigo em questão que ali eu explico tudo direitinho com detalhes.

      Excluir
  7. Banzoli quem é pior? Os "cristãos" comemorando o massacre na mesquita da Nova Zelândia, ou os esquerdistas colocando a culpa nas armas e nos conservadores?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comemorar massacres de gente inocente é sempre pior. E vamos dar nome aos bois, não foram "cristãos" que comemoraram o massacre, mas sim "cruzados" católicos fanáticos (psicopatas do mesmo tipo que passam por aqui de vez em quando, e que escreveram essas atrocidades dos prints abaixo).

      https://uploaddeimagens.com.br/images/001/965/113/full/364_%28cruzado_catolico%29.png?1552732043

      https://uploaddeimagens.com.br/images/001/965/114/full/365_%28outro_cruzado%29.jpg?1552732065

      Excluir
    2. Eu nem levo a sério esse tipinho aí, pagam de guerreiros cruzados mas são apenas pirralhos de no máximo 15 anos que nunca pisaram numa igreja e que não aguentam nem furar o dedo com uma agulha que já vão chorar para a mamãe fazer curativo. Esses aí são do tipo que não sabem nem usar uma enxada para carpir um lote, imagina segurar uma espada para "guerrear com infiéis".
      P.s: (Sou o mesmo anônimo que fez o comentário)

      Excluir
    3. Deve ser por isso que os papas não fazem novas cruzadas, eles olham pra esse tipo de "zé cruzadinha" de internet e dá até um desânimo.

      Excluir
  8. Avalie https://youtu.be/-BqYSIBkE2Y

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é uma verdadeira aula de heresias por 17 minutos.

      Excluir
  9. Uou Lucas, de novo eu nessa parada.
    Estava vendo umas noticias sobre a ICAR, e percebi que cada ordem é como se fosse um partido, claro, isso quando a pessoa já é bispo ou ta na curia, as ordens começam a disputar entre si pra vê quem tem mais influência, e advinha quem tem mais ...

    ResponderExcluir
  10. Um comentário que deixarei para explicar uma possível alegação: No vídeo de "O remendo ficou pior que o rasgo", no minuto 22:42 para frente, chega um momento em que o Leandro Quadros afirma que se Deus estivesse fazendo uma seção espírita ele seria um pai ao estilo "faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço". Tomo aqui a liberdade de dar uma de Mãe Diná e prever um comentário nesse estilo aqui, e responde-lo: "Mas Deus nós diz para não matarmos, mas Ele pode fazer isso a hora que quiser com qualquer um! Logo Ele está sendo incoerente."

    Na verdade, não. Pois Ele criou e mantém toda a vida, Ele pode tirar a vida e logo em seguida colocar ela de novo na mesma pessoa(sem nenhum problema de risco emocional, ela não necessariamente vai ser aniquilada da existência, mas sim Ele vai verificar se ela foi justificada ou condenada e assim dar a salvação ou perdição eterna, etc.). Agora, me diga: um outro ser humano pode criar(a partir do zero) outra vida? Pode ressuscitar esse mesmo ser com o mesmo corpo, mesmo depois de 1000 anos, ou mais(literalmente do pó)? Pode julgar com precisão perfeita uma pessoa? Pode criar um universo inteiro e sustenta-lo?

    Fica ai minha reflexão; deixem seu comentário casso eu tenha falado besteira! Afinal, sou imperfeito! :)

    Deus lhes ilumine!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No caso a analogia não se aplica, porque Jesus estava na terra como homem, então estava sujeito às leis de Deus da mesma forma que os demais (o que inclui a proibição à comunicação com os mortos).

      Excluir
  11. Uma reflexão aqui sobre o porque Cristo precisou realmente nascer de humanos pecadores, ao invés de já assumir uma forma humana: Na realidade é até bem simples a resposta; se Jesus tivesse feito isso, ai nós teríamos um problema grave. Se Ele tivesse feito isso, Ele teria, em sua natureza divina, até mesmo antes de assumir essa forma humana, maldade em seu ser! Por isso Ele utilizou um "material" já estragado para dele fazer nossa reparação.

    Espero que tenham entendido e que Deus lhes ilumine!

    ResponderExcluir
  12. Pode um cristão torcer para o Manchester United (Red Devils)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, só pode torcer pro Liverpool.

      Excluir
    2. Não, porque é pecado torcer para o Devil. A bíblia diz para resistirmos ao Devil e não para torcer por ele. Em Tiago 4:7 está escrito "Submit yourselves therefore to God. RESIST THE DEVIL, and he will flee from you."(KJV). No original grego a palavra usada para devil é diabolos, que de acordo com a Concordância de Strong significa falso acusador, ou seja satanás. A palavra diabolos (διαβόλῳ) aparece outras três vezes no NT e em todas elas percebemos pelo contexto que significa satanás.
      "Então ele dirá aos que estiverem à sua esquerda: ‘Malditos, apartem-se de mim para o fogo eterno, preparado para o diabo(διαβόλῳ) e os seus anjos."(Mateus 25:41)

      "e não dêem lugar ao diabo(διαβόλῳ)." (Efésios 4:27)

      "Contudo, nem mesmo o arcanjo Miguel, quando estava disputando com o diabo(διαβόλῳ) acerca do corpo de Moisés, ousou fazer acusação injuriosa contra ele, mas disse: "O Senhor o repreenda!"(Judas 1:9)

      Você deve torcer para o maior rival do Manchester United (Red Devils) que o é Liverpool.

      Excluir
    3. Exatamente isso. Está exegeticamente comprovado que na Inglaterra temos que torcer para o Liverpool. E no Brasil temos que torcer para o São Paulo, que repreendeu os coríntios (=corinthians, é só ler na Bíblia em inglês) em suas cartas.

      Excluir
  13. Não entendi por que a mídia anda condenando o ataque aos muçulmanos mas esquecem de condenar os ataques aos cristãos? Duas mulheres que estavam passeando no marrocos foram decapitadas por muçulmanos e nada foi dito praticamente, só olhar aquele site do portas abertas pra saber que os cristãos são os mais perseguidos aí tudo é normal, mas se perseguirem os muçulmanos fazem esse alarde todo?? Não estou elogiando o que foi feito, mas condeno esse método dois pesos e duas medidas... e acho muito esquisito os muçulmanos quererem viver em países com liberdade cristã em vez de ir viver em países com "liberdade" islâmica, como a Arabia Saudita, um lugar "bem doce"pra se viver... o que vc acha disso tudo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mídia sempre teve dois pesos e duas medidas, isso não é novidade. Mas independente da mídia, nós devemos sempre condenar qualquer ataque terrorista, não importa de quem venha ou quantos matem.

      Excluir
    2. O que é irônico é que essas duas mulheres estupradas e decapitadas no Marrocos eram justamente daquele tipo de europeu que defende a imigração, inclusive uma delas tinha postado no facebook um vídeo sobre tratar bem os "imigrantes" muçulmanos.

      Excluir
  14. Não sei quem aqui já viu Matrix(eu nunca vi... E já me jogaram uma pedra aqui e eu nem publiquei o comentário ainda!), mas existe uma cena que o Izzy Nobre comentou para tentar refutar o livre árbitro. A cena em questão, o personagem(imagino o principal) pergunta para o "cabeça" dessa matrix e pergunta se ele já sabe todas as ações que as pessoas ali dentro vão tomar; e ele diz que sim; e ao dizer que sim, o Izzy já diz que o livre árbitro é uma ilusão pois já sabem o que a pessoa vai fazer... Acho que o Izzy confundiu pré ciência com pré destinação. Pois eu sabendo que meu adversário em um jogo de xadrez vai fazer uma cagada, não quer dizer que eu tirei a escolha dele de fazer cagada.

    Deus lhes ilumine!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, inclusive sobre isso eu escrevi aqui (é um texto bem longo, mas se quiser pule direto pra parte em que eu menciono o Exterminador do Futuro):

      http://lucasbanzoli.no.comunidades.net/determinismo-calvinista

      Excluir
  15. Estava vendo um artigo católico sobre a inquisição e me indigna como eles são mentirosos e distorcem os fatos, dizendo coisas como que era o Estado quem punia e o papel da igreja boazinha era na verdade defender o réu e fazer de tudo para este ter uma pena fraquinha. Ou que as torturas eram quase nunca aplicadas. Felizmente, ao descer aos comentários vi uma enxurrada de críticas ao artigo dizendo como ele é manipulador e inclusive pessoas dando testemunhos de seus antepassados, judeus por exemplo, que sofreram inúmeras perseguições e torturas pela igreja paz e amor, ou de pessoas que estudaram o tema ou que foram a museus e locais históricos e concluíram que esse negócio de que as torturas eram "raramente aplicadas" não é nem um pouco verdade. É impressionante o revisionismo que fazem da história, ainda bem que existem pessoas como as dos comentários.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, se deixarmos os revisionistas tomarem o controle da narrativa, eles vão reescrever a história à sua maneira, do mesmo modo que os marxistas já fazem nos livros escolares de hoje. Vai ter neonazista negando que o holocausto existiu, vai ter católico tridentino justificando a Inquisição, vai ter gente defendendo ditaduras fascistas, vai ter outros dizendo que "Stalin matou foi pouco", e basicamente qualquer uma dessas teorias de conspiração de gente maluca por aí na internet (de que "os judeus controlam o mundo" e coisas do tipo) pode se tornar "a verdade" no futuro (ensinada nas escolas e tudo mais), se eles ganharem a narrativa. É por isso que dizem que nós vivemos na era da "pós-verdade": as pessoas já não mais se importam com os fatos, mas apenas com aquilo que é conveniente com suas próprias ideologias (sejam elas políticas ou religiosas). E se não for conveniente, mudam-se os fatos.

      Excluir
  16. Banzolao o outro post ja está chegando a 200 comentários,então não sei se vc poderá responder no outro,então reescreverei o meu comentário aqui,é a respeito da relação dos direitos dos negros e a esquerda,eu lembrei que vc no seu livro "Deus um delírio "?escreveu que os ateus esquerdistas usurparam a causa que originalmente era de um republicano conservador, o pr Martin Luther King e entendeu que algumas falas do AD Junior no vídeo que eu te enviei no outro post poderia gerar algum sentimento de revanchismo nos negros,a causa deles é justa,porque de fato foeam escravizados e não receberam nenhuma indenização por isso,mas tem de ser defendida de modo a não gerar um sentimento de vingança, como está ocorrendo em alguns grupos radicais da África do Sul,em que eles estão matando os fazendeiros brancos que apoiaram o apartheid

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lutar pelos direitos dos negros é uma coisa, lutar por revanchismo contra os brancos é outra coisa totalmente diferente, não dá pra comparar AD Junior com Martin Luther King, é uma comparação totalmente descabida e até infame para o saudoso reverendo republicano. A direita não é contra os direitos dos negros, ela só não é revanchista, diferentemente da esquerda, que diz ser a favor dos direitos dos negros mas que em realidade só quer vingança. Foi isso o que eu quis dizer no outro post, quando você entendeu que eu estava dizendo que "defender os direitos dos negros é coisa de esquerdista" (o que não é verdade).

      Excluir
    2. E o que achas desse vídeo do Pirula sobre esse tema Banzolão? https://www.youtube.com/watch?v=NgNiHEWG0V4

      Excluir
  17. "Acrescentemos o fato de que um 'espírito', a priori, não deveria sequer ser visto por olhos humanos, pela mesma razão que não vemos anjos e demônios à nossa volta (que são espíritos)."
    Lucas, dessa vez tenho que discordar de você. Você aqui simplesmente se esquece da providência divina. O evento da transfiguração é um fato exepicional, pois se trata de um milagre. uma vez que tal evento é um milagre, pela graça e pelo agir de Deus, os discípulos poderiam sim ver o espírito de Moisés. Ademais, pelo seu critério, deveríamos desconsiderar os relatos de todas as passagens onde os anjos - que são seres espirituais - se revelaram aos homens (inclusive Jacó lutou contra um deles). Do resto, nesse debate, estou do lado pastor jameirsom, do reverendo Elias Soares do pastor João Flávio Martinez, pois considero o imortalismo a posição mais coerente com o texto bíblico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os anjos se revelavam aos homens visivelmente porque eles se MATERIALIZAVAM em forma humana, por isso os anjos comeram pão com Abraão e outros anjos tiveram relações com as “filhas dos homens” (em Gn 6:1-4). Essa é uma capacidade que os anjos têm, e não há nada na Bíblia que diga ou sugira que espíritos humanos desencarnados tenham a mesma capacidade, o que inclusive tornaria inútil a ressurreição física (uma vez que eles já seriam capazes de materialização), ainda mais do que ela já é na perspectiva imortalista, que despreza a ressurreição e a joga para escanteio. E dizer que “foi um milagre” e que por isso a presença física de Moisés não demanda uma explicação é uma apelação bem tacanha, não há parte alguma do relato que diga que Moisés apareceu fisicamente “por milagre”, o único milagre relatado é o da própria transfiguração de Jesus. Esse é o problema dos imortalistas: acabam costurando os textos na tentativa de tentar justificar o injustificável apelando a mistérios, milagres e malabarismos sem fim, porque os textos em sua simplicidade e clareza apontam sempre na direção contrária. De resto, eu fico impressionado pela sua capacidade de conseguir ler todo o artigo e ainda postar esse comentário dentro de apenas 10 minutos no intervalo entre esse comentário e o do outro post, fica até parecendo que você criticou um artigo que não leu, excetuando o primeiro parágrafo ao qual fez menção, o que é uma prática muito feia (mas ainda bem que é apenas uma impressão).

      Excluir
    2. Eu já tinha lido o artigo na sexta feira a noite antes de postar os últimos comentários nos seus artigos. Então não foi um problema postar dois comentários curtos em 10 minutos.

      Excluir
    3. Ah, e só pra terminar, o Pr. João Flávio Martinez explica detalhadamente a questão da nota de rodapé na bíblia apologética que supostamente apoiaria com ideia de que Moisés estaria num corpo glorificado:

      https://youtu.be/pHn7GPES8dQ

      Excluir
    4. Você diz que leu o artigo inteiro, mas no próprio Adendo do artigo eu abordo isso aí e mostro os vídeos do Leandro onde ele refuta essa tentativa de explicação bizarra do texto, que chega a ser pior do que o Paulo Leitão fazendo malabarismos para encaixar o purgatório na Bíblia. No próprio vídeo do Jamierson ele admite que a nota de rodapé passa esse entendimento mesmo, até porque ela diz que Elias e Moisés apareceram EM CORPOS GLORIFICADOS no monte. É impossível ser mais claro que isso. Por isso ele disse que na próxima edição vai mudar o texto para "corpo espiritual", como se isso ajudasse alguma coisa, quando na verdade vai apenas se contradizer mais ainda, já que "corpo espiritual" na Bíblia é um termo utilizado PARA O CORPO DA RESSURREIÇÃO (1Co 15:44), e não para um fantasminha em um "estado intermediário". Ou seja, até quando ele tenta se explicar passa mais vergonha. E ainda teve a desfaçatez de dizer que o Leandro foi desonesto e distorceu o que ele disse, logo após ele próprio assumir que o texto passa mesmo esse entendimento se lido sem a "interpretação" dele, dada anos mais tarde (que nada mais faz senão contradizer aquilo que ele próprio havia escrito explicitamente). Eu nunca vi tanto embuste nem no meio católico.

      E o pior é que a intenção era refutar os espíritas, justamente negando que um espírito sem corpo tivesse aparecido no monte (por isso tinham assumido que Moisés apareceu em corpo glorificado). E agora, vão refutar os espíritas como? Não tem como ser mais desonesto que isso: na hora de refutar os espíritas dizem que Moisés estava ali em corpo glorioso assim como Elias, mas na hora de refutar os adventistas assumem que Moisés estava ali como um fantasminha camarada. Qualquer coisa vale pra essa gente desde que sirva pra refutar alguém que eles não gostam. Isso tem um nome: desonestidade. Aí depois que são desmascarados, ficam fazendo esses vídeos ridículos cheios de contorcionismos bizarros tentando justificar o injustificável e apenas piorando as coisas. É inacreditável como ainda tem gente que não consegue perceber isso. Eles podem até ser melhores que os apologistas católicos doutrinariamente falando, mas em termos éticos, possuem uma equivalência moral. Os dois usam de todos os meios desonestos desde que sirva para defender seu ponto, e depois tentam explicar essas manobras dissimulando na frente de todos (e ainda tem gente que acredita).

      Excluir
    5. O pastor Martinez também explica essa questão do espiritismo e também diz que o autor da nota de rodapé na bíblia apologética, que é o Pr Natanael Rinaldi, acreditava na imortalidade da alma, como está perfeitamente explicado no vídeo. Do resto, ao menos pra mim, as explicações estão bem claras. Abraços.

      Excluir
    6. O que o Martinez "explica" é o mesmo que já foi refutado pelo Leandro e que eu comentei aqui. São apenas malabarismos para tentar negar o óbvio do que o texto diz, o mesmo procedimento usado pelos católicos. Só de usar o termo "corpo espiritual" no sentido de um espírito desencarnado já mostra que ele apenas importa os conceitos pagãos e espíritas para dentro da Bíblia, já que na própria Escritura um corpo espiritual nada mais é senão o corpo ressurreto em estado glorioso e longe das inclinações carnais. Isso já foi exaustivamente explicado até mesmo pelo Dr. Craig (que também é imortalista), como escrevo neste artigo:

      http://lucasbanzoli.no.comunidades.net/ressuscitaremos-em-carne-ou-em-corpo-espiritual

      Em relação ao Natanel Rinaldi ser imortalista eu nunca disse que não. O que ocorre é que eles mesmo sendo imortalistas reconheciam que o que tinha aparecido no monte NÃO era um espírito desencarnado de Moisés, mas sim Moisés em um corpo glorificado (para refutar o espiritismo, uma vez que os espíritas usam essa passagem para afirmar que Moisés apareceu como um espírito). Depois eles mudaram de ótica para poder usar esse texto contra os mortalistas, passando a dizer que Moisés apareceu como um espírito, o que não apenas é grosseiramente antibíblico, mas também entra em contradição com aquilo que eles mesmos afirmavam antes disso contra os espíritas (só que não admitem que mudaram de posição por conveniência). Vale lembrar que não é preciso ser mortalista para entender que Moisés não apareceu como um espírito, eu conheço muitos imortalistas que acreditam ter sido apenas uma visão simbólica e outros que creem que Moisés ressuscitou, essa era a posição da "Bíblia Apologética" até eles serem desmascarados já que isso confrontava o seu ensino atual.

      Excluir
  18. Lucas de uma olhada nisso:

    https://www.youtube.com/watch?v=L_Yeqk4aRA8&t=329s

    Lucas de uma olhada nisso:

    https://www.youtube.com/watch?v=L_Yeqk4aRA8&t=329s

    Esse é um assunto que tem me preocupado MUITO. Todos os setores que hoje se dizem de Direita (sejam Evangélicos, Catolicos, Conservadores, Liberais, ancaps, olavetes, anti-olavetes, monarquelhos, republicanos, ENFIM, todos) parecem estar em uma certa decadência. Basta vermos as atuais entrigas internas no Governo, as chances do STF acabar com a "Lava Jato", além do crescimento de canais esquerdistas e das acusações de o Jair estar envolvido no "Caso Marielle" e o "Massacre de Suzano".
    Nesse Ritmo, tem uma grande chance da esquerda voltar em 2022.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso já era totalmente esperado. O que deveríamos esperar de uma direita cujo guru maior é um conspiracionista fanático antiprotestante e com um pé na Idade Média? Não podia gerar outra coisa. Olavo é bom pra atiçar multidões com esse discurso exagerado, inflamado e agressivo, mas na hora do "vamo vê", na hora de arregaçar as mangas e governar, esse tipo de postura intelectual e comportamental é completamente inapta. Inclusive graças a esse conspiracionismo revisionista ele conseguiu alavancar movimentos insanos que nem mesmo partiram dele, como o movimento da volta da monarquia e o do revisionismo da ditadura. Basicamente tudo virou alvo de revisionismo e de apego a um passado nostálgico que nunca existiu, mas que faz todo o sentido de acreditar quando se leva adiante o tipo de raciocínio que esse senhor defende. Um sujeito que passou a vida toda difamando outros direitistas e arrumando briga com todo mundo não poderia ser outra coisa senão uma pedra de tropeço nesse novo governo do qual ele pensa que é a grande cabeça por detrás de tudo. Era óbvio que iria causar ainda mais confusão e divisão, como sempre fez. E era óbvio que o resultado seria esse mesmo: a eleição de um político bem-intencionado mas completamente despreparado para o cargo que ocupa, cercado de olavetes doentes que se metem em intrigas e escândalos a cada semana que passa. Onde vai estar a direita daqui 4 anos se as coisas continuarem assim? Provavelmente em lugar nenhum, vai voltar a ser aquela coisa pequena que era na década passada, mas pelo menos vai ter aprendido com os erros e futuramente colocar no poder uma direita séria e desconectada de qualquer influência olavete.

      Excluir
    2. Você acha que o Governo vai de fato fracassar? Ou ainda temos alguma esperança ?

      Excluir
    3. Nossa esperança é o Paulo Guedes fazer a economia funcionar graças à sua mentalidade liberal. Mas para isso ele precisaria de carta branca e de um mínimo de estabilidade política, ou senão ele poderá até se esforçar, mas não alcançará os resultados desejados (um exemplo é o Macri, na Argentina, que ficou bem aquém do que poderia ser). Ou seja: a parte que compete ao Bolsonaro é NÃO ATRAPALHAR. E para não atrapalhar, tem que se livrar dessas pragas que cercam o governo (políticos olavetes com cargos e privilégios que influenciam negativamente o governo). Se não fizer isso, pode até dar certo, mas vai ser a penas e duras penas.

      Excluir
  19. Tem esse vídeo também:

    https://www.youtube.com/watch?v=bdL8U3i1AIA

    ResponderExcluir
  20. Comente:

    https://youtu.be/Zy5kMm9159k


    https://youtu.be/BvNkd00IHYE


    https://youtu.be/uWEskfwREZE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses vídeos são puro câncer.

      Excluir
    2. Como você responderia aos argumentos desses vídeos? Quais vídeos e sites você recomendaria para rebater esses vídeos?

      Excluir
    3. Não se trata das críticas à Bettina ou da empresa que ela representa, mas sim desse ódio repulsivo à meritocracia, como se devêssemos ser todos dependentes das mamas do governo e não almejar coisa alguma, como se só pessoas "privilegiadas" fossem capazes de conseguir alguma coisa na vida (o que contraria a própria realidade das coisas). Eles pensam que a sociedade deve ser igual Cuba e Coreia do Norte, onde ninguém tem perspectiva nenhuma e são todos igualmente miseráveis com o Estado controlando tudo e limitando todas as oportunidades por completo, por isso eles tem tanto ódio à meritocracia, porque isso só é possível em um sistema capitalista. O Joel abordou isso neste vídeo:

      https://www.youtube.com/watch?v=FDMcHbD0rOg

      Inclusive é engraçado comparar a abordagem dos canais direitistas e dos esquerdistas que comentaram este caso: enquanto todos os direitistas apenas criticaram a propaganda enganosa em si, os esquerdistas aproveitam a oportunidade para atacar a meritocracia e o capitalismo, como se ninguém fosse capaz de crescer na vida se já não nascesse muito rico.

      Excluir
  21. Você sabe dirigir?
    Você tem carro?
    Ou você prefere andar à pé ou de bicicleta?
    Ou o transporte público?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você quer uma carona ou o que?

      Excluir
    2. Antes era seu cabelo comprido agora é sua CNH.
      Lucas, Deus lhe dê paciência amigo.

      Excluir
    3. SHUASHUASHUASHUASHUA Essa não fui eu que fiz, mas como não tenho nada ainda pra perguntar vou começar a fazer umas perguntas assim tbm...

      Excluir
    4. Essas perguntas aleatórias são as melhores xD

      Excluir
  22. É pecado ou falta de amor próprio rir de desgraças que acontecem consigo mesmo (exemplo: nossa, cai e bati a bunda no chão, hahaha)?

    ResponderExcluir
  23. Na boa, esse cara só pode ter uma quedinha pelo Bolsonaro, não é possível! Esse cara fala mais do Bolsonaro do que os próprios Bolsominions. Das duas uma: ou ele é um bolsominions enrustido ou tem alguma queda pelo Bolsonaro.

    https://youtu.be/FAjSTlnhb_k

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aposto dez pilas que o sonho dele é se casar com o Bolsonaro <3

      Excluir
  24. Estou muito reflexivo hoje! Mais uma: será que tudo que acontece de bom(como um médico realizar uma cirurgia de alto risco e ter sucesso nela) ser somente por causa de Deus, ou se esse mesmo médico fracassa na cirurgia ser culpa do Diabo, ou somente culpa do médico? Penso que todas as respostas são um sonoro NÃO. Pois se assumimos isso estamos voltando para uma espécie de Calvinismo; onde não temos de fato livre árbitro, e o ser humano não vale mesmo nada e não tem crédito em nada por suas ações boas ou ruins. Penso também que Deus(ou o Diabo) pode influenciar essa pessoa a fazer tal ação, portanto, qualquer coisa que acontece de bom(ou ruim) devemos dar crédito e reconhecimento a Deus(ou o Diabo) e ao agente humano pela boa ação(ou a má ação, no caso contrário).

    Deus lhes ilumine!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se a pessoa acerta ou erra é mérito (ou demérito) dela, no entanto ela só tem a capacidade de acertar porque Deus deu a ela essa capacidade, por isso é correto quando agradecemos a Deus por um médico salvar alguém de alguma coisa, não é que o médico não tenha servido pra nada, mas sim que ele só foi capaz de fazer a operação com sucesso graças à capacidade que Deus lhe deu.

      Excluir
    2. Entendo, é como se uma pessoa se formasse em uma Universidade de história. O mérito dela ter se formado é dela, mas ela deve agradecer os pais e a própria Universidade por dar os meios.

      Deus lhes ilumine!

      Excluir
  25. Eliezer Rodrigues Costa16 de março de 2019 23:13

    Com licença Lucas, você poderia analisar esse artigo:

    http://unsullivre.blogspot.com/2019/01/o-fascismo-e-um-passo-para-o.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza um movimento que tinha por lema "Tudo no Estado, nada contra o Estado e nada fora do Estado" tem tudo a ver com o libertarianismo [/ironicmode]

      Excluir
  26. Comente:

    https://www.google.com/amp/s/www.revistaforum.com.br/eua-pesquisa-em-68-paises-aponta-o-pais-como-a-maior-ameaca-a-paz-no-mundo/amp/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é só a prova de que os marxistas estão fazendo seu trabalho de lavagem cerebral com eficiência.

      Excluir
  27. Respostas
    1. Excetuando quando ele fala qualquer coisa que envolva política, eu gosto dele.

      Excluir
    2. Mas tu não acha que ele é carnal demais?

      Excluir
    3. Esses trocadilhos com o sobrenome dele nunca perdem a graça 😂

      Excluir
  28. Lucas, o que são os católicos tridentinos e qual a diferença entre eles e os católicos normais?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Católico tridentino é alguém que: (a) defende a Inquisição (ou quer a volta dela); (b) defende um Estado católico (monarquista, de preferência); (c) odeia os protestantes e vive com discurso de ódio para com os evangélicos; (d) se vê como um "cruzado" que vai "conquistar a terra santa" passando por cima do sangue dos "infieis"; (e) tem uma boca imunda que só sabe ofender e denegrir as pessoas 24h por dia, sendo inteiramente incapaz de discutir qualquer coisa racionalmente; (f) um medievalista fanático, que acredita mesmo que a Idade Média foi "a melhor época que já existiu", e por isso sonha em voltar lá e trabalha para que isso seja possível neste mundo (por isso nutre um ódio mortal ao mundo moderno).

      Essas são apenas algumas características, se você for atrás deles em debates de internet vai descobrir muito mais. Basicamente podemos resumir um tridentino como sendo um católico com o mesmo espírito dos católicos da época do Concílio de Trento (de onde vem o nome), o concílio da Contrarreforma católica, da caça aos hereges e do estabelecimento da fé católica pela força. É gente que não evoluiu nada ao longo desses 450 anos, enquanto a maioria dos católicos já assimilou e se adequou a essas mudanças do mundo (os "católicos comuns").

      Excluir
  29. Banzoli, por que é que a tentativa de reforma de Pedro Valdo não obteve tanto sucesso quanto a reforma de Lutero? E por que os católicos conseguiram barrar tão facilmente a expansão valdense, enquanto que para barrar a expansão protestante eles tiveram muito mais dificuldades? (tanto é que isso provocou a Guerra dos Trinta Anos e ainda assim falharam em erradicar o protestantismo)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque Lutero era protegido por príncipes alemães, enquanto Valdo estava por si. Além disso, como você pode notar no meu livro sobre a Reforma, a Reforma foi favorecida inúmeras vezes pelas circunstâncias (por exemplo, sempre que Carlos V decidia aniquilar os "hereges" pela espada acontecia uma invasão da França ou do Império Otomano que lhe obrigava a postergar isso para unir a Alemanha contra um inimigo externo e perigoso). A rivalidade entre Espanha e França foi um dos elementos principais, pois os franceses tinham mais medo de um mundo governado pelos espanhois do que temor pelo crescimento dos protestantes. De modo que todas as circunstâncias trabalharam a favor de Lutero, e contra Valdo.

      Excluir
    2. Então pode-se concluir que a Reforma Protestante foi um movimento político-religioso?

      Excluir
    3. Foi um movimento religioso com uma extensão política, social e econômica.

      Excluir
  30. Banzoli gostaria de saber sua opinião sobre essas coisas:
    1-Você acha que os dinossauros existiram?
    2-Tem alguma menção a eles na bíblia? Se sim, eles foram extintos ainda antes do dilúvio? Tem alguma menção na bíblia sobre o meteoro que causou a extinção deles?
    3-O que você acha das pessoas que dizem que eles nunca existiram e que os fósseis encontrados são falsos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Sim.

      2) Eles conviveram com os seres humanos sim, e embora tenham sido em grande parte extintos pelo dilúvio, uma minoria sobreviveu e continuou sendo vista tempos depois. Eu escrevo sobre isso aqui:

      http://ateismorefutado.blogspot.com/2015/04/evidencias-da-coexistencia-de-humanos-e.html

      3) O problema não são os fósseis em si, porque isso poderia ser tudo manipulado e inventado (embora não seja), o problema são todas essas provas de que dinossauros conviveram com humanos ao longo de todos esses milênios, que destaco no artigo.

      Excluir
    2. Mas no dilúvio, a entrada de casais de animais foi literal ou alguns animais terrestes não entraram na arca?

      Excluir
    3. Todos entraram (sete casais de cada animal puro, e dois de cada animal impuro, se não me falha a memória). Só que alguns desses animais foram extintos depois do dilúvio, o que é totalmente compreensível considerando o fato de que não havia muitos animais na terra, enquanto outros por sua vez se multiplicaram e passaram pelo que chamamos de "microevolução" (mudanças dentro de uma mesma espécie, como por exemplo as várias raças diferentes de cachorro, que originalmente era uma só).

      Excluir
  31. Poderia comentar a ideia nesse caso? https://www.youtube.com/watch?v=iBtdUgkB6P8 obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Silas tá lendo muito Watchman Nee, achando que um pastor qualquer nos dias de hoje tem a mesma autoridade de Moisés na antiga aliança. Oxe...

      Excluir
  32. Avalie http://www.brasil247.com/pt/247/poder/387105/Haddad-o-maior-l%C3%ADder-do-Brasil-est%C3%A1-preso-e-ningu%C3%A9m-sabe-o-porqu%C3%AA.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "O maior líder do Brasil está preso e ninguém sabe o porquê". Eu sei: porque roubou.

      Excluir
  33. Amigo do Banzolão17 de março de 2019 13:05

    Banzolão, por que esse cara não pode agradar a Deus? :)

    https://abrilexame.files.wordpress.com/2017/02/k1.jpg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkk um dos trocadilhos mais toscos possíveis 😂

      Excluir
    2. Amigo do Banzolão17 de março de 2019 17:26

      "um dos trocadilhos mais toscos possíveis"

      Qual? Kk

      Excluir
    3. Amigo do Banzolão18 de março de 2019 13:35

      Isso. Ele é Karnal, e os carnais não podem agradar a Deus (Romanos 8:8) :)

      Excluir
    4. Este é um caso bem evidente de dupla predestinação (entendedores entenderão).

      Excluir
  34. Amigo do Banzolão17 de março de 2019 13:07

    Continuando nosso jogo...

    http://prntscr.com/mz390u

    ResponderExcluir
  35. Amigo do Banzolão17 de março de 2019 13:10

    Outra coisa, por que isso aparece no meu computador?

    http://prntscr.com/mz3a0b

    Seu site não é seguro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem que pagar pra ficar "seguro", no outro site eu paguei, nesse aqui por ser do blogger o processo é mais complicado, mas vou ver o que eu posso fazer. Mas a priori, isso não significa nada.

      Excluir
    2. Amigo do Banzolão17 de março de 2019 17:30

      "Mas a priori, isso não significa nada"

      Isso mesmo. Eu perguntei por curiosidade mesmo. É que nos outros sites não aparecia isso, então eu achei estranho.

      Excluir
  36. I am here.
    Só pra dizer que to aqui msm, ótimo artigo :)

    ResponderExcluir
  37. vc tem algum artigo falando sobre as 2 casas de israel ?

    ResponderExcluir
  38. Olá Lucas! De uma olhada nesse vídeo: https://youtu.be/OYy2Vn15xVI
    Diga-me o que você acha? Ainda acredito que homossexualidade é pecado, mas achei bem coerente os argumentos dele. Avalie por sua conta.
    Bem que você poderia escrever um artigo sobre isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu escrevi sobre isso aqui:

      http://ocristianismoemfoco.blogspot.com/2015/09/a-proibicao-ao-homossexualismo-em.html

      Excluir
  39. Respostas
    1. Deve ser de 200 pra cima, o cara é simplesmente um monstro!!! E como fico eu, que tenho só 115?

      Excluir
    2. Se você tem QI de 115 significa que tem 115 a mais do que todos os "cruzados" católicos juntos, então não se aborreça.

      Excluir
    3. Amigo do Banzolão18 de março de 2019 21:58

      Onde e como se faz esse teste de QI? Nunca fiz, mas acho que o meu é só 30 ☹

      Excluir
    4. Eu fiz aqui:

      https://www.arealme.com/iq/pt/

      Deu 142 (print abaixo pra não dizer que inventei isso):

      https://uploaddeimagens.com.br/images/001/970/496/full/Teste_de_QI.png?1552962652

      Faz aí o seu e me manda :)

      Excluir


  40. Lucas, eu enviei esse comentário para o Leandro Quadros neste vídeo do YouTube

    https://youtu.be/tIGNrlY9R88

    Ele me deu uma resposta brevíssima, e ainda declarou que não leu tudo porque já começava errado. Ele crítica o ponto onde Hebreus 11 afirma que Enoque morreu. E pior: ele não liberou meu texto para os os outros verem.

    Vou postar aqui no seu artigo porque o assunto é o mesmo. Avisa a ele para vir responder.

    "Essa cena da luta de Miguel com Satanás pelo corpo de Moisés, como também a presença de Moisés no Monte da Transfiguração me deixa intrigado. Já fiz muitas pesquisas, e uma delas me chamou a atenção no episódio da transfiguração: A presença de Moisés e Elias ali é muito suspeita. 

    Devo dizer, em primeiro lugar, que eu acredito piamente que Moisés, Enoque e Elias estão mortos. Um deles,  Enoque, a Bíblia diz claramente que morreu. É só observar atentamente Hebreus 11 até o verso 13.

    Estão listados vários nomes, incluindo o de Enoque, e o verso 13 diz: "Todos esses morreram".

    Os Judeus sabiam que Enoque (um profeta) e Elias (um profeta) haviam morrido:

    “Disseram-lhe os judeus: Agora sabemos que tens demônios. Abraão morreu, e também os profetas; e tu dizes: Se alguém guardar a minha palavra, nunca provará a morte!Porventura és tu maior do que nosso pai Abraão, que morreu? Também OS PROFETAS MORRERAM; quem pretendes tu ser?” João 8:52,53.

    Se Moisés e Elias morreram, e alma não existe, quem apareceu na transfiguração? Curiosamente Pedro não citou Elias e Moisés quando fala do episódio da Transfiguração 2 Pedro 1:16-19. Além disso, Pedro fala apenas de ter visto a glória dele, de Jesus:

    "Porque não seguimos fábulas engenhosas quando vos fizemos conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, pois nós fomos testemunhas oculares da sua glória.
    2 Pedro:1:16

    E se  judas 9 nao estiver falando do cadáver de Moisés, mas do corpo? Eu explico: O corpo de Moisés pode ser o povo de Israel que Satanás tentou todo o tempo destruir. Isso é o que significa "combater pelo corpo de Moisés". A Igreja é o corpo de Cristo, por isso todos são batizados em Cristo (Rm 6:3). Paulo também diz que o povo israelita foi batizado em Moisés:

    "E, na nuvem e no mar, todos foram batizados em Moisés, 1 Coríntios:10:2

    Volta agora para a transfiguração. Depois do episódio da tentação de Jesus em Mateus 4, o escritor termina dizendo: "o diabo o deixou até momento oportuno". 

    Ainda não vi ninguém com coragem suficiente para, pelo menos, questionar se foi mesmo Deus quem fez Moisés e Elias aparecerem ali no Monte da Transfiguração. Eu posso estar equivocado, mas  essa manifestação de Moisés e Elias está muito suspeita, repito. O diálogo deles  com Jesus foi interrompido e eles desaparecem ficando só Jesus e uma palavra de Deus aos discípulos que só ouvissem a ele!!! 

    Por que o aviso repentino? Isso é intrigante, não é? Aquilo que se pensa ter sido uma manifestação estrondosa de dois profetas MORTOS acaba com um aviso de Deus: "Este é meu filho amado, a ele ouvi".

    Estava lembrando aqui das vezes que o inimigo usou Pedro e várias outras situações para fazer Jesus desistir da crucificação. Curiosamente esse Moisés e Elias falavam com Jesus sobre o que lhe aconteceria em  Jerusalém e novamente vemos Pedro envolvido dando sugestões erradas. Moisés, Elias... Pedro, três tendas. Fica todo mundo ali no monte. Vão morar ali. Esquece Jerusalem!!!

    Isso vai dar muito pano pra manga.

    E você pode notar que Moisés e Elias são imediatamente deletados da cena e somente vemos Jesus e os três discípulos no final.

    Alguma vez alguém lhe questionou se foi o inimigo quem fez Moisés e Elias aparecerem ali?"

    Tenho mais um para postar, que é outra bomba, mas vou aguardar a resposta...


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me corrija se eu tiver entendido errado, mas pelo que eu entendi, você quer dizer que Moisés e Elias eram aparições de demônios se passando por eles, e que Jesus os "exorcizou" no monte? Preciso entender primeiro o seu ponto para depois comentar sobre ele, não ficou muito claro.

      Excluir
    2. Lucas escreveu: "Me corrija se eu tiver entendido errado, mas pelo que eu entendi, você quer dizer que Moisés e Elias eram aparições de demônios se passando por eles, e que Jesus os "exorcizou" no monte? Preciso entender primeiro o seu ponto para depois comentar sobre ele, não ficou muito claro"

      Essa de que "Jesus exorcizou" foi por sua conta; eu não disse nada disso!

      Eu estou insinuando que as aparições dos dois podem não ter vindo de Deus. É uma possibilidade, apesar de me negar ser conclusivo. Estou em pesquisa ainda...

      Você deve notar que Pedro omite a presença gloriosa (?) de Moisés e Elias no monte da transfiguração quando relata sobre o episódio (2 Pedro 1:16-19). Por que ele omitiu? Quem omitiria a presença de Elias e Moisés no monte com Jesus? Por que Pedro deixou Elias e Moisés fora do registro?

      E se eles estão mortos, quem os fez aparecer?

      "E os filhos de Israel prantearam a Moisés trinta dias, nas campinas de Moabe; e os dias do pranto do luto de Moisés se cumpriram"
      Deuteronômio:34:8.

      LUTO!!!

      Depois desses trinta dias Moisés continuava morto:

      "Depois da morte de Moisés, servo do Senhor, falou o Senhor a Josué, filho de Num, servidor de Moisés, dizendo: Moisés, meu servo, é morto; levanta-te pois agora, passa este Jordão, tu e todo este povo, para a terra que eu dou aos filhos de Israel" Josué:1:1,2.

      Deus mentiu para Josué?

      Não faz sentido Deus ter dito a  Moisés que ele não entraria na terra prometida e depois ressuscitar o mesmo e levá-lo para sua glória.

      Os profetas e patriarcas ainda não receberam a promessa celestial. Por isso a Bíblia diz-nos que quando Ele vier, dará o galardão aos seus servos, os profetas e aos que O temem:

      “Na verdade, as nações se enfureceram; chegou, porém, a tua ira, e o tempo determinado para se dar o galardão aos teus servos, os profetas, aos santos e aos que temem o teu nome, tanto os pequenos como aos grandes, e para destruíres os que destroem a terra.” Apocalipse 11:18

      Jesus foi o primeiro a ressuscitar: “... isto é, que o Messias devia padecer e, sendo O PRIMEIRO DA RESSURREIÇÃO DOS MORTOS, anunciaria a luz ao povo e aos gentios.” Atos 26:23.

      Se Elias, Moisés e Enoque estão vivos e gozando a vida eterna, necessariamente teríamos que admitir o seguinte:

      1) Jesus não foi o primeiro a ressuscitar, não tem a preeminência;

      2) Jesus morreu em vão, já que Deus tinha outro meio de dar vida eterna aos salvos e

      3) Não há um tempo de recompensa dos santos: todo dia é dia.

      Na verdade, todos os nossos antepassados estão mortos, todos dormem e todos, sem exceção, receberão sua recompensa quando ocorrer a segunda vinda de nosso Senhor Jesus. Só então os salvos entrarão no futuro Reino do Messias. Indiscutivelmente nesta festa, ninguém entra antecipadamente. E Moisés, Elias e Enoque não entraram. Eles estão no túmulo. É o que está registrado em Hebreus 11 quando fala de vários profetas revelando que todos eles morreram. Após listar o nome de cada um, o verso 13 diz: “TODOS ESTES morreram”.

      O escritor aos hebreus nos diz: Abel, Enoque, Noé e os patriarcas e suas esposas. Hebreus 11: 1-12 lista aqueles que tiveram fé e Enoque está incluído entre eles. Então no verso 13 o escritor provou que eles não haviam herdado as promessas dizendo: "Todos estes [incluindo Enoque] morreram na fé SEM TEREM ALCANÇADO as promessas”.

      Eles não podem estar no céu. E não estão: “Mas agora desejam uma pátria melhor, isto é, a celestial. Pelo que também Deus não se envergonha deles, de ser chamado seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade” Hebreus 11:16 

      Continua ...

      Excluir
    3. Eles não estão ainda na cidade que Deus lhes preparou!!!

      Alguns versículos depois vem mais uma grande lista de nomes, incluindo o de Moisés. O penúltimo versículo do capítulo diz : “E TODOS ESTES, embora tendo recebido bom testemunho pela fé, contudo não alcançaram a promessa”. Qual promessa? A esperança da vida eterna, que Deus prometeu:

      “na esperança da vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos eternos” Tito 1:2. 

      E novamente: Se a Moisés foi proibido entrar na terra da promessa, não faz sentido dizer que ele morreu e ressuscitou e está agora na presença de Deus. 

      Os profetas antigos não receberam nenhuma promessa de imortalidade antes ou fora de nós. Observe em Hebreus 11:32 e 39: "Todos estes, tendo obtido um bom testemunho através da fé, não receberam a promessa".

      Excluir
    4. 1) Se as aparições dos dois profetas veio do diabo e não de Deus, então o diabo teria conseguido o extraordinário feito de tirar santos profetas do Céu, do Hades, do “Seio de Abraão” ou sabe-se lá de onde que os imortalistas colocaram eles, para atender a um CHAMADO DO DIABO na finalidade de tentar Jesus, o que é um absurdo grosseiro. Nem Satanás tem essa legalidade, tampouco essa capacidade, e muito menos os profetas atenderiam a um pedido dessa natureza.

      2) Se o que você quis dizer não é que Elias e Moisés apareceram mesmo mas sim que o diabo simulou uma falsa aparição de Elias e Moisés passando-se por eles, isso ainda assim incorre em muitas contradições e problemas, pois Jesus jamais seria enganado e tapeado desse jeito conversando amigavelmente sobre a sua partida com dois demônios. TODOS os diálogos de Jesus com espíritos malignos na Bíblia eram com a específica finalidade de expulsá-los, não pra ficar de conversinha. E em parte nenhuma do relato é dito que Jesus os expulsou (o que ele sempre fez em casos assim), por isso eu fiz a pergunta.

      3) Eu não disse que Moisés não morreu. No artigo eu disse expressamente que ele morreu. Não sei de onde você tirou o contrário pra precisar ficar argumentando a este respeito. Tampouco faria sentido eu argumentar em favor da ressurreição de Moisés se não acreditasse que ele tinha morrido, pois só se ressuscita quem morre.

      4) O fato de Deus não querer que Moisés entrasse na terra prometida em vida não tem nada a ver com ele não poder aparecer no monte ou com não poder ir pro céu. São duas coisas completamente diferentes entre si. Se esse tipo de argumentação fosse levada a sério até suas consequências finais, teríamos que concluir que ele não irá pro céu (ou nova terra) nunca, ou seja, que vai passar a eternidade no inferno, já que não poderia herdar a terra prometida!

      5) Os textos citados sobre a ressurreição de Jesus já foram todos analisados no artigo.

      6) O mesmo autor de Hebreus que disse que “todos estes morreram” afirmou também que Enoque foi arrebatado PARA NÃO VER A MORTE (Hb 11:5). A Bíblia possui muitos casos de generalização de verdades gerais usando termos como “todos” ou “ninguém” (mesmo quando existem exceções à regra geral), mas quando afirma uma particularidade como a de que Enoque não viu a morte é porque não viu mesmo. Sobre isso eu inclusive já escrevi aqui:

      http://ocristianismoemfoco.blogspot.com/2015/09/enoque-morreu.html

      Excluir
    5. Por que não aceitar que o autor da epístola aos Hebreus se contradisse? Simples assim.

      Excluir
    6. Lucas Banzoli, eu vou responder pela última vez. Isso já está virando epidemia. Já contaminou até o programa Vejam Só, algumas estações de rádio e outros programas de televisão.

      Os maiores apologistas do Adventismo entraram em cena para defender suas teses, e várias outras denominações representadas por pastores de renome se envolveram para combater contra. Acrescente a isso as centenas de vídeos que estão surgindo no YouTube. A briga está acirrada, mas ninguém resolve nada!

      A febre do momento é a ressurreição ou não ressurreição de Moisés. Sem contar que muitos querem saber onde estão Enoque e Elias.

      Você escreveu algo sobre Enoque em resposta ao meu comentário. Você disse:

      "O mesmo autor de Hebreus que disse que “todos estes morreram” afirmou também que Enoque foi arrebatado PARA NÃO VER A MORTE (Hb 11:5). A Bíblia possui muitos casos de generalização de verdades gerais usando termos como “todos” ou “ninguém” (mesmo quando existem exceções à regra geral), mas quando afirma uma particularidade como a de que Enoque não viu a morte é porque não viu mesmo".

      ____________________________________

      Banzoli, a expressão "para não ver a morte" significa "para não ser morto" (martirizado).

      Enoque, para não ver a morte, ou seja, para não ser morto, também foi trasladado, não para o Céu. É óbvio que ele morreu como todos os demais santos e aguarda o tempo de recompensa. 

      Continua...

      Excluir
    7. No tempo de Enoque o mundo vivia em extrema iniquidade. Enoque era uma “testemunha fiel” como era Cristo. Certamente sofreu perseguição igual a Jesus. Enoque é arrebatado “a fim de escapar da morte; e não o encontraram”. (Heb 11:5) Como então ele “escapou da morte”? Enoque escapou de ser morto (martirizado) por aqueles que o perseguiam.

      A Bíblia diz que Enoque viveu 365 anos, saiu de cena e morreu. A expressão “Deus o tomou” significa literalmente “morrer”.

      Quando Jó recebeu a notícia de que seus filhos morreram (Jó 1:18-19), ele disse:

      “...o Senhor os deu e o Senhor os tomou; ...” Jó 1:21. A vida pertence à Deus e Ele poderá tomá-la quando lhe convier.

      Enoque, como profeta, predisse a vinda do Senhor com suas miríades de anjos para executar julgamento contra os ímpios (Judas 14,15) .É provável que o perseguissem por causa de sua profecia. No entanto, Deus não permitiu que ele fosse assassinado por seus opositores. Ao invés, Deus “o tomou”, evidentemente significando que Ele abreviou a vida de Enoque numa idade bem abaixo da maioria de seus contemporâneos. 

      Certamente que "não ver a morte" não deve significar não morrer, mas sim que Deus abreviou seus dias, protegendo-o da perseguição e de acabar sendo corrompido pelo pecado dos que o rodeavam, o que o faria entrar em condenação. Compare com Marcos 13:20. 

      Deus desapareceu com Enoque por motivos óbvios: Enoque não suportaria a perseguição de seus adversários, os quais eram de uma raça perversa ao extremo (Judas 10-16). Não sabemos se ele corria o risco de ceder diante do seu mundo antediluviano. Porém, o certo e que Deus o tomou para si prematuramente.

      Parece que, como se deu no caso do corpo de Moisés, Deus dispôs do corpo de Enoque, pois “não foi achado em parte alguma” (Heb 11:5; Deu 34:5,6).

      Enoque não foi morar no céu. Observe novamente Gênesis 5:23: “. . . todos os dias de Enoque foram trezentos e sessenta e cinco anos”. O texto não diz “todos os dias de Enoque na terra foram. . .”.

      Em suma: Enoque, Elias e Moisés estão mortos. A Bíblia diz que a morte reinou (dominou) e se espalhou a "todos" os homens, contrariando a idéia de alguém ter sobrevivido a ela.  Não existe nada neste texto que limite a palavra morte a uma morte apenas espiritual.

      Ora, se Davi tivesse plena consciência de que Enoque e Elias estavam vivos na presença do Senhor ele jamais teria escrito dessa forma: “Que homem há que viva e não veja a morte? Ou que se livre do poder do Seol?” (Salmos 89:48). 

      Observe que outras passagens também confirmam a morte de Enoque:
      “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porquanto todos pecaram” Romanos 5:12.

      Sem ressentimentos

      Excluir
  41. Lucas oque eu faço, falo que so evangélico pra minha familia, ou procuro uma igreja, tipo ir nos culto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você pode fazer as duas coisas: dizer pra sua família que é evangélico e procurar uma igreja para congregar.

      Excluir
  42. Eu entendo que seja possível que Moisés que apareceu no monte, tenha sido resultado de uma trasladacao temporal, que ocorreu quando ele pediu para ver a face de Deus, e foi levado a ver quando ele passou na Penha, Moisés queria ver a glória de Deus, Jesus segundo HB 1:3 e o resplendor de sua glória.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é uma hipótese trazida pelo pastor Carlo Ribas, que eu inclusive abordei em um artigo antigo sobre o tema:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com/2015/11/moises-no-monte-da-transfiguracao.html

      Pessoalmente eu não acho essa tese das mais fortes ou a mais provável, embora seja bem mais séria do que a palhaçada do "espírito" de Moisés baixando no monte em uma sessão espírita.

      Excluir
  43. http://www.escolacharlesspurgeon.com.br/files/pdf/DIDAQUE_-_A_Instrucao_dos_Doze_Apostolos.pdf
    lucas acessa ai, e vai no cap IX. Os católicos tem razão ao falar que a misa é repetição do sacrifício de cristo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vi nada de "repetição do sacrifício de Cristo" no trecho citado. A eucaristia ou Santa Ceia é um MEMORIAL do sacrifício, não o sacrifício em si "repetido". Pedro disse que "Cristo foi sacrificado UMA ÚNICA VEZ por nossos pecados" (1Pe 3:18), e o autor de Hebreus escreve que "Cristo foi oferecido em sacrifício UMA ÚNICA VEZ, para tirar os pecados de muitas pessoas" (Hb 9:28). Essa coisa de "repetir o sacrifício de Cristo" é heresia das brabas.

      Excluir
    2. Aqui tem um estudo aprofundado sobre a Eucaristia na Didaque, na perspectiva protestante

      "O autor se refere à eucaristia como um sacrifício, citando Malaquias 1:11. Seria esperado que mencionasse o sacrifício de Cristo, caso pensasse como um romanista. Pelo contrário, a Didaquê fala sobre o sacrifício como uma oferta de louvor oferecida a Deus, não há nada referente ao sacrifício de Cristo ou uma reapresentação deste sacrifício.

      O Novo Testamento ensina os crentes a se apresentarem a Deus como um sacrifício de louvor, ensina também a comungar com espírito de santidade e apresentarmos nossos corpos a Deus como sacrifício santo e puro. A leitura correta de Malaquias seria interpretar o sacrifício como algo que o cristão oferece de si mesmo em louvor a Deus. A leitura romanista de que a oferta é o próprio Deus sacrificado sendo oferecido a Deus não faz sentido."

      http://respostascristas.blogspot.com/2016/02/os-pais-da-igreja-e-eucaristia-inacio.html


      Algo interessante também é que na última ceia, Jesus primeiro pegou o pão e somente depois pegou o vinho e nesse trecho está o contrário. No judaísmo, antes de cada refeição, é feito uma benção sobre o vinho e depois sobre o pão. Jesus inverteu a ordem na última ceia porque era algo diferente.

      Essa celebração mencionada aí pode ser apenas uma ação de graças, não o memorial da morte de Jesus. O texto não menciona a morte de Jesus. O termo eucaristia significa apenas ação de graças.

      Excluir
    3. Serve a explicação do amigo acima.

      Excluir
    4. Eu vi um site católico falando que o sacrifício é apresentado de novo ao pai na eucaristia, que resposta você da a isso?

      Excluir
  44. Enoque e Elias estão em espírito no céu, visto que em Hebreus 11.13 declara que "todos morreram na fé", ou seja, todos descritos na galeria de heróis da fé tanto antes quanto depois de Enoque (senão a expressão "todos estes" perderia completamente o sentido) por isso jamais estariam em uma forma de existência com corpo pois "carne e sangue não herdam o reino de Deus" (1 Coríntios 15.50). Tal conclusão é válida para ambos os citados, além de textos como 2 Timóteo 1.10 que declara que é Cristo quem traz "a vida e a imortalidade pelo Evangelho" ou seja, antes de Cristo, absolutamente ninguém poderia ter ressuscitado ou ter corpo glorificado, pois Ele foi o pioneiro, o inaugurador nessa nova forma de vida.

    Quanto aos textos de Atos 26.23, 1 Coríntios 15.20 e Apocalipse 1.5, atribuir "preeminência" como é feito em Colossenses 1.18 (onde é clara essa definição,do contrário Jesus seria uma criatura), incorreria em erro, pois ter preeminência entre mortos, torna o texto inválido e a expressão incorreta é inútil, devendo, com isso ser aplicad a iniciação ou primazia por parte de Cristo na ressurreição (que não é o caso de Colossenses por conta do contexto).

    Vejamos como ficariam os textos citados usando "proeminência" ao invés de "primazia" ou "iniciação" como o primeiro a inaugurar essa nova forma de vida:

    23. isto é, como o Cristo devia padecer, e como seria ele "o proeminente" (ou mais importante) que, pela ressurreição dos mortos, devia anunciar a luz a este povo e também aos gentios.
    (Atos, 26)

    20. Mas na realidade Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, sendo ele o proeminente (ou mais importante) dos que dormem.
    (1 Coríntios, 15)

    5. e da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, "o proeminente" (ou mais importante) dos mortos e o Príncipe dos reis da terra. Àquele que nos ama, e pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados,
    (Apocalipse, 1)

    Qual a lógica em ser o proeminente ou mais importante dos mortos? Resposta: Nenhuma. Não faz o mínimo sentido Jesus ser o mais importante dos mortos se não inaugurar a ressureição definitiva dos mortos, o que está de acordo com a esperança cristã e o contexto das passagens supracitadas.

    Ainda temos que na ordem cronológica e teológica dos eventos, a citação de corpos transformados só vem depois da ressureição de Cristo, jamais antes. Paulo cita tal forma de existência em 1 Coríntios 15 e 1 Tessalonicenses 4, fazendo alusão à ressurreição de Jesus, e ainda relatando isso como "ordem escatológica" em 1 Coríntios 15.23.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa tese de que Elias e Enoque estão no céu sem um corpo é tão inteiramente desprovida de sentido que eu não conheço sequer um único teólogo imortalista que a defenda, deve ser a primeira vez que eu ouço uma coisa dessas. O que você está dizendo em outras palavras é que DEUS MATOU ELIAS, já que para vocês "morrer" significa apenas a morte do corpo, e Elias estaria no céu sem corpo. Quando Paulo diz que "carne e sangue não herdam o reino de Deus" ele não está falando literalmente do sangue que corre em nossas veias, essa é uma forma bem infantil de se ler o texto quando se considera o contexto maior, mas sim no sentido de NATUREZA CORRUPTÍVEL. Eu posso citar numerosos teólogos altamente renomados (e imortalistas) que defendem isso exegeticamente, como Norman Geisler e William Lane Craig. Inclusive eu cito o Craig muitas vezes no meu artigo específico sobre esse texto, que você pode conferir no meu site antigo:

      http://lucasbanzoli.no.comunidades.net/ressuscitaremos-em-carne-ou-em-corpo-espiritual

      Basicamente quem defende que carne e sangue LITERAIS não podem herdar o Reino de Deus é neo-gnóstico que nega a ressurreição da carne, uma das doutrinas mais fundamentais do Cristianismo desde sempre (espero que este não seja o seu caso e que você volte atrás neste grave engano interpretativo, que é extremamente sério pois na prática nega a doutrina basilar da ressurreição da carne, apenas para tentar refutar o mortalismo sem sucesso).

      Em relação ao que você escreveu sobre a ressurreição permanente de Moisés, tem mais base, é uma forma de se pensar, inclusive no próprio artigo eu deixo claro que as duas possibilidades existem (a da ressurreição permanente e a da temporária de Moisés), eu particularmente estou mais propenso a crer na ressurreição temporária, que é a que eu defendo no livro. Mesmo assim esses argumentos que você expôs não descartam por completo a possibilidade de uma ressurreição permanente, no máximo a deixa improvável, embora quem defenda essa tese possa responder dizendo que Jesus é a primícia ou primogênito dentre os mortos não apenas por ser o mais importante, mas por garantir a ressurreição de todos os outros (o que Moisés não pode).

      Excluir
    2. 30. E eis que estavam falando com ele dois varões, que eram Moisés e Elias,
      31. os quais apareceram com glória, e falavam da sua partida que estava para cumprir-se em Jerusalém.
      (Lucas, 9)

      Esqueci de mencionar, além do exposto acima, que pelo fato de Lucas mencionar Elias aparecer com Moisés "em glória" (ou resplendor, dependendo da tradução), mostra igualdade de manifestação ou de forma existencial, não podendo, como você mesmo afirmou, um estar em corpo, e outro em espírito.

      Eu mostrei, no final do meu texto, citando Atos 26.23, 1 Coríntios 15.20, Apocalipse 1.5, que não há possibilidade de haver suposta "ressurreição temporária mosaica", visto que os textos em apreço, não falam de proeminência ou importância, mas sim de primazia ou iniciação. Jesus, de acordo com 2 Timóteo 1.10, inaugura essa nova existência corporal e os textos que relatam transformação corporal como 1 Coríntios 15 e Tessalonicenses 4 e, especialmente 1 Coríntios 15.23, declaram "sequência escatológica" posterior à ressurreição de Jesus.

      Quanto a questão de neognosticismo, meu texto anterior sequer expôs a mínima defesa dessa heresia. O que relatei e defendi biblicamente, é o fato de que nos corpos corruptíveis (que Enoque e Elias possuíam no momento da trasladação) não poderiam herdar os céus, visto estarem contaminados pelo pecado herdado de Adão passados à toda a raça humana (Salmo 51.5 / Romanos 3.23). Eu expus que todos os que creram e creem em Jesus, receberão (posteriormente à Ele, repito, inaugurador dessa nova forma de existência) corpos incorruptíveis ou glorificados, mas antes Dele, isso é impossível ocorrer.

      Excluir
    3. Veja quem defende essa verdade:

      "É aconselhável que passemos por alto as questões sutis com as quais os curiosos se torturam. Querem saber o que foi feito desses dois homens - Enoque e Elias. E para não parecer que formulam perguntas fúteis, predizem que serão mantidos até os últimos dias da Igreja, para que sejam subitamente exibidos ao mundo de então. Citam em apoio disso o Apocalipse de João. Deixemos esta filosofia trivial para aquelas mentes intelectualmente tacanhas, as quais não podem se satisfazer com um sólido fundamento. Que nos seja suficiente saber que seu arrebatamento foi um exemplo extraordinário de morte; nem duvidemos de que foram despidos da carne mortal e corruptível, para que pudessem ser renovados juntamente com os demais membros de Cristo naquela bem-aventurada imortalidade."

      Comentário de Hebreus, João Calvino, págs. 292,293

      Calvino declara que Enoque e Elias morreram!

      Excluir
    4. Estou ouvindo o Hino Nacional.Crente pode cantar "pátria amada IDOLATRADA ? Idolatria não é pecado? Me ajude, pois eu penso que não.

      Excluir
    5. Se Calvino realmente disse que Elias e Enoque morreram, ele estava mais perdido do que cego em tiroteio. A propósito, você é arminiano e portanto não crê em muita coisa do que Calvino escreveu, então não sei qual é a lógica de citar Calvino como autoridade. O fato é que nem os calvinistas modernos (ou arminianos, ou teólogos de qualquer tipo) defendem essa tese nos dias de hoje. O texto bíblico é extremamente e absurdamente claro ao dizer que Enoque foi arrebatado PARA NÃO VER A MORTE (Hb 11:5), mas aqui você diz que Enoque morreu, o que é uma flagrante contradição. Elias e Enoque foram arrebatados da mesma forma que os santos da terra na volta de Jesus serão arrebatados, e veja só que curioso, Paulo diz que NEM TODOS MORREREMOS, justamente porque ele NÃO considerava esse arrebatamento como sendo uma morte:

      “Eis que eu lhes digo um mistério: nem todos morreremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta. Pois a trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis e nós seremos transformados” (1ª Coríntios 15:51-52)

      Portanto a mensagem bíblica é clara: o arrebatamento NÃO consiste em morte, e por mais que você teime em negar, o que você diz se choca frontalmente com a doutrina da ressurreição da carne, que é absolutamente imprescindível na fé cristã, tanto quanto a divindade de Cristo e outras doutrinas tidas como básicas. Nenhum cristão sincero e esclarecido jamais negou a ressurreição da carne, e se é a carne que ressuscita, então teremos carne e sangue sim. O que Paulo escreveu sobre carne e sangue não herdar o Reino dos céus se refere a uma natureza corrompida no pecado, como eu já expliquei no outro artigo que passei aqui e você aparentemente não leu:

      http://lucasbanzoli.no.comunidades.net/ressuscitaremos-em-carne-ou-em-corpo-espiritual

      Por fim, não há nada na sua argumentação em relação a Moisés que negue a possibilidade da ressurreição temporária, no máximo serviria para negar a permanente, como já disse. Numerosos personagens bíblicos ressuscitaram antes de Cristo (ex: Lázaro) e voltaram a morrer, portanto não há nada que impeça que Moisés entre nessa mesma categoria.

      Excluir
    6. "Estou ouvindo o Hino Nacional. Crente pode cantar "pátria amada IDOLATRADA? Idolatria não é pecado? Me ajude, pois eu penso que não"

      Também acredito que seja mais prudente evitar cantar essa parte.

      Excluir
    7. Essa parte do hino realmente é cafona... eu parei de idolatrar o Brasil assim que recebi meu primeiro contracheque e vi a mordida do leão (entendedores entenderão rs...).

      Excluir
  45. Lucas, gostaria de aprofundar meus estudos bíblicos, oque eu poderia fazer já, além de ler a bíblia, assim, daria pra me autodidata em grego, ou teria que fazer uma faculdade de teologia? Quais livros você recomendaria pra já antes de entrar na faculdade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso depende de quais temas da teologia você tem mais interesse, assim eu poderia fazer uma lista de livros recomendáveis na área.

      Excluir
    2. Só pra começa, trindade. Afinal quias são os temas?

      Excluir
    3. Me manda um email (lucas_banzoli@yahoo.com.br) que eu te passo uns materiais.

      Excluir
  46. Lucas, na sua opinião, Será que Cristo teria pago o imposto se não tivesse sido cobrado? Era para ele ser cobrado? O que Cristo achou da cobrança? E os que o rodeavam, na época, entenderam?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jesus não era um sonegador de impostos, só que naquela época não havia "declaração de renda", era o coletor de impostos que ia atrás das pessoas uma a uma, como fez com Jesus. Então tudo ocorreu naturalmente como deveria ser de acordo com os padrões estabelecidos na época.

      Excluir
  47. Avalie: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2019/03/17/suprema-corte-de-israel-veta-candidatura-de-extrema-direita-e-aprova-partido-arabe-em-eleicao.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É impressionante como todas as Supremas Cortes parecem lutar contra os seus próprios países, protegendo corruptos e tomando decisões arbitrárias.

      Excluir
  48. Avalie: https://reinaldoazevedo.blogosfera.uol.com.br/2019/03/17/lava-jato-5-anos-1-lula-preso-sem-provas-bolsonaro-eleito-e-r-25-bi/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse Reinaldo Azevedo tem se tornado cada vez mais desprezível.

      Excluir
    2. Eu ouço dizer que ele é tucano epassou a atacar a Lava Jato quando viu que a Lava Jato poderia pagar os amiguinhos dele do PSDB como Aecio Neves inclusive ele foi demitido da Veja por falar mal da revista em uma conversa com a Andréa Neves irmã do Aécio

      Excluir
  49. Você já escreveu um artigo sobre a origem de Satanas.

    Esse historiador diz que Satan não existia no começo da bíblia, na lei de Moises, Josué, Samuel, reis, etc. Apareceu pela primeira vez em Crônicas, depois do exílio babilônico e ganhou a conotação atual somente nos dois primeiros séculos antes da era cristã, segundo ele, de um sincretismo com o zoroastrismo.

    O que você acha da tese dele? Você acredita que essa doutrina foi desenvolvida - revelada posteriormente ou já existia no começo da bíblia?

    https://www.youtube.com/watch?v=ZUpQ5-hRFK4

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Satanás é pouco mencionado no AT de uma forma geral, mas é um erro dizer que ele não é mencionado. Demônios são mencionados no Pentateuco (Dt 32:17) e nos Salmos (106:37), Satanás é mencionado em Jó (1:6), e espíritos malignos são mencionados em Juízes (9:23) e em 1 Samuel (1Sm 16:14), para citar apenas os livros que são decisivamente anteriores ao exílio. Mas é só no NT que o diabo tem uma ênfase maior, no AT ele é pouco citado seja antes ou depois do exílio.

      Excluir
  50. Lucas, um novo na fé pode estudar e ouvir a respeito desse assunto (imortalidade × mortalidade), ou seria esse tema muito profundo pra quem começou a caminhada a não muito tempo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, esse assunto é recomendado para todas as idades. Sem contraindicação!

      Excluir
    2. Esse tema é excelente para um novo convertido, porque além de extremamente simples é perfeitamente compreensível (além de muito envolvente, pelo menos no meu caso). O que se deve evitar é discussões filosóficas mais profundas, que vão além da discussão teológica pura e simples.

      Excluir
  51. Amigo do Banzolão18 de março de 2019 15:08

    Essa é pra você, Banzolão kkk

    http://prntscr.com/mzm500

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse print é uma calúnia, deveria ser feito em 2004 quando o desgramado do Grafite evitou o rebaixamento do Corinthians no Paulista daquele ano (o SPFC estava apenas cumprindo tabela, a própria torcida pediu pra "entregar", mas a criatura fez os dois gols que deram a vitória e salvaram o Corinthians).

      Excluir
    2. Amigo do Banzolão18 de março de 2019 21:50

      😂😂😂

      Excluir
  52. Avalie http://www.brasil247.com/pt/247/poder/387221/Bolsonaro-diz-que-chegou-para-desconstruir-e-n%C3%A3o-para-construir.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem que desconstruir mesmo, mas não do jeito que está fazendo.

      Excluir
  53. Quais os livros do NT que foram escritos depois da queda de Jerusalém? Há evidências neles a respeito do fim do sistema sacrificial, historicamente falando? Pergunto porque se não me falha a memory, nenhum livro bíblico fala explicitamente da destruição do templo nos anos 70 depois de Cristo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos os livros foram escritos antes do ano 70, por isso nenhum deles fala como se o templo já tivesse sido destruído, a única exceção é o Apocalipse, que João escreveu no final do primeiro século às igrejas da Ásia (não escreveu nada à Jerusalém justamente porque não havia mais igreja ali, senão com certeza teria sido a prioridade).

      Excluir
    2. As epístolas de João também foram escritas depois do ano 70 d.C.

      Excluir
    3. Isso se foi o apóstolo João que as escreveu (é muito provável que não).

      Excluir
  54. O Silas Malafaia ta criticando o Eduardo Bolsonaro por dar muita voz ao Olavo de Carvalho
    Disse que os maiores responsáveis pela vitória do Bolsonaro foram os evangélicos

    https://twitter.com/PastorMalafaia/status/1107726902893178880

    https://twitter.com/PastorMalafaia/status/1107728314758774786


    Eu acho que o Bolsonaro deveria parar de dar voz aos olavetes e o Silas ta certo qdo diz que não tem tanta influência como se acredita, mas os evangélicos tb não tem tanta noção do que deve ser feito no governo. Os militares que estão lá são capacitados e tb o Moro e Paulo Guedes. O resto não serve pra quase nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Silas está certo, embora não tenha tanta moral pra dizer nada (alguns meses antes das eleições estava dando indiretas e metendo o pau no Bolsonaro, depois por alguma razão se transformou subitamente em um grande apoiador, vai entender...).

      Excluir
  55. O autor dos vídeos te chama de Lucas Banzolí. Você ainda não corrigiu ele rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Banzolí" é mais estiloso, então deixa ele falar assim mesmo ;p

      Excluir
  56. Você parece não ter lido o que postei, então vou repetir: Moisés jamais poderia ter ressuscitado por que 2 Timóteo 1.10 declara abertamente que é Jesus quem inaugura essa nova forma de vida, antes Dele, ninguém poderia ter ressuscitado, pois além desse texto, Atos 26.23 1 Coríntios 15.20, Apocalipse 1.5 não deixam dúvidas de que Jesus foi o primeiro à ser ressuscitado nessa nova forma de existência.

    Não há "ressurreição temporal", tal termo além de inexistente no Novo Testamento, nem de longe aparece em conceito teológico, tampouco há margem para crer em algo desse naipe. Acreditar em ressurreição temporal além de negar os textos já exaustivamente citados, caminha pela senda do achismo, da especulação, no breu da ignorância das Escrituras. É só mostrar um texto que alegue tal doutrina, mas isso seria chamar a Bíblia d contraditória, pois a mesma expõe com clareza a única ressurreição ocorrida como nova forma de vida: a de Jesus Cristo!

    Ademais, usar personagens que foram restaurados à vida para depois morrerem fisicamente, no intuito de embasar suposta "ressurreição temporal mosaica" é falácia argumentativa, pois eles todos tornaram a morrer, mesmo recebendo vida novamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De novo isso? Já foi respondido dez vezes, tanto no artigo como nas minhas outras respostas: numerosos personagens bíblicos ressuscitaram antes de Cristo (ex: Lázaro) e voltaram a morrer, portanto não há nada que impeça que Moisés entre nessa mesma categoria. "Ressurreição temporária" é apenas um nome que eu dei para esse tipo de ressurreição (para distinguir da ressurreição eterna/permanente), você pode trocar por qualquer outro termo que achar mais apropriado, só o que não pode é dizer que o conceito não é bíblico, pois estará negando uma enxurrada de textos em que pessoas ressuscitaram antes de Cristo e morreram algum tempo depois.

      Excluir
  57. KKK estava vendo noticias antigas pra da uma nostalgia sobre o "Crescimento" do catolicismo, dai você que só tem católico por que tem imigrante, e eles odeiam os imigrantes latinos.

    ResponderExcluir
  58. Comente:

    https://youtu.be/vJQopvG6tbs

    https://youtu.be/GW9rZ6jAaCc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu pensava que não tinha nada pior que a influência do Olavo, mas esse Bannon me convenceu que eu estava errado.

      Excluir
  59. Lucas, com base nos textos abaixo é possível admitir que Eva gerou filhas antes da queda e sem muito sofrimento?

    GN. 1.28 - frutificai e "MULTIPLICAI".
    GN. 3.16 - E a mulher disse: MULTIPLICAREI grandemente a tua DOR e a tua CONCEIÇÃO; com dor terás filhos...
    GN. 4.1 E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu, e teve Caim, e disse: Alcancei do Senhor um "VARÃO".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A dor foi multiplicada em relação ao que seria caso ela não tivesse pecado, e não em relação a gestações anteriores à dela.

      Excluir
  60. Amigo do Banzolão18 de março de 2019 21:51

    Meu caro Banzolão, qual o oceano que não discute com ninguém? :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pacífico (essa é fácil porque tem poucos oceanos pra comparar xD)

      Excluir
  61. O artigo alcançou os 200 comentários, então quem quiser postar um novo pode fazer no artigo mais recente, que postei agora há pouco.

    ResponderExcluir